Arquivo da tag: allah

A Estupidez Americana: Será que o Ocidente Corrigirá Sua Resposta À Ameaça Islâmica?

Fonte: The American blunder: Will the West correct its response to Islamist threat? | IndiaFacts


A Estupidez Americana: Será Que O Ocidente Corrigirá Sua Resposta À Ameaça Islâmica?

Os liberais Ocidentais podem corretamente chamar os Islamistas de antidemocráticos, ditatoriais, desumanos e tratá-los com o desdém que merecem.

Por Shankar Sharan | IndiaFacts

29 de Abril de 2017

A Secretária de Estado dos EUA, Hillary Rodham Clinton, encontra-se com as mulheres líderes da sociedade civil Afegã na Embaixada dos EUA em Cabul, no Afeganistão, na Quinta-feira, 20 de outubro de 2011. (S.K. Vemmer / Departamento de Estado)

Sessenta anos atrás, o Comunismo Soviético era uma ameaça aos países livres e democráticos em todo o mundo. Os líderes Comunistas tinham uma fé enorme no que chamavam de “ciência” do Marxismo-Leninismo e estavam firmes na crença de que, mais cedo ou mais tarde, converteriam o mundo inteiro ao Comunismo. Foi nesse momento tão histórico que o principal líder Soviético, Nikita Khrushchev, ameaçou diretamente o mundo Ocidental: “Vamos enterrá-lo”.

Em resposta, o Ocidente liderado pelos EUA não hesitou em lançar uma guerra ideológica contra o Comunismo. Mostraram que a fé Marxista-Leninista não era uma ciência, mas uma construção ideológica. Ela estava cheia de buracos e por isso os Soviéticos e outros comunistas recorreram regularmente à falsidade, à censura e à violência. Caso contrário, teriam poucas realizações para mostrar em qualquer dos países comunistas que governaram durante décadas.

Na época, aproximadamente entre o final dos anos de 1950 e o começo dos anos 80, acadêmicos dos EUA, formuladores de políticas e comentaristas nunca disseram que ‘o Marxismo-Leninismo é bom, mas os líderes Soviéticos estão equivocados’. Em vez disso, os círculos governamentais Ocidentais, acadêmicos, mídia, travaram uma guerra aberta contra os princípios do Marxismo-Leninismo e expuseram as sombrias realidades das sociedades comunistas. É claro que também havia outros no mundo Ocidental, que defendiam tenazmente as posições Soviéticas e comunistas. Mas foram rejeitadas ponto por ponto na academia e na mídia, sem quaisquer escrúpulos.

Agora, os mesmos EUA e seus aliados Ocidentais estão mais seriamente ameaçados pelas declarações semelhantes provenientes dos Islamistas em todo o mundo. O ISIS é apenas o último avatar do mesmo Islamismo, ostentando uma fé semelhante para converter o mundo inteiro ao Islã, exterminando todas as outras crenças e ideias, o que chamam de ‘kufr’(incrédulo).

Mas desta vez, estranhamente, os mundos Ocidentais escolheram uma postura peculiar: o Islã é bom, só os terroristas Islâmicos são maus. Embora o Islã por si só seja mais uma ideologia política do que uma religião. Em outras palavras, é uma ideologia política sob um traje religioso. De fato, o aiatolá Khomeini certa vez expressou assim: “Todo o Islã é político”. E ele não estava sozinho nesta observação. Todos os clérigos Islâmicos e acadêmicos testemunham dessa forma, embora de várias maneiras, sem hesitar.

É por isso que muitos e muitos Muçulmanos humanistas também sublinham a necessidade de olhar para a ideologia Islâmica per se, a fim de combatê-la até o fim. Por exemplo, o ex-Jihadista Britânico Ed Hussain enfatizou a necessidade de “enfrentar essa violenta ideologia” que o influenciou antes de se afastar dela. Taslima Nasreen e Salman Rushdie também destacaram isso direta e indiretamente.

Então, a qual ideologia Hussain está se referindo? Por que o Ocidente até agora não se preocupou em desmascará-la tão completamente, como fez com o Marxismo-Comunismo? A ideologia jihadista é nada mais que uma parte intrínseca do Islã. É uma entidade histórica, autodeclaradamente criada por um homem histórico, e assim como qualquer outra coisa, é extremamente vulnerável a erros humanos. Ora, o próprio Muhammad tinha duvidado disso! Mesmo que apenas em sua fase anterior como “profeta”, mas o fato é que duvidou de seus pensamentos. Para não dizer sobre a sociedade em que vivia — estavam esmagadoramente duvidando de suas reivindicações. Como consequência, todas as guerras que Maomé teve que fazer, para forçá-los a aceitar sua reivindicação profética. A situação continua até hoje, enquanto todos os Muçulmanos estão sob ameaça dos guardiões do Islã, caso duvidem do Profeta ou das suas imposições. A importância deste fato, e o seu potencial para causar dano, ainda não foi realizada pelos líderes do mundo livre.

Em segundo lugar, os famosos “versículos satânicos” são também uma prova de que Muhammad, o Profeta, mesmo depois, ainda poderia estar equivocado. Afinal, ele mesmo descartou esses quatro versos, os quais uma vez proclamou como Divinos. Há outras evidências também, em abundância, mostrando que a ideologia do Islã desde o início tem sido uma construção pobre. É por isso que, da mesma forma que o Comunismo Soviético, também foi condenado mais tarde a empregar violência constante, e a impor censura sobre qualquer discussão e crítica aos princípios Islâmicos.

De fato, essa é uma prova positiva de que o Islã não é uma doutrina infalível. Porque uma doutrina infalível não pode ter medo das simples perguntas e observações vindas de um ser humano comum. Assim como um princípio científico da física ou uma sólida equação matemática, não se sentem ameaçados pelos incrédulos.

Assim sendo, se o establishment Americano tivesse lançado uma guerra ideológica aberta contra a ideologia Islâmica, e a fé política que emana dela, ao invés de enviar exércitos para os estados Islâmicos nocivos — o mundo Islâmico estaria há muito tempo na defensiva. Teriam que responder em palavras todas as questões levantadas contra a qualidade do profeta Maomé e a “única fé verdadeira”. Não teriam escolha. Como os Khomeinis puderam emitir Fatwas para matar inúmeros estudiosos, escritores e líderes que duvidaram das reivindicações Islâmicas, como Rushdie fez em 1988?

Declarar uma guerra ideológica contra o Islã não teria prejudicado as “relações comerciais”, uma vez que os países Islâmicos estão mais dependentes de vários bens do Ocidente que o Ocidente em relação ao petróleo. Os establishments Islâmicos, nesse caso, teriam sido obrigados a responder em palavras, para justificar seu credo, seu sistema sociopolítico, suas leis, suas realidades sociais, os abusos generalizados perpetrados contra não-Muçulmanos e sobre suas próprias mulheres e crianças, etc. Falhando nesta tarefa, teriam simplesmente mostrado o valor de uma doutrina oca. No processo, Muçulmanos comuns, pelo menos uma considerável parte sensata deles, notariam a grosseira irracionalidade do credo Islâmico, um credo que presunçosamente chama as outras culturas de “kufr”, “podre” e “aptas a serem destruídas”.

Não fazê-la, é a maior estupidez que os EUA e seus aliados vêm cometendo há pelo menos três décadas, ou seja, desde que Rushdie abriu uma frente crucial. Teriam ganhado generosamente a guerra contra a visão do mundo Islâmico, apenas estabelecendo jornais de qualidade, estações de rádio, canais de TV exclusivamente dedicados à expor as doutrinas Islâmicas moribundas e suas práticas bárbaras em países Islâmicos e as comunidades Muçulmanas que vivem em outros lugares. Algo exatamente na linha da rádio ‘Europa Livre’, ‘Liberdade’ e revistas como ‘Problemas do Comunismo’ etc., que expuseram brilhantemente a antiga URSS e a Europa Oriental. Trouxeram tudo que fosse comunista ao escrutínio humano normal.

Se os Estados Unidos tivessem feito algo semelhante em relação à ideologia e aos establishments Islâmicos, além de tornarem os regimes Islâmicos, as organizações, os partidos, as defesas dos establishments e dos mais fracos, também teriam encorajado os Muçulmanos reformistas em todo o mundo. Os dissidentes adormecidos das ditaduras Islâmicas em todos os países/sociedades Islâmicos teriam produzido numerosos Salman Rushdies e Wafa Sultans.

Há um número considerável de dissidentes nas sociedades Muçulmanas como aconteceu nas ditaduras comunistas anteriores. Mas estes estão sob a ameaça da shariat ameaçando o mundo todo. Eles não estão recebendo qualquer apoio do mundo livre como receberam os dissidentes Soviéticos do comunismo. Este foi o grande erro dos políticos e intelectuais Ocidentais.

Na verdade, é surpreendente que um método totalmente não-violento para solucionar o problema Islâmico jihadista não tenha sido realizado até agora. Foi apenas um erro tolo ou um resultado da ignorância geral sobre o Islã e suas realidades históricas? Seja o que for, mas se manter em silêncio em nome de “respeitar os sentimentos” dos Islâmicos, mostra que o Ocidente vem ao longo do tempo cometendo uma dupla falta. Uma delas é não estar apoiando os seus melhores aliados e a outra, fortalecendo seus inimigos!

Basta imaginar, por comparação, o que teria acontecido se nos anos de 1960 os EUA tivessem reiterado que Marx, Lênin, Mao e seus livros e prescrições eram ótimos, só os comunistas Russos ou Chineses ou seus propagandistas é que são maus? Isso teria apenas reforçado o poder do credo Marxista-Leninista, o credo que sustentou os líderes Soviéticos durante décadas. É exatamente isto que vem acontecendo nos últimos trinta anos em relação ao Islã. Essa é a grade estupidez Ocidental. Tente reconhecer isso.

A postura Ocidental de apaziguar o Islã sempre foi autodestrutiva. É a mesma história na Ásia e em outros lugares que seguem a mesma postura. Nenhum deles parece realmente estar entendendo a loucura completamente. Às vezes proferem algo como lutar contra a “ideologia do mal”, mas não conseguem apontá-la.

A verdade verificável é: o que era uma tática correta contra a fé comunista é ainda mais apta para o caso Islâmico. Exceto uma fé cega para conquistar o mundo para o Islã, as forças Islâmicas não têm muito o que fazer numa guerra contra o “mundo infiel” liderado pelos EUA. Nenhum líder jihadista promete qualquer coisa e nenhum jihadista comum falha em mencioná-la como sua inspiração. Considere estes fatos incrivelmente simples e qualquer um poderá ver que é tão fácil destruir a fonte do terrorismo Islâmico para fora da face da terra.

Uma vez que essa fé for enfraquecida, criando uma enorme dúvida na mente de um grande número de Muçulmanos sobre a fé e as realidades sociais durante todos esses séculos, e todos os aspectos dela, já será meio caminho andado (testemunhar todo o tipo de ameaças feitas para matar Muçulmanos escritores, intelectuais que exprimem dúvidas sobre um preceito do Islã: são sinais seguros de temor, o temor de não poder defender as posições ideológicas se as pessoas críticas a elas não forem ameaçadas), a desintegração de organizações terroristas seria uma mera formalidade. Eles não têm mais nada para sustentar, exceto a ideia de jihad e a recompensa no paraíso, a única recompensa no Islã. Por favor, observe os depoimentos dos terroristas Islâmicos e jihadistas, todos quase sem exceções, foram exaltados pela fé nesse credo e na recompensa.

O credo, portanto, deve ser desafiado com ousadia e desinteresse. Depois disso os jihadistas não saberiam o que fazer! Depois de completamente feito, conseguirá a vitória da liberdade de expressão/pensamento sobre dogmas Islâmicos sem qualquer derramamento de sangue. Isso também aliviará ipso facto milhões de Muçulmanos que vivem em escravidão pela ulemá, os guardiões do “partido do Islã”.

O Ocidente e o mundo livre não têm nada a perder se decidir fazer uma guerra contra os princípios sociopolíticos e jurídicos Islâmicos. Por favor note: será um ato civil, não militar. Portanto, nenhum derramamento de sangue estará envolvido. As ameaças iniciais de assassinato e violência por parte dos grupos Islâmicos, e regimes para estancar tal escrutínio ideológico aberto, seria totalmente insignificante em comparação ao que temos visto desde o Afeganistão, Paquistão até a Síria.

É também um direito humano básico bem reconhecido desde a época dos grandes Upanishads até Sócrates e a Reforma na Europa, onde todos estão satisfeitos com o seu direito de criticar um pensamento, uma ideologia, incluindo uma ideologia político-religiosa. Isto é mais válido no caso Islâmico, porque as proclamações Islâmicas nunca deixam os outros, os “infiéis” sozinhos. Então por que os outros não deveriam retribuir com veemência?

Por exemplo, por que um Hindu não deve dizer que a maioria das coisas pregadas em livros Islâmicos autoritários são simples ‘Adharma’, um monte de maldade, de acordo com o que os Hindus entendem por milênios? E, portanto, os Hindus e os Budistas, por exemplo, têm o direito de travar uma guerra contra as forças de asuri (demônio) representadas por todos os tipos de Islamistas. Da mesma forma, os liberais Ocidentais podem corretamente chamar os Islamistas de antidemocráticos, ditatoriais, desumanos e tratá-los com o desdém que merecem. Chegou a hora do Ocidente, bem como as outras sociedades não-Islâmicas ao redor do mundo, perceber o ponto crucial e evitar inibições. Tem sido contraproducente o tempo todo.

Dr. Shankar Sharan é Professor de Ciência Política no NCERT, Nova Delhi


Anúncios

Por Que Deixei O Islã: A História De Um Iraniano-Americano

Fonte/Source: Why I Left Islam: An Iranian-American Speaks


Nota do tradutor: Procuro sempre deixar o texto o mais próximo possível do original. Entretanto, em alguns momentos o depoimento do Iraniano-Americano se mostra um pouco caótico, mas o autor preferiu dessa forma.


Por Que Deixei O Islã: A História De Um Iraniano-Americano

Por ANDREW HARROD

26 de Abril de 2017

“Vejo muito amor no Cristianismo, vejo muita raiva e ódio no Islã”, disse o meu anônimo interlocutor Iraniano-Americano, no escritório do condomínio em que mora. Meu parceiro de entrevista relatou uma reveladora viagem pessoal, espiritual e geográfica, longe de sua fé Islâmica de infância e da pátria Iraniana até a sua conversão na fase adulta ao Cristianismo na América.

Filho de Iranianos Muçulmanos devotos, “Martin” viveu no Irã até 1974, quando seus pais o enviaram, aos 16 anos de idade, à Inglaterra para cursar o ensino médio. Sem qualquer coerção de seus pais, sua própria devoção o levou aos 12 anos de idade a frequentar as aulas de Alcorão e a praticar o regime Islâmico das cinco orações diárias. No entanto, a lei Islâmica exige apenas que os meninos comecem as orações aos 14 anos de idade.

Martin terminou suas visitas às classes do Alcorão e as orações diárias pouco antes de partir, após a nona série, para a Inglaterra onde a justaposição de sua fé Islâmica e a vida no Ocidente gerou uma crise pessoal. “Eu vivia na Inglaterra, todas as aulas eram mistas, meninos e meninas”, recorda. “Sendo um Muçulmano não devo apertar a mão das mulheres, não devo sair para namorar, não devo beber, e não poderia fazer isso na Inglaterra”. Violar as restrições Islâmicas num país como o Reino Unido, “sem necessariamente envolver sexo. Mas sua vida normal, diária — você não deve fazer isso.”

Em busca de uma solução para o seu dilema pessoal, Martin lembrou de sua formação religiosa dizendo que “no Islã eles têm diferentes classes de pecados”, alguns menores e perdoáveis ​​(saghira), outros graves e imperdoáveis ​​(kabira). Entre estes últimos, sendo um munafiq ou hipócrita, a “forma como aprendi o Islã, nunca é perdoado por Deus. Suponha que você seja ateu e se arrependa no fim de sua vida, Deus o perdoará.” “Mas se você é Muçulmano munafiq, Deus nunca o perdoará”, de tal forma que Martin não queria se declarar Muçulmano enquanto exibia normas Islâmicas. “Me tornei um ateu por razões egoísticas, porque pelo menos havia uma chance de ser perdoado.

Martin permaneceu ateu durante seus anos de faculdade, estudos de pós-graduação e vida subsequente nos Estados Unidos até 2003, quando se casou com sua segunda esposa. Essa mulher Cristã queria um casamento Cristão, e ele professou seu ateísmo ao pastor durante o aconselhamento pré-nupcial. “Fiquei realmente impressionado com a maneira como ele lidou com isso. Você procura um mulá Muçulmano, para casar e diz que é ateu, ele o expulsará imediatamente”, entretanto o pastor não se opôs e casou Martin com a sua congregante. Depois que começou a frequentar os cultos da esposa, o pastor sugeriu a Martin que frequentasse as aulas de educação Cristã, iniciando um processo que levou ao seu batismo em 2013.

Martin oferece interessantes reflexões sobre sua compreensão pessoal das diferenças entre o Cristianismo e o Islamismo. “No Cristianismo você é amado, não importa o quê, por Deus. O pastor que nos casou, um exemplo perfeito, correto, mesmo eu sendo ateu, foi a pessoa mais respeitosa para mim. “Além disso,” na nossa igreja, por exemplo, quando oramos, oramos por outras religiões, rezamos pelas pessoas que nem sequer acreditam em Deus… Você não vê isso no Islã, rezam apenas para si mesmos”.

Em contraste, Martin lembra das classes do Alcorão Iraniano que “a maior parte do Alcorão é sobre como Deus o punirá”. No Islã, Deus muitas vezes “fica bravo com você. Se você ler o Alcorão, tudo se resume em, se você fizer isso você vai se queimar para sempre, se você fizer isso você vai estar com as cobras”, uma vingança ainda mais aterrorizante dado os numerosos legalismos Islâmicos. “O Cristianismo não é uma religião rígida, enquanto o Islã diz o que comer, o que não comer, o que vestir, o que não usar, como fazer amor, como não fazer amor, como ir ao banheiro, eles têm leis para cada coisa que você faz.” Martin lembrou da etiqueta Islâmica do toalete exigindo que uma pessoa entre num banheiro com a perna esquerda, e não se aliviar em direção a ou oposta a Meca.

