Por Que Os Cristãos Estão Sendo Assassinados No Egito

Fonte/Source: Why Christians Are Being Slaughtered in Egypt – Raymond Ibrahim


Por Que Os Cristãos Estão Sendo Assassinados No Egito

Por Raymond Ibrahim

14 de Abril de 2017

Mulheres aos prantos durante o funeral das vítimas dos ataques à igreja de Domingo de Ramos.

PJ Media

No dia 9 de Abril — Domingo de Ramos, início da Semana Santa da Páscoa — duas igrejas Cristãs foram bombardeadas durante a missa no Egito, deixando pelo menos 50 fiéis mortos e quase 130 feridos e/ou mutilados.  (Imagens Fortes / vídeo sobre as consequencias aqui).

Menos de quatro meses antes, em torno do Natal, outra igreja Cristã foi bombardeada no Egito, deixando 27 fiéis — em sua maioria mulheres e crianças — mortos e ferindo quase 70. No Ano Novo de 2011, outra igreja Egípcia foi bombardeada, deixando 23 fiéis mortos.

Em 2013, cerca de 70 igrejas Cristãs no Egito foram atacadas, muitas delas queimadas pela Irmandade Muçulmana e seus adeptos.

E mais, muitos outros ataques “menores” às igrejas Egípciastentativas fracassadas de bombardeios, grafites cheios de ódio e revoltas de “multidões irritadas” — que são tão “cotidianas” que não recebem praticamente nenhuma cobertura de mídia no Ocidente.

Basta ouvir as palavras e os ensinamentos de alguns dos pregadores Muçulmanos do Egito para entender por que os Cristãos do Egito — estão sendo assassinados em número crescente — e suas igrejas estão constantemente sob ataque.

Veja Dr. Ahmed al-Naqib, por exemplo. Estudou nas melhores madrassas (escolas) Islâmicas, incluindo Al Azhar, autor de vários livros sobre a doutrina, recebeu prêmios e condecorações por suas realizações acadêmicas, e aparece regularmente na televisão. Em vídeo, aparece discutindo um ataque recente, perpetrado por um bando de Muçulmanos numa igreja no Egito, que a mídia e o governo sempre denunciam como fitna, uma palavra Árabe que significa tentação ou discórdia e a qual o Islã comanda aos Muçulmanos para se oporem.

Nota do tradutor: A palavra “shirk (شرك)”, que será vista no parágrafo seguinte, significa “ser parceiro”, “ser parceiro em alguma coisa”, …de outro que não seja Alá; assim, esse tipo de shirk é chamado de “Shirk Maior” ou “Shirk Aberto”.

Citando textos Islâmicos venerados, incluindo o Alcorão, o Dr. Naqib explicou que a exibição aberta, chamada de shirk, o maior pecado no Islã, associando alguém a Deus, do qual o Alcorão acusa os Cristãos de o cometer através da Trindade — é a pior forma de fitna, pior que assassinato e derramamento de sangue.”

Em outras palavras, e como deixou claro no restante do vídeo, fitna (ou discórdia) não é quando os Muçulmanos atacam as igrejas Cristãs — longe disso —, mas sim quando os Cristãos são autorizados a exibir seu shirk (ou “Blasfêmias”) em igrejas próximas dos Muçulmanos. Combater isso — até mesmo ao ponto de “assassinato e derramamento de sangue” — é preferível.

Em seguida, temos o Dr. Yasser Burhami, a face do movimento Salafista Egípcio, tão credenciado e prolífico como Naqib: o qual pode ser visto em vídeo dizendo que, embora um homem Muçulmano tenha permissão para se casar com mulheres Cristãs ou Judias, deve certificar-se de que ainda as odeia em seu coração — e sempre mostrar que as odeia — porque são infiéis; caso contrário, corre o risco de comprometer o seu Islã.

Quanto às igrejas, Burhami emitiu uma vez uma fatwa proibindo táxis Muçulmanos e motoristas de ônibus de transportarem sacerdotes Cristãos para as igrejas, um ato, dito por ele, “mais proibido do que levar alguém a um bar de bebidas alcoólicas”.

