Papa Francisco Rasga A História Das Antigas Muralhas Contra O Islã

Fonte/Source: Pope Francis Tears at History’s Ancient Walls against Islam – Raymond Ibrahim

Papa Francisco Rasga A História Das Antigas Muralhas Contra O Islã

Por Raymond Ibrahim

24 de Fevereiro de 2017

FrontPage Magazine

Papa Francisco continua a defender dois pontos inter-relacionados que, embora aparentemente humanos, comprometam as nações Ocidentais e expõe seus cidadãos ao perigo.

Ele reiterou seu primeiro ponto no início deste mês quando disse: “Eu apelo para não criar muros, mas para construir pontes”. Francisco tem feito este apelo com frequência, tanto figurativamente (quando implora aos países Ocidentais para não fecharem as portas contra a entrada de mais migrantes Muçulmanos) e literalmente (nessa caso, caracterizando a proposta de Donald Trump de construir uma muralha entre os EUA e o México como “não Cristã“).

Francisco reiterou seu segundo ponto alguns dias atrás, quando disse: “O terrorismo Muçulmano não existe”. Sua lógica é que, já que existem Cristãos que se envolvem em atividades criminosas e violentas — e, no entanto, ninguém culpa o Cristianismo por seu comportamento — sendo assim, então o Islã também não pode ser culpado quando Muçulmanos se envolvem em atividades criminosas e violentas.

Nisso, o papa Católico parece incapaz ou não quer fazer a distinção fundamental entre a violência cometida de acordo com os ensinamentos Islâmicos e a violência cometida em contradição com os ensinamentos Cristãos.

Mas existe uma outra ironia relevante e muitas vezes esquecida: todas as manhãs Francisco acorda no Vaticano e olha pela janela, vê um lembrete muito grande e concreto que desmente tanto a sua argumentação contra os muros e o seu argumento em defesa do Islamismo. Falo das grandes muralhas que cercam a Cidade do Vaticano, mais especificamente a Muralha Leonina.

Contexto: Poucos anos após a morte do profeta Muhammad em 632, seus seguidores irromperam da Arábia e conquistaram terras vizinhas não-Muçulmanas em nome do Islã. Em poucas décadas, tinham anexado dois terços do que foi a Cristandade no século VII. Tomaram todo o Oriente Médio, Norte da África e Espanha, até que finalmente foram parados em Tours, no centro da França (732). No final do século IX, as incursões jihadistas haviam transformado o Mar Mediterrâneo em um lago Muçulmano; as ilhas principais — Sicília, Creta, Rodes, Malta, Chipre — foram conquistadas, e a costa Europeia foi habitualmente invadida para espólio e escravos.

Segundo os cronistas Muçulmanos mais influentes e contemporâneos — al-Waqidi, al-Baladhuri, al-Tabari, al-Maqrizi, etc. — tudo isso foi feito porque o Islã ordena os Muçulmanos a subjugar e humilhar os não-Muçulmanos.

Foi neste contexto que, em 846, as frotas Muçulmanas do Norte da África desembarcaram perto de Roma. Incapazes de romper os muros da Cidade Eterna, saquearam e espoliaram os arredores rurais, incluindo — para consternação da Cristandade — as basílicas veneradas e centenárias de São Pedro e São Paulo. Os invasores Muçulmanos profanaram os túmulos dos apóstolos venerados e os despojaram de todos os seus tesouros. Papa Leão IV (847-855) respondeu construindo grandes muralhas e fortificações ao longo da margem direita do Tibre para proteger os locais sagrados de outras incursões Muçulmanas. Concluída em 852, as muralhas, em alguns lugares, mediam de 12 m de altura por 3,7 m de espessura.

Antecipando em muito as cruzadas contra o Islã por mais de dois séculos — isso mostra como era há muito tempo — o Papa Leão decretou que qualquer Cristão que morresse combatendo invasores Muçulmanos iria entrar no céu. Depois dele e pelas mesmas razões, o Papa João VIII ofereceu a remissão de pecados àqueles que morreram combatendo invasores Islâmicos. Tal era o perigo existencial e permanente que os Muçulmanos causavam na Europa Cristã — mais de dois séculos antes do apelo do Papa Urbano para a Primeira Cruzada em 1095.

Hoje, muitos Muçulmanos, não apenas as variações do ISIS, continuam vangloriando-se de que o Islã conquistará Roma, a única das cinco sés apostólicas — sendo as outras quatro Antioquia, Alexandria, Jerusalém e Constantinopla —que nunca foi subjugada pela jihad. Da mesma forma, Muçulmanos em toda a Europa continuam exibindo a mesma hostilidade e desprezo por todas as coisas e pessoas não-Islâmicas, seja indo à igreja para vandalizar e quebrar cruzes, ou estuprando mulheres “infiéis” como suas por direito.

Em suma, as muralhas do Papa Leão provam que o Papa Francis está errado em ambos os casos: sim, as muralhas são por vezes necessárias para preservar a civilização; sim, o Islã promove a violência e a intolerância à diferença do outro — muito mais do que qualquer outra religião. Este fato é facilmente discernido examinando as palavras passadas e presentes e os atos dos Muçulmanos, todos os quais evidenciam uma notável e inabalável continuidade de hostilidade contra “infiéis”.

Talvez a mais irônica de todas, se não fosse as muralhas do Papa Leão — e tantas outras muralhas Cristãs, como a de Constantinopla, que manteve o Islã fora da Europa durante séculos, e a de Viena, que bloqueou uma jihad completa em 1683 — não haveria hoje em dia um papa para pontificar sobre como as muralhas são terríveis e quão incompreendido é o Islã. E quando Francisco acusa, de não serem Cristãos, os que constroem muros, como fez com Trump, acusa essencialmente homens como o Papa Leão IV — que fez tanto para proteger e preservar a Cristandade em um tempo em que o Islã estava engolindo o mundo — de não ser um verdadeiro Cristão.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Anúncios