A alegria pessoal de Martin ao se tornar Cristão contrasta com o desenvolvimento deprimente de sua pátria desde a revolução Iraniana de 1979, que estabeleceu a República Islâmica do Irã. Lembrando seus pais devotos porém tolerantes, ele observa que “eu tenho um problema com o Islã como política, como ideologia, não como uma religião.” “Existem dois tipos de Muçulmanos. Há Muçulmanos religiosos, isso é um assunto privado, é para si, e há esses Muçulmanos políticos, que é essa nova geração desde a Revolução Iraniana”.

Martin tem boas lembranças da “geração do xá” num Irã, onde o governante Mohammad Reza Shah Pahlavi bebeu champanhe e não forçou as mulheres a uso do véu/hijab. “Sob o xá, você queria ir à mesquita, você poderia; você queria ir à discoteca, você poderia”, e seu pai,” tão religioso como era, nunca forçou ninguém a não beber, era problema deles”. Ele tinha clientes Judeus em sua loja de tapetes em Teerã, indicativo de um passado mais tolerante no Irã, em que Martin fez amizade com pessoas de várias minorias religiosas Iranianas.

A experiência pessoal da primeira esposa de Martin, uma Iraniana Baha’í, a qual conheceu e depois se divorciou nos Estados Unidos, exemplificou a repressão da República Islâmica do Irã após a queda do xá. A doutrina Islâmica considera essa comunidade religiosa fundada no Irã como herética e portanto “najis” ou impura. Sua escolha de esposa não era, portanto, incontroversa, e “houve alguma resistência, mesmo dos meus pais, mas aos poucos acabaram amando ela.”

A avó da esposa de Martin morreu em 1981 e a dura repressão da República Islâmica contra os Baha’ís também se estendeu até a morte. Depressivo para a sua esposa, as leis Islâmicas do Irã proibiram funerais públicos e lápides para os Baha’ís, o que significa que “basicamente você tem que enterrá-los como desconhecidos”. Entre várias discriminações contra os Baha’ís na economia e na educação, a “coisa mais cruel é você não poder nem mesmo enterrar seus mortos com respeito.”

As várias visitas de Martin ao Irã pós-revolucionário dificilmente encontraram um paraíso Islâmico:

“Agora há mais alcoólatras no Irã do que sob o regime do xá, porque as pessoas estão fazendo isso em suas próprias casas. O que está acontecendo no Irã, coisas anti-Islâmicas, como o sexo antes do casamento, o consumo de drogas, e muito mais, é completamente diferente quando sob o regime do xá. Basicamente, suas leis rígidas, as leis da sharia, têm tido um grande desempenho.”

Martin lembra que o Irã do xá estava muito mais desenvolvido do que a Coréia do Sul, mas desde 1979 a Coréia do Sul se tornou uma sociedade moderna, enquanto o Irã estagnou, apesar de sua enorme riqueza de petróleo.

Ele visitou o Irã pela última vez em 2002 para o funeral de sua mãe, mas a visão de mal-estar social, como a vício generalizado por drogas e meninas adolescentes transformadas em prostitutas, o comoveu para nunca mais voltar. Outras preocupações, como a de ser preso e usado como um refém político, igual a outros Iranianos com dupla nacionalidade, como o repórter do Washington Post, Jason Rezaian, só reforçou seu voto de que “não tenho vontade de voltar…  Perdi o Irã, para mim o Irã morreu.”

Duas das irmãs de Martin acrescentaram à sua perda usando a sua apostasia Islâmica contra ele, em processos judiciais Iranianos, para reivindicar sua herança. Como observado por seu advogado, suas irmãs declararam no tribunal que seu irmão é agora um kafir, ou infiel, tornando-o inelegível para a herança sob a lei Islâmica da sharia (sua relutância em retornar ao Irã só piorou seu caso legal). Essas irmãs, uma das quais costumavam dançar em clubes, o deixaram perplexo diante da recém-descoberta religiosidade delas após a revolução, e o forte apoio atual delas ao Líder Supremo do Irã, o Aiatolá Ali Khamenei.

Depois de um prolongado processo legal de 11 anos, após a morte de sua mãe, o advogado de Martin só conseguiu ganhar para ele cerca de um vigésimo de sua herança. Suas irmãs “sentiram-se justificadas me enganando, porque de acordo com elas, sou infiel”. “Seu Deus poderia até mesmo recompensá-las basicamente por trair um Cristão, porque de acordo com elas, agora não sou mais seu irmão, estou acabado. E acredite, se pudessem, elas me matariam.

De volta aos Estados Unidos, Martin tem “medo de que os Muçulmanos se tornem poderosos aqui, como na Europa”, onde ocorreram incidentes de vigilância Islâmica como a “patrulha da sharia” na Alemanha. Ele “tive que chutar alguém para fora da minha casa” quando um Muçulmano o visitou com um grupo de amigos de Martin. O Muçulmano “disse, por que você está servindo álcool? Eu disse que esta é a minha casa; não é da sua conta. Eu disse, você não gosta, saia.”

Martin adverte que, com os Muçulmanos observadores da sharia “é assim que eles começam. Oh, você poderia ser respeitoso, é contra a minha religião.” “Esses Muçulmanos, dizem, oh nós somos uma religião de paz e tudo. A única razão de dizerem isto é porque estão em minoria. Eles querem impor seu modo de vida”. Menciona o antecessor de Khamenei, o Aiatolá Ruhollah Khomeini, cuja fatwa de 1989 pediu a morte do escritor Britânico Salman Rushdie; “onde está a paz nisso?”

Martin comparativamente vê os convertidos Americanos ao Islã com profundo ceticismo e os censura pela ingenuidade em relação a sua nova fé. “Quando tiver uma chance, vou perguntar a todas essas crianças aqui convertidas ao Islã: tudo bem, isso é o seu livre arbítrio, mas o que vai acontecer com você se você mudar de ideia?” Qualquer apostasia deles “estarão assinando sua própria sentença de morte” em qualquer circunstância em que a pena de morte Islâmica tradicional para apostasia seria aplicável, como na República Islâmica do Irã; “Esse é o verdadeiro Islã.” “Isso realmente me parte o coração quando vejo crianças, jovens, aqui se convertendo ao Islã sem saber no que estão se metendo”.

A isolada observação otimista de Martin percebe que, apesar da severa repressão, muitos Iranianos estão se convertendo precisamente na direção oposta e ampliando o ranking de membros Iranianos na igreja subterrânea:

“A razão pela qual estão indo para o Cristianismo é basicamente a minha razão, é o amor… Eles experimentaram 38 anos de rígida lei da sharia, que realmente é puro ódio, nada mais, não há amor envolvido, e as pessoas estão mostrando resistência … Eles têm visto do que o Islã é capaz.”


Nota do blog:

Para os versados na língua Inglesa, segue uma lista imperdível de livros essenciais. 

Acesse os links para mais informações:

The Complete Infidel's Guide to Iran (Complete Infidel's Guides)
The Al Qaeda Reader: The Essential Texts of Osama Bin Laden's Terrorist Organization
The Post-American Presidency: The Obama Administration’s War on America
Stop the Islamization of America: 
A Practical Guide to the Resistance.
Germany and the Middle East, 1871-1945
From Time Immemorial: The Origins of the Arab-Jewish Conflict over Palestine
The Decline of Eastern Christianity Under Islam: 
From Jihad to Dhimmitude: Seventh-Twentieth Century
The Truth about Muhammad: Founder of the World's Most Intolerant Religion
The Complete Infidel's Guide to the Koran (Complete Infidel's Guides)

Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

O BRASIL E OS EMIRADOS ÁRABES

Fonte: Aprovado acordo de cooperação em Defesa entre o Brasil e os Emirados Árabes Unidos


O BRASIL E OS EMIRADOS ÁRABES

Por Tião Cazeiro

24 de Abril de 2017


Publiquei recentemente neste blog um artigo do Raymond Ibrahim intitulado “Uma ‘Fobia’ De 1.389 Anos De Idade?”  que  observa o seguinte:

“Existe uma correlação direta entre a ignorância Ocidental da história e a ignorância Ocidental das doutrinas “problemáticas” do Islã. É essa conexão que permite aos apologistas do Islã escaparem com tantas distorções e mentiras definitivas destinadas a proteger o Islã.”

Em Novembro de 2016, o governador Marconi Perillo oficializou os entendimentos para que uma fábrica de armamentos e munições dos Emirados Árabes, exclusivas para as forças de segurança pública do Brasil e com atenção voltada para o mercado da América Latina, fosse instalada em Goiás.

No dia 19 de Abril de 2017, foi aprovado um acordo de cooperação em Defesa entre o Brasil e os Emirados Árabes Unidos na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN), da Câmara dos Deputados, que acatou o parecer do deputado Miguel Haddad (PSDB-SP).

“Segundo Miguel Haddad, “adentrar o Oriente Médio, através dos Emirados Árabes Unidos, representa incremento substantivo nessa diversificação, o que nos traz mais segurança para o desenvolvimento de futuros projetos de interesse dos dois países e, potencialmente, de outros daquela região”.

Portanto, resolvi questionar os brasileiros envolvidos nesse projeto, — e o faço com todo respeito, sem que isso deixe margem para o medo, pois se este fosse o caso eu não teria traduzido e publicado mais de 250 artigos dos mais respeitados experts em Islã do mundo.

Eis aqui algumas perguntas:

• O que vocês sabem sobre o Islã?
• O que os levou a não considerar os 175 milhões de Cristãos entre outras religões etc.?

Gostaria de deixar claro que não estou particularizando a religião em si, e sim as 175 milhões de pessoas que irão ser massacradas pelo antagonismo Islâmico, o Islã Político. Falo de pessoas, mulheres, crianças, pais de família etc. que serão punidas/massacradas pela sua fé. As igrejas do Egito, por exemplo, que foram e continuam sendo bombardeadas pela intolerânica Islâmica.

A Arábia Saudita é um problema para o mundo. — Arábia Saudita: O Grande Hipócrita do Mundo

Em vários artigos, sempre menciono o impressionante discurso do Presidente do Egito al Sisi, um Muçulmano fervoroso, diante das maiores autoridades do Islã e em Al Azhar:

“É inconcebível”, disse ele, “que o pensamento que guardamos como o mais sagrado deva fazer com que toda a umma [Mundo Islâmico] seja uma fonte de ansiedade, perigo, matança e de destruição para o resto do mundo. Impossível!”

“Esse pensamento (que é responsável por produzir “ansiedade, perigo, massacre e destruição” ao redor do mundo) — Eu não estou dizendo “religião”, mas “pensamento” — que corpus de textos e ideias que temos sacralizado ao longo dos séculos, a tal ponto que se afastar deles tornou-se quase impossível, está antagonizando o mundo inteiro. Isso está antagonizando o mundo inteiro!”

Ele também apelou publicamente à instituição Al Azhar para reconsiderar o uso dos livros auxiliares, num esforço para mudar a imagem internacional do Islã, de guerra e inimizade, para algo mais tolerante.

Agora, a mais alta autoridade Muçulmana do Egito deixou claro que Al Azhar nunca teve nenhuma intenção de mudar nada, que o “discurso religioso” articulado na era Medieval — o de hostilidade e violência para com o outro, em uma palavra, jihad — é o único “discurso” que os Muçulmanos podem/devem aceitar.

Al-Azhar, a principal instituição do Islã Sunita, recusa-se a declarar que o Estado Islâmico (ISIS) comete apostasia — Al-Azhar, the foremost institution in Sunni Islam, refuses to declare the Islamic State apostate

Tendo dito, gostaria de finalizar este artigo raciocinando sobre a frase do Miguel Haddad:

“Adentrar o Oriente Médio, através dos Emirados Árabes Unidos, representa incremento substantivo nessa diversificação, o que nos traz mais segurança para o desenvolvimento de futuros projetos de interesse dos dois países…”

‘Adentrar o Oriente Médio’ deve induzir realmente muita fantasia na mente do criativo Miguel Haddad, o que me faz lembrar alguns excertos e versos do Alcorão. É importante neste raciocício, ter em mente o Exército de Muhammad (Maomé), o “homem perfeito” aos olhos dos Muçulmanos. E não é à toa que estão antagonizando o mundo todo. O genocídio de Cristãos no Oriente Médio é a prova disso. Leia também: A INVASÃO ISLÂMICA DA ÍNDIA: O MAIOR GENOCÍDIO DA HISTÓRIA

Será que estes excertos e versos irão contribuir com a sociedade Brasileira através desse acordo de cooperação em Defesa entre o Brasil e os Emirados Árabes Unidos?

“Sira, p. 463-4: Em seguida, renderam {a tribo de Quraiza}, e o Apóstolo os aprisionou em Medina, na região de d. al-Harith, uma mulher de Bani al-Najar. Depois disso, o Apóstolo foi até o mercado de Medina, onde cavou trincheiras. E assim os enviou e decapitou suas cabeças nas trincheiras, que foram trazidas para fora diante dele, em lotes. Entre eles estavam o inimigo de Alá, Huyayy bin Akhtab e Kab bin Asad, chefe deles. Havia 600 ou 700 ao todo, embora alguns registrem de 800 a 900. Como eles estavam sendo levados para fora em lotes, para o Apóstolo, perguntaram a Kab o que pensou que seria feito com eles. Kab respondeu: “Você não percebe? Não vê que a soma nunca para e aqueles que são levados jamais retornam? Por Alá isso é a morte!” E continuou até o Apóstolo ter dado um fim a todos eles.” — Islã 101 — A Guerra do Islã Contra o Mundo

Alcorão 5:33
“O castigo, para aqueles que lutam contra Deus
e contra o Seu Mensageiro Muhammad
e semeiam a corrupção na terra,
é que sejam mortos, ou crucificados,
ou lhes seja decepada a mão e o pé opostos,
ou banidos…”

Alcorão 8:12
“Vou lançar o terror
nos corações dos incrédulos.
Portanto cortarei suas cabeças
e cortarei todos os dedos deles.”

O historiador, filósofo pioneiro e jurista teórico, Ibn Khaldun (1332-1406),
 observou em seu famoso “Muqaddimah”,
 a primeira obra de teoria histórica que:
 “Na comunidade Muçulmana,
 a guerra santa é um dever religioso
 por causa do
 universalismo da missão Muçulmana
 e (da obrigação de) converter a todos ao Islã
 ou pela persuasão ou pela força".

Alcorão 98:6
“Honestamente falando, aqueles que não creem
na religião Islâmica, no Alcorão
e no Profeta Muhammad/Maomé)
entre eles o
Povo do Livro (Judeus e Cristãos)
e demais infiéis,
terão que aceitar o
Fogo do Inferno.
Eles são as piores criaturas”.

Esses versos estão disponíveis online, podem ser acessados em sites Islâmicos (Alcorão), e são ensinados nas mesquitas instaladas no Brasil.

E agora? Vão me chamar de racista, Islamofóbico, xenófogo etc… Isso é público, não estou inventando nada.

Que futuro estão buscando para o país?  Uma “República Islâmica do Brasil“, com partidos comunistas controlando o poder, — e quem sabe dividindo as Huris no paraíso?

Ops! já ia me esquecendo de mencionar o prefeitinho de São Paulo e suas andanças pelos Emirados Árabes…. e a Lei de Migração do Aloysio Nunes… e o Papa Francisco, e a CNBB… Xiitas no Brasil…

Ideias têm consequências e no caso do Brasil, tenho a nítida impressão que o mundo vai se envolver.

Se isso não for uma invasão…

Grato pela atenção! Espero ter contribuído de alguma forma.


UMA ‘FOBIA’ DE 1.389 ANOS DE IDADE? — Raymond Ibrahim

Fonte/Source: A 1,389 Year-Old ‘Phobia’? – Raymond Ibrahim

UMA ‘FOBIA’ DE 1.389 ANOS DE IDADE?

Por Raymond Ibrahim

7 de Abril de 2017

FrontPage Magazine

Existe uma correlação direta entre a ignorância Ocidental da história e a ignorância Ocidental das doutrinas “problemáticas” do Islã. É essa conexão que permite aos apologistas do Islã escaparem com tantas distorções e mentiras definitivas destinadas a proteger o Islã.

Como exemplo, Reza Aslan, o “canibal” residente da CNN: afirmou recentemente que a “Islamofobia” — definida pela CAIR (Conselho de Relações Islâmico-Americanas) entre outros, como “medo infundado e hostilidade contra o Islã” — foi criada por alguns “palhaços” em 2014.

Sem dúvida, o medo Ocidental do Islã é algo de um fenômeno recente nos tempos modernos. Porque o mundo era um lugar muito maior há algumas décadas, e o Islã estava longe dos oceanos, e o Americano médio mal sabia sobre o credo de Muhammad. No entanto, à medida que o mundo se tornou menor — enquanto os Muçulmanos têm crescido em número nas sociedades Ocidentais, assim como a tecnologia moderna tornou possível ao mais fraco aterrorizar o mais forte e, em seguida, transmiti-lo para o mundo ver (via Internet), — o mundo Ocidental, por consequência, vem ouvindo, vendo e experimentando cada vez mais o Islã.

Mas, a queixa do Aslan, não é direcionada à ignorância das pessoas no passado, e sim porque agora estão prudentes a respeito do Islã. Em vez disso, acusa um número de escritores e ativistas — os “palhaços” acima mencionados — de fabricarem uma imagem ameaçadora do Islã, que por sua vez, levou os povos Ocidentais a desenvolverem um “medo infundado e hostilidade contra o Islã” —ou em uma palavra, “Islamofobia”.

Tal afirmação se baseia numa quantidade obscena de ignorância histórica. O fato é, que os povos Ocidentais, incluindo alguns de seus luminares, retrataram o Islã como uma força hostil e violenta desde o início — muitas vezes em termos que fariam corar o “Islamofóbico” de hoje. E isso não ocorreu porque os Europeus estavam “reformulando o outro” para “validar suas aspirações imperiais” (como a cansada terminologia de Edward Said, que há muito domina o tratamento acadêmico das interações entre o Ocidente e o Islã). Ao contrário, foi porque, desde o início, o Islã tratou o “infiel” do mesmo modo que o Estado Islâmico (ISIS) trata o infiel: brutalmente.