Mas não são apenas os sheiks “radicais” ou Salafistas que fazem tais declarações odiosas. Mesmo as chamadas instituições Islâmicas “moderadas”, como Dar al-Ifta de Al Azhar, emitiram uma fatwa em Agosto de 2009 comparando a construção de uma igreja a “uma boate, um cassino ou um celeiro para criação de porcos, gatos ou cães “.

Tais analogias não são originárias dos Salafitas ou Dar al-Ifta, remontam às mais reverenciadas doutrinas do Islã, incluindo Ibn Taymiyya e Ibn Qayyim, cujos livros são vendidos e usados ​​em todo o Egito, incluindo escolas. Eles ensinaram que “construir igrejas é pior do que construir bares e bordéis, porque as essas [igrejas] simbolizam a infidelidade, enquanto os [bares e bordéis] representam a imoralidade”.

Isto explica o motivo, o porquê após o bombardeamento fatal à igreja em 11 de Dezembro de 2016 que deixou 27 mortos, Muçulmanos escreveram “diariamente” coisas como “Deus abençoe a pessoa que fez este ato abençoado” nas mídias sociais. Uma mulher Muçulmana de aparência média aparece nas ruas do Egito celebrando jubilosamente o massacre (vídeo legendado em Inglês). Ela triunfantemente grita “Allahu Akbar!” E diz que “nosso amado profeta Muhammad está pagando os infiéis [Cristãos] de volta… por rejeitar o tawhid, que deve ser proclamado em todos os cantos do Egito!”

Os Americanos devem se lembrar de que os Muçulmanos em todo o mundo também celebraram os ataques terroristas de 11 de Setembro. Diante disso, a premissa era “devemos ter feito algo para fazer os Muçulmanos nos odiarem tanto”. Mas se a poderosa América é capaz de provocar Muçulmanos com suas políticas externas, o que a tão oprimida e excluída minoria Cristã do Egito fez para fazer com que os Muçulmanos celebrem a notícia de que uma igreja foi bombardeada e Cristãos assassinados?

Qualquer um poderia continuar indefinidamente com os exemplos dos clérigos Muçulmanos e suas instituições incitando — com absoluta impunidade — a violência contra os Cristãos e suas igrejas no Egito. Muitos Egípcios seculares e/ou moderados concordam. Por exemplo, em 2014, os partidários da Irmandade Muçulmana espancaram e mataram uma mulher depois que uma cruz a identificou como Cristã. Pouco tempo depois, um editorial Egípcio intitulado “Encontre o verdadeiro assassino de Maria” argumentou que:

“Aqueles que mataram a jovem e vulnerável Mary Sameh George, por pendurar uma cruz em seu carro, não são criminosos, mas sim miseráveis ​​que seguem aqueles que legalizaram, para eles, o homicídio, o linchamento, o desmembramento, e o desnudamento de jovens Cristãs – sem nem precisar dizer “mate.” Do [clérigo Islâmico] Yassir Burhami e seus colegas que anunciam seu ódio pelos Cristãos através de canais via satélite e nas mesquitas, alegando que o ódio dos cristãos é sinônimo de amor a Alá, — são os verdadeiros assassinos que precisam ser denunciados e processados.”

Pode-se dizer a mesma coisa sobre os bombardeios da última igreja de Domingo de Ramos que assassinou 50 pessoas. Embora o Estado Islâmico (ISIS) tenha rapidamente reivindicado os ataques terroristas, isso não é realmente relevante para a história. “ISIS” — como Al-Qaeda, Boko Haram, Al-Shabaab, Hamas, Taliban, Wahabbi Saudi, e os Muçulmanos que perseguem Cristãos em 40 das 50 piores nações do mundo — é um sintoma, não a fonte do ódio.

Em suma, até que o governo Egípcio remova os sheiks “radicais” e seus ensinamentos nas mesquitas, nas escolas, nas estações de televisão e em todas as outras posições de influência, os Muçulmanos continuarão a ser radicalizados, as igrejas continuarão a ser bombardeadas, e os Cristãos continuarão a serem assassinados.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Anúncios

Deixe um Comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s