O Islã e a “Grande Mídia” – III

 Foto Capa: Pintura de Frederick Goodall

O Islã e a “Grande Mídia” – Parte III

Por Tião Cazeiro

25 de Novembro de 2015

No dia 22 de Novembro, o jornal O GLOBO, publicou um artigo muito interessante do cineasta Cacá Diegues intitulado “Um mundo melhor”.

O cineasta inicia o seu artigo fazendo a seguinte pergunta:

O que está acontecendo com o mundo hoje? Será que sempre foi desse jeito mesmo, e a gente é que não reparava?

Uma boa pergunta. Espero que isto explique alguma coisa:

“Na verdade, de acordo com o Dr. Yusuf al-Qaradawi, um líder clérigo Muçulmano, se a pena de [morte] por apostasia fosse ignorada, hoje em dia o Islã não existiria; o Islã teria desaparecido com a morte do profeta.Como o Mundo Islâmico foi Forjado: Um Exercício de Senso Comum / Raymond Ibrahim

O Islã massacrou 270 milhões de pessoas ao longo de 1.400 anos. Mais do que o Comunismo, com 100 milhões de vítimas. Só na Índia o Islã assassinou 80 milhões de Hindus. Africanos, 120 milhões. Cristãos, 65 milhões. Budistas, 10 milhões. Dr. Bill Warner – Political Islam

Continuando com o artigo…

“A alternativa destrutiva e sombria que o EI (Estado Islâmico) planeja impor ao mundo, pela qual seus fanáticos são capazes de tornar escravas as mulheres yazidi, matar inocentes em Paris ou explodir a si mesmos com regozijo e satisfação, é a da negação do direito à vida. Pura e simplesmente.”

“Nenhum ser superior, nenhum deus, seria capaz de inventar criaturas com a finalidade única de fazê-las sofrer por toda a sua existência, em troca de um paraíso garantido ou duvidoso, depois do delírio material. Isso não faz sentido”.

Sei que não podemos mudar o mundo sozinho, mas se cada um fizer um gesto de ajuda, seja material ou espiritual, podemos amenizar os sentimentos negativos”. Essas palavras são de minha amiga Scheila Passamani, que criou e coordena uma página no Facebook chamada Oceano de Amor.”

Alguém provavelmente irá pensar que estou atacando o Cacá Diegues. Não estou. E por que deveria? Quero apenas contribuir com a sociedade para evitar que o que estamos assistindo na Europa aconteça no Brasil.

Tudo que o cineasta Cacá Diegues está dizendo é puro desconhecimento sobre o Islã. Coisa bastante normal, principalmente porque a grande mídia desinforma.

Os Budistas, pacifistas, foram todos aniquilados pelo Islã em determinadas regiões. A energia positiva e bem vinda, que o cineasta sugere, está infelizmente fora de contexto. “Se não forem confrontados, prevalecerão”. Frase cunhada por Robert Spencer (Jihad Watch) a respeito do Islã.

O Islã é dualista. Muda de cor como um polvo. É preciso ler, se envolver um pouco, com aqueles que estão alertando sobre o Islã ao redor do mundo. Eu tenho traduzido muitos textos para mostrar ao Brasil quem realmente foi o “profeta” Muhammad (Maomé) e o que é o Islã na verdade. Desconhecido inclusive pela grande maioria dos Muçulmanos.

Existem Muçulmanos pacíficos? Claro que sim, mas não podem ir contra aos ensinamentos de Muhammad (Maomé).

Robert Spencer conta uma “piada”, sobre um Muçulmano  que quando Robert perguntou se ele estava gostando do Islamismo respondeu: “Estou adorando, inclusive estou tentando achar uma boa tradução do Alcorão para entender alguma coisa.”

De minha parte, jamais serei um dhimmi. Você sabe o que é ser um dhimmi? Já ouviu falar da Dhimmitude? Cidadãos (não-Muçulmanos) de segunda classe. Você terá três opções caso a Dhimmitude se instale no Brasil sob as asas da Sharia:

  1. Se converter ao Islã.
  2. Pagar a Jizya (imposto similar ao da máfia, com a diferença que serve apenas para humilhá-lo, por não ser um Muçulmano).
  3. Ou a morte.

Leia: Na Síria, Onde Um Sacerdote Foi Sequestrado, Agora Pagam Jizya

Isso aconteceu no passado. Isso está acontecendo no Iraque via Estado Islâmico (ISIS), os quais serão rechaçados em breve.

Mas o que acontecerá depois? O Islã continuará a sua marcha ao infinito da destruição em massa via outros meios. O Islã jamais irá se aposentar. O mundo pertence a eles. Assim eles pensam. Você está no mundo do Islã e Alá está insatisfeito com essa bagunça toda.

Durante 1.400 anos o Islã chama os não-Muçulmanos de porcos e macacos. Veja o que acontece na Palestina. Perceba a insanidade contra os Judeus.

Fiquei absolutamente espantando quando soube que o e ex-ministro da Defesa do Brasil, Celso Amorim, recebeu a Ordem da Estrela de Jerusalém, em Ramallah, na Cisjordânia. A condecoração mais importante oferecida pela Autoridade Nacional Palestina. A comenda foi entregue ao ex-ministro Brasileiro pelo presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas.

Segundo Amorim, o líder palestino disse estar se esforçando para não fomentar a violência e retomar o diálogo com Israel. Você acredita realmente nisso? Eu não. História para boi dormir. Celso Amorim precisa ser questionado, pois a segurança de milhões de Brasileiros (Cristãos, Judeus etc.) está em risco por conta dessa “festinha”. Isso é um absurdo !!!

Ao longo de 1.400 anos, o Islã produziu 548 guerras contra 16 batalhas das Cruzadas, realizadas para defender seus irmãos Cristãos que estavam em apuros em terras Cristãs, que o Islã invadiu. Assista a esse vídeo legendado em Português:

Palestinos esfaqueando Judeus mostra claramente a insanidade que permeia a região. Os Judeus fizeram de tudo, mas não adianta, é sempre a mesma coisa, o mesmo ódio ao Kafir, não-Muçulmano, o infiel.

E aonde isso vai parar? Numa batalha final. O Islã contra o Mundo.


Anúncios