Centros de Asilo Alemães: Migrantes Muçulmanos Rasgam Bíblias, Assaltam Cristãos, Abusam Sexualmente de Mulheres e Crianças, Batem em Gays

Fonte/Source: German asylum centers: Muslim migrants tear up Bibles, assault Christians, sexually abuse women and children, beat up gays

Centros de Asilo Alemães: Migrantes Muçulmanos Rasgam Bíblias, Assaltam Cristãos, Abusam Sexualmente de Mulheres e Crianças, Batem em Gays

POR ROBERT SPENCER – JIHAD WATCH

11 de Fevereiro de 2016

E ainda assim todos os líderes Cristãos, feministas e ativistas dos direitos gays gostariam de rapidamente esfolar como “Islamofóbicos” e “Racistas” aqueles que relatam isto, em vez de denunciar as ações dos migrantes.

German asylum center

“REPORTAGEM: Cristãos, Gays, Mulheres em fuga dos Centros de Asilo Devido à Perseguição por Homens Muçulmanos”, por Chris Tomlinson, Breitbart, 11 de fevereiro de 2016:

Cristãos, homossexuais e mulheres estão fugindo dos centros de asilo da Alemanha, em números cada vez maiores devido aos atos de violência, intolerância e crime perpetrados por homens Muçulmanos.

De acordo com o jornal Alemão Die Welt, a violência contra minorias étnicas, minorias religiosas e mulheres continua a subindo rapidamente em todos os centros de asilo Alemães. Homens Muçulmanos rasgam Bíblias, agridem Cristãos, abusam sexualmente de mulheres e crianças, e batem em homossexuais. A notícia gerou protestos de ativistas de direitos humanos para que deem um basta definitivo nessa situação.

Em Stuttgart, um caso de abuso contra um Cristão Assírio pelo companheiro de quarto Muçulmano, gerou uma petição para separar alojamentos assinada por mais de 17.000 pessoas online. A petição, organizada pela Central de Cristãos Orientais, pediu a cidade de Stuttgart para —”,por favor, acomodar os Cristãos desalojados em Stuttgart-Neugereut e mantê-los distante de mais sofrimento e perseguição a que estão expostos, num alojamento descentralizado.”

O assunto foi levado à cidade, e um centro de asilo separado para 30 Cristãos foi aprovado pelo conselho. Porta-voz do Stuttgart Sven Matis disse ao jornal que depois de falar com o assistente do distrito, que eles seriam capazes de aprovar alojamento para os 30 Cristãos em Neugereut até o final de Abril.

Martin Lessenthin, CEO da Sociedade Internacional para Direitos Humanos também comentou sobre as perseguições sistemáticas de Cristãos em todas as casas de asilo da Alemnhã. Disse que era comum ver ambos os Cristãos e Yázidis sujeitos a tortura e espancamentos, e ao mesmo tempo em que não é desejável acomodar separadamente migrantes, pode ser inevitável para a segurança das minorias.

Separação dos migrantes tem sido um procedimento quando se trata de minorias extremamente vulneráveis. Meninas Yázidis que foram usadas como escravas sexuais pelo Estado Islâmico estão alojadas em locais secretos na Alemanha, de modo a não atrair a atenção indesejada de migrantes simpáticos ao Estado Islâmicos ou Muçulmanos que as veem como nada mais do que objetos sexuais. Conjectura-se que 1.100 dessas mulheres vivem em vários abrigos especiais em toda a Alemanha.

Uma vítima de abuso sexual disse que tinha apenas oito anos de idade no momento da sua exploração abusiva, pelo ISIS. Outra menina teve que ser tratada, por médicos especialistas em queimaduras, porque o tormento sexual constante a levou a atear fogo em si mesmo, numa tentativa fracassada de suicídio.

Em Freibeurg, cerca de 200 mulheres vivem em segredo. O chefe da Chancelaria do Estado Baden-Wurttemberg Klaus-Peter Murawski adverte que militantes do ISIS podem estar monitorando ativamente o projeto na esperança de obter vingança contra as mulheres. Esse aviso se mostrou preciso quando um comandante do ISIS foi encontrado numa casa de asilo no início desta semana.

A Breitbart-Londres publicou um artigo sobre a violência dos migrantes dentro das casas de asilo com casos de Cristãos, homossexuais e outros sendo espancados nos centros de asilo por toda a Alemanha, relatando os centros de asilo como terreno fértil para o extremismo, e até mesmo crianças pequenas sendo brutalmente estupradas por colegas migrantes.

No jornal The Guardian de hoje, a colunista Owen Jones culpa a “extrema direita” pela instabilidade em toda a Europa, agregando milhares de migrantes criminais, provocando uma onda de crimes em todo o continente com Judeus que fugiram da Alemanha Nazista. Disse o jornalista: “E quem está esperando, preparando e consolidando? A extrema direita da Europa, já que alimenta o desespero da crise econômica e reage contra os refugiados que fogem da violência do Oriente Médio. Onde uma vez o alvo principal eram os Judeus, agora é o Muçulmano.”.

No entanto, a “extrema direita” não está espancando e nem estuprando pessoas.


Tradução: Sebastian Cazeiro

 

Anúncios