AUSTRÁLIA: PARTIDO PROMETENDO “REDUZIR O ISLÔ CRESCE EM POPULARIDADE

Fonte/Source: Australia: Party vowing to “reduce Islam” soaring in popularity —JIHAD WATCH

AUSTRÁLIA: PARTIDO PROMETENDO “REDUZIR O ISLÔ CRESCE EM POPULARIDADE

POR CHRISTINE WILLIAMS

7 DE JANEIRO DE 2017

A Q Society  (da qual Robert Spencer, diretor da Jihad Watch, é o “Primeiro Membro Vitalício”) é descrita no artigo abaixo como “anti-Islã” e marcada como uma entidade reacionária que reage exageradamente aos ataques terroristas da jihad. Mas o desafio do Islamismo político é muito maior que a ameaça sempre presente de ataques terroristas da jihad. A incursão dos supremacistas Islâmicos nos países Ocidentais tem sido alarmante, para dizer o mínimo, e a Q Society está tentando alertar as pessoas para isso.

É desconcertante ver que as sociedades Ocidentais continuam tolerando os crimes desenfreados cometidos por imigrantes Muçulmanos; bem como as chocantes agressões sexuais; ameaças à liberdade de expressão; ameaças de violência jihadista; o ódio vomitado contra o Ocidente por muitas Mesquitas; o poderoso lobby mainstream co-conspirador não incriminado que grita “islamofobia” a cada oportunidade; os comícios da Al Quds Day cheios de ódio — realizados abertamente sem consequências; as campanhas de ódio do BDS (Boycott, Divestment, Sanctions)  —organizada e coordenada pela Palestinian BDS National Committee) —em campos universitários e impulsionados por grupos do Hamas.

O Ocidente está paralisado por uma negação coletiva da realidade, fomentada por muitos líderes corruptos que se fixam na contagem de votos em detrimento de uma liderança responsável. No entanto, a crise migratória Muçulmana é um mero prenúncio das coisas que virão, a menos que os Ocidentais acordem.

civilização jihad para dominar o Ocidente, que a Irmandade Muçulmana e outros grupos estão persistentemente construindo, está em pleno andamento. “‘O novo manifesto do partido político Australiano afirma que’ o Islã não é meramente uma religião, é uma ideologia totalitária com aspirações globais”. Há Muçulmanos no Ocidente que desejam praticar sua fé em privado, como as pessoas de outras religiões, mas o Islã político se espalhou sem controle e as autoridades Ocidentais não se atrevem a falar sobre ele ou criar estratégias contra ele, por medo de serem agredidas como “racistas” e “islamofóbicas”. Em contrapartida, a Q Society declara:

“Com o Islã, o problema cresce exponencialmente… o principal é reduzir os números, não deixá-lo crescer mais e tirar o status dele da nossa chamada sociedade multicultural”.

Se essas palavras não forem atendidas no que diz respeito ao Islamismo político, a Austrália acabará por deixar de ser uma sociedade multicultural em tudo ou culturas não-Muçulmanas irão subsistir apenas se estiverem subjugadas à lei Islâmica.

Geert Wilders palestrando na Sociedade Q, Austrália.

“‘Não é apenas uma religião’ Partido secreto prometendo reduzir o Islã ‘sobe em popularidade'”, por Rebecca Perring, Express, 6 de janeiro de 2017:

A misteriosa Q Society está ganhando terreno e apoio para o “Movimento Islâmico-Crítico” em toda a Austrália e agora decidiu abraçar a publicidade.

Bem diferente dos dias em que o grupo insistia que os membros assinassem um acordo de não-divulgação caso quisessem assistir a uma de suas reuniões.

Mas agora o partido anti-Islã está promovendo publicamente um jantar para arrecadar $150 por cabeça (£ 89), em Sydney e Melbourne, que contará com discursos de conselheiros locais bem conhecidos.

Líderes dizem que o grupo secreto está recebendo apoio da oposição, na esteira de vários ataques terroristas islâmicos…

“Se você olhar para 10 anos atrás, não encontrará um aritgo escrito sobre essas questões. Tudo era fantástico, todos queriam um falabel ou um kebab.

“Com o Islã, o problema cresce exponencialmente. Estamos provavelmente 10 anos atrás da Grã-Bretanha e da Europa, mas chegaremos lá rapidamente.”

“O principal é reduzir os números, não deixá-lo crescer mais e retirar o status dele da nossa chamada sociedade multicultural”.

O novo manifesto do partido político Australiano afirma que “o Islã não é meramente uma religião, é uma ideologia totalitária com aspirações globais”.

O partido é afiliado à Aliança de Liberdade Australiana e a organização global Pare a Islamização das Nações (SION), que trouxe o político Holandês de direita Geert Wilders para falar na Austrália.

A Q Society tem 1.000 membros registrados em toda a Austrália que doam somas de US$ 5 (£ 3) a US$ 5.000 (£ 3.000).

Mas, a popularidade da organização não está imune às críticas.

Keysar Trad, da Associação Islâmica de Amizade da Austrália, disse que a Q Society dissemina “a perturbadora islamofobia sem fundamento”, mas disse que alguns subscreveram essa mensagem por causa da falta de boas informações sobre o Islã.

No entanto, Schumann argumenta que a “islamofobia” é um conceito falso.

Ele disse ao news.com.au: “É calúnia básica, material usual para calar as pessoas.”

“Chame-os de Nazistas ou fanáticos. Eu não acho que isso seja racismo. É preocupação com uma ideologia específica .”

“Você provavelmente não lembra como era quando embarcava num avião, era como entrar num trem ou bonde. A mudança certamente não é por causa de alguns Hindus malucos ou Judeus. Terror funciona.”


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Anúncios