Obama: “Nós continuamos rejeitando os estereótipos ofensivos sobre os muçulmanos”

Fonte/Source: Obama’s SOTU: “We continue to reject offensive stereotypes of Muslims” por Robert Spencer (JIHAD WATCH)

21 de Janeiro – 2015

Pamela Geller ressalta que na noite passada em seu discurso à Nação e ao Congresso (SATO: The State of The Union), Barack Obama, mais uma vez rejeitou qualquer possibilidade de sua administração abordar a verdadeira natureza e a magnitude da ameaça da jihad:

Obamasotu-300x174

 

Ontem à noite, em seu discurso, Barack Obama disse o seguinte:

“Como Americanos, nós respeitamos a dignidade humana, mesmo quando estamos ameaçados, e é por isso que eu proibi a tortura, e trabalhei para garantir que a utilização de novas tecnologias como os drones seja devidamente limitada. É por isso que nos posicionamos contra esse anti-semitismo deplorável que ressurgiu em certas partes do mundo. É por isso que continuamos a rejeitar os estereótipos ofensivos sobre os Muçulmanos – a grande maioria compartilha nosso compromisso com a paz. É por isso que defendemos a liberdade de expressão, e defendemos presos políticos, e condenamos a perseguição de mulheres, ou de minorias religiosas, ou de pessoas que são lésbicas, gays, bissexuais, ou transexuais. Nós fazemos essas coisas não apenas porque eles têm razão, mas porque eles nos fazem mais seguros.

Por “estereótipos ofensivos sobre os muçulmanos” ele quer dizer “um exame honesto da doutrina jihad e da ideologia”. Ele continua amarrando as mãos dos agentes de polícia e de Inteligência, proibindo-os de estudar e compreender os motivos e os objetivos do inimigo. Só por isso ele já deveria ter sido derrotado na eleição de 2012 e recebido o desprezo de toda a nação livre Americana. E esta é apenas uma das muitas, muitas coisas que ele fez para tornar este país mais fraco e mais vulnerável.

Precisamente isso. “Estereótipos ofensivos sobre os muçulmanos“, por mais detestável que sejam não nos deixam inseguros. O que nos tornam inseguros é a indisposição generalizada (e bipartidária) para enfrentar a ameaça da jihad de forma realista e honesta. E é sobre isso que Obama provavelmente se refere quando diz que “continuamos a rejeitar os estereótipos ofensivos sobre os muçulmanos – A grande maioria dos quais compartilham nosso compromisso com a paz“.  Ele está dizendo que as averiguações de como jihadistas usam os textos e ensinamentos do Islã para justificar a violência e fazer recrutas entre muçulmanos pacíficos permanecerá fora de alance. E assim, como Pamela Geller observa, agentes de inteligência e de polícia continuarão a tropeçar no escuro, inconscientes e alheios sobre o que os jihadistas acreditam, o que eles querem e como eles planejam suas as metas.

Tradução: Sebastian Cazeiro

Anúncios

3 comentários em “Obama: “Nós continuamos rejeitando os estereótipos ofensivos sobre os muçulmanos””

  1. Obama não foi na passeata em Paris que reuniu os principais lideres europeus e mais de 3 milhões de franceses para afirmar a liberdade de expressão frente às ameaças terroristas. Tampouco ele despachou alguém para representa-lo neste evento. No entanto, ele se apressou para ir à Árabia Saudita apresentar sua condolências ao novo rei e felicita-lo por aceder ao trono. Isto mostra o tanto que ele preza a “liberdade de expressão”. O discurso dele é hipócrita.

    Curtir

  2. Como diz o Olavo de Carvalho, o Obama é office-boy dos sauditas, os americanos são uns trouxas por elegerem esse pulha. Diga NÃO ao Islã!!!

    Curtir

  3. E digo mais, ele é comunista e muçulmano, vejam só, esses malditos – os muçulmanos – conseguiram colocar um deles infiltrado no inimigo… E esse desgraçado FdP tem o prêmio nobel da paz, mais irônico não poderia ser…

    Curtir

Os comentários estão desativados.