Estado Islâmico (ISIS) Executa Cristãos Etíopes por não Pagarem a Jizya (Tributo)

Fonte/Source: Islamic State Executes Ethiopian Christians for Not Paying Jizya, or ‘Tribute’ | Raymond Ibrahim

Estado Islâmico Executa Cristãos Etíopes por não pagarem a Jizya (Tributo)

Por Raymond Ibrahim, 19 de abril de 2015

O Estado Islâmico acaba de lançar 
mais um vídeo executando Cristãos. 
Desta vez, por não pagarem a Jizya 
(tributo exigido aos Cristãos  
de acordo com o Alcorão 09:29) 
para que possam continuar vivos, 
como Cristãos, 
sob o regime Islâmico.

Isis 1

Duas cenas aparecem no vídeo ao longo de 29 minutos. A primeira cena é composta por um grupo de Cristãos Etíopes vestidos de preto, com os membros do Estado Islâmico armados e mascarados atrás deles. De acordo com o vídeo, a cena se passa na cidade de Fezzan.  Os cativos Etíopes são chamados de “Adoradores da cruz pertencentes da hostil Igreja Etiópia”.

isis 3

A segunda cena mostra Cristãos Etíopes vestidos com uniformes laranjas e as margens do litoral Barqa – a mesma área onde 21 Cristãos Egípcios teriam sido anteriormente decapitados. O mesmo narrador mascarado aparece falando sobre a “batalha entre verdade e falsidade” e a recusa desses Cristãos de pagar a Jizya (imposto per capita cobrado aos não-muçulmanos em território muçulmano para que não sejam mortos).

A próxima cena se refere aos Cristãos em Fezzan, onde todos são executados a tiros, sendo os Cristãos em Barqa, decapitados.

Outras cenas incluem o narrador referenciando as fatwas (decreto Islâmico) de um jurista medieval, Ibn Taymiyya, proclamando que todos os Cristãos são “infiéis“. Abu Malik ibn Ans al-Nashwan, aparentemente, um dos líderes do grupo, também aparece dizendo que:

 "As relações do Estado Islâmico com os Cristãos, 
sob sua autoridade, 
são de acordo com a Sharia [Lei Islâmica] de Deus. 
A Jizya [tributo] 
é imposta sobre aqueles que aceitam, 
e a guerra contra aqueles que resistem”.

Ele acrescentou que o Estado islâmico convidou os Cristãos de Raqqa, Síria, para que se convertam ao Islã, mas recusaram. Então, é exigido deles, o pagamento da Jizya e os que cumprem sobreviverão. Em seguida segue uma cena que descreve os Cristãos em Raqqa – de acordo com as reivindicações do vídeo – dizendo o quão pacífica é a vida sob o Estado Islâmico, e que o califado não os obriga a fazer qualquer coisa, exceto o pagamento da Jizya.

O vídeo mostra cenas de outras cidades sob jurisdição do Estado Islâmico (ISIS), incluindo imagens de igrejas em Ninevah e Mosul no Iraque, supostamente destruídas porque os Cristãos se recusaram a compor com a Jizya.

 

Anúncios