Egito: Milhares Gritando “Allahu Akbar” Velam Sheikh Cego, mentor do bombardeio ao WTC 1993

Fonte/Source: Egypt: Thousands screaming “Allahu akbar” mourn Blind Sheikh, mastermind of 1993 WTC jihad bombing


Egito: Milhares Gritando “Allahu Akbar” Velam Sheikh Cego, mentor do bombardeio ao WTC 1993

 

Por Robert Spencer

24 de Fevereiro de 2017


Aqueles que favorecem a jihad e a Sharia são apenas uma pequena minoria de extremistas, certo?

Se ele fosse um homem mau, pessoas de todo o país não teriam ido ao seu funeral“.

Exatamente assim.

“Milhares velam  “o Sheikh cego ” condenado em 1993 pelo bombardeio do World Trade Center”, por Amina Ismail e Arwa Gaballa, Reuters, 22 de fevereiro de 2017:

Milhares de pessoas em luto se reuniram nesta Quarta-feira numa pequena cidade Egípcia para o funeral do clérigo Muçulmano conhecido como “o sheikh Cego”, que foi condenado por conspiração no bombardeio do World Trade Center de 1993 em Nova York.

Omar Abdel-Rahman, que também foi condenado por planejar uma “guerra de terrorismo urbano” mais ampla nos Estados Unidos, morreu no Sábado numa prisão na Carolina do Norte com 78 anos.

Movimentos em todo o espectro Islâmico desde a Irmandade Muçulmana até a al Qaeda emitiram depoimentos sobre ele, e vários líderes do Grupo Islâmico do Egito, que vê o sheik como um líder espiritual e que renunciou à violência em 1997, participaram.

Levando sinais que dizem “vamos nos encontrar no céu” e cantando “vamos defendê-lo com sangue e alma, o Islã”, centenas de pessoas se reuniram em Al-Gamaliya, sua cidade natal na Dakhlia, província do Delta do Nilo, para esperar pelo corpo de Abdel-Rahman enquanto retornava dos Estados Unidos via Cairo.

Abdel-Rahman, de origem Egípcia, que perdeu a visão devido à diabetes na infância e cresceu estudando uma versão em braile do Alcorão, permaneceu como líder espiritual para Muçulmanos radicais mesmo depois de mais de 20 anos de prisão.

Quando adulto associou-se ao grupo Islâmico fundamentalista e foi aprisionado e acusado de emitir uma fatwa que levou ao assassinato do Presidente Egípcio Anwar al-Sadat em 1981, contra o qual ele tinha se rebelado durante anos.

Abdel-Rahman ainda era uma figura importante no Islã radical mesmo depois de anos na prisão. Um ano antes de seus seguidores da Al Qaeda terem detonado o ataque mais destrutivo contra o solo dos EUA, os ataques de 11 de Setembro de 2001. Osama bin Laden prometeu uma jihad para libertar Abdel-Rahman da prisão.

Quando Mohammed Mursi, líder da Irmandade Muçulmana, iniciou sua breve presidência do Egito em 2012, disse que pôr o sheik em liberdade seria uma prioridade. Os jihadistas que atacaram um campo petrolífero Argelino e fizeram reféns em 2013 também exigiram sua libertação.

 No entanto, os simpatizantes os descrevem como um estudioso reverenciado que enfrentou injustiça e tortura nas mãos dos governos Egípcio e dos EUA por aderir a seus princípios.

Os enlutados cantaram “Deus é grande” (sic) e aplaudiram quando seu corpo, envolto em um cobertor marrom dentro de um caixão de madeira, foi trazido para ser lavado na casa de seu irmão antes do enterro.

Se ele fosse um homem mau, pessoas de todo o país não teriam ido ao seu funeral“, disse Mostafa al-Wakeel, um advogado de 40 anos que viajou por cerca de 175 quilômetros do Cairo….


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Anúncios