De acordo com a história Muçulmana, em 628, Muhammad/Maomé convocou o imperador Romano (ou “Bizantino”), Heráclio — o chefe simbólico do “Ocidente”,  mais tarde conhecido como “Cristandade” — para submeter-se ao Islã; quando o imperador recusou, uma jihad devastadora foi desencadeada contra o mundo Ocidental. Menos de 100 anos depois, o Islã havia conquistado mais de dois terços da Cristandade e estava invadindo profundamente a França. Enquanto essas conquistas de longo alcance frequentemente repartem uma sentença, quando muito, nos livros de hoje, os cronistas da época, incluindo os Muçulmanos, deixam claro que esses eram eventos cataclísmicos que tiveram um efeito traumático e desempenhou um papel importante na formação, da parte não conquistada da Cristandade, que se tornou a própria Europa. Como Ibn Khaldun, depois de descrever as incessantes incursões Muçulmanas em busca de espólio e escravos ao longo das costas mediterrâneas da Europa durante os séculos IX e X, “os Cristãos não podiam mais flutuar uma tábua no mar”. Eles tomaram as ilhas e a Idade das Trevas começou.

Mas não foi apenas o que experimentaram pessoalmente nas mãos dos Muçulmanos que desenvolveu essa antiga “fobia” ao Islã. Já no oitavo século, as escrituras e histórias do Islã — o Alcorão, Hadith, Sira e Maghazi — tornaram-se disponíveis às comunidades Cristãs adjacentes ou mesmo sob a autoridade dos califados. Com base apenas nessas fontes primárias do Islã, os Cristãos concluíram que Muhammad era um falso profeta (possivelmente possuído por demônios) que obviamente havia inventado um credo para justificar as piores depravações do homem — por domínio, pilhagem, crueldade e carnalidade. Essa visão prevaleceu durante mais de um milênio em toda a Europa (e até hoje entre os “Islamofóbicos”); e foi aumentada pelo fato de que os Muçulmanos ainda estavam, durante bem mais de um milênio, invadindo territórios Cristãos, saqueando e sequestrando mulheres e crianças. O primeiro combate dos Estados Unidos com o Islã — as guerras Berberes no início do século XIX — veio por meio dos ataques Muçulmanos aos navios Americanos em busca de espólio e escravos em nome de Alá.

Eis aqui uma minúscula amostra do que os Europeus pensavam do Islã ao longo dos séculos:

Teófanes, o cronista Bizantino (d.818):

Ele [Muhammad] ensinou àqueles que lhe deram ouvidos, que aquele que matasse o inimigo, — ou fosse morto pelo inimigo, — entraria no paraíso [ver Alcorão 9: 111]. E disse que o paraíso era carnal e sensual — orgias alimentares, bebidas e mulheres. Além disso, havia um rio de vinho… e as mulheres eram de outro tipo, e a duração do sexo muito prolongada e seu prazer duradouro [por exemplo, Alcorão 56: 7-40, 78:31, 55:70-77]. E todos os tipos de absurdos.

Tomás de Aquino, um dos filósofos mais influentes da Cristandade (d.1274):

Ele [Muhammad] seduziu o povo por meio de promessas de prazeres carnais, aos quais a concupiscência da carne nos exorta… e deu rédea livre ao prazer carnal. Tudo isso, como não é inesperado, foi obedecido por homens carnais. Quanto às provas da verdade de sua doutrina… Muhammad disse que foi enviado para comandar o seu exército — os quais são sinais de que não faltam até mesmo ladrões e tiranos [i.e. sua “prova” de que Alá estava com ele é que o tornou capaz de conquistar e saquear outros].

Marco Polo, viajante mundialmente famoso (d.1324):

De acordo com a doutrina [Muçulmana], tudo o que é roubado ou saqueado de outros de uma fé diferente é apropriadamente tomado, e furtar não é crime; enquanto aqueles que sofrem a morte ou lesão pelas mãos dos Cristãos, são considerados como mártires. Se, portanto, não fossem proibidos e restringidos pelos poderes [Mongóis] que agora os governam, cometeriam muitos atentados. Esses princípios são comuns a todos os Sarracenos [Muçulmanos].

Quando Khan, o Mongol, descobriu mais tarde a criminalidade depravada de Achmath (ou Ahmed), um de seus governadores Muçulmanos, Polo escreve que:

A atenção do khan [se voltou] para as doutrinas da seita dos Sarracenos [i.e., o Islã], que desculpam todos os crimes, sim, até mesmo o próprio assassinato, quando cometidos à pessoas que não são de sua religião. E vendo que essa doutrina tinha levado o maldito Achmath e seus filhos a agirem como o fizeram, sem qualquer sentimento de culpa, Khan começou sentir o maior dos nojos e abominação por ele. Convocou os Sarracenos e os proibiu de fazerem muitas das coisas que sua religião ordenava.

Alexis de Tocqueville, pensador político e filósofo Francês, mais conhecido pela Democracia na América (d.1859),

Estudei muito o Alcorão. Saí do estudo com a convicção de que, em geral, houve poucas religiões no mundo tão mortais aos homens como a de Muhammad. Tanto quanto posso ver, é a causa principal da decadência tão visível hoje no mundo Muçulmano, embora menos absurda que o politeísmo de antigamente, suas tendências sociais e políticas são, na minha opinião, para serem temidas, e portanto consideradas como uma forma de decadência em vez de uma forma de progresso em relação ao paganismo em si.

Winston Churchill, um líder da Aliança de guerra contra Hitler durante a Segunda Guerra Mundial (1965):

Quão terríveis são as maldições que o Maometanismo [Islã] coloca sobre seus devotos! Além do frenesi fanático, que é tão perigoso ao homem como hidrofobia num cão, há essa apatia fatalista terrível. Os efeitos são evidentes em muitos países. Os hábitos imprevidentes, os sistemas desleixados de agricultura, métodos lentos de comércio e a insegurança da propriedade existem onde quer que os seguidores do Profeta governem ou vivam. Um sensualismo degradado priva a vida de sua graça e refinamento; e o próximo de sua dignidade e santidade. O fato de que na lei Maometana toda mulher deve pertencer a algum homem como sua propriedade absoluta, seja como criança, esposa ou concubina, deve atrasar a extinção final da escravidão até que a fé do Islã tenha deixado de ser um grande poder entre os homens.

Para que não pareça que essas e outras acusações históricas contra o Islã sejam simplesmente produtos de xenofobia Cristã/Ocidental que simplesmente não podem tolerar o “outro”, deve-se notar que muitos críticos Ocidentais do Islã elogiam regularmente outras civilizações não-Muçulmanas, bem como o que se chama hoje de “Muçulmanos moderados”.

Assim Marco Polo saudou os Brâmanes da Índia como sendo “os mais honrados”, possuindo um “ódio pelo engano ou por roubar os bens de outras pessoas”. E apesar de suas críticas à “Seita dos Sarracenos”, isto é, o Islã, se referia a um líder Muçulmano como governando “com justiça”, e outro que “se mostrou [ser] um bom senhor e se fez amado por todos”.

Winston Churchill resumiu a questão da seguinte maneira: “Os Muçulmanos individuais podem mostrar qualidades esplêndidas — mas a influência da religião paralisa o desenvolvimento social daqueles que a seguem. Não existe força retrógrada mais forte no mundo.”

Apologistas como Reza Aslan podem dizer o que quiserem; podem afirmar que o Islã é para sempre e perpetuamente “mal entendido” — e podem apostar na ignorância Ocidental da sua própria história para escapar disso. Mas o medo e a aversão ao Islã tem sido a principal posição entre os Cristãos/Ocidentais por quase 1.400 anos — desde que Muhammad começou a atacar, saquear, massacrar e escravizar os não-Muçulmanos (“infiéis”) em nome do seu deus; e é por causa dos seus seguidores, Muçulmanos, atacando continuamente, saqueando, massacrando e escravizando os “infiéis”, que o medo e a aversão ao Islã — chamado de “Islamofobia” — existe até hoje.


Nota do blog:

Para os versados na língua Inglesa, segue uma lista imperdível de livros esseciais sobre o Islamismo.  Compre já! 

Acesse os links para mais informações:

The Al Qaeda Reader: The Essential Texts of Osama Bin Laden's Terrorist Organization
The Post-American Presidency: The Obama Administration’s War on America
Stop the Islamization of America: 
A Practical Guide to the Resistance.
Germany and the Middle East, 1871-1945
From Time Immemorial: The Origins of the Arab-Jewish Conflict over Palestine
The Complete Infidel's Guide to Iran (Complete Infidel's Guides)
The Decline of Eastern Christianity Under Islam: 
From Jihad to Dhimmitude: Seventh-Twentieth Century
The Truth about Muhammad: Founder of the World's Most Intolerant Religion
The Complete Infidel's Guide to the Koran (Complete Infidel's Guides)

Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Raymond Ibrahim: O Estado Islâmico Revive A Tática do Terror Original do Islã — Canibalismo

Fonte/Source: Raymond Ibrahim: The Islamic State Revives Islam’s Original Terror Tactic — Cannibalism


Raymond Ibrahim: O Estado Islâmico Revive A Tática do Terror Original do Islã  — Canibalismo

Por RAYMOND IBRAHIM

9 de Março de 2017

À luz das recentes revelações de que o Estado Islâmico está ensinando aos seus seguidores para comerem os não-Muçulmanos, — certamente podemos agora concordar que, pelo menos nisso, — o ISIS não é verdadeiramente Islâmico?

Infelizmente não. Até mesmo comer “infiéis” tem precedentes em toda história Islâmica, especialmente como tática do terror. Dois episódios bem documentados vêm à mente:

O primeiro diz respeito à jihad por excelência, Khalid bin al-Walid (d.642). Apelidado de “Espada de Alá” por Muhammad, devido a sua proeza, mantém posição reverenciada entre os grupos jihadistas (a bandeira negra do ISIS com escrita Árabe branca é um fac-símile da bandeira que Khalid carregava nas batalhas). Durante a Ridda — ou “guerras de apostasia” contra as várias tribos Árabes que tentaram romper com o Islã após a morte de Muhammad — Khalid acusou falsamente Malik bin Nuwayra, um bem quisto chefe Árabe, de apostasia. Depois de matá-lo, Khalid estuprou — fontes Muçulmanas chamam isso de “casou” — a esposa de Malik. Não contente,

“Ele [Khalid] ordenou a cabeça de [Malik]; juntou-a com duas pedras e a cozinhou num pote sobre elas. E Khalid a comeu naquela noite para aterrorizar as tribos Árabes apóstatas entre outros. E foi dito que os cabelos de Malik criaram uma chama tão brilhante que a carne ficou muito bem cozida [da crônica em vários volumes do historiador Muçulmano al-Tabari, al-bidaya w’al nihaya (“O Início e o Fim”; Excerto Árabe aqui).”

O segundo episódio diz respeito à conquista Islâmica da Espanha. De acordo com o cronista Muçulmano Ibn Abdul Hakam, depois de capturarem um grupo de vinicultores Cristãos, os invasores Islâmicos

“os aprisionaram. Depois pegaram um dos vinicultores e o mataram, o cortaram em pedaços e o ferveram, enquanto o resto de seus companheiros olhavam. Eles também tinham fervido carne em outros caldeirões. Quando a carne ficou cozida, jogaram fora o corpo do homem que tinham fervido; sem ninguém saber que jogaram fora; e comeram a carne que tinham fervido, enquanto os outros vinicultores eram espectadores. Estes não duvidaram que os Muçulmanos comeram a carne de seu companheiro; os outros, depois de serem liberados e mandados embora, informaram ao povo de Andaluzia [Cristãos Espanhóis] que os Muçulmanos se alimentavam de carne humana, informando-os sobre o que tinha sido feito ao vinicultor [fonte].”

Tarek ibn Ziyad — outro jihadi extraordinaire, reverenciado por queimar seus barcos ao chegar à costa da Espanha como prova de seu compromisso com a jihad ou o “martírio” — também tinha Cristãos cativos, abatidos, cozidos e aparentemente comidos diante de seus companheiros reféns. Então, de acordo com o historiador Muçulmano Ahmad ibn Muhammad al-Maqqari, o herói jihadista “permitiu que alguns dos cativos escapassem, para que pudessem relatar aos seus conterrâneos o que tinham visto. E assim o estratagema produziu o efeito desejado, já que o relato dos fugitivos contribuiu em alto grau para aumentar o pânico entre os infiéis” (The History of the Mohammedan Dynasty, p.227).

Note-se que, de acordo com todos os cronistas Muçulmanos acima citados, os jihadistas se engajaram nessas práticas canibais para aterrorizar e criar pânico entre os infiéis e apóstatas, isto é, como uma forma de guerra psicológica. Isto é mais uma vez ressaltado quando, como de costume, os cronistas citam ou parafraseiam versos do Alcorão que clamam por “infundir o terror” nos corações dos infiéis (e.g., 3:151, 8:12, 8:60) em justaposição à selvageria relatada.

(Assisti alguns anos atrás a um vídeo de um clérigo Egípcio moderno que também deixava claro que as ações de Khalid foram calculadas para aterrorizar os apóstatas. Entretanto o YouTube como de costume retirou o vídeo, mas aqui está a minha tradução original do que ele disse: “As pessoas se perguntam como Nosso Senhor Khalid poderia ter comido de tal carne? Oh sim — ele comeu disso! Nosso Senhor Khalid tinha um caráter muito forte, um grande apetite e tudo mais! Tudo para aterrorizar os Árabes do deserto [apóstatas]. O assunto exige determinação, estas questões exigem força — terrorismo.”)

Existem mais e episódios relacionados. Durante as primeiras invasões Muçulmanas na Síria Cristã, um dos companheiros de Muhammad, ‘Ubadah bin al-Samat, disse a um comandante Cristão que “Nós provamos sangue e não encontramos nada mais doce do que o sangue dos Romanos”, significando Bizantinos e/ou Cristãos. Se literal ou figurativo, claramente essas referências sanguinárias inspiram a cosmovisão do Estado Islâmico como evidenciado pela afirmação deste último de que “o sangue Americano é o melhor, e vamos prová-lo em breve”.

Aliás, a veneração e/ou a emulação da barbárie jihadista primitiva não se limita a trajes “radicais” ou extremistas, como sempre nos é dito, ou seja, “não têm nada a ver com o Islã“. Nada além de Al Azhar — a universidade mais prestigiada do mundo Muçulmano, que anfitriou o discurso do “Novo Começo” de Obama em 2009 — ensina estes relatos de Muçulmanos comendo infiéis. A razão é simples: tal herança não pertence ao ISIS mais do que à Al Azhar.

Uma nota final: uma escola de pensamento sustenta que, nos episódios históricos acima mencionados, Muçulmanos não fingiam apenas devorar suas vítimas; eles realmente faziam isso. No entanto, cronistas Muçulmanos posteriores, envergonhados pelo selvageria bestial de seus correligionários, retrataram o canibalismo como fosse apenas fingimento. Se isso for verdade, valida ainda mais o porquê do ISIS não está apenas ensinando os Muçulmanos a fingirem que devoram suas vítimas infiéis, mas a comê-las na realidade — como quando um jihadista cortou e enterrou os dentes no coração de um soldado Sírio caído, “Juro por Alá, soldados de Bashar, seus cães — comeremos os seus corações e fígados! Allahu Akbar!” (Sim, vídeo aqui.) — Nota do Blog: Vídeo de extrema violência. Se for em frente, clique em “continue”, em vermelho, na tela que surgirá.

Isso também pode ajudar a clarear explicação insatisfatória do Daily Mail  sobre o porquê do ISIS estar promovendo o canibalismo. De acordo com Haras Rafiq, uma autoridade do Daily, que descreve, como”Muçulmano praticante”, que o ISIS está promovendo o canibalismo “caso não haja suprimentos de alimentos disponíveis durante o que descrevem como em tempos de jihad”. Diante das circunstâncias, “terroristas foram encorajados a matar os não-Muçulmanos ou Muçulmanos, que não compartilham da mesma versão do Islã, por alimento.”

Com certeza, comer seres humanos em tempos de coação extrema e inanição — ou alimento “não-halal” — não é particularmente chocante e aconteceu muitas vezes, passado e presente, por povos de todas as raças e religiões. Fica a critério de cada aqui, refletir se Rafiq é mais um de uma longa lista de autoridades Muçulmanas embaraçadas tentando racionalizar as práticas depravadas de seus correligionários em nome do Islã.

[PJ Media]


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Muçulmanos descobriram a América antes de Colombo, afirma Erdogan da Turquia

Fonte: Muslims discovered America before Columbus, claims Turkey’s Erdogan – The Washington Post –


Muçulmanos descobriram a América antes de Colombo, afirma Erdogan da Turquia

Por Ishaan Tharoor

15 de Novembro de 2014 (Reeditado em 27/02/2017)

Presidente Turco Recep Tayyip Erdogan num discurso em Ankara, Turquia, on May 13, 2014. (AFP/Getty Images)

Em discurso televisionado em Istambul, o Presidente Turco Recep Tayyip Erdogan afirmou que os Muçulmanos haviam descoberto as Américas três séculos antes das viagens de Cristóvão Colombo. Ele estava se dirigindo a cúpula de líderes Muçulmanos da América Latina.

“Os contatos entre a América Latina e o Islã remontam ao século 12. Muçulmanos descobriram a América em 1178, e não Cristóvão Colombo”, disse Erdogan. “Marinheiros Muçulmanos chegaram à América a partir de 1178. Colombo mencionou a existência de uma Mesquita numa colina na costa Cubana.”

Erdogan não é tímido ao fazer declarações provocativas, sejam sobre seus rivais políticos, minorias étnicas ou sites de mídia social. Suas últimas observações são, em comparação, menos incendiárias.

Elas ecoam a pesquisa de um pequeno grupo de estudiosos que acredita que há evidências arqueológicas e documentais de Muçulmanos na América pré-Colombiana. Erdogan está, aparentemente, citando o trabalho disputado de Youssef Mroueh, um acadêmico afiliado a Fundação As-Sunnah da América.

