Voltaire e a Jihad

Foto/Capa: François-Marie Arouet (1694-1778) – mais conhecido como Voltaire

Voltaire e a Jihad

Por Tião Cazeiro

29 de  Março de 2015

Chamada simplesmente de “Tradição”, a Ordem Sufi Naqshbandi, com sede em São Pedro da Serra, Nova Friburgo, recebe anualmente muitos seguidores para o “encontro” que se traduz principalmente através dos exercícios espirituais.

No topo de uma colina próxima a cidade foi instalada uma Tekia, com um delicado córrego acompanhando ao longo os degraus até o topo. Um ambiente muito charmoso, inspirador e no meio da floresta. Lá no topo, a Tekia, quando ativada, se apresenta como um templo sagrado às práticas místicas e onde a “energia” se concentra durante um tempo determinado.

Já ouvi comentários de que o local foi escolhido a dedo, devido à “energia” especial que incide sobre a região. tekia

Foto: A Tekia de la Zahara – Espanha.

Mas, pensando cá com os meus botões, é curioso perceber que Friburgo atrai não somente Nazistas como também Muçulmanos. Não vamos nos esquecer de que o Islã atuou ostensivamente ao lado de Hitler na segunda guerra mundial matando milhares de pessoas.

Sim, os Sufis são Muçulmanos. Quem disser que não estará mentindo porque se você segue o profeta Muhammad você é um Muçulmano. Os Sufis oferecem uma perspectiva mística ao Islã. Existem Sufis por todo o mundo. Li recentemente que fontes da Tradição afirmam que o sufismo é muitíssimo mais antigo que o Islã. Já ouvi até que Jesus Cristo frequentou o sufismo. Que o Alcorão só se compreende se lido em Árabe. Que as Cruzadas…

Dizem que Budha não era Budista, Cristo não era Cristão, Muhammed não era Muçulmano, e sim mestres/profetas que tinham uma mesma linguagem, a do amor. É verdade, com relação aos dois primeiros, mas o que dizer sobre a perseguição aos Judeus e Cristãos, e demais infiéis, prescrita nos livros sagrados do Islã pelo profeta Muhammad? Dizem… dizem… dizem…

Os Sufis articulam também um papel muito interessante, a meu ver, o de nivelar por cima, através da arte e do poder financeiro. Londres é um bom exemplo. E isso é de conhecimento público.  A Princesa Diana passou os seus últimos dias ao lado do seu grande amor Muçulmano, Emad ‘Dodi’ Fayed, herdeiro da Harrods. Entretanto, outro Muçulmano também muito rico a seduziu. Além de ser o maior Islamic Art Dealer da Inglaterra, frequenta à tradição Sufi e é amigo de alguns seguidores brasileiros. Eu o conheci pessoalmente em Londres. Um sujeito muito simpático. Inclusive era considerado como um filho pelo mestre Sufi, falecido alguns anos atrás, responsável pela implantação do Sufismo no Ocidente .
Outro Muçulmano também seduziu a princesa Diana. Dr Hasnat Khanum Muçulmano Paquistanês e Cirurgião Cardiovascular.
Concluindo, três Muçulmanos seduziram a princesa. Tudo por pura ascensão social (status seeker) e ocupação de espaços. Não é a toa que dizem que a Inglaterra está vivendo os seus últimos anos de liberdade. A princesa estava apaixonada, mas os amantes… O Islã está asfixiando a Inglaterra como uma sucuri, matando as suas presas por constrição e porque não dizer, via stealth jihad (guerra invisível).

Se quiser saber mais a respeito leia: Diana, Princess of Wales: Diana’s Lovers http://buff.ly/1G3kq0k

Eu não rejeito o Sufismo, não rejeito a poesia, a dança, a música, os contadores de histórias e muito menos os exercícios espirituais. O problema é a arrogância travestida de ausência de ego e a maldade que aceita em silêncio a perseguição de Judeus e Cristãos há 1.400 anos. Eu rejeito essa capa de silêncio, que encobre os ensinamentos destrutivos de Muhammad e a pretensa superioridade — disfarçada de humildade, que os líderes exalam — estúpida e cruel. Como se as outras religiões não soubessem o que é o amor e a conexão com Deus.
O califado global é coisa de psicopata. Patético.

Somos todos filhos do Universo, de Allah, de Deus, de Oxalá, da Inteligência Universal etc. Moramos no mesmo planeta e a princípio somos uma grande família, não é mesmo? Mas, o pensamento enraizado nos livros sagrados do Islã antagoniza o mundo todo e isso já está comprovado e reconhecido por alguns líderes Muçulmanos, e isto é fato.

A perseguição aos Judeus e Cristãos 
é uma monstruosidade. 
Um crime contra a humanidade.

A ideia da destruição do ego, como em outras religiões, é um ponto vital na Tradição  — “o fogo é para queimar o ego”— mas, cai em contradição porque o Islã é a maior usina de egos já inventada. O Islã e os Sufis navegam na mesmíssima direção, acompanhados pelos ensinamentos do profeta Muhammad, a fonte de todo o antagonismo (ego). Até a moderada e desinformante CNN já indaga se não chegou a hora de uma reforma surgir no Islã.

Ou seja, o mundo precisa ser destruído para que o Islã se sinta à vontade sobre a face da terra. Os Sufis, diferentemente dos Muçulmanos, continuarão na sua trajetória, livres, fumando, bebendo o bom vinho, ouvindo música e poesias de Shams de Tabriz, Rumi entre outros enquanto os whirling Dervishes (dervishes dançantes) explodem em rotações infinitas conectados com Deus. O Islã culpa os outros pela tragédia, pela corrupção na terra e somente o Islã e os Sufis conhecem a verdade e o misticismo. E o mundo enfim encontrará a paz. Estou errado?

