REINO UNIDO PÕE ANTI BURCA DE 15 ANOS NO PROGRAMA ANTITERRORISMO

Fonte/Source:  UK Puts 15-Year-Old Burqa Opponent on Anti-Terror Programme — Breaitbart News

Photo Cover: AFP PHOTO / Carl de Souza (Crédito da foto: CARL DE SOUZA / AFP / Getty Images) Getty

As mulheres Muçulmanas manifestam-se a favor da lei da Sharia durante um protesto em frente à 10 Downing Street, em Londres, em 21 de março de 2011. Diz um cartaz: A SHARIA VAI DOMINAR O MUNDO

REINO UNIDO PÕE ANTI BURCA DE 15 ANOS NO PROGRAMA ANTITERRORISMO

Por LIAM DEACON

04 de Janeiro de 2017

Um estudante Britânico de 15 anos que pensava que as “mulheres Muçulmanas não deveriam ter permissão para vestir o niqab” foi identificado como um potencial terrorista e passou pelo mais rígido programa de desradicalização do governo.

Channel é parte do esquema Prevent e é reservado para os casos mais graves de radicalização, visando “indivíduos em risco de serem atraídos para o extremismo violento” e o terrorismo.

O menino não identificado, que vem de uma área predominantemente branca, foi obrigado a passar um tempo com um Imã (autoridade religiosa do Islamismo), bem como visitar Mesquitas além de um “projeto multi fé”, onde ele foi registrado como voluntário.

O funcionamento do Channel é geralmente mantido em segredo, mas as autoridades tomaram a decisão incomum de divulgar o ataque do aluno branco depois que os ativistas alegaram que o Prevent era “racista” e que “injustamente atacam Muçulmanos”.

A polícia disse ao The Yorkshire Post que o menino foi detido depois de ter feito comentários na escola sobre Muçulmanos “tentando assumir o controle do país” e ter sido “insistente nos seus pontos de vista sobre o que os Muçulmanos devem ou não ser autorizados a usar.”

A cobertura completa do rosto é proibida ou restrita em grande parte da Europa Continental, e uma pesquisa realizada em Setembro passado revelou que o público Britânico apoiou a proibição da burca por dois a um.

Descrevendo o processo em que o adolescente de West Yorkshire foi encaminhado para o Channel, o detetive superintendente Nik Adams, coordenador regional da região Nordeste do Prevent, disse que ele mostrou uma “vulnerabilidade genuina”.

“Ele estava dizendo que as mulheres Muçulmanas não deveriam ter permissão para usar o niqab e tinha a cabeça cheia de disparates sobre Muçulmanos tentando tomar o controle do país”, acrescentou.

Apesar de supostamente ajudarem a deter vários terroristas, e a França e a Alemanha planejarem esquemas similares, o Prevent foi atacado implacavelmente no Reino Unido.

O Sindicato Nacional dos Professores pediu a sua eliminação e a União Nacional de Estudantes afirma que é “racista” e trabalhou com os Islâmicos para organizar workshops que instruia os estudantes a “resistir“.

Até mesmo o Comité de Assuntos Internos do Parlamento considerou-o como “tóxico” e discriminatório em relação aos Muçulmanos. Em Abril, o relator especial das Nações Unidas (ONU) sobre o direito à liberdade de reunião interveio alegando que criou um “espectro do Big Brother”.

No entanto, em 2011, o Prevent foi atualizado para torná-lo explicitamente claro sobre a segmentação de todas as formas de radicalização, não apenas o extremismo Islâmico.

Fontes insistem que o caso do estudante é “bastante típico” no trabalho do Prevent, e desde o mês passado, uma em cada dez referências tinha ligações com a “extrema-direita” nacional. Em Yorkshire, as referências de “extrema-direita” representam quase 50% do seu número de casos e 30% do número de casos no East Midlands.

O detetive superintendente Adams disse ao Yorkshire Post que recentemente houve um foco renovado sobre a “extrema-direita”.

Ele admitiu que a “extrema-direita” era predominantemente conhecida por protestos de rua, prejudicando a “coesão comunitária”, em vez de terrorismo, mas disse que as coisas mudaram desde o assassinato de Joe Cox por um simpatizante Nazista em Junho.

“Historicamente, o que você vê na extrema-direita é a desordem pública, o protesto público, que teve um impacto sobre a coesão da comunidade, o senso de bem-estar e pertencimento das pessoas”, disse ele.

Acrescentando: “Embora não estamos olhando a inteligência para sugerir que temos um número crescente de Thomas Mairs, é uma preocupação que se deixarmos inexplorada e incontestada haverá o risco real de que isso [possa] crescer e que podemos ver mais incidentes.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Anúncios