Num artigo de 1996 Mroueh referiu-se à presença de uma Mesquita descoberta por Colombo ao longo da costa Cubana. “Colombo admitiu em seus papéis que, na Segunda-feira, 21 de Outubro de 1492 CE, enquanto o seu navio navegava próximo a Gibara, na costa nordeste de Cuba, que viu uma Mesquita no topo de uma montanha bonita”, escreve Mroueh.

A maioria dos estudiosos insiste que a “Mesquita” mencionada era uma alusão metafórica a uma característica marcante da terra. Não foram descobertas arqueológicas de estruturas pré-Islâmicas que datam da chegada de Colombo ao Novo Mundo.

Mroueh, que não está listado como um historiador em qualquer instituição de ensino superior sugere que exploradores provenientes de reinos Muçulmanos da África Ocidental fizeram a mesma viagem através do Atlântico a partir das ilhas Canárias, bem antes do marinheiro Italiano ter realizado o serviço para a Coroa Espanhola.

Outros citam o trabalho de um notório geógrafo na Espanha Muçulmana, que produziu um mapa no século 10 mostrando o contorno da América do Sul, referenciando a jornada de um marinheiro Árabe que viajou para o oeste através de um “oceano de trevas e nevoeiro.”

Poderíamos até continuar esse artigo sem dizer que os primeiros povos a “descobrir” as Américas foram os ancestrais dos povos indígenas dos continentes.

Mas há todo tipo de especulação de outros povos em outras épocas encontrando as Américas muito antes de Colombo. Será que os Polinésios remando catamarans chegaram à costa do Pacífico Americano? E sobre as grandes frotas preciosas do imperador chinês Ming? Ou os pescadores Bascos, perseguindo as correntes e o bacalhau do Atlântico?

A narrativa mais consistente de encontro pré-Colombiano envolve os exploradores e colonizadores da Escandinávia, que chegaram a costa da Terra Nova e no Canadá há cerca de cinco séculos antes da expedição Espanhola de 1492.

No entanto, a insistência de Erdogan sobre a presença de Muçulmanos no mundo novo vale a pena considerar, mas não pelas razões que ele tem em mente.

A exploração e a colonização Espanhola das Américas seguiram as sangrentas batalhas da Reconquista — as campanhas Católicas contra os últimos estados Muçulmanos na península Ibérica. Muitos dos soldados e oficiais Espanhóis que cruzaram o Atlântico foram animados pelo fervor da Inquisição Espanhola, e em alguns relatos referem-se às populações indígenas que encontraram como “mouros” e “infiéis” e seus “zigurates” como “mesquitas”. A profusão de cidades no México chamadas de “Matamoros” — morte aos mouros, um nome associado a um santo Cristão místico que lutou contra os Muçulmanos — fala desse legado.

Além dos Árabes e Muçulmanos convertidos a bordo de navios Espanhóis, o Islã não pode ter estado presente no Novo Mundo. Mas ainda assombrava a imaginação dos Europeus enquanto aventuravam em terras alienígenas.


Ishaan Tharoor escreve sobre assuntos externos para o Washington Post. Anteriormente foi editor sénior da TIME, com sede em Hong Kong e depois em Nova York. Siga no Twitter @ishaantharoor


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Papa Francisco Rasga A História Das Antigas Muralhas Contra O Islã

Fonte/Source: Pope Francis Tears at History’s Ancient Walls against Islam – Raymond Ibrahim

Papa Francisco Rasga A História Das Antigas Muralhas Contra O Islã

Por Raymond Ibrahim

24 de Fevereiro de 2017

FrontPage Magazine

Papa Francisco continua a defender dois pontos inter-relacionados que, embora aparentemente humanos, comprometam as nações Ocidentais e expõe seus cidadãos ao perigo.

Ele reiterou seu primeiro ponto no início deste mês quando disse: “Eu apelo para não criar muros, mas para construir pontes”. Francisco tem feito este apelo com frequência, tanto figurativamente (quando implora aos países Ocidentais para não fecharem as portas contra a entrada de mais migrantes Muçulmanos) e literalmente (nessa caso, caracterizando a proposta de Donald Trump de construir uma muralha entre os EUA e o México como “não Cristã“).

Francisco reiterou seu segundo ponto alguns dias atrás, quando disse: “O terrorismo Muçulmano não existe”. Sua lógica é que, já que existem Cristãos que se envolvem em atividades criminosas e violentas — e, no entanto, ninguém culpa o Cristianismo por seu comportamento — sendo assim, então o Islã também não pode ser culpado quando Muçulmanos se envolvem em atividades criminosas e violentas.

Nisso, o papa Católico parece incapaz ou não quer fazer a distinção fundamental entre a violência cometida de acordo com os ensinamentos Islâmicos e a violência cometida em contradição com os ensinamentos Cristãos.

Mas existe uma outra ironia relevante e muitas vezes esquecida: todas as manhãs Francisco acorda no Vaticano e olha pela janela, vê um lembrete muito grande e concreto que desmente tanto a sua argumentação contra os muros e o seu argumento em defesa do Islamismo. Falo das grandes muralhas que cercam a Cidade do Vaticano, mais especificamente a Muralha Leonina.

Contexto: Poucos anos após a morte do profeta Muhammad em 632, seus seguidores irromperam da Arábia e conquistaram terras vizinhas não-Muçulmanas em nome do Islã. Em poucas décadas, tinham anexado dois terços do que foi a Cristandade no século VII. Tomaram todo o Oriente Médio, Norte da África e Espanha, até que finalmente foram parados em Tours, no centro da França (732). No final do século IX, as incursões jihadistas haviam transformado o Mar Mediterrâneo em um lago Muçulmano; as ilhas principais — Sicília, Creta, Rodes, Malta, Chipre — foram conquistadas, e a costa Europeia foi habitualmente invadida para espólio e escravos.

Segundo os cronistas Muçulmanos mais influentes e contemporâneos — al-Waqidi, al-Baladhuri, al-Tabari, al-Maqrizi, etc. — tudo isso foi feito porque o Islã ordena os Muçulmanos a subjugar e humilhar os não-Muçulmanos.

Foi neste contexto que, em 846, as frotas Muçulmanas do Norte da África desembarcaram perto de Roma. Incapazes de romper os muros da Cidade Eterna, saquearam e espoliaram os arredores rurais, incluindo — para consternação da Cristandade — as basílicas veneradas e centenárias de São Pedro e São Paulo. Os invasores Muçulmanos profanaram os túmulos dos apóstolos venerados e os despojaram de todos os seus tesouros. Papa Leão IV (847-855) respondeu construindo grandes muralhas e fortificações ao longo da margem direita do Tibre para proteger os locais sagrados de outras incursões Muçulmanas. Concluída em 852, as muralhas, em alguns lugares, mediam de 12 m de altura por 3,7 m de espessura.

Antecipando em muito as cruzadas contra o Islã por mais de dois séculos — isso mostra como era há muito tempo — o Papa Leão decretou que qualquer Cristão que morresse combatendo invasores Muçulmanos iria entrar no céu. Depois dele e pelas mesmas razões, o Papa João VIII ofereceu a remissão de pecados àqueles que morreram combatendo invasores Islâmicos. Tal era o perigo existencial e permanente que os Muçulmanos causavam na Europa Cristã — mais de dois séculos antes do apelo do Papa Urbano para a Primeira Cruzada em 1095.

Hoje, muitos Muçulmanos, não apenas as variações do ISIS, continuam vangloriando-se de que o Islã conquistará Roma, a única das cinco sés apostólicas — sendo as outras quatro Antioquia, Alexandria, Jerusalém e Constantinopla —que nunca foi subjugada pela jihad. Da mesma forma, Muçulmanos em toda a Europa continuam exibindo a mesma hostilidade e desprezo por todas as coisas e pessoas não-Islâmicas, seja indo à igreja para vandalizar e quebrar cruzes, ou estuprando mulheres “infiéis” como suas por direito.

Em suma, as muralhas do Papa Leão provam que o Papa Francis está errado em ambos os casos: sim, as muralhas são por vezes necessárias para preservar a civilização; sim, o Islã promove a violência e a intolerância à diferença do outro — muito mais do que qualquer outra religião. Este fato é facilmente discernido examinando as palavras passadas e presentes e os atos dos Muçulmanos, todos os quais evidenciam uma notável e inabalável continuidade de hostilidade contra “infiéis”.

Talvez a mais irônica de todas, se não fosse as muralhas do Papa Leão — e tantas outras muralhas Cristãs, como a de Constantinopla, que manteve o Islã fora da Europa durante séculos, e a de Viena, que bloqueou uma jihad completa em 1683 — não haveria hoje em dia um papa para pontificar sobre como as muralhas são terríveis e quão incompreendido é o Islã. E quando Francisco acusa, de não serem Cristãos, os que constroem muros, como fez com Trump, acusa essencialmente homens como o Papa Leão IV — que fez tanto para proteger e preservar a Cristandade em um tempo em que o Islã estava engolindo o mundo — de não ser um verdadeiro Cristão.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

A Mulher É Um Inimigo Perpétuo Do Islã

Foto/Capa: Tradução do texto da foto/capa: “Sim: Eles nos odeiam. Isso precisa ser dito.”

Photo/Cover/Credit: Underpaid Genius — Why Do They Hate Us? – Mona Eltahawy

Fonte/Source: Council of Islamic Ideology declares women’s existence anti-Islamic


A Mulher É Um Inimigo Perpétuo Do Islã

Burka woman 2

Nota do blog: “Texto foi retirado do site  Pakistan Today — PT.  Acesse o link acima.” — “UNDER FAIR USE”

Islamabad é a capital do Paquistão, 
cujo nome em Urdu significa “Morada do Islã”. 

15 de Março/2014  — Reeditado.

By “KHABARISTAN TODAY

Islamabad – Sharia Correspondent:  O Conselho da Ideologia Islâmica (CII) concluiu a reunião no. 192 desta Quinta-feira com a decisão de que as mulheres são anti-Islâmicas e que sua mera existência contradiz a Sharia e a vontade de Alá. De acordo com a decisão, o CII Presidente Maulana Muhammad Khan Shirani observou que a existência das mulheres “desafia as leis da natureza, e para proteger o Islamismo e a Sharia, as mulheres devem deixar de existir o mais rápidamente possível.” O anúncio chegou dois dias após a reunião no.191 do CII, onde apelidaram leis relacionadas à idade mínima para o casamento para que sejam consideradas anti-Islâmias.

Após declararem que as mulheres são anti-Islâmicas, Shirani explicou que havia, na verdade, dois tipos de mulheres — haraam e makrooh. “Podemos dividir todas as mulheres do mundo em duas categorias distintas: as que são haram e aquelas que são makrooh. Agora, a diferença entre haram e makrooh é que a primeira é categoricamente proibida enquanto que a segunda é realmente detestada”, disse Shirani.

Ele foi mais longe para explicar como as mulheres ao redor do mundo podem certificar-se de que sejam promovidas a makrooh ou serem apenas haram. “Qualquer mulher que exercer a sua própria vontade é haram, absolutamente haram, e portanto está conspirando contra o Islã e a Ummah, enquanto que as mulheres que são totalmente subservientes podem alcançar o status de makrooh. “Tal é a generosidade da nossa ideologia, e tal é o esforço de homens Muçulmanos como nós, que são os verdadeiros portadores da igualdade de gênero”, disse o presidente CII acrescentou.

Funcionários disseram ao “Khabaristan Today” que os membros do conselho deliberaram sobre várias referências históricas relacionadas às mulheres e concluiu que cada mulher é uma fonte de “fitna” e um inimigo perpétuo do Islã. Disseram também que restringindo as mulheres como suas subordinadas, na fronteira com o estado de escravidão, o ”Momineen” e os “Mujahideen” podem assim garantir que o Islã continuará a ser a religião de paz, prosperidade e igualdade de gênero.

Respondendo uma pergunta de um dos funcionários, “disse que as normas internacionais de igualdade do gênero não devem ser utilizadas quando contradizem o Islã ou a constituição do Paquistão”, que tinha incorporado o Islamismo e dado a soberania a Alá. “Nós não acreditamos nos ideais Ocidentais, e tudo que contradiz o Islã nunca deve ser dado atenção.” “Em todo o caso, dando às mulheres o status mais elevado, de serem makrooh, somos nós os Muçulmanos que abriram o caminho para a verdadeira Sharia do feminismo complacente”, disse o funcionário.

A reunião CII também aconselhou ao governo que a lei que protege o direito das mulheres do Islã de respirar, também deve ser retirado delas. Se a mulher tem ou não permissão para respirar, isto deve ser deixado para o marido ou tutor masculino, e nenhuma mulher, em circunstância alguma, deve ser autorizada a decidir se pode ou não respirar, disse Shirani . (Ênfase adicionada).

Khabaristan Today

khabaristantoday 

Telling it like it almost never is / Contando como se quase nunca fosse

Email: khabaristantoday@pakistantoday.com.pk.


Nota do Blog: Este artigo é uma sátira feita pelo site Khabaristantoday. Veja o logo acima e nas páginas fontes.  Portanto, para evitar confusão, fica registrado aqui. Nenhuma das fontes emitiram nota sobre isso. 

Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

A INVASÃO ISLÂMICA DA ÍNDIA: O MAIOR GENOCÍDIO DA HISTÓRIA

Fonte/Source: Islamic Invasion Of India: The Greatest Genocide In History — The Muslim Issue


A INVASÃO ISLÂMICA DA ÍNDIA:
O MAIOR GENOCÍDIO DA HISTÓRIA

Por The Muslim Issue

O historiador Muçulmano Firishta [nome completo Muhammad Qasim Hindu Shah, 1560 – 1620], autor de Tarikh-i Firishta (A História da Índia (Dos tempos antigos até os dia de Jahangir) e Gulshan-I Ibrahim, foi o primeiro a dar uma ideia do banho de sangue medieval que foi a Índia durante o domínio Muçulmano, quando declarou que mais de 400 milhões de Hindus foram massacrados durante a invasão e ocupação Muçulmana da Índia. Os sobreviventes foram escravizados e castrados. A população da Índia era estimada em cerca de 600 milhões na época da invasão Muçulmana. Em meados de 1500, a população Hindu era de 200 milhões. Continuar lendo A INVASÃO ISLÂMICA DA ÍNDIA: O MAIOR GENOCÍDIO DA HISTÓRIA

Hugh Fitzgerald: O Islã e a Propaganda de Guerra (Parte I): Versão Impressa e Online

Fonte/Source: Hugh Fitzgerald: Islam and the Propaganda War (Part I): In Print and Online

Hugh Fitzgerald:
O Islã e a Propaganda de Guerra (Parte I):
Versão Impressa e Online

Por HUGH FITZGERALD

10 de Fevereiro de 2017

Entre as muitas armas do governo Americano durante a Guerra Fria estavam os programas para disseminar, por trás da Cortina de Ferro, e especialmente na União Soviética, informações que expunham as crueldades do Comunismo. Milhões na Europa Oriental ouviram a Radio Free Europe, milhões na União Soviética ouviram a Radio Liberty e em toda parte as pessoas ouviram as transmissões da Voz da América. Havia também um programa sobre publicações, incluindo centenas de edições publicadas pela C.I.A., muitas vezes fáceis de esconder — formato pequeno, papéis feitos de casca de cebola — cópias, de novelas distópicas como a Revolução dos Bichos (Animal Farm) de Orwell e 1984, estudos econômicos e históricos do capitalista Estados Unidos, até mesmo ficção de escritores Russos émigré. Tais livros foram disponibilizados aos visitantes Soviéticos na Europa. Embora confiável o suficiente pelo Estado Soviético para ser permitido em missões (e.g., intelectuais Soviéticos enviados para as intermináveis ​​conferências de “Paz”), muitos desses visitantes aceitaram voluntariamente esses livros. Alguns os leram e depois os deixaram para trás; Outros, mais ousados, contrabandearam esses livros quando voltaram para a União Soviética, passando de leitor para leitor, com várias cópias feitas muitas vezes, ao estilo samizdat (ou seja, cópia clandestina, à mão, distribuído por indivíduos, de textos censurados pelas autoridades Comunistas), por datilógrafos incansáveis.

A ampla visão da C.I.A. ajudou a afastar as pessoas do Comunismo, e descobriu que dando-lhes um vislumbre da liberdade de expressão — via literatura, arte, música do mundo livre — poderiam então comparar com a aridez de suas vidas reguladas e constritas, tornadas miseráveis ​​pelo Comunismo, e isso foi particularmente eficaz.

Por exemplo, na Voz da América havia um programa de música, Voz do Jazz, apresentado por Willis Conover, um nome pouco conhecido na América, mas muito conhecido sobretudo na Rússia, onde as pessoas ouviam o seu programa de jazz Americano, ouvido em rádios de ondas curtas, apesar de estático, e os ouvintes puderam ter um vislumbre auditivo do outro mundo, de uma liberdade emocionante, deixando os ouvintes Soviético mesmerizados. Nada abertamente político foi transmitido, mas a apresentação de um outro mundo — América! Dzhazz! — teve um impacto político, fez as pessoas ansiarem ainda mais por algo diferente da vida cinzenta Soviética.

Outro exemplo do Kulturkampf conduzido durante a Guerra Fria foi o Congresso para a Liberdade Cultural, fundado em 1950 e com apoio financeiro da C.I.A., que patrocinava conferências e reuniões de intelectuais anticomunistas, muitos deles de esquerda, e alguns deles ex-comunistas, no Ocidente, e também publicou uma revista mensal, Encounter, que possivelmente era talvez a melhor revista do mundo na língua Inglesa, cobrindo arte, literatura, música, filosofia, história, ficção, poesia, tudo isso para uma audiência específica, como as reuniões do próprio Congresso, por meio dos intelectuais Ocidentais. Evidentemente, também haviam relatos manifestamente políticos sobre os partidos Comunistas no Ocidente (especialmente Itália e França, onde os partidos ainda eram muito fortes nos anos 50 e 60) e sobre a vida por trás da Cortina de Ferro.

