Robert Spencer: Por Que Judeus e Cristãos Precisam Se Unir Contra a Jihad Global

Photo/Cover:  worldmediamonitoring.com

Fonte/Source: Robert Spencer: Why Jews and Christians Must Unite In Defense Against the Global Jihad

Nota do Blog: Optei por este artigo escrito em 2013 por ser altamente significativo e atual, principalmente diante do desenrolar da crise de refugiados na Europa.


Robert Spencer: Por Que Judeus e Cristãos Precisam Se Unir Contra a Jihad Global

Nota do blog: Infelizmente não consegui uma cópia legendada deste vídeo.

Por Robert Spencer

1 de Março de 2013

Ao longo do Atlas Shrugs (website da ativista Pamela Geller), expliquei por que Judeus e Cristãos (e todas as outras religiões) precisam se unir em defesa da liberdade contra a jihad global e a supremacia Islâmica. Que é também o tema do meu breve discurso no vídeo acima, realizado no último Domingo em Santa Mônica, Califórnia, na Festa de Purim da Coalizão Criativa Sionista.

Nota do blog: Festa de Purim é uma festa profética e que retrata a libertação do povo de Israel ainda no cativeiro… Para mais informações acesse: Purim http://buff.ly/1OtePFd

Domingo à noite em Los Angeles, tive a grande honra de receber o Prêmio Shushan como Righteous Gentile (vide nota abaixo) pela Coalizão Criativa Sionista, um novo grupo digno de nota e dedicado a defesa de Israel. Num momento em que a esquerda Cristã corre para imitar o zeitgeist (nota: espírito de época,…) condenando Israel e iniciando, ao estilo Nazi, boicotes aos interesses Judaicos, é útil recordar por que uma aliança Judaico-Cristã pode ser essencial nesse momento para a sobrevivência do mundo livre.

Nota do blog:  Definição de Righteous Gentile (The Righteous Among The Nations) — Pessoas não-Judias que, durante o Holocausto, arriscaram suas vidas para salvar Judeus da perseguição Nazista. De acordo com  Paul Schnee: Na verdade, Robert Spencer tem sido muito bem sucedido em conscientizar o país (os Estados Unidos) sobre o verdadeiro significado e agenda dos praticantes da “religião de paz” do Islã. Tanto que agora ele tem que viver em um local não revelado, a fim de evitar as ameaças de morte.

A história da relação do Cristianismo com o Judaísmo é claro, é marcada por inúmeros incidentes de antagonismo e coisas piores. Ler as histórias da Europa Medieval Católica e da Rússia Ortodoxa sob os czares, me faz sentir vergonha, por dividir a mesma fé com os perseguidores; ao mesmo tempo, enquanto a Igreja Católica e outros membros Cristãos têm, no nível mais alto, rejeitado o anti-semitismo e as interpretações do Novo Testamento que sustentam isso, o anti-semitismo Islâmico continua profundamente enraizado no Alcorão e na Suna, e nenhuma autoridade Islâmica mostra qualquer inclinação para reexaminar o tema.

E tem mais, o Islã visa o mesmo destino para ambos Judeus e Cristãos. A lei Islâmica designa a ambos o status de dhimmi: a subjugação institucionalizada que o Alcorão determina ao “Povo do Livro” (cf. 9:29). Os dhimmis são proibidos de ter autoridade sobre os Muçulmanos e, portanto são relegados aos serviços mais subalternos da sociedade; estão proibidos de construir novas casas para o culto ou reparar as antigas e, portanto as suas comunidades estão em perpetuo estado de declínio; e precisam se submeter a inúmeras outras humilhações e regulamentos discriminatórios  e acima de tudo, pagar a jizya, o imposto que o Alcorão prescreve como a mais viva manifestação de submissão as regras Muçulmanas pelos não-Muçulmanos.

Os Senhores Muçulmanos dos dhimmis, ao longo da história, trabalharam semeando o antagonismo entre os vários grupos de dhimmis, para assegurar que jamais se organizariam contra seus opressores. Um exemplo moderno disto aconteceu em 2007, quando Ingrid Mattson que na ocasião era a Presidente da Sociedade Islâmica da América do Norte. Este grupo, que tinha admitido ligações com o Hamas e a Irmandade Muçulmana, disse numa palestra na Kennedy School of Government em Harvard, que os ‘direitistas Cristãos são aliados muito perigosos dos Judeus Americanos, porque eles [os Cristãos] são realmente anti-semitas. Eles não gostam de Judeus.

Mattson não mencionou que o próprio livro sagrado dela (o Alcorão), diz que Alá transformou os Judeus em macacos e porcos (2:63-65; 5:59-60; 7:166), ou designa Judeus como “os mais veementes em hostilidade da humanidade para com aqueles que acreditam” (5:82), ou diz que estão sob a maldição de Alá (9:30), ou devem ser combatidos e subjugados (9:29).  Ela também não se dignou a notar que o Novo Testamento, ao mesmo tempo em que contém passagens que foram usadas para justificar o anti-semitismo (embora nenhuma dessas passagens prescrevam ou justificam qualquer violência) não possui nenhuma [veemente hostilidade].

O que Mattson estava tentando fazer não era advertir os Judeus sobre uma ameaça real por pura bondade de seu coração, mas para semear a discórdia entre as duas comunidades visadas pelos jihadistas, de forma a afastar a formação de uma frente unida. E Mattson é uma entre muitas, e seus esforços estão funcionando demasiado bem: alguns Cristãos estão tratando os Judeus hoje em dia, com um renovado anti-semitismo disfarçado de indignação moral contra Israel, e alguns Judeus vêem os Cristãos com tanta suspeita que acabam não enxergando um genuíno aliado.

Tudo isso faz com que uma frente unida se torne ainda mais necessária. A pioneira historiadora Bat Ye’or tem enfatizado isso em seus escritos. E recentemente, reforçando o seu ponto de vista, é prova irrefutável de que o imperativo Islâmico de subjugar Judeus e Cristãos como dhimmis não é (como alegam os apologistas Islâmicos frequentemente hoje em dia) uma relíquia de um passado distante, para nunca mais ser revivido; ao contrário, Muçulmanos da Bósnia, Egito, Síria e Paquistão vêm nos últimos anos pedindo a sua reimposição. Os elementos da lei Islâmica que pedem a jihad contra Judeus e Cristãos de modo a trazê-los sob o jugo da lei Sharia ainda continuam a ser uma grande parte dessa lei; elas não foram reformadas ou rejeitadas.

Judeus e Cristãos têm uma Escritura em comum e, de várias maneiras, uma perspectiva comum. Nós somos os filhos e herdeiros da maior civilização que o mundo conheceu. E hoje, se não nos pendurarmos juntos, iremos com toda certeza estar pendurados separadamente.


Tradução: Sebastian Cazeiro

 

 

 

 

 

Anúncios