Dança Sufi: o Ritual Sema da Ordem dos Dervishes

Visitei o website da Ordem Sufi Naqshbandi para aprender um pouco mais sobre a “Tradição”. Dois textos imediatamente atraíram a minha atenção : Voltaire e a Jihad.

Como nada é por acaso, depois de ler Rodericus Constantinus Grammaticus do filósofo Olavo de Carvalho resolvi extrair três excertos (based on fair use) deste texto sublime para contrastar com um texto de Voltaire extraído do website da Ordem Sufi Naqshbandi (http://www.sufinaqsh.com)

ORAÇÃO A DEUS” – “Tratado Sobre a Tolerância“, Voltaire, 1694-1778. Leia primeiro este pequeno texto de Voltaire no link: http://buff.ly/1BxiEP6

Seguem os três excertos:

“A ideia da liberdade, no sentido moderno de livre escolha individual, só surgiu no mundo como um dogma da Igreja. No mundo antigo era um conceito totalmente desconhecido. Nos países Islâmicos ainda é ignorado e não faz sentido em face da prevalência da doutrina da predestinação.”  Olavo de Carvalho – http://buff.ly/1GB3Khc

“O livro de Voltaire não é contra « o fanatismo », mas contra a religião Cristã e a Judaica em si mesma”. Olavo de Carvalho – http://buff.ly/1GB3Khc

“A crítica anti-religiosa de Voltaire já foi bem estudada e o consenso geral dos historiadores é que ela vale apenas pela virulência do sarcasmo, não pelo conteúdo histórico ou filosófico, constituído na maior parte de invencionices e sofismas cujo ridículo o estudante treinado reconhece à primeira vista, como por exemplo, o de que todo Cristão é egoísta porque cuida da salvação da sua alma em vez de fazer o bem aos outros. Voltaire, embora fosse uma inteligência menor, tinha o próprio gênio em tão alto conceito que chegou a proclamar: « Jesus precisou de doze homens para construir o Cristianismo; eu provarei que basta um só para destruí-lo. » A resposta dos tempos foi implacável. « Para nós, hoje, a sua obra em conjunto já não existe », conclui Otto Maria Carpeaux na História da Literatura Ocidental”. Olavo de Carvalho – http://buff.ly/1GB3Khc

O que faz Voltaire no website 
da Ordem Sufi Naqshbandi? Você responde.

Finalmente, chegamos ao texto da Jihad.

Shaykh Nazim Al-Haqqani Al-Qubrusi An-Naqshbandi

Não pode haver jihad 
antes que o Imam Mahdi (as) venha. 
Aqueles que estão proclamando o direito de declarar jihad agora são mentirosos. 
Primeiro, temos que ter um Sultão, 
então a jihad poderá ser permitida. 
Quem está dando a ordem para a jihad agora? 
O preciso comando de Allah é que antes haja um Sultão para toda a ummah. 
Somente este Sultão terá autoridade 
para declarar guerra. 
Mesmo que tivéssemos cem bilhões de muçulmanos, somente um (Sultão) 
teria autoridade para ordenar guerra. 
Quem quer que faça isso agora, 
está errando por ir contra 
as Sagradas Leis de Allah.

Esse texto comprova tudo aquilo que muitos estão dizendo a respeito do Islã e dos Sufis.

Os Sufis são jihadistas. A ideia de que os Sufis são pacíficos é totalmente falsa. Porém, muitos aqui no Brasil não tem a devida noção dos interesses envolvidos com relação à expansão Islâmica na América Latina. Portanto, não dirijo à eles as minhas palavras, não invalido e nunca invalidei o trabalho da Tradição, mas o que está por trás, associado ao califado global.

O texto afirma que o Imam Mahdi, 
o Senhor do Tempo e Sultão 
virá para declarar guerra.

Dê uma boa olhada nesse link extraído do website da Ordem Sufi Naqshbandi : Imam Mahdi: O Senhor do Tempo http://buff.ly/1G3erZm

Há comentários e sérios, de que o 12° Imã ou o anti-Cristo é o próprio Barack Obama. Procure na internet e vocês verão a quantidade de informações a respeito. Entretanto, o link acima descreve Mahdi de forma diferente e ao lado de Isa (Jesus Cristo). Veja o que o texto declara sobre o anti-Cristo — “Ele possui uma testa ampla e um nariz aquilino. Quando a terra estiver preenchida com crueldade, ele a preencherá com justiça. Ele reinará por sete anos”.

Uma coisa é certa, 
o Muçulmano Barack Hussein Obama 
está destruindo os Estados Unidos 
e pode destruir Israel. 
E não tem nariz aquilino, e sim núbio.
Anúncios

Uma consideração sobre “Voltaire e a Jihad”

  1. Tenho conhecimento de que a Princesa Diana se envolveu com dois deles e de forma emotiva, e não interesseira. Mas enquanto esse outro nunca ouvi falar. Muito se inventa sobre ela. Cuidado! Porém, ela não ficou com nenhum, até porque seu grande amor sempre foi o príncipe Charles. Deus não permitiu sua união com Dodi, pois a vida dela pertencia a Ele. Mesmo tendo cometidos erros, a princesa tinha uma missão cristã, e ela só se tornou princesa porque Cristo sabia que através dela poderia realizar obras. Assim eu acredito, ou você acha que ela se tornou princesa pra ser a esposa do príncipe? Claro que não, até porque ele tinha outra. O casamento foi um calvário e o meio para que Deus agisse e ela se tornasse conhecida do mundo através da caridade, mesmo se tratando de uma pecadora como nós.

    Curtir

Os comentários estão desativados.