Grande Iman de Al Azhar: Dissocia o Islã dos “ataques extremistas”

Fonte/Source: Al Azhar Grand Imam: Dissociate Islam from “extremist attacks”

Grande Iman de Al Azhar: Dissocia o Islã dos “ataques extremistas”

Por Robert Spencer (Jihad Watch)

23 de Novembro de 2015

A grande mídia Ocidental e os estabelecimentos governamentais já absorveram o dogma de que o Islã não tem nada a ver com o terrorismo Islâmico; apenas os terroristas Islâmicos ainda não captaram a mensagem. Mas al-Tayyeb não está falando com eles: ele é apenas um, numa aparentemente interminável sucessão de autoridades Muçulmanas que invocam o Ocidente para parar de ligar o Islã ao terrorismo, ignorando o fato de que os jihadistas Islâmicos, não os analistas Ocidentais, são os que fazem essa ligação.

Enquanto isso, al-Tayyeb joga aqui como um moderado, mas ao longo dos anos, tem justificado o antissemitismo com base no Alcorão; pediu que os assassinos do Estado Islâmico responsáveis pela morte do piloto da Jordânia fossem crucificados ou que tivessem suas mãos e pés amputados em lados opostos (de acordo com a punição no Alcorão 5:33 para aqueles que fazem guerra contra Alá e Seu Mensageiro ou espalhem a “corrupção” na terra); e rompeu “diálogo” com o Vaticano após o Papa Bento XVI se atrever a criticar o massacre jihadista de 21 Cristãos em Alexandria na véspera de Ano Novo de 2011. A Universidade de Al-Azhar também foi vista oferecendo cópias gratuitas de um livro que incitava o massacre de Cristãos e outros infiéis.

Sheikh-Ahmed-al-Tayeb
Sheikh Ahmed al-Tayyeb

“Top clérigo Egípcio insta a dissociação do Islã de ataques”, AFP, 21 de Novembro de 2015:

Cairo (Egito) — (AFP) – O principal clérigo Muçulmano do Egito fez um apelo apaixonado no Sábado ao dissociar o Islã de ataques de extremistas, dizendo os próprios Muçulmanos tinham sofrido muito com a “catástrofe do terrorismo”.

Sheikh Ahmed al-Tayyeb, chefe da prestigiosa instituição Islâmica (universidade) Al-Ahzar do Egito, também apelou para o fim da violência anti-Muçulmana nos países Ocidentais, tais como ataques a mesquitas.

“Aqueles que queimaram Alcorões ou as casas de Alá (mesquitas), no Ocidente deve saber que esses atos são também terrorismo em qualquer padrão”, disse Tayyeb durante uma reunião com altos clérigos Muçulmanos.

“Portanto, não responda ao terrorismo com terrorismo”, disse ele em um discurso.

Al-Azhar, que comanda uma universidade, tem regularmente denunciado a violência do grupo Estado Islâmico e outros extremistas que neste mês atingiram Beirute, Paris e Mali…

“Nós esperamos de todos — especialmente dos intelectuais e homens de religião — que não deixem o poder desses choques influenciar a obrigação de colocar as coisas em seu contexto quanto à separação completa do Islã… e uma pequena minoria que não constitui uma fração dos Muçulmanos”.

“Nós, Muçulmanos passamos por isso, e ainda passaremos muitas vezes mais por esses ataques terroristas”, disse ele.


Tradução: Sebastian Cazeiro

Anúncios