A Imigração Muçulmana no Mundo

A Imigração Muçulmana no Mundo

  Por Muslim Immigration

16 de Outubro de 2015

O artigo a seguir é uma adaptação do livro “Escravidão, Terrorismo e Islã: Raízes Históricas e a Ameaça Contemporânea” — Dr. Peter Hammond:

Muslim praying Russia
Muçulmanos rezando na Rússia

Quando as sociedades politicamente corretas, tolerantes e culturalmente diversas concordam com as exigências muçulmanas para os seus privilégios religiosos, outros componentes tendem também a se infiltrarem. Veja como isso funciona:

Enquanto a população muçulmana permanecer em torno ou abaixo de 2% em qualquer país, estarão em grande parte, sendo consideradas como uma minoria “paz e amor”, e não como uma ameaça aos outros cidadãos. Veja:

Estados Unidos - Muçulmanos - 0,6% 
Austrália – Muçulmanos - 1,5% 
Canadá – Muçulmanos - 1,9% 
China – Muçulmanos - 1,8% 
Itália – Muçulmanos - 1,5% 
Noruega - Muçulmanos - 1,8%

Entre 2% a 5%, eles começam a fazer proselitismo junto a outras minorias étnicas e grupos descontentes, muitas vezes com grande recrutamento nas prisões e entre as gangues de rua. Isso está acontecendo nos seguintes países:

Dinamarca - Muçulmanos - 2% 
Alemanha – Muçulmanos - 3,7% 
Reino Unido – Muçulmanos - 2,7% 
Espanha – Muçulmanos - 4% 
Tailândia - Muçulmanos - 4,6%

A partir de 5%, exercem uma influência excessiva na proporção da sua percentagem da população. Por exemplo, eles vão exigir a introdução de alimentos Halal (limpo para os padrões islâmicos), garantindo assim, os trabalhos de preparação de alimentos para os muçulmanos. Eles vão aumentar a pressão sobre as redes de supermercados para caracterizar o Halal em suas prateleiras – juntamente com ameaças em caso do não cumprimento. Isso está ocorrendo nos seguintes países:

França - Muçulmanos - 8% 
Filipinas – Muçulmanos - 5% 
Suécia - Muçulmanos - 5% 
Suíça - Muçulmanos - 4,3% 
Países Baixos – Muçulmanos - 5,5% 
Trinidad & Tobago - Muçulmanos - 5,8%

Daqui por diante, trabalharão para que o governo em exercício permita que governem a si mesmos (dentro de seus guetos), sob a Sharia, a lei islâmica. O objetivo final dos muçulmanos é estabelecer a lei Sharia em todo o mundo.

Quando os muçulmanos se aproximam de 10% da população, eles tendem a aumentar a ilegalidade como um meio de reclamar sobre as suas condições. Em Paris, já estamos vendo carros queimados por exemplo. Qualquer ação não-muçulmana ofende o Islã, e resultam em revoltas e ameaças, como em Amsterdã, com a oposição às caricaturas de Maomé e filmes sobre o Islã. Essas tensões são vistas diariamente, principalmente nos seguintes países:

Guiana – Muçulmanos - 10% 
Índia - Muçulmanos - 13,4% 
Israel - Muçulmanos - 16% 
Quênia - Muçulmanos - 10% 
Rússia - Muçulmanos - 15%

Ao atingir 20%, as nações podem esperar conflitos armados, formações de milícias jihadistas, assassinatos esporádicos, e queima das igrejas Cristãs e sinagogas Judaicas, como na:

 Etiópia - Muçulmanos - 32,8%

Ao atingir 40%, os países experimentam massacres generalizados, ataques terroristas crônicos e guerra de milícias jihadistas em curso, como nos seguintes países:

Bósnia – Muçulmanos - 40% 
Chade – Muçulmanos - 53,1% 
Líbano – Muçulmanos - 59,7%

France-Sarcelles-Riots-HPMuçulmanos no subúrbio de Paris – Sarcelles

De 60%​​ em diante, as nações experimentam perseguição desenfreada aos descrentes de todas as outras religiões (incluindo muçulmanos moderados, ex-muçulmanos etc.), limpeza étnica esporádica (genocídio), o uso da Lei Sharia como uma arma, a Jizya que é um imposto colocado sobre os infiéis, como nos seguintes países:

Albânia - Muçulmanos - 70% 
Malásia - Muçulmanos - 60,4% 
Qatar - Muçulmanos - 77,5% 
Sudão - Muçulmanos - 70%

Depois de 80%, espera-se uma intimidação diária, uma violenta jihad, alguma limpeza étnica estatal, e até mesmo algum genocídio, já que essas nações expulsam os infiéis e movem-se em direção ao totalitarismo muçulmano ou 100%, como tem sido experimentado e de certa forma é o que acontece nos seguintes países:

