KASHMIR: IMÃ JIHADISTA ASSASSINADO, 70.000 PESSOAS COMPARECEM AO FUNERAL

Fonte/Source: Kashmir: Jihadi imam killed, 70,000 people attend his funeral


KASHMIR: IMÃ JIHADISTA ASSASSINADO, 70.000 PESSOAS COMPARECEM AO FUNERAL

Por ROBERT SPENCER

17 de Março de 2017

Você acha que qualquer um dos “reformadores Muçulmanos” que desfruta da lisonja e adulação dos ignorantes e esperançosos nos EUA terá 70.000 Muçulmanos presente em seu funeral? Nem eu. Mas agora é oficialmente uma falha moral por parte dos não-Muçulmanos comentar o fato de que “extremistas” são muito mais populares entre os Muçulmanos em todo o mundo do que os “reformadores”. Não devemos pensar assim, e se o fizermos, isto nos torna jihadistas.

Enquanto isso, como esse imã, — que dedicou sua vida à compreensão correta do Islã, —pôde tornar-se um líder da jihad? Como pôde compreender tão mal os ensinamentos verdadeiros e pacíficos do Alcorão, que são tão claros para o Papa Francisco e John Kerry e George W. Bush e uma miríade de outros Mulás instruídos?

O Militante Que Era Um Imã“, de Owais Farooqi, Kashmir Monitor, 11 de Março de 2017:

Bandipora: Mushtaq, militante do Hizbul Mujahideen morto em Bandipora na Quinta-feira, era um imã de uma mesquita local em Hathlangoo, Sopore, até Setembro de 2014, quando acreditava-se que tinha se afogado nas inundações. Seu pai, Sher-Dil Seer, ficou tão surpreso com a notícia do assassinato de seu filho mais velho nas mãos das forças governamentais, que demorou 15 minutos para reconhecer sua face: amolecida, de aparência desagradável e sem a barba comprida.

“Pensamos que ele estivesse morto. Mas continuamos procurando em todos os lugares“, disse Sher-Dil, um dia depois da morte de seu filho.

Nunca cruzou a mente de Sher-Dil que seu filho pudesse ter se juntado à militância. Tudo o que sabia era que Mushtaq fora acusado pelas forças governamentais de pregar sermões provocativos na mesquita quando liderava as orações. Ao mesmo tempo, Mushtaq foi levado pela polícia SOG (Special Operation Group) sob a acusação de pregar sermões provocativos na mesquita de Hathlangoo.

“Ele foi esbofeteado e mantido por cerca de 15 dias no campo SOG. O DySP (vice-superintendente de polícia) da SOG disse naquele momento que Mushtaq era um menino que não podia ser um encrenqueiro”, disse Sher-Dil.

Antes de ser preso pelo SOG, Mushtaq havia cumprido cinco anos de prisão. Foi acusado de matar sua esposa após dois meses de casado em 2008. “Ele foi absolvido pelo tribunal de todas as acusações”, disse Sher-Dil sobre esse caso.

“Após a sua libertação da prisão em 2013, Mushtaq tornou-se um homem religioso. Cresceu uma longa barba. Liderava as orações até mesmo na prisão”, disse Sher-Dil.

Depois de sair da prisão, Mushtaq se tornou um Imã e conduziu as orações na mesquita de Hathlangoo.

“Depois do incidente da SOG, quando voltei para casa, tive uma discussão muito forte com Mushtaq. Disse a ele para não dizer coisas que não soariam bem com as forças do governo. Foi um argumento muito acalorado. Depois dessa discussão, ele saiu de casa, para sempre”, disse Sher-Dil. “Ele disse à mãe que iria para Srinagar e que conduziria as orações.” …

Parentes e vizinhos vieram para consolar Sher-Dil e disseram que Mushtaq tinha “alcançado o lugar mais alto no céu”. Para isso, Sher-Dil respondeu: “Deixe-me tirar isso do meu peito: até mesmo o Alcorão diz que matar um ser humano é matar a humanidade. Me chame do que quiser… ”

Então Sher-Dil disse em um sussurro, “Você sabe que setenta mil pessoas compareceram ao funeral dele.”…


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Anúncios