Austrália: Conselho Municipal pede às mulheres não-muçulmanas para usarem hijabs (véus) no combate a islamofobia

Fonte/Source: Australia: Local council asks non-Muslim women to wear hijabs to combat Islamophobia | Pamela Geller, Atlas Shrugs

Austrália: Conselho Municipal pede às mulheres não-muçulmanas para usarem hijabs (véus) no combate a islamofobia

hijab22
“Se vamos ter que assistir pessoas vestidas como os Muçulmanos durante três horas, por que o Conselho não incentiva as pessoas a se vestirem como os Cristãos”. Sim, e os Judeus. E os Hindus. Todos são mais perseguidos que os Muçulmanos. A ideia de “islamofobia” é para intimidar as pessoas a pensarem que é errado ser opor a jihad.

E esses idiotas úteis, estão ansiosamente colaborando com esse esforço.

“Isto não incentiva a integração, isto encoraja a separação: O Conselho Municipal decidiu pedir as mulheres não-muçulmanas a usarem hijabs (véus) com o intuito de conscientizar e combater a islamofobia”, por Liam Quinn, Daily Mail Australia , 9 de abril de 2015 (Agradecimentos a Armaros):

O Conselho Municipal gerou grande polêmica ao pedir as mulheres não-islâmicas para usarem hijabs (véus) em um “experimento social” que visa aumentar a conscientização e a educação.

O Conselho da Cidade de Dandenong em Victoria pediu para vestirem o véu religioso hoje por três horas, como parte de seus planos para celebrar “Semana Nacional da Juventude”.

No entanto, os críticos disseram que irão criar novas divisões na comunidade, de acordo com o Herald Sun.

“Se vamos ter pessoas vestidas como os Muçulmanos, durante três horas, por que o Conselho não incentiva as pessoas a vestirem-se como os Cristãos,” disse diretor-executivo John Roskam do Instituto para Assuntos Públicos.

Mr Roskam também acrescentou que os acontecimentos recentes provam que os Cristãos são o grupo religioso mais perseguido no mundo, e não os Muçulmanos.

“Isto não encoraja a integração, isto encoraja a separação. Isto não é o que a Austrália multicultural significa”, comentou.

“O que o Conselho deveria estar encorajando é permitir que as pessoas de todas as esferas da vida e de qualquer religião a se integrem.”

O presidente da Associação Islâmica da Amizade, Keysar Trad, disse que o projeto seria atacado, mas era uma forma das pessoas se envolverem de forma positiva com a comunidade Muçulmana para absorver uma nova perspectiva.

O Conselho de Greater Dandenong já havia promovido anteriormente sessões de piscinas públicas às mulheres Muçulmanas.

O evento segue incidentes sérios como o da semana passada que teve manifestantes anti-islâmicos colidindo com ativistas antirracistas.

Que raça é o Islã?

mulismaA polícia foi forçada a separar os que apoiam o movimento Reclaim Austrália formando uma parede nos comícios em Melbourne.

O porta-voz da Federation Square estimou em 3000 pessoas o número de participantes que foram ruidosamente às ruas por mais de três horas. Dois homens e uma mulher foram presos durante os protestos. Um pequeno grupo de manifestantes queimou uma bandeira Australiana durante o protesto. Cerca de 200 pessoas apareceram no comício em Sydney, que foi realizado sob chuva em Martin Place.

Um comício em Brisbane foi assistido pela líder controversa da One Nation, Pauline Hanson, que declarou que não ser racista e que “crítica não é racismo”. Ela disse à multidão que ela é uma Australiana orgulhosa lutando pela democracia e pelo modo de vida.

Reclaim Austrália organizou uma série de protestos em várias cidades do país se opondo a “lei Sharia, imposto halal e islamização”.

Anúncios

3 opiniões sobre “Austrália: Conselho Municipal pede às mulheres não-muçulmanas para usarem hijabs (véus) no combate a islamofobia”

  1. Os australianos não pedem para as mulheres se vestirem como cristãs por uma razão simples – O cristianismo majoritariamente não impõe regras de vestimentas especiais, antes prefere dar enfoque na mentalidade do indivíduo.
    Ou ainda – Jesus Cristo fez sérios discursos contra o farisaísmo, e a falsidade da religião das aparências.

    Curtir

Os comentários estão desativados.