“Estupro Jihadista no Reino Unido: ‘Nossa cultura aceita isso. ’“

Photo/Capa: Rotherham Researcher Sent on Diversity Training Course

Tradução da Capa: “Justiça para as  vítimas de aliciamento Muçulmano

Fonte/Source: U.K. rape jihadis: ‘This is OK in our culture’

“Estupro Jihadista no Reino Unido: ‘Nossa Cultura Aceita Isso. ’“

Por Pamela Geller

Muslimrapegang-300x174Na Sexta-feira, publiquei na Breitbart as recordações aterrorizantes de uma mulher Britânica que sofreu repetidos estupros, espancamentos e abusos de uma gangue de estupradores Muçulmanos, enquanto a polícia ignorava as suas denúncias com total indiferença. Agora essas mulheres corajosas estão revelando para mim mais detalhes sobre o que ela e outras meninas vêm sofrendo nas mãos dessas gangues de estupradores.

“Depois de um tempo, a pior coisa não foi o que aconteceu comigo – apesar de ter sido aterrorizante, eu acabei me acostumando a isso. O pior para mim foi ter visto o que eles fizeram com as outras meninas. Eu estava acostumada com isso, mas elas não.

As gangues Muçulmanas atacaram as meninas órfãs que viviam em um Lar de Crianças (Children´s Home). As meninas tinham 12 anos de idade e outras ainda mais jovens.

Eles vinham me buscar e eu ia – Não sabia o que mais poderia fazer, eu estava apavorada. Eles vinham em dois carros, e sempre pegavam outras meninas da Casa da Juventude (Youth Home).

Uma noite, eu e algumas das meninas da Casa das Crianças (Children´s Home) fomos levadas a um estacionamento por volta de uma hora da manhã. Vinte Muçulmanos homens estavam lá esperando por nós. Uma das meninas da casa começou a chorar, dizendo que era tarde e ela tinha que voltar para a Casa da Juventude. Um dos Muçulmanos se aproximou e deu uma forte tapa no rosto dela dizendo que eles decidiriam quando ela voltaria para casa, que ela não voltaria e que seria melhor calar a boca.

E assim você aprende a ficar quieta e se entrega.

Finalmente a Casa da Juventude foi fechada: O delator cansou de encobrir o que estava acontecendo lá. O gerente da casa, ao invés de comunicar o que estava acontecendo à polícia, administrava pílulas para manter as meninas calmas e dóceis.

Agora algumas das meninas estão processando a polícia através de ajuda legal. Eu continuo vendo algumas delas por aí. Vi uma delas em Abril, pouco depois que voltar ao país. Eu tinha fugido da Inglaterra depois de me envolver com um membro de uma gangue, que começou a fazer perguntas sobre a minha filha adolescente.

Então eu pensei que o único caminho para manter a minha filha em segurança era deixar o país. Mas quando eu cheguei ao país onde tinha esperança de me instalar, as autoridades disseram que eu não poderia ficar ali. Eles não poderiam me dar proteção porque eu era Inglesa e branca; eles não poderiam me oferecer status de refugiado ou qualquer tipo de proteção que davam aos Muçulmanos que diziam estar fugindo das zonas de guerra.

Então após sete meses nesse lugar, eu tive que voltar à Inglaterra. Agora quando tenho que ir ao centro da cidade, eu visto um moletom com capuz. Todos os motoristas de táxi da minha cidade são membros da gangue de estupradores Muçulmanos. Mudo a cor do meu cabelo frequentemente e faço tudo que posso para que não me reconheçam.

Eu lembro que uma vez estava num táxi e o motorista começou a falar comigo sobre uma jovem menina que eu conheci. Ela tinha somente 11 ou 12 anos de idade. Ele começou me dizendo todas as coisas terríveis que tinha feita com ela. Disse que a levou a um hotel, que a usou a noite inteira e depois a deixou ir às 4 horas da manhã.

Este era o homem que começou perguntando sobre a minha filha.

Tudo isso acontece com bastante freqüência – muito mais do que as pessoas pensam. Minha vizinha acabou se abrindo e me disse que tinha sido aliciada. Ela nem mesmo conhece a minha história. Ela continua com o homem que a colocou nisso. Ele é um Muçulmano que bate nela na frente dos filhos. Ela se converteu ao Islã, mas abandonou um tempo depois.

Quando eu estava sendo regularmente abusada pelos homens Muçulmanos, minha escola sabia disso. Eles finalmente fizeram a minha transferência para uma escola, meio período, porque eu ficava muito tempo fora. Os homens vinham e me levavam para fora da escola, algumas vezes pela manhã bem no início do período. Eu estava no ensino médio, eles não param você quando o portão está aberto. Eu simplesmente ia embora.

A escola me enviou para um psicólogo que acreditou na minha história, mas como sempre, nada foi feito. E durante esse tempo, me recusei a ver o orientador; eu não estava preparada.

Minha amiga que se lembra de coisas que eu não consigo, avisou aos meus parentes, mas não me recordo em que época ela disse a eles. Minha mãe falou comigo sobre isso quando eu tinha 15 anos, e chamou a polícia, mas o policial que apareceu foi hostil e fez de tudo para que eu não testemunhasse. Outro oficial da polícia veio mais tarde. Esse foi um pouco mais legal, mas eu estava ainda muito relutante para falar porque o primeiro foi muito assustador.

Eu me encontrei com o policial em Abril de 2015. Eles ainda estavam interessados. Entreguei a eles os nomes de 80 Muçulmanos homens que tinham me estuprado e espancado. Nada aconteceu a esses homens. Eu continuo os vendo dirigindo táxis. Eu não posso publicar os seus nomes – depois vão saber que sou eu, e vão me pegar e me espancar de novo. Eu fui fazer ginástica na semana passada. Um deles estava na academia. Eu os vejo em todos os lugares.

Eu não saio muito. Vou à academia, ando com os meus cachorros. Tento não ser reconhecida.

Os homens que fizeram isso comigo não tem remorsos. Sobre o que estavam fazendo, eles diziam: “Nossa cultura aceita isso”.

Se as autoridades Britânicas 
não agirem para salvar essa menina 
e todas as outras na mesma situação, 
será o fim da Inglaterra, 
e nem mesmo merecerão ser salvos.
Pamela Geller
Que país é esse, que tipo de civilização é essa, 
que permite que isso aconteça
 a essas jovens meninas? 
Que doença profunda tomou conta da Inglaterra, 
que faz com que as autoridades não atuem 
para proteger as meninas nessa situação? 
A Inglaterra e o Ocidente em geral, 
estão entrando numa era selvagem e escura. 
Pamela Geller

Pamela Geller é Presidente da  American Freedom Defense Initiative (AFDI), PamelaGeller.com

Nota do blog:  Pelo menos 1.400 crianças foram submetidas a uma terrível exploração sexual em Rotherham entre 1997 e 2013, de acordo com a reportagem da BBC News: Rotherham child abuse scandal: 1,400 children exploited, report finds – BBC News

welcome-to-rotherham-uk-3_thumb
Bem Vindos a Rotherham – A Capital Pedófila Muçulmana da Grã Bretanha.

 

 

 

 

 

 

 

 

Tradução: Sebastian Cazeiro

 

Anúncios

2 opiniões sobre ““Estupro Jihadista no Reino Unido: ‘Nossa cultura aceita isso. ’“”

  1. É uma vergonha o que vem acontecendo mundo afora. Os muçulmanos, se acham no direito de cometer as maiores atrocidades baseados nos ensinamento da vida de alguém que apoiou firmemente toda essa vergonha; maomé

    Curtir

Os comentários estão desativados.