A mulher é um inimigo perpétuo do Islã

 

Burka woman 2

Tradução do texto da foto/capa: “Sim: Eles nos odeiam. Isso precisa ser dito.”

Fotos: Underpaid Genius — Why Do They Hate Us? – Mona Eltahawy

Fonte: Council of Islamic Ideology declares women’s existence anti-Islamic

“Traduzi esse texto para que todos vejam com os próprios olhos o que está acontecendo no mundo Islâmico. Esse texto foi retirado do jornal Pakistan Today (PT). Acesse o link acima.”

__________________________________________________________________

Islamabad – Sharia Correspondent:  

15 de Março/2014 By “

 O Conselho da Ideologia Islâmica (CII) concluiu sua reunião no. 192 na quinta-feira com a decisão de que as mulheres são anti-islâmicas e que sua mera existência contradiz a Sharia e a vontade de Alá.

De acordo com a decisão, o CII Presidente Maulana Muhammad Khan Shirani observou que a existência das mulheres “desafia as leis da natureza, e para proteger o islamismo e a Sharia as mulheres devem deixar de existir o mais rápido possível.”

O anúncio chegou dois dias depois da reunião no. 191 do CII onde determinaram leis relacionadas com a idade mínima do casamento para que seja considerado anti-islâmico.

Depois de declarar que as mulheres são anti-islâmicas, Shirani explicou que havia, na verdade, dois tipos de mulheres: “haraam e makrooh” .

"Podemos dividir todas as mulheres do mundo 
em duas categorias distintas: 
as que são haram e aquelas que são makrooh. 
É a diferença entre haram e makrooh."
“Agora, a primeira é categoricamente proibida 
enquanto a segunda é realmente detestada", 
disse Shirani.

Ele foi mais longe para explicar como as mulheres ao redor do mundo podem garantir que elas são promovidas a makrooh ou serem apenas haram.

"Qualquer mulher que exercer 
a sua própria vontade é haram, 
absolutamente haram, 
e está conspirando 
contra o Islã e o Ummah, 
enquanto que as mulheres 
que são totalmente subservientes 
podem alcançar o status de ser makrooh. 
“Tal é a generosidade 
da nossa ideologia, 
e tal é o esforço 
de homens muçulmanos como nós, 
que são os verdadeiros portadores 
da igualdade de gênero", 
disse o presidente CII acrescentou.

Funcionários disseram ao “Khabaristan Today” que os membros do conselho deliberaram sobre várias referências históricas relacionadas com as mulheres e concluiu que cada mulher é uma fonte de “fitna” e um inimigo perpétuo do Islã.

Eles também decidiram que restringindo as mulheres a seus subordinados, na fronteira com o estado de escravidão, o ”Momineen” e os “Mujahideen” podem garantir que o Islã continuará a ser a religião de paz, prosperidade e igualdade de gênero.

Respondendo a uma pergunta de um dos funcionários, “disse que as normas internacionais de igualdade do gênero não devem ser utilizadas se contradizem o Islã ou a constituição do Paquistão”, que tinha incorporado o islamismo e tinha dado a soberania a Alá.

Nós não acreditamos nos ideais ocidentais, e nada que contradiga o Islã nunca deve ser dada a atenção.

“Em todo o caso, 
dando às mulheres um status mais elevado, 
de serem makrooh, 
somos nós os muçulmanos que abriram 
o caminho para a verdadeira Sharia 
do feminismo complacente", 
disse o funcionário.

A reunião CII também aconselhou ao governo que:

"para proteger o Islã, o direito das mulheres de respirar também deve ser retirado delas."
"Se uma mulher 
tem permissão para respirar ou não, 
deve ser deixada para o marido 
ou tutor masculino, 
e nenhuma mulher 
e em circunstância alguma 
deve ser autorizada a decidir 
se ela pode respirar ou não", 
disse Shirani .

 

Anúncios