Bangladesh - Muçulmanos - 83% 
Egito - Muçulmanos - 90% 
Gaza - Muçulmanos - 98,7% 
Indonésia – Muçulmanos - 86,1% 
Irã - Muçulmanos - 98% 
Iraque - Muçulmanos - 97% 
Jordan - Muçulmanos - 92% 
Marrocos – Muçulmanos - 98,7% 
Paquistão - Muçulmanos - 97% 
Palestina - Muçulmanos - 99% 
Síria - Muçulmanos - 90% 
Tadjiquistão - Muçulmanos - 90% 
Turquia – Muçulmanos - 99,8%
Emirados Árabes Unidos – Muçulmanos - 96%

Ao atingir 100%, inaugura-se a paz em Dar-es-Salaam”- a Casa Islâmica da Paz. Supomos que aqui haja paz, porque todo mundo é muçulmano, as Madrassas são as únicas escolas, e o Alcorão é a única palavra, como nos seguintes países:

Afeganistão – Muçulmanos - 100% 
Arábia Saudita – Muçulmanos - 100% 
Somália – Muçulmanos - 100% 
Iêmen – Muçulmanos - 100%

Infelizmente, a paz nunca é alcançada, como nesses estados 100% muçulmanos, porque, a maioria dos muçulmanos radicais intimida, vomita ódio e satisfazem a sede de sangue matando os muçulmanos menos radicais, por uma grande variedade de motivos.

"Antes de completar nove anos, 
eu já tinha aprendido 
o cânone básico da vida Árabe. 
Era eu contra o meu irmão; 
eu e meu irmão contra nosso pai; 
minha família contra os meus primos e o clã; 
o clã contra a tribo; 
a tribo contra o mundo, 
e todos nós, contra os infiéis." 
 Leon Uris, “The Haj”

É importante entender que em alguns países, com bem menos de 100% de populações muçulmanas, como a França, as minorias muçulmanas vivem em guetos, e além de serem 100% muçulmanas, vivem sob a Lei Sharia.

article-1375654-0b9589f400000578-959_634x419

A polícia nacional não entra nesses guetos. Não há cortes, nem escolas nacionais, nem instalações religiosas não muçulmanas. Em tais situações, muçulmanos não integram a comunidade em geral. As crianças frequentam as Madrassas. Eles aprendem apenas o Alcorão. Até mesmo se associar a um infiel é um crime punível com a morte. Portanto, em algumas áreas de certas nações, os imãs muçulmanos e extremistas exercem mais poder do que a média nacional indicaria.

Nota: 

Infelizmente a fonte não expressou números relacionados ao Brasil. O que sei é que há algo entre 10 a 12 milhões de Árabes (muçulmanos e não muçulmanos) e algo em torno de 35.167 muçulmanos (Agencia de Notícias Brasil-Árabe- 2010).

Veja o que a Fambras disse:

Fonte:  Muçulmanos querem usar Copa para ‘desmistificar’ islamismo no Brasil – BBC Brasil

"E como parte de um dos projetos da Fambras (Federação das Associações Muçulmanas do Brasil), equipes estão distribuindo o Alcorão e livros sobre a religião em cidades que estão hospedando seleções, especialmente as "muçulmanas"." 

"A finalidade desse projeto é desmistificar a visão negativa sobre o islamismo", disse Ali Zoghbi, vice-presidente da Fambras."

"O Brasil tem atualmente mais de 100 mesquitas e centros islâmicos. O número de muçulmanos no país, entretanto, não é preciso. Segundo o censo do IBGE de 2010, há 35 mil, embora associações islâmicas estimem que esse número seja superior a 300 mil."

O que está acontecendo no Brasil é um grave erro e as autoridades não darão conta da tragédia que pode se instalar em breve no país.

O que deveria estar sendo feito, ou seja, um debate nacional para que o Islã revele e assuma a responsabilidade pelos ensinamentos violentos do profeta Maomé, está sendo acobertado pelo PT, seus aliados e muçulmanos moderados.

Transações comerciais relacionadas ao multi-bilionário mercado Halal (gado) para o Oriente Médio entre outros (em conformidade com a Sharia do Brasil) precisam ser investigadas pelas autoridades e debatidas com a nação brasileira.

O Ensino Islâmico (Propaganda Islâmica) nas escolas brasileiras não passa de moeda de troca. Isso é um absurdo!

O hijab (véu) é uma assunto que precisa ser proibido em documentos oficiais no Brasil urgentemente. É a Sharia, a lei Islâmica, se impondo e ameaçando a constituição Brasileira.

As religiões instaladas no Brasil e seus fiéis, precisam conhecer melhor a história do Islã antes de emitirem opiniões equivocadas e ingenuas a respeito. Defender um ponto de vista sem conhecer a verdadeira história é pura ignorância.

Paz!


 

Anúncios

3 opiniões sobre “A Imigração Muçulmana no Mundo”

  1. Corrija-me se eu estiver enganada … dessa lista o único lugar do mundo que sabe tratar a exigências islâmicas como deve ser, é Israel , Certo ?!

    Curtir

Os comentários estão desativados.