É perturbador comparar a campanha multifacetada durante a Guerra Fria para minar um implacável inimigo ideológico, — uma campanha que foi bem sucedida, tanto para enfraquecer qualquer fé residual no Comunismo, na Rússia e Europa Oriental, como para manter os intelectuais Ocidentais no campo democrático liberal, — com o modesto e quase inexistente esforço que os infiéis do mundo estão fazendo agora para combater a ideologia do Islã, seu evidente apelo a alguns no Ocidente e sua ininterrupta influencia em Dar al-Islã (Casa do Islã). O fato de que isso seja assim deve-se, em grande parte, do Islã apresentar-se como uma religião, e não como o que sabemos ser, tanto uma religião como um sistema político que tenta regular todas as áreas da vida, desde o mais caseiro e íntimo dos detalhes domésticos até as relações geopolíticas. E como “religião”, é muitas vezes tratado com luvas de pelica, como se esse mero rótulo o tornasse fora dos limites da crítica, fornecendo a ideologia com um escudo protetor invisível. Quanto mais atenção for dada aos aspectos do Islã que sugerem não uma religião, mas um culto, um culto do qual você não tem permissão para sair, melhor.

Infelizmente para nós, o Islã é a menos pacífica, a mais perigosa, das religiões do mundo, e temos o dever de compreender a ideologia do Islã, a fim de nos protegermos melhor. O Islã baseia-se numa divisão intransigente do mundo entre crentes e infiéis, Muçulmanos e não-Muçulmanos. É um dever dos Muçulmanos conduzir a Jihad contra os não-Muçulmanos, por meios violentos, se necessário, e uma vez subjugados, oferecer-lhes a opção de conversão ao Islã, ou morte, ou status inferior permanente como dhimmis, sujeito a uma série de deficiências políticas, econômicas e sociais. Além disso, é dever dos Muçulmanos expandir o território de Dar al-Islã, onde o Islamismo domina e os Muçulmanos governam, à custa de Dar al-Harb (Casa de Guerra), territórios onde os não-Muçulmanos ainda dominam. Para entender isso, é necessário algum estudo sobre o Islã, mas não apenas os governos Ocidentais relutam em fornecer tal educação aos seus próprios povos, mas muitos dos líderes Ocidentais parecem querer enganar o próprio povo e a si mesmos, sobre a natureza do Islã. Porque se a verdade viesse à tona, a pergunta óbvia que o público gostaria de responder seria: “O quê? Você sabia que o Islã não significava nada de bom para os Infiéis, e mesmo assim permitiu que todas essas pessoas que acreditam nessas coisas entrassem no nosso país, para se estabelecerem em nosso meio? Por quê? Com que teoria? Nós contávamos com você para nos proteger, nós supúnhamos que você sabia o que estava fazendo, e agora você nos diz, depois de deixar entrar centenas de milhares, ou mesmo mais de um milhão de migrantes Muçulmanos, que você estava errado?

É difícil saber em que ponto um número suficiente de pessoas no Ocidente finalmente irão cair na real sobre o tema do Islã, mas esse momento certamente está chegando. Muitas bombas foram detonadas, muitos coletes suicidas explodiram, muitas facas também decapitaram muitos infiéis indefesos, para manter a pretensão de que o Islã significa “paz”. Ou ainda insistir, após tantos ataques terroristas, na conclusão idiota de que “o Islã não tem nada a ver com isso”. Ou que “essas pessoas (terroristas) são apenas doentes mentais”. Ou o habitual tu-quoque de que “todas as religiões têm seus extremistas”. Todas as desculpas ridículas foram oferecidas, mas seu efeito está se desintegrando. Até agora muitos estão cansados ​​de serem mal informados — ou seja, mentir acerca do — Islã, e como eles começam a compreender a verdadeira natureza e o alcance da ameaça, tornam-se cada vez mais impacientes, e mesmo ansiosos, para aprender o que é o Islã. Aqueles que lhes dizem que têm razão de ter medo, mas que não é tarde demais para que o Ocidente se salve, não podem mais ser rapidamente eliminados como “Islamofóbicos”.

A Europa oferece exemplos de desespero (como refletido nas políticas de Angela Merkel), mas também esperança. Na França, ambos os principais candidatos à presidência, Le Pen e Fillon, alertam sobre o “totalitarismo Islâmico”. Na Holanda, o sincero Geert Wilders, apesar de todos os esforços para silenciá-lo, e que declarado ‘Político do Ano’ em 2016, é líder nas eleições, e seu partido, o PVV (Partido da Liberdade) é o favorito para ganhar a maioria dos assentos na eleição de Março, dando Wilders uma chance de formar o próximo governo Holandês. Enquanto isso, seu principal oponente, o primeiro-ministro Mark Rutte, surpreendeu muitos com sua carta aberta, publicada online e em anúncios de jornal de página inteira, afirmando que há “algo de errado com nosso país” e a “maioria silenciosa” não tolera mais os imigrantes que “abusam da nossa liberdade”. Rutte então mencionou aquelas pessoas que não respeitam as mulheres ou os direitos dos homossexuais. Ele advertiu os imigrantes “para ser normal ou ir embora.” Ele não mencionou explicitamente o Islã; não havia necessidade. A Wildernização da política Holandesa é um desenvolvimento bem-vindo; Isso significa que Wilders já ganhou em parte, forçando seus oponentes a fazerem eco de suas opiniões.

E há outros movimentos políticos anti-Islâmicos crescentes, na Alemanha, na Áustria, na Dinamarca, na Suécia, na Finlândia e na Suíça, todos constantemente descritos, tendenciosamente e imprecisamente, como “extrema-direita”. Esses grupos supostamente de extrema-direita deploraram a enorme despesa para apoiar os imigrantes Muçulmanos porque, entre outras consequências, tornou difícil apoiar os pobres e idosos locais. Em outras palavras, esses grupos querem evitar cortes na segurança social e em outros benefícios para os pobres e os idosos — essas não são exatamente políticas que se possa pensar como “extrema-direita”. Mas, declarações simples sobre a verdade, precisam ser repetidas sem cessar. A saber, não há nada de irracional sobre o medo do Islã. O Islã não é uma raça, e ser anti-Islã não tem nada a ver com o racismo. Alguns opositores à propagação do Islamismo na Europa podem ser “de extrema-direita”, mas há também muitas pessoas de centro e à esquerda que consideram o Islã uma ameaça à liberdade. Declarações óbvias, todos os três, mas, aparentemente, para muitos na mídia não é óbvio o suficiente..

Em muitos desses países, os adeptos do Islã sofreram sérias derrotas recentemente. Houve casos judiciais, sustentando tudo, desde a proibição nacional da burqa  até a decisão do Tribunal Europeu de Direitos Humanos de manter uma exigência Suíça para que os pais Muçulmanos enviem suas filhas para aulas de natação em escolas de sexo misto; no interesse da “integração social”, não poderiam ser isentos. O referendo Suíço que levou à proibição da construção de minaretes foi outro marco na contenção do poder do Islamismo agressivo. E um tribunal Suíço apoiou os funcionários da escola que insistiam que os estudantes Muçulmanos não poderiam ser dispensados ​​do costume de apertar a mão do professor no início e no final do dia escolar, mesmo que essa professora fosse do sexo feminino.

Todas são vitórias, muitas vezes em assuntos aparentemente pequenos, mas somam, e todas apontam numa direção, que é a da crescente oposição às contínuas invasões Muçulmanas sobre as leis e costumes dos povos da Europa. Um ampla pesquisa Europeia em Fevereiro de 2017 confirma o crescente apoio à proibição total da imigração Muçulmana; 55 por cento dos Europeus agora apoiam tal proibição.

Enquanto isso, a tranquila Dinamarca, famosa por sua tolerância, após ser assaltada pela realidade Muçulmana, endureceu suas leis de imigração, tornando a Dinamarca menos atraente para os Muçulmanos, que os Dinamarqueses tiveram que aturar. Em agosto de 2015, o governo passou uma redução de 45% em benefícios sociais para os imigrantes e, em seguida, deram seguimento com uma nova lei que exigia que os migrantes entregassem ao Estado Dinamarquês quaisquer soma que possuíssem acima de $1,450, a fim de ajudar a sua própria manutenção. Mesmo na Suécia, um país que tem sido incrivelmente complacente com os Muçulmanos, a oposição está crescendo. Lá, imigrantes Muçulmanos,  embolsaram uma cornucópia de benefícios do governo Sueco, e em troca deram aos Suecos 55 “no-go zones”,— áreas limitadas à Muçulmanos, controladas pela lei Sharia, onde nem a polícia consegue entrar, — incluindo a cidade de Malmo; um aumento da taxa de criminalidade, com Muçulmanos responsáveis ​​por 70% das violações do país; e custos enormes que o Estado Sueco tem que pagar para aulas de idiomas, educação gratuita, assistência médica e habitação subsidiada, abonos de família, incluindo os custos administrativos surpreendentes para todos esses programas, oferecidos a todos os migrantes Muçulmanos. A despesa total foi calculada por um economista Sueco, ao longo da vida apenas dos migrantes que chegaram há um ano, 2015, em torno de 600 bilhões de Coroas, ou cerca de 55 bilhões de dólares. Uma quantia impressionante.

Este valor, —55 bilhões de dólares para os custos estimados, ao longo das suas vidas, apenas para migrantes Muçulmanos que chegaram em 2015, — deve ser repetido constantemente, devido ao gasto efetivo de apoio aos Muçulmanos imigrantes, (não importando o dano ao sentimento que uma nação tem de si mesma, ou a ameaça da conquista demográfica, ou a ameaça do terrorismo) algo que todos podem compreender e que pode chamar a atenção até mesmo do mais externamente fleumático. Questões sobre quebra de bancos preocupa.

Ainda assim, essas decisões judiciais, referendos que rejeitaram desafios específicos por parte dos Muçulmanos às leis e costumes infiéis, esses sinais de repressão às demandas dos imigrantes Muçulmanos e suas despesas espirais, enquanto bem-vindas, não constituem o tipo de guerra ideológica que ocorreu durante a Guerra Fria. Mesmo que os migrantes Muçulmanos fossem capazes de pagar por si próprios, em vez de agirem como parasitas nas economias da Europa Ocidental, ainda há o perigo permanente que a doutrina Islâmica representa para todos os não-Muçulmanos. Os aspectos políticos e mesmo geopolíticos do Islamismo, como uma fé permanentemente agressiva, recebem atenção insuficiente; somos constantemente informados de que existe algo chamado “Islã Político” que não devemos confundir com o “Islã”, mas isso confunde o caso: o Islã pode não ser idêntico, mas contém, em vez de contradizer, o que entendemos por ” Islamismo político “. E mesmo enquanto proíbem algumas coisas que os Muçulmanos querem (a burka, o Minarete) e condenam outros Muçulmanos que não querem (o aperto de mão de aluno-professor, classes de natação mista), os Europeus continuam cautelosos para não desagradar o Islã, e continuam a tratá-lo como uma religião e não como uma ideologia política de conquista e subjugação.

Mas há um reconhecimento crescente, de que o público em geral, precisa saber muito mais sobre o Islã, do que a  informação da chamada ‘grande mídia’. Quando, por exemplo, você leu no New York Times ou no Washington Post, ou ouviu em qualquer grande programa de notícias, os termos “Jizyah” ou “dhimmi”? Quando você leu nesses jornais, um único, dos 109 versos da Jihad (como os versos 9:5 e 9:29) que poderia pausar os leitores, e mostrar o verdadeiro sentido da violência anti-infiel que está em toda parte no Alcorão? Quando você leu, ou ouviu, na ‘grande mídia’, a citação do Alcorão descrevendo os não-Muçulmanos como “a criatura mais vil”? A resposta em cada caso é “NUNCA”. E por que ainda ouvimos, repetidas vezes, os repórteres e os âncoras traduzindo “Allahu Akbar” como “Deus é grande”, em vez de como o grito de guerra é: “Meu Deus — Alá — é maior (do que o seu)? “Essa tradução incorreta não é trivial. Enquanto isso, os Muçulmanos têm estado ocupados promovendo campanhas generalizadas para convencer os não-Muçulmanos de sua inocuidade. É tudo tipo “gente como a gente”; noites na Mesquita Próxima; dias de Visite a Minha Mesquita; Conheça Meus Vizinhos Muçulmanos e (Põe a Sua Mente Para Relaxar), todas variantes do mesmo roteiro, onde os Muçulmanos ostensivamente amigáveis, ​​ansiosos para avançar a causa do Islã, oferecem uma noite de taqiyya sorridente e (se necessário for) um indignado tu-quoque para os não-Muçulmanos confiantes e ansiosos para “aprenderem sobre o Islã” e para encontrarem Muçulmanos da vida real. O que descobrem, sem surpresa, é que as pessoas Muçulmanas em seu melhor comportamento podem vir a ser, — enquanto nada de substância é aprendido sobre o que o Islã inculca, — no final de uma apresentação suave, um aceno à baklava (um docinho do Oriente Médio), e um bom momento para todos…

Os governos podem hesitar ou evitar confrontar a ideologia do Islã, pois eles têm sido astutos nas acusações de preconceito e Islamofobia.

No entanto, infundado ou mal-entendido ou idiota essas acusações são, elas são repetidas com tanta frequência que assumem uma vida própria. Isso não significa que nada possa ser feito até que líderes Ocidentais como Wilders e Le Pen sejam eleitos para o cargo. Aqueles fora do governo precisam fazer o que ainda não foi feito. Partidos privados, cheios de poeira, podem intervir e ajudar a financiar aqueles grupos e indivíduos que se tornaram alertas aos perigos do Islã e estão tentando educar os públicos Ocidentais. (Jihad Watch é um modelo que vale a pena apoiar, e emular.) Os partidos privados também podem subscrever o material educacional que precisa ser divulgado. Seria útil publicar — ou publicar online — “edições estudantis especiais” do Alcorão, com um comentário corrente nas margens, comentário exegético e crítico, enfocando os versos mais problemáticos (como 9:5; 98: 6) e também as coleções de Ahadith (plural de Hadith) selecionados (tirados principalmente das compilações de Muçulmanos e Al-Bukhari, os dois mais respeitados muhaddithin), e trechos, também, da Sira, ou a biografia de Muhammad/Maomé, com ênfase nas muitas Histórias sobre o que Muhammad fez e disse, que propagandistas do Islã tentam manter fora do radar dos infiéis (o casamento com a pequena Aisha, os assassinatos de Asma bint Marwan e Abu Afak, o ataque a Khaybar, os assassinatos dos Banu Qurayza). E esses textos devem ser disponibilizados gratuitamente e amplamente distribuídos em edições impressas, e torná-los ainda mais disponíveis — e tão livres quanto — na Internet.

As edições dos três principais textos Islâmicos, com os mais importantes comentários críticos, devem ser complementadas por outras obras críticas ao Islã, especialmente as dos ex-Muçulmanos. Os estudos de escritores como Ayaan Hirsi Ali e Ibn Warraq devem ser traduzidos em pelo menos uma dúzia das principais línguas do mundo não-Muçulmano, incluindo, mas não limitado ao, Inglês, Francês, Espanhol, Alemão, Russo, Italiano, Holandês, Português, chinês, Hindi, Coreano, Japonês e meia dúzia das principais línguas do Islã: Árabe, Urdu, Farsi, Bahasa, Turco, Malaio. É preocupante que tal projeto de tradução, que custaria tão pouco, mas que potencialmente faria tanto, ainda não foi realizado por qualquer fundação. A guerra ideológica, então, deve ser conduzida tanto entre não-Muçulmanos como Muçulmanos, da mesma forma que durante a Guerra Fria, a C.I.A. tinha dois públicos-alvo: o primeiro era o público preso atrás da Cortina de Ferro, que foi mantido informado por transmissões sobre o que era a vida no Ocidente, e o segundo era um público no Ocidente, constituído por intelectuais esquerdistas que a C.I.A. queria evitar que sucumbissem aos brados ideológicos do Comunismo. Queremos educar os públicos Ocidentais sobre o Islã, mostrando-lhes os versículos do Alcorão e as histórias de Hadith que os propagandistas Muçulmanos tentam evitar discutir, ou quando podem ser forçados a discuti-los, exalam taqiyya sob uma cortina de fumaça que é difícil de dissipar. E nós queremos levar a guerra ideológica ao inimigo, tentando enfraquecer o poder que o Islã tem sobre seus adeptos. Ainda não foi feito o suficiente, por exemplo, para explorar o fato de que o Islã tem sido um veículo para a supremacia Árabe, — dado que 80% dos Muçulmanos do mundo não são Árabes, — pode muito bem ser o argumento mais poderoso para enfraquecer o apelo do Islã.

Mas, novamente, os tempos são muito diferentes daqueles da Guerra Fria, e a publicação impressa não é mais a principal maneira de disseminar a informação. Agora é uma questão de postar online, e chegar ao público de dezenas de milhões, em vez de dezenas de milhares, um alcance que nunca poderia ter sido imaginado até vinte anos atrás. Mas ainda caberá às partes privadas garantir que esses textos Islâmicos e os comentários críticos sobre eles e as principais obras de ex-Muçulmanos articulados e outros críticos importantes do Islã (incluindo Robert Spencer, como o principal motor da Jihad Watch ), sejam traduzidos fielmente em quase vinte línguas, incluindo as oito línguas principais dos povos Muçulmanos, e depois certificando-se de que todas estas traduções são apresentadas de forma atraente e fácil de encontrar online, como parte do que já é a primeira grande guerra cibernética. É uma guerra que o Ocidente chegou atrasado no fim do dia, mas deve agora, sem mais demora, entrar nas listas ideológicas, dependendo necessariamente do apoio privado, enquanto os governos ainda temem pisar, para prevalecer numa guerra que o Ocidente não pode perder.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

RAYMOND IBRAHIM: AS FANTASIAS SEXUAIS DE MUHAMMAD COM A VIRGEM MARIA

RAYMOND IBRAHIM: AS FANTASIAS SEXUAIS DE MUHAMMAD COM A VIRGEM MARIA

Por RAYMOND IBRAHIM

10 de Fevereiro de 2017

Nota do blog:  Robert Spencer e Raymond Ibrahim são versados em Árabe Clássico, Corânico. Vídeo legendado em Português, cortesia do canal  Portões de Viena (Obrigado!)

Numa época em que as pessoas Ocidentais são constantemente advertidas a falarem respeitosamente de Muhammad/Maomé, ou então os Muçulmanos ofendidos poderão responder com violência — para a vergonha e culpa daqueles que exercem sua liberdade de expressão — considere o que os Muçulmanos regularmente dizem sobre coisas que não-Muçulmanos guardam como bem mais precioso.

Recentemente, durante seu programa, televisionado na língua Árabe, o Dr. Salem Abdul Galil —anteriormente vice-ministro das Doações Religiosas do Egito para pregação — declarou alegremente que, entre outras mulheres Bíblicas (a irmã de Moisés e a esposa do Faraó), “nosso profeta Muhammad — que as orações e a paz estejam com ele — vai se casar com a Virgem Maria no paraíso”. (Nota: a palavra Árabe para “casamento “denota “relações sexuais legais/jurídicas” e é desprovida de conotações Ocidentais, “românticas” ou Platônicas).

De onde Galil — esse funcionário governamental, que também sustenta que os Muçulmanos podem usar a cruz para enganar os Cristãos, — obteve essa ideia? Como de costume, do próprio Muhammad. Num hadith, considerado suficientemente confiável para ser incluído no renomado corpus de Ibn Kathir, Muhammad declarou que “Alá me casará no paraíso com Maria, Filha de Imran”[1] (a qual os Muçulmanos identificam com a mãe de Jesus).

Entretanto, Eulógio de Córdoba, um Cristão natural da Espanha ocupada pelos Muçulmanos, escreveu uma vez: “Não vou repetir o sacrilégio que aquele cão impuro [Muhammad] ousou proferir sobre a Santíssima Virgem, a Santa Mãe de nosso venerável Senhor e Salvador. Ele afirmou que no próximo mundo ele iria deflorá-la”. (sic)

Como de costume, foram as palavras ofensivas de Eulógio sobre Muhammad — e não as palavras ofensivas sobre Maria — que tiveram consequências terríveis: ele, assim como muitos outros Cristãos Espanhóis, críticos vociferantes de Muhammad, foram considerados culpados por falarem contra o Islã e publicamente torturados e executados em plena “Idade de Ouro”, Córdoba, em 859.

Não apenas muitos acadêmicos Ocidentais suprimem ou anulam episódios históricos de perseguição Muçulmana aos Cristãos, como alguns também — intencionalmente ou por ignorância — os deformam num esforço de retratar as vítimas Cristãs do Islã como Cristãos perseguidores do Islã. Assim, depois de citar o lamento mencionado acima por Eulógio contra Muhammad, John V. Tolan, professor e membro da Academia Europaea, escreveu:

“Essa ultrajante reivindicação [que Muhammad se casará com Maria], dá a impressão, de ser uma invenção de Eulógio; Não conheço nenhum outro polemista Cristão que faça essa acusação contra Muhammad. Eulógio fabrica mentiras projetadas para chocar o seu leitor Cristão. Dessa forma, até mesmo os elementos do Islã que assemelham-se ao Cristianismo (como a reverência de Jesus e sua virgem mãe) são deformados e obscurecidos, de modo a impedir o Cristão de admirar qualquer coisa sobre o Muçulmano. O objetivo é inspirar ódio aos “opressores”  …. Eulógio pretende mostrar que o Muçulmano não é um amigo, mas um violador potencial das virgens de Cristo (Saracenos: Islã na Imaginação Europeia Medieval, p.93).

Contudo, como visto, foi o próprio Muhammad — não qualquer “polemista Cristão” — que afirmou que Maria seria sua concubina eterna. Mas os fatos, aparentemente, não interessam aos acadêmicos como Tolan, que estão ansiosos para demonizar Eulógio com o intuito de  exonerar os “ofendidos” Muçulmanos que o mataram.

Colocando de lado a história, real ou falsa, vamos voltar ao Egito moderno para considerar por que o Dr. Galil — um funcionário governamental descrito como um “moderado”, construtor de pontes entre Muçulmanos e Cristãos — diria isso abertamente quando sabe que milhões de Cristãos Ortodoxos do Egito entenderão isso como repugnante: que a mãe de Cristo seria dada a — e teria relações sexuais com — o que os Cristãos consideram um falso profeta?

Com certeza, muitos Cristãos Egípcios expressaram indignação, inclusive nas mídias sociais, embora nenhum deles tenham respondido com violência. Se um líder clérigo Cristão, ou mesmo um pequeno menino Copta, alegasse que Aisha — a esposa preferida de Muhammad, que ocupa um lugar venerado na tradição Sunita — se casará e terá relações sexuais com um falso profeta, teria sido espancado e, se não for morto no decurso, aprisionado sob a lei “anti-difamação de religiões” do Egito, que supostamente protege tanto o Islã quanto o Cristianismo.

Mas, como todos os Muçulmanos e Cristãos sabem, a lei de “anti-difamação das religiões” do Egito — que tem sido responsável pela prisão e punição de muitos Coptas acusados de zombarem do Islã nas mídias sociais — é na verdade uma lei anti-difamação do Islã. Com as coisas sagradas dos Cristãos qualquer um pode brincar à vontade — incluindo, aparentemente, os funcionários governamentais “moderados”.

Afinal de contas, o Islã — começando com seu profeta e tudo mais ao longo de suas escrituras — é construído para difamar os não-Muçulmanos e suas religiões, o Judaísmo e o Cristianismo em particular. Então, como pode a repetição do que o Islã detém como verdade, jamais ser considerado uma blasfêmia pelos Muçulmanos — a sensibilidade dos infiéis que se dane?

[1] De al-Mu’jam al-Kabīr, uma coleção primitiva de hadith compilado pelo Imã Tabarani.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

MUÇULMANOS PODEM USAR A CRUZ PARA ENGANAR CRISTÃOS

Fonte/Source: Muslims May Wear the Cross to Deceive Christians – Raymond Ibrahim

MUÇULMANOS PODEM USAR A CRUZ PARA ENGANAR CRISTÃOS

Por Raymond Ibrahim

10 de Novembro de 2016

Tradução do texto da foto: JESUS DESTRUIRÁ A CRUZ E SEGUIRÁ O ALCORÃO

Um vídeo na língua Árabe do professor da Al Azhar, Dr. Salim Abdul Galil, é muito instrutivo porque demonstra como a instituição Egípcia vê a relação entre Muçulmanos e Cristãos.

Em vídeo, ele discute o Alcorão 3:28:

“Que os fiéis não tomem por confidentes os incrédulos, em detrimento de outros fiéis. Aqueles que assim procede, de maneira alguma terão o auxílio de Alá, salvo se for para vos precaverdes e vos resguardardes. Alá vos exorta a d´Ele vos lembrardes, porque para Ele será o retorno.”

Galil começou explicando esse verso, mostrando por que os Muçulmanos nunca devem ser amigos ou ajudar os não-Muçulmanos, especialmente contra os companheiros Muçulmanos.

No entanto, se os Muçulmanos se encontram sob autoridade não-Muçulmana e temem por si mesmos, podem, nas palavras desse verso do Alcorão, “vos precaverdes”, e “vos resguardardes”. O Sheik explicou que é permitido aos Muçulmanos fingir que é “um deles”, os infiéis, mas apenas como fachada.

A título de exemplo, disse que se o Muçulmano está sob a autoridade dos Cristãos, e a cruz está em toda parte, o Muçulmano pode usar a cruz e pendurá-la — apesar do conhecido ódio virulento do Islã pela cruz. Ele também pode fingir que é um Cristão e esconder suas práticas Muçulmanas. Sheik Galil chamou essa estratégia — também conhecida como a doutrina da taqiyya — como uma “licença” concedida por Alá aos Muçulmanos para se protegerem contra os infiéis.

Aqui, novamente, é um lembrete nítido do porquê Al Azhar é regularmente acusada de ensinar o mesmo padrão Islâmico que os “radicais” aderem. A Al-Qaeda publicou um longo tratado sobre esse tema, “Lealdade e Inimizade”, apelando aos Muçulmanos para odiarem os não-Muçulmanos, mas permitindo que finjam ser um deles sempre que as circunstâncias exigirem prudência.

Finalmente, não esqueçam que é por isso que população Cristã Copta do Egito vive sob circunstâncias nada invejáveis?


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

TRUMP NA CIA: “TEMOS QUE NOS LIVRAR DO ISIS. NÃO TEMOS ESCOLHA… ESSE É UM NÍVEL DE CRUELDADE QUE AINDA NÃO TÍNHAMOS VISTO”

Fonte/Source: Trump at CIA: “We have to get rid of ISIS. We have no choice….This is a level of evil that we haven’t seen”


TRUMP NA CIA: “TEMOS QUE NOS LIVRAR DO ISIS. NÃO TEMOS ESCOLHA… ESSE É UM NÍVEL DE CRUELDADE QUE AINDA NÃO TÍNHAMOS VISTO”

Por Robert Spencer

 21 DE JANEIRO DE 2017

“Temos de nos livrar do ISIS. Não temos escolha. O terrorismo Islâmico radical, e eu disse isso ontem, tem que ser erradicado da face da terra. Isso é o mal. Isso é o mal…. Esse é um nível de crueldade que ainda não tínhamos visto. E você vai fazê-lo com muita garra e vai fazer um trabalho fenomenal, e vamos dar um fim a isso. Está na hora. Está na hora de acabarmos com isso.”

Sobre o que o Trump disse ontem, eu já tinha dito o seguinte, não é possível erradicar o “terrorismo radical Islâmico” (que na verdade é ortodoxo e mainstream no Islã), enquanto houverem pessoas que acreditam que o Alcorão é a palavra perfeita e eterna de Alá. Sempre haverá alguns fiéis com a ideia de que podem agradar a Alá matando e sendo mortos por ele (Alcorão 9: 111). No entanto, a declaração de Trump, embora hiperbólica, é uma indicação bem-vinda de sua aparente determinação em falar honestamente sobre a natureza e magnitude da ameaça da jihad, para combatê-la e revertê-la…

Além disso, chamá-lo de “mal”, após oito anos de equívocos e ofuscação moral, é tão refrescante quanto Ronald Reagan chamando a União Soviética de “império do mal”, em meio a um período semelhante de equívoco e covardia. É bem-vindo ter esse tipo de clareza moral na Casa Branca. O Presidente Trump claramente espera imitar Reagan ao destruir o Estado Islâmico assim como as ações de Reagan levaram ao colapso da União Soviética. Esse colapso não acabou com o comunismo, que está vivo e bem no Partido Democrata e nos campi universitários dos EUA, mas deu-lhe um golpe significativo. Se o Trump terminar com o Estado Islâmico, não vai acabar com o jihad Islâmica, mas vai dar um golpe significativo. Depois de tantos anos ignorando, permitindo, explicando e se culpando por causa da jihad, os Estados Unidos estão finalmente de volta aos trilhos.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

PARIS JIHAD ASSASSINO EM MASSA: “NÃO ESTOU ENVERGONHADO DE MIM MESMO… SOU UM MUÇULMANO E ME SUBMETI A ALÁ”

Fonte/Source: Paris jihad mass murderer: “I am not ashamed of myself…I am a Muslim, and I submitted to Allah”


PARIS JIHAD ASSASSINO EM MASSA: “NÃO ESTOU ENVERGONHADO DE MIM MESMO… SOU UM MUÇULMANO E ME SUBMETI A ALÁ”

POR ROBERT SPENCER

13 de Janeiro de 2017

“Católicos escrevem para fazer perguntas religiosas.”

Isso não é surpreendente, dada a insistente solicitude da hierarquia Católica com o Islã. Não é de admirar, que depois de todo esse absurdo sobre “diálogo” e “respeito”, Católicos viessem para ver um assassino em massa da jihad Islâmica como tendo mais para lhes dizer sobre assuntos espirituais do que seus próprios clérigos.

“Algumas mulheres prometem seu amor eterno a ele, e dizem que querem ter seus bebês.”

“Toda mulher adora um fascista”, como Sylvia Plath escreveu, e mesmo que isso não seja verdade, é certo que muitas mulheres — e homens — admiram os assassinos em massa da jihad Islâmica por sua força, ao contrário da covardia quase universal e da pusilanimidade que vemos no Ocidente.

‘‘’Não estou envergonhado’  — O assassino em massa de Paris, Salah Abdeslam, diz em carta para fã, que não sente NENHUM REMOSSO”, de Romina McGuinness, Express, 13 de janeiro de 2017:

SALAH Abdeslam, um dos terroristas por trás dos ataques de Paris, disse que não estava “envergonhado” de si mesmo numa carta de amor enviada a um amigo anônimo.

É a primeira vez que o depravado jihadista, tido como o único membro sobrevivente da célula que matou 130 pessoas nos ataques terroristas de Novembro de 2015, falou desde sua prisão em Março passado.

A carta, que estava destinada a um endereço desconhecido em Côte-d’Or, no nordeste da França, foi entregue a funcionários antiterroristas no dia 11 de Outubro — cerca de 24 horas antes dos advogados do jihadista recluso anunciassem que “não mais o defenderiam”.

Abdeslam tem repetidamente exercido o seu direito de permanecer em silêncio e se recusou a falar durante o interrogatório.

Na carta, o suicida que falhou — e que está sendo mantido em isolamento, diz ter se tornado ainda mais radicalizado na prisão e conta sobre suas crenças religiosas distorcidas, de acordo com o diário Francês Libération.

Ele escreveu: “Eu não sei por onde começar. Eu não seria capaz de dizer se suas cartas me trazem alegria ou dor. Mas o que eu sei é que elas são o meu único elo com o mundo exterior.”

“Eu não tenho medo de falar, porque não tenho vergonha de mim mesmo. As pessoas dizem coisas horríveis sobre mim, tudo já foi dito.

“Quero que sejamos honestos uns com os outros. Suas intenções são sinceras? Eu não quero que você me ame porque pensa que eu sou uma “estrela pop”. A única pessoa que merece ser adorada é Alá, o criador do mundo.”

A carta também parece confirmar os temores de que Abdeslam tenha se reclusado ainda mais para dentro de sua concha, abrigando pensamentos cada vez mais radicais.

Ele escreveu: “Não estou tentando causar caos. Eu quero abalar o status quo. Sou Muçulmano e sou submetido a Alá. Já se submeteu? Apresse-se, arrependa-se e submeta-se a ele, pois ele o guiará pelo caminho certo. Não ouça o que as pessoas dizem, ouça-o.”…

Uma fonte anônima próxima ao caso disse que Abdeslam recebe “um monte de mensagens dos fãs”.

Ele disse: “Os Católicos escrevem para fazer perguntas religiosas. Algumas mulheres prometem seu amor eterno a ele, e dizem que querem ter seus bebês. Advogados se oferecem para defendê-lo — e as cartas continuam chegando.”


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Islã 101 — A Guerra do Islã Contra o Mundo

Fonte/Source: Islam 101 — Robert Spencer -JIhad Watch

Photo Cover (Capa) Credit: Alcorão – Uma das cópias mais antigas

Resultado de imagem para islam old koran

 Islã 101 

A Guerra do Islã Contra o Mundo

Por Gregory M. Davis

Autor:  Religion of Peace? Islam’s War Against the World Produtor/Diretor:  Islam: What the West Needs to Know — An Examination of Islam, Violence, and the Fate of the Non-Muslim World Disponível em PDF (Inglês)http://www.jihadwatch.org/islam101.pdf

Islã 101 disponível em PDF:  Islã 101 em PDF (Português)

Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis


O Islã 101 tem como objetivo, educar as pessoas sobre os fundamentos do Islã,  ajudar aos inteirados sobre o assunto a transmitirem a história e os fatos recentes com precisão. Da mesma forma, o livro e o documentário são destinados a servir como explicações concisas dos principais acontecimentos relativos ao Islã e suas implicações para a sociedade ocidental.  Islã 101 expõe a inadequação dos pontos de vista predominantes. Todos devem sentir-se livres para distribuir e/ou reproduzir este trabalho. Continuar lendo Islã 101 — A Guerra do Islã Contra o Mundo

VITIMIZAÇÃO

 VITIMIZAÇÃO

Por  Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

9 de Janeiro de 2017

Fica registrado aqui minha solidariedade 
ao excelente blog "LEI ISLÂMICA EM AÇÃO".

O texto a seguir é a reprodução ipsis litteris de um post das “Mulheres do Islam do Brasil” no Facebook.

Caros irmãos,

Ajude-nos a denunciar esta pagina que vem difundindo o discurso de odio contra os muculmanos brasileiros (islamofobia). Compartilhem com seus contatos.

https://www.facebook.com/LeiIslamicaEmAcao/

Sem dúvida alguma será um grande prazer ver também o meu blog “Muhammad e os Sufis” ser denunciado. Mas, o que realmente precisa ser denunciado? A verdade?

Significado de Vitimização: 
Ação de vitimizar 
(tornar alguém vítima ou tornar-se vítima). 
É, pois, forma derivada deste verbo vitimizar.

Quando se fala em “islamofobia”, quem realmente é a vítima? Os 90.000 Cristãos assassinados só em 2016 pelo “ultra-fundamentalismo islâmico” ou os Muçulmanos que acusam os Cristãos entre outros não-Muçulmanos de “islamofóbicos” porque estão denunciando o Islã Político em blogs entre outras mídias? É uma boa pergunta, não é mesmo?

Eis a prova do que foi dito acima?

Enquanto “as últimas salvas do comunismo” ainda são responsáveis por alguns maus-tratos dos Cristãos, disse Introvigne à Breitbart, o “ultra-fundamentalismo islâmico” tomou seu lugar como o agente número um de perseguição.” Report: 90,000 Christians Killed for Their Faith in 2016

"Islamofobia" 
é um vocábulo criado para você não criticar o Islã. 
Não criticar o Islã significa se render ao Islã
 e é exatamente por isso 
que precisa ser criticado. 

O que tem sido dito sobre o Islã, por mim, em grande parte, foi escrito por acadêmicos respeitados pela comunidade internacional, especialmente por serem versados na língua Árabe. A ideia de que o Alcorão só é compreendido na língua Árabe é totalmente falsa.

Robert Spencer (Jihad Watch) e Raymond Ibrahim são os autores que mais traduzo. Ambos, têm capacidade, além do normal, para debater publicamente qualquer questão sobre o Islã e consequentemente com qualquer líder religioso Islâmico.

Robert Spencer é diretor da Jihad Watch. Tem 16 livros sobre o Islã publicados, vários Best Sellers, além de serviços prestados aos EUA através de seminários para as seguintes instituições:

FBI, the United States Central Command, United States Army Command and General Staff College, the U.S. Army’s Asymmetric Warfare Group, the Joint Terrorism Task Force (JTTF), the Justice Department’s Anti-Terrorism Advisory Council, the U.S. intelligence community,  the U.S. State Department, the German Foreign Ministry, the Center for Security Policy  e além disso é vice presidente da American Freedom Defense Initiative.

Raymond Ibrahim:

 Autor de dois Best Sellers: Crucified Again: Exposing Islam’s New War on Christians (2013) and The Al Qaeda Reader (2007). Seu trabalho tem sido publicado em várias e importantes mídias como the New York Times, CNN, LA Times, Fox News, Financial Times, Jerusalem Post, New York Times Syndicate, United Press International, USA Today, Washington Post, Washington Times, and Weekly Standard;  Almanac of Islamism, Chronicle of Higher Education, Hoover Institution’s Strategika, Jane’s Islamic Affairs Analyst, Middle East Quarterly, Middle East Review of International Affairs; American Thinker, the Blaze, Bloomberg, Breitbart, Christian Post, Daily Caller, FrontPage Magazine, Gatestone Institute, the Inquisitr, Jihad Watch, NewsMax, National Review Online, PJ Media, the UK’s Commentator, World Magazine entre outros.

Traduzi algo em torno de 230 artigos para o meu blog “Muhammad e os Sufis”,  para que a população Brasileira entenda o porquê do antagonismo Islâmico no mundo.

O próprio presidente Abdel Fattah alSisi, um Muçulmano fervoroso, considerado um herói nacional, inclusive por Israel, já reconheceu isso em vídeo, diante das maiores lideranças religiosa do Islã, na Universidade de Al Azhar, a mais importante autoridade Islâmica do Egito: — Al-Sisi: O “Pensamento” Islâmico está “Antagonizando o Mundo Todo”.

“É inconcebível”, disse ele, “que o pensamento que guardamos como o mais sagrado deva fazer com que toda a ummah [Mundo Islâmico] seja uma fonte de ansiedade, perigo, matança e de destruição para o resto do mundo. Impossível!”

“Esse pensamento (que é responsável por produzir “ansiedade, perigo, massacre e destruição” ao redor do mundo) — Eu não estou dizendo “religião”, mas “pensamento” — inserido nos corpus de textos e ideias que temos sacralizado ao longo dos séculos, a tal ponto que se afastar deles tornou-se quase impossível, está antagonizando o mundo inteiro. Isso está antagonizando o mundo inteiro!”

Entretanto, o Sheikh Ahmed al-Tayeb, a mais alta autoridade do Egito sobre o Islã e Grande Imã da Universidade de Al Azhar, a universidade Islâmica mais conceituada do mundo, rejeitou a reforma do “Discurso Religioso”. Al Azhar Rejeita Reforma do “Discurso Religioso”

A maioria dos Brasileiros, através de vários blogs e páginas do Facebook, estão agora podendo acessar os 1.400 anos de história do Islã. Estão se conscientizando que ao longo de 1.400 anos,  270 milhões de pessoas foram assassinadas, estupradas, saqueadas entre muitas outras coisas pela religião Islâmica.

Ao longo de 1.400 anos: 548 batalhas contra a Civilização Clássica versus 16 Cruzadas sem falar do mundo atual.

O segundo maior país Católico do mundo tem o direito e o dever de expressar a sua indignação diante do crescimento acelerado do Islã no Brasil. Principalmente quando turbinado por emissoras de TV como a Globo News entre outros veículos: Em dez anos, número de muçulmanos no Brasil dobra e chega a 1,5 milhão

Uma pergunta, quem está financiando esse crescimento acelerado do Islã no Brasil?

Não existe Muçulmano Brasileiro e sim Muçulmano no Brasil.


Assista a estes dois vídeos legendados em Português. Ajuste o idioma caso necessário no “settings” do vídeo.

Produzido por Dr. Bill Warner, Phd – Diretor do CSPI International

Ambos legendados pelo blog “LEI ISLÂMICA EM AÇÃO”.

 

 

Em Imagens: O Que Um Bombardeio Suicida Islâmico Parece

Fonte / Source:  In Pictures: What an Islamic Suicide Bombing Looks Like – Raymond Ibrahim

Em Imagens:   O Que um Bombardeio Suicida Islâmico Perece 

Por Raymond Ibrahim

 

19 de Dezembro de 2016

FrontPage Magazine

Um homem-bomba Muçulmano entra num prédio e explode a si mesmo e dezenas de outras pessoas inocentes. Ouvimos muitas vezes essas notícias e corremos o risco de ficarmos dessensibilizados. Afinal, os assassinos e os mortos são apenas estatísticas sem nome e sem rosto.

Por isso, porque uma imagem vale mais que mil palavras, abaixo estão várias imagens e vídeos do mais recentes ataque suicida Islâmico: o da Catedral de São Pedro no Cairo, que matou pelo menos 25 fiéis Cristãos — a maioria dos quais eram mulheres e crianças e feriu gravemente mais que o dobro. A maioria dessas fotos não apareceram em nenhuma mídia de língua Inglesa.

AVISO: Algumas destas imagens e vídeos são muito fortes. (Aqueles que podem lidar com elas também podem ver as imagens ainda mais contundentes (e fortes) do bombardeio Islâmico suicida de 2011 de outra igreja, em Bagdá, que deixou cerca de 60 mortos e também dilacerou o corpo do suicida.

Em primeiro lugar, estão os restos mortais do próprio suicida, Mahmoud Shafiq Muhammad Mustafa, que teria cerca de 22 anos de idade e é descrito como sendo afiliado ao Estado Islâmico ou à Irmandade Muçulmana do Egito ou a ambos:

Abaixo está uma foto do homem bomba quando estava vivo (centro) e seu rosto reconstruído (à direita) depois do forense juntá-lo num esforço para combiná-lo com a imagem do centro:

O vídeo a seguir mostra o momento da explosão, começando em torno da marca de 50 segundos. Mahmoud Shafiq, o suicida, aparece entrando no complexo da catedral segundos antes dele, no canto inferior esquerdo do vídeo:

O seguinte é um dos primeiros vídeos a serem filmados dentro da catedral após a explosão. Aviso: Corpos mortos e dispersos aparecem:

Aqui está outro vídeo anterior:

Maridos perderam esposas, esposas perderam maridos, pais perderam filhos e filhos perderam pais naquele dia. Abaixo estão algumas das vítimas infantis de Mahmoud Shafiq (as imagens são difusas, pois são baseadas em quadros fixos de um vídeo):

Esse menino, que aparece com o sangue dos outros (seus pais?) ainda sobre ele, provavelmente nunca esquecerá aquele dia.

Abaixo estão várias fotos de algumas das mulheres que morreram, filmadas em tempos mais felizes. Muito mais pode ser visto aqui. Histórias de perda e luto são muitas em sites Cristãos Árabes. Uma moça morta estava noiva e estava a para se casar em duas semanas; Outra acabara de terminar a faculdade de medicina e estava a caminho de se tornar médica; Uma mãe perdeu seus dois únicos filhos, duas filhas.

Aqui estão alguns dos que estão hospitalizados em estado crítico:

Abaixo está um clipe do vídeo de uma mulher Muçulmana mediana nas ruas do Egito, jubilantemente celebrando o bombardeio da Igreja de São Pedro. Ela grita triunfante “Allahu Akbar!”, e diz que “nosso amado profeta Muhammad está pagando os infiéis [Cristãos] de volta” por rejeitarem o “tawhid” (monoteísmo), que “deve ser proclamado em todos os cantos do Egito!”

O vídeo seguinte retrata Cristãos Coptas em pé, ao redor da Catedral de São Pedro, após o bombardeio, e desafiadoramente proclamando em Árabe o Credo Niceno completo — uma fato, segundo notícias, sem precedentes no Egito Muçulmano, como o Credo repetidamente afirma, o que o Islã (por exemplo, Corão 9:30) considera o ponto alto do shirk, ou blasfêmia: que Jesus Cristo é o Filho de Deus.

Nota do Blog: Infelizmente não consegui baixar o vídeo. Clique neste link para assistir ao vídeo. Imperdível.

This is so powerful After terror attack to Main… – Philip WissaFour

Essa é a consequência, diferentemente daquilo que, de outra forma, muitas vezes é relatado superficialmente na mídia como um “atentado suicida que matou x pessoas” — um fenômeno que continua a crescer nos últimos tempos. Mesmo no Ocidente, o ódio Islâmico pelas igrejas Cristãs está em ascensão. Em Outubro passado, um refugiado Muçulmano Africano invadiu e vandalizou quatro Igrejas em Roma (vídeo de vigilância aqui); Em Setembro, outro refugiado Muçulmano atacou e vandalizou várias Igrejas na Espanha. Houveram vários outros ataques semelhantes nas últimas semanas e meses — para não falar da guerra do Islã contra a cruz que também se espalhou para o Ocidente.

Mesmo nos Estados Unidos, onde o número de Muçulmanos é minúsculo em comparação com partes da Europa, o mesmo ódio pelas igrejas está crescendo. No início deste ano, um homem Muçulmano “fez planos para atirar numa igreja cheia de Cristãos em Detroit, de acordo com registros da corte documentando suas conversas na Internet com um agente do FBI”.

Tudo isso está de acordo com a Regra dos Números do Islã, que sustenta que, na medida em que os números Muçulmanos crescem no Ocidente, também os fenômenos distintamente Islâmicos crescem com juntos — nesse caso, ataques a igrejas Cristãs e adoradores. Atualmente nada muito “espetacular” ocorreu — como o bombardeio da igreja na semana passada no Cairo — mas isso pode ser apenas uma questão de tempo.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

“Será que o Papa atual será forçado a fugir de Roma?”

Foto/Cover: Alessandro Di Meo / EPA file 

Fonte/Source: Immigration, Reason, and Responsibility | Catholic World Report – Global Church news and views via RAYMOND IBRAHIM

Imigração, Razão e Responsabilidade

Por William Kilpatrick

25 de Março de 2016

Migrantes e refugiados aguardando numa longa fila para receber alimentos distribuídos por voluntários após a sua chegada em Atenas, Grécia, no 25 de Fevereiro. (CNS foto / Simela Pantzartzi, EPA)

Donald Trump levantou recentemente o espectro de um ataque do Estado Islâmico (ISIS) sobre o Vaticano. O Sr. Trump gosta de afirmar que é sempre o primeiro, a saber, o que o futuro pressagia, mas neste caso chegou atrasado. Em Janeiro deste ano, escrevi um artigo intitulado “Será que o futuro Papa será forçado a fugir de Roma?”. Daqui a um ano, talvez seja mais pertinente perguntar se o atual Papa será forçado a fugir.

Há um ano, a Europa vem gradualmente acelerando em direção à completa Islamização. Naquele tempo geralmente estimava-se que o processo levaria décadas ou mesmo a maior parte do século para chegar à conclusão. Mas o súbito influxo de migrantes Muçulmanos e refugiados em 2015 empurrou o acelerador para frente a toda a velocidade. Só a Alemanha arrecadou mais de um milhão de migrantes em 2015. E uma vez que muitos dos migrantes são homens jovens, estima-se que em menos de um ano haverá um grande número de homens Muçulmanos em idade de combate na Alemanha, como existem Alemães nativos da mesma faixa etária.

Migrantes tendem a não ficar na Itália, em grande parte, por conta dos escassos benefícios sociais, de forma que pode levar um tempo para o total efeito ser sentido em Roma.  Ainda assim, e não parece cedo demais, podemos contemplar a possibilidade do Papa Francisco ser forçado a fugir de Roma. Desde a queda de Constantinopla, conquistar Roma tem sido o maior objetivo dos Muçulmanos. Em Julho de 2014 Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Estado Islâmico (ISIS) renovou a esperança de suas tropas com a promessa de que “vocês irão conquistar Roma e serão os donos do mundo”. Agora que o Estado Islâmico (ISIS) está inserido na Líbia, a rota para Roma é relativamente curta e direta.

Naturalmente, uma saída forçada não é a única alternativa. Dependendo de como o processo de Islamização desenrolar, o Papa pode ser autorizado a ficar em Roma. Mas a Igreja na Europa será uma Igreja muito diminuída e o Papa terá que respeitar as regras aplicadas aos dhimmis. Sua posição nesse caso seria semelhante a do Papa Copta do Egito: precária se um Muçulmano como Mohamed Morsi estiver no poder; suportável se um Muçulmano Iluminado, como Presidente El-Sisi estivesse no poder.

Mas, esse é o cenário otimista. No pior dos cenários, devemos contemplar não só a partida do Papa, mas também o fim do Cristianismo na Europa. Julgando pela contínua perseguição dos Cristãos no Oriente Médio, África e outras partes do mundo Muçulmano não se podem dar ao luxo de ser demasiado otimista diante do panorama Cristãos Europeu. Na verdade, a Europa Cristã enfrenta a maior ameaça à sua existência desde os exércitos do sultão Mehmed IV convergiram para Viena em 1683.

130308-vatican-light-jsw-1035a
Foto: Alessandro Di Meo / EPA file — Um raio atinge a cúpula da Basílica de São Pedro no Vaticano, durante uma tempestade em 11 de Fevereiro de 2013, no mesmo dia em que o Papa Bento XVI anunciou sua renúncia.

Só que desta vez as tropas avançadas já estão dentro dos portões. Além disso, as regras politicamente corretas de engajamento tornam a autodefesa uma proposição arriscada, como no caso de uma adolescente Dinamarquesa que foi multada por usar spray de pimenta para repelir um homem que a agredia sexualmente. A situação é muito pior do que qualquer um poderia ter imaginado há um ano. Migrantes Muçulmanos hospedados em Centros de asilo na Alemanha assaltam (estupram) Cristãos e abusam sexualmente mulheres e crianças. Um menino de dez anos foi estuprado por um migrante Muçulmano numa piscina pública em Viena. Gangues Muçulmanas armados com barras de ferro vagam pelas pequenas cidades da Europa à procura de vítimas para espancar. Um menino de uma escola na Suécia foi esfaqueado até a morte por defender uma menina contra o abuso sexual por parte de um colega de escola Muçulmano. Judeus temem usar o kipá. Mulheres solteiras têm medo de andar sozinhas. As mães têm medo de deixar seus filhos visitarem os parques infantis. Os próprios policiais muitas vezes têm medo e há inúmeros casos de policiais em retirada diante das gangues Muçulmanas. Em partes do norte da Inglaterra, policiais estão sendo orientados a não dirigir ao trabalho vestindo uniforme para não serem atacados.

Além do mais, temos uma situação susceptível de gerar graves consequências a cada onda sucessiva de migrantes Muçulmanos. Como os Europeus já perceberam que a polícia é incapaz de defendê-los ou não querem, irão resolver o assunto com as próprias mãos. Numerosos movimentos de resistência já se formaram em toda a Europa, juntamente com organizações de autodefesa locais e até mesmo grupos de vigilantes. Rifles já estão sendo vendidos em lugares como a Áustria e a Suécia. Cursos para manuseio de armas de fogo estão com excesso de inscrições. O confronto entre os habitantes locais e os migrantes eclodiu em cidades que eram pacíficas no passado. Muitos estão prevendo uma guerra étnica em grande escala com dezenas de milhares ou mesmo centenas de milhares de vítimas.

A ironia é que, se o caos se abater sobre a Europa, o Papa Francisco juntamente com outros da mesma hierarquia terão que arcar com parte da responsabilidade. Isto é, por estarem na vanguarda dos que pedem de braços abertos, pelo acolhimento de refugiados e migrantes Muçulmanos.

Papa Francisco abordou a situação dos refugiados em várias ocasiões. Geralmente falando sobre seu sofrimento, sua fuga da guerra e da opressão, e seu desejo de liberdade. Comparou a sua migração a jornada de Abraão a Terra Prometida, ao Êxodo do povo escolhido, e a fuga da Sagrada Família ao Egito. Falou também sobre as contribuições benéficas que os migrantes irão introduzir nas culturas anfitriãs.

Quanto às culturas anfitriãs? Nesse ponto, Francisco é um pouco menos generoso. Ele adverte às sociedades que os acolhem contra a “mente-fechada”, a “intransigência”, cedendo a temores, e adotando atitude de “fria indiferença”. Em sua mais recente observação sobre o assunto, afirmou que: “Uma pessoa que só pensa em construir muros… e não em construir pontes, não é Cristão”. Claramente sente que os cidadãos Ocidentais têm a obrigação moral de acolher os refugiados.

Mas, o Papa e os numerosos Bispos, que disseram a mesma coisa sobre a imigração, terão alguma responsabilidade moral, quando suas esperanças para um continente harmonioso são infundadas?

A vida é imprevisível. E não há nenhuma maneira de sabermos com certeza se suas ações bem intencionadas darão frutos. Ainda assim, é geralmente melhor errar do lado da caridade. Algumas coisas, no entanto, são mais previsíveis do que outras. Muito antes da onda de refugiados chegar em 2015, já era dolorosamente óbvio que algo estava terrivelmente errado com a imigração Muçulmana. Os Muçulmanos, em geral, não estavam assimilando a cultura Europeia. Muitos viviam em guetos auto-segregados e em zonas de exclusão. Muçulmanos tinham altas taxas desproporcionais de crime violento e dependência da assistência social. E tempos após tempo haviam tentado impor seus próprios códigos culturais e religiosos aos outros.

O problema com a postura, da hierarquia pró-Muçulmana de imigração, é o seu quase total desrespeito aos fatos. Ao ler as declarações episcopais sobre o assunto, tem-se a impressão de que todas as migrações são essencialmente benignas: a de que, para usar as palavras do Papa, todos os migrantes procuram a “dignidade e a igualdade de cada pessoa, o amor ao próximo… a liberdade de consciência e de solidariedade para com os nossos semelhantes homens e mulheres”. “A maioria dos Muçulmanos, no entanto, caso leve a sua fé a sério, não compartilha essa visão comum”. O Islã prescreve um conjunto de regras aos Muçulmanos e outros códigos muito mais duros aos não-Muçulmanos. Além disso, a teologia Islâmica contém o que equivale a uma doutrina do destino manifesto.

O Alcorão, juntamente com outras escrituras, comanda os Muçulmanos a lutar contra os infiéis até que toda a adoração seja somente por Alá. A atitude do Bispo em relação à imigração Muçulmana não só demonstra um desrespeito pela teologia Islâmica, mas também aos 1400 anos de história. Durante esses catorze séculos, a agressão Islâmica contra os não-Muçulmanos tem sido uma constante que atravessa culturas, geografia, raça e língua. Como documenta Raymond Ibrahim em  Crucified Again o padrão de perseguição carrega exatamente a mesma forma quer seja na África, Oriente Médio, Ásia Central, ou Sudeste Asiático.

Em seguida temos a história atual. Os Bispos devem estar cientes da enorme mudança populacional que já estava em andamento antes de 2015. Nos Países Baixos e na Bélgica, 50 por cento de todos os recém-nascidos são Muçulmanos. No Reino Unido, o nome mais popular para bebês é “Mohammed”. Em Viena, Birmingham, e Marselha há mais crianças Muçulmanas que crianças Cristãs. No sul da França, há mais Mesquitas que Igrejas. Os Bispos devem estar cientes da epidemia de estupro na Inglaterra e na Suécia. Devem estar cientes dos numerosos ataques terroristas em toda a Europa. Devem saber que Estado Islâmico (ISIS) tem afirmado a intenção de se infiltrar na população de refugiados. Devem estar cientes agora que, de 70 a 75 por cento dos refugiados de 2015 eram homens jovens, e não mulheres e crianças.

A vida é imprevisível, no entanto, não se pode dar ao luxo de ignorar as probabilidades da mesma. Tanto o padrão do passado, quanto o padrão do presente, sugere fortemente que a experiência da Europa em relação à imigração Muçulmana em massa vai acabar mal. Alguns Bispos estão tardiamente acordando para essa possibilidade. Cardeal Reinhard Marx, que preside a Conferência Episcopal Alemã, era até há pouco tempo, um dos mais fortes defensores da imigração Muçulmana e fez questão de cumprimentar os refugiados na estação de trem. Agora, talvez em resposta às agressões sexuais em massa, perto da Catedral de Colônia, o Cardeal tem uma mensagem diferente. Em uma entrevista recente ao Passauer Neue Presse, disse: “Como Igreja, dizemos que precisamos de uma redução do número de refugiados”. Ele acrescentou: “A Alemanha não pode absorver todos os necessitados do mundo”. A resposta da Igreja à crise dos migrantes, afirmou, não deve ser apenas uma questão de “caridade, mas também de razão”.

Muita miséria poderia ter sido evitada se líderes políticos e líderes da Igreja na Europa tivessem antes aplicado à regra da razão. Como o professor Stephen Krason observa:

Insistir que essa gama de questões relacionadas à imigração ilegal deva ser ignorada simplesmente porque a Escritura diz para “acolher o estrangeiro” não é apenas um literalismo impermeável ao contexto e a qualificação, mas pede para que as pessoas entreguem suas mentes. Catolicismo, no entanto, não é uma religião de “fé cega”, mas uma em que a fé e a razão trabalham em harmonia.

Assim como precisamos ser cautelosos com relação à fé cega, é preciso ter o cuidado com a caridade cega. Uma das razões pela qual o mundo Cristão não tem sido preparado para o ataque Islâmico é a prevalência do pensamento politicamente correto. Em certo sentido, o politicamente correto é uma forma de falsa caridade. No caso do Islã, é um acordo tácito para poupar os sentimentos dos Muçulmanos, fingindo que não há um lado repulsivo no Islã. Mas este silêncio caridoso sobre a ameaça do Islamismo teve o efeito de colocar os Cristãos em risco, negando-lhes o conhecimento crucial.

Durante uma recente entrevista com um repórter Francês, Jean-Clément Jeanbart, Católico Arcebispo Melquita de Aleppo, criticou os meios de comunicação Europeus e alguns de seus colegas Bispos por ignorarem a perseguição Muçulmana aos Cristãos do Oriente Médio: “Porque seus Bispos estão em silêncio, sobre uma ameaça que também é sua hoje em dia? Porque os Bispos são como você, criados no politicamente correto. Mas Jesus nunca foi politicamente correto, ele era politicamente justo!” Acrescentou:

“A responsabilidade de um Bispo é ensinar, e usar a sua influência para transmitir a verdade. Por que seus Bispos têm medo de falar? Claro que seriam criticados, mas isso lhes daria a chance de se defender e defender a verdade. Você deve lembrar que o silêncio muitas vezes significa consentimento”.

Quanto à celebração da imigração em massa da Europa, o Arcebispo disse isto:

O egoísmo e os interesses servilmente defendidos por seus governos, no final, também irão matá-lo. Abra seus olhos, você não viu o que aconteceu recentemente em Paris?

Em agosto de 2014, Emil Nona, o Cardeal Arcebispo exilado de Mosul emitiu um alerta semelhante sobre ingenuidade com relação à imigração Muçulmana. Vamos dar a ele a última palavra:

Os nossos sofrimentos são o prelúdio daquilo que você, os Europeus e os Cristãos Ocidentais, também sofrerão no futuro próximo… Você deve considerar novamente a nossa realidade no Oriente Médio, porque você está acolhendo em seus países um número crescente de Muçulmanos. Além disso, você está em perigo. Você deve tomar decisões fortes e corajosas, mesmo à custa de contradizer seus princípios. Você acha que todos os homens são iguais, mas isso não é verdade: O Islã não diz que todos os homens são iguais. Os seus valores não são os valores deles. Se você não entender isso, em breve irão se tornar vítimas do inimigo, aos quais vocês deram boas-vindas em sua casa.


Sobre o Autor:

William Kilpatrick lecionou por muitos anos no Boston College. Autor de vários livros sobre questões culturais e religiosas, incluindo Psychological Seduction, Why Johnny Can’t Tell Right from Wrong e, mais recentemente, Christianity, Islam, and Atheism: The Struggle for the Soul of the West. Os artigos do Professor Kilpatrick sobre temas culturais e educacionais têm aparecido no First Things; Policy Review; American Enterprise; American Educador; The Los Angeles Times, entre várias outras revistas acadêmicas. Seus artigos sobre o Islã têm aparecido em Aleteia; National Catholic Register; Investor’s Business Daily; FrontPage Magazine entre outras publicações. O trabalho do professor Kilpatrick é apoiado em parte pela Shillman Foundation. Para saber mais sobre o seu trabalho e escritos, visite o website: turningpointproject.com.


Tradução: Sebastian Cazeiro

Um Apocalipse Islâmico em Bruxelas

Fonte/Source: An Islamic Apocalypse in Brussels

Um Apocalipse Islâmico em Bruxelas

Por Raymond Ibrahim

A Jihad Islâmica atingiu Bruxelas ontem pela manhã — primeiro o aeroporto de Bruxelas e, em seguida, uma estação de metrô a 400 metros do quartel-general da EU (União Europeia) — deixando pelo menos 34 mortos e 230 feridos.

Foi uma cena apocalíptica, de acordo com os sobreviventes; “com sangue e corpos desmembrados por todo lado”, até mesmo “lançados ao ar”. Um homem recordou o “horror. Eu vi pelo menos sete pessoas mortas. Havia muito sangue. Pessoas tinham perdido as pernas. Você podia ver seus corpos, mas sem pernas”.

Testemunhas ouviram os atacantes gritando em Árabe, momentos antes das bombas — uma das quais continha pregos — serem detonadas. Outras marcas registradas dos Jihadistas — incluindo um colete suicida não detonado e um rifle Kalashnikov ao lado do corpo de um terrorista morto — foram encontradas. A antiga tática de guerra Islâmica, de se misturar aos não-Muçulmanos também foi implementada. 

Horrendo, como todo ataque, sua inspiração e a resposta Ocidental a isso são típicas — significando, como opinei há um ano, após o massacre de Paris, que “muito mais desses ataques e piores irão continuar. Conte com isso”.

Primeiro como aconteceu em 11 de Setembro (Nova York), os Muçulmanos de todo o mundo — aqueles anônimos que a mídia se refere como “apoiadores do ISIS” — celebraram, incluindo mais uma vez, a distribuição de doces, bradando o grito de guerra Islâmico, “Allahu Akbar.” Sim, o antigo ódio Islâmico está mais uma vez no ar e disparando na mídia social. “Não estamos apenas batendo palma, estamos felizes novamente. Estamos sorrindo, estamos rindo como se fosse um dia de celebração”, tuitou um simpatizante do ISIS. Outro escreveu: “#Bruxelas, se vocês continuarem a sua guerra contra a religião de Alá então, essa é a nossa resposta”. Outro escreveu: “Que dia lindo. F*** (Vai se foder!) Bélgica”. E outro ainda escreveu, “Um monte de [orações Muçulmanas] foram respondidas hoje”.

Ainda assim, a maioria dos simpatizantes Muçulmanos foi rápida em retratar sua sede de sangue como um produto de ressentimentos contra o Ocidente: “o comentário mais comum sob uma hashtag foi “Você declarou guerra contra nós e nos bombardeou, e agora atacamos o interior da sua terra natal”. Outra reação popular dos apoiadores do ISIS no Twitter era que os ataques a Bruxelas tinham a intenção de vingar o sangue dos Muçulmanos, derramado em Mosul, numa série de ataques aéreos pela coalizão Ocidental durante o fim de semana”.

Enquanto isso, e como de costume, nos seus comunicados a outros Muçulmanos, o ISIS articulou o ataque através de um paradigma distintamente Islâmico. E ainda sinalizou o ataque com as palavras: “Viemos para trazer a morte” — uma afirmação baseada nas palavras do profeta do Islã, Muhammad (Maomé), dirigidas a uma tribo não-Muçulmana que recusou a se submeter ao Islã: “Tragovos a morte”.

Se essa afirmação não for suficientemente clara a respeito da intenção e da missão de Muhammad (Maomé) — e aqueles que o seguem — eis aqui outra afirmação canônica atribuída a ele e regularmente citada por jihadistas, incluída mais de uma década atrás no parágrafo da “Declaração de Guerra contra os Americanos”, que mostra o profeta dizendo:

“Fui enviado, com a espada entre as minhas mãos, para garantir que ninguém senão Alá seja adorado — Alá que colocou meu sustento sob a sombra da minha lança e que inflige humilhação e desprezo sobre aqueles que desobedecem aos meus mandamentos” (Al Qaeda Reader, p. 12).

Infelizmente, esse aspecto em particular — no qual a escritura Islâmica claramente, nitidamente, e inequivocamente promove a violência contra todos que recusam a submeter-se a Alá — é o mesmo aspecto e o mais veementemente negado pelas elites Ocidentais. Neste momento, como sempre acontecem, logo após um ataque ao Ocidente, cabeças falantes alertam contra a “Islamofobia desenfreada” e a reação contra os Muçulmanos. A mídia está hospedando mentirosos profissionais como a Fundação Ramadan do Muhammad Shafiq, que insiste que o “terrorismo é proibido no Islã” (embora o Alcorão exorte aos Muçulmanos a aterrorizar aqueles que resistem ao Islã, e.g., 3:151 e 8:12)

Ainda assim, devido ao número crescente de ataques jihadistas em solo Ocidental, um número crescente de políticos estão respondendo com duras — mas, em última análise, totalmente sem sentido — palavras: “Estamos em guerra”, respondeu o Primeiro Ministro Francês Manuel Valls. “Temos sido submetidos nesses últimos meses na Europa a atos de guerra”.

Isso é verdade. Mas, assim como o famoso “guerra ao terrorismo” de George W. Bush — guerra ao método e não a sua motivação — Valls não indica que “estamos em guerra” com, apesar do passo mais elementar para se ganhar uma guerra seja “conheça o seu inimigo”.

Um dos poucos aspirantes políticos Norte-Americanos que não precisam rever seu tom à luz deste ataque é Donald Trump. Mais de dois meses atrás, ele disse: “Vá a Bruxelas. Vá a Paris. Vá a lugares diferentes. Há algo acontecendo e não é bom, onde eles querem a Sharia... Você vai a Bruxelas  Eu estava em Bruxelas há muito tempo, há 20 anos, tão bonito, tudo é tão bonito — agora é como estar vivendo num buraco do inferno”.

Esse último ataque terrorista na Europa provavelmente vai reacender o debate sobre os refugiados, que, embora importante, também minimiza a importância da questão. O denominador comum entre todos esses recentes ataques terroristas em todo o Ocidente não é que os culpados sejam todos refugiados, mas sim que são todos Muçulmanos. Muitos ataques terroristas foram feitos em casa. Cidadãos Muçulmanos da América foram responsáveis ​​por Fort Hood (treze assassinados), Maratona de Boston (quatro assassinados), Chattanooga (quatro assassinados) e, mais recentemente San Bernardino (quatorze assassinados).

É claro, a Europa poderia ter poupado a si mesma se só tivesse olhado para a situação das minorias não-Muçulmanas que vivem em nações de maioria Muçulmana. Já em 2012, depois que os combatentes/jihadistas apoiados pelo Ocidente foram lançados sobre a Síria anteriormente estável de Assad, deslocando intencionalmente centenas de milhares de Cristãos, o arcebispo Cristão Sírio corretamente previu “os jihadistas não vão parar por aqui [Oriente Médio], essa guerra irá se espalhar pela Europa”. Quatro anos mais tarde, a guerra, sem dúvida começou.

Considere o massacre de 2010 contra a Igreja Nossa Senhora da Salvação em Bagdá. Jihadistas armados invadiram a Igreja durante o culto de Domingo, abriram fogo indiscriminadamente contra os fiéis Cristãos, antes de detonar seus coletes suicidas. Pelo menos cinquenta e oito fiéis Cristãos, incluindo muitas mulheres e crianças, foram mortos e quase 100 feridos, — muitos como em Bruxelas, perdendo seus braços ou pernas (nota do blog: Imagens extremamente fortes — veja as fotos). Se os jihadistas de Bruxelas usaram pregos em suas bombas, os jihadistas da Igreja de Bagdá usaram coletes “cheios de rolamentos de esferas para matar tantas pessoas quanto possível”.

Agora, se Bruxelas — ou Nova York, ou Londres, ou Madrid, ad infinitum — estivessem realmente “com a intenção de vingar o sangue dos Muçulmanos derramado em Mosul numa série de ataques aéreos”, como afirmam os ressentidos Muçulmanos, regularmente, — então precisam se perguntar: porque as minorias Cristãs que vivem no mundo Muçulmano são imensamente fracas, em menor número, condenadas ao ostracismo, e politicamente marginalizadas, e são totalmente incapazes de ferir qualquer Muçulmano, também estão sendo aterrorizadas e abatidas, ao ponto de genocídio?

A resposta deveria ser clara. Enquanto o Islã clamar a jihad contra aqueles que rejeitam Alá e seu profeta, ataques a Bruxelas (e os incontáveis ​​antes dele) continuarão. Antes da era do politicamente correto, a Enciclopédia do Islã colocou desta forma:

[A] propagação do Islã pelas armas é um dever religioso aos Muçulmanos em geral… A Jihad deve continuar a ser feita até que o mundo inteiro esteja sob o domínio do Islã… O Islã deve estar completamente pronto antes que a doutrina da jihad [guerra para espalhar o Islã] possa ser eliminada.

Esse é o fato repulsivo que poucos querem aceitar, muito menos agir sobre ele — o que é compreensível, pois as ramificações são imensas.


Tradução: Sebastian Cazeiro (MUHAMMAD E OS SUFIS)

Islã: Será que tem “sempre sido parte da América”?

Foto/Capa: John Adams – U.S. Presidents
Fonte/Source: Islam: Has It “Always Been Part of America”?

Islã: Será que tem “sempre sido parte da América”?

Por Joseph Klein

09 de fevereiro de 2016

O discurso do Obama na Mesquita versus a história.

O Presidente Barack Obama falou pela primeira vez como presidente numa Mesquita dos EUA no dia 03 de fevereiro de 2016. Sua escolha foi a Mesquita da Sociedade Islâmica de Baltimore, ligada à Irmandade Muçulmana, onde retratou o Islamismo como tendo “sempre sido parte da América”.

A Sociedade Islâmica de Baltimore foi criada em 1969. Se Obama quisesse falar da “mais antiga Mesquita, especialmente construída, e que ainda está em uso hoje em dia” dos Estados Unidos, para tentar demonstrar que o Islã tem “sempre sido parte da América”, teria considerado a de Cedar Rapids, Iowa. No entanto, não teria ajudado a sua causa. Essa Mesquita, conhecida como “a Mesquita Mãe da América,” remonta — rufem os tambores, por favor —  a 1934. A Mesquita mais antiga de os EUA foi construída em Dakota do Norte em 1929.

Para fornecer alguma perspectiva ao pouco tempo de existência das primeiras Mesquitas construídas nos Estados Unidos, a Sinagoga Touro, em Newport, Rhode Island, a mais antiga sinagoga Judaica sobrevivente construída na América do Norte, foi concluída em 1763.

No entanto, ao levantar a hipótese de que o Islã tem “sempre sido parte da América”, Obama observou que os Muçulmanos estavam chegando à costa já em tempos coloniais.

“Iniciando na época colonial, muitos dos escravos trazidos da África eram Muçulmanos”, declarou Obama.

Vale a pena recordar o Café da Manhã de Oração Nacional cerca de um ano atrás, quando Obama denunciou que “a escravidão… frequentemente foi justificada em nome de Cristo”. Ele, evidentemente, acredita que as primeiras ondas de Muçulmanos chegando a América como escravos foram totalmente vítimas do sistema Cristão escravagista. Ele não vai admitir a verdade: que seus irmãos Muçulmanos da África tinham vendido alguns dos “escravos trazidos da África” em primeiro lugar. Esses comerciantes de escravos Muçulmanos eram jihadistas operando em territórