Mídia compartilha o mesmo objetivo dos jihadistas: Eles querem silenciar Pamela Geller

Capa: AP Photo/ Mary Altaffer

Fonte/Source: Media shares same goal as jihadis: they want to silence Pamela Geller

Mídia compartilha o mesmo objetivo dos jihadistas: Querem silenciar Pamela Geller

Pamela-Geller-with-armed-guards-300x174 (1)
Pamela Geller e os Guardas Armados 

09 de maio de 2015 Por Robert Spencer (Jihad Watch)

“A ‘narrativa’ da mídia na semana passada foi que uma sedutora Sionista que estava caminhando pelas ruas de Garland vestindo uma saia muito curta e levantada para revelar seu Mohammed fio dental  – Ops, minhas desculpas, sua calcinha Profeta Mohammad (PBUH) – de modo que acabou irritando dois díspares, militantes do ISIS, cumpridores da lei, pacificamente cuidando do seu próprio negócio” Nota do tradutor: (PBUH) significa “peace be upon him” ou “a paz esteja com ele”.

Anarquicamente engraçado e absolutamente verdadeiro.

Fica quieto e você vai ficar bem“, por Mark Steyn, 9 de maio de 2015:

“… O jornal The Washington Post publicou a célebre manchete “Organizadores do Evento Não Apresentam Suas Desculpas Após Ataque Frustrado no Texas”, enquanto a Associated Press saiu com “Pamela Geller diz que não se arrepende de Concurso de Cartuns Profeta Muhammad, que terminou com 2 mortes“. A ‘narrativa’ da mídia na semana passada foi que uma sedutora Sionista caminhava pelas ruas de Garland vestindo uma saia muito curta e levantada para revelar sua Mohammed calçinha – Ops, minhas desculpas, sua Profeta Mohammad calçinha (PBUH) –  e por isso acabou irritando dois díspares, militantes do ISIS, cumpridores da lei, pacificamente cuidando do seu próprio negócio”. Nota do tradutor: (PBUH) significa “peace be upon him” ou “a paz esteja com ele”

Vai levar um bom tempo para você ler “Washington Post Não Apresenta Desculpas Por Atacar Alvos de Ataques Frustrados” ou “Associated Press Diz Que Não Se Arrepende Após Acusar a Vítima”.  A respeitada classe da Mídia Americana compartilha o mesmo objetivo dos fanáticos Islâmicos: Eles querem silenciar Pam Geller. Para se ter certeza, eles discordam levemente sobre os meios para este fim – Contudo, mesmo assim você tem a sensação, como com Garry Trudeau e a reação daquela dúzia de PEN novelistas para com Charlie Hebdo, que a ‘narrativa’ não poderia mudar muito se os garotos da jihad tivessem tido sorte e Pam, Geert Wilders, Robert Spencer e uma dúzia de outros estivessem todos empilhados no necrotério de Garland.

Se a imprensa Americana não fosse tão preguiçosa e paroquial, eles poderiam compreender que esse foi o terceiro ataque Islâmico à liberdade de expressão este ano – o primeiro, Charlie Hebdo em Paris; o segundo, o evento Lars Vilks em Compenhagen; e agora no Texas, A diferença na contagem de cadáver é facilmente explicável assistindo ao vídeo do atirador de Paris, ou nos buracos de bala que eles colocaram no carro de polícia. Os agressores da França e do Texas supostamente usaram o mesmo tipo de armamento, embora deva-se sempre tratar as reportagens da mídia Americana com certo ceticismo quando se trata de identificações precoces de “armamentos de assalto” e “Ak47s”. De qualquer forma, a partir dessa reconstrução, fica claro que a distinção principal entre os dois ataques é que em Paris eles sabiam como usar as suas armas de fogo, mas em Garland não.  Assim, um policial local muito legal e calmo, de 60 anos e com nada mais do que sua pistola de serviço, avançou sob fogo e abateu dois terroristas pesadamente armados os quais a única coisa que conseguiram foi por uma bala no pé de um guarda de segurança desarmado.

Os assassinos do Charlie Hebdo foram treinados no exterior – como os milhares de recrutas do Estado Islâmico (ISIS) com passaportes Ocidentais que estão sendo treinados agora. Como seria se os atiradores de Garland tivessem sido tão bons quanto os atiradores de Paris? Certamente esta seria uma pergunta muito mais interessante à sonolenta imprensa Americana do que se estava ou não uma Judia atrevida pedindo por isso…

Tradução: Sebatian Cazeiro.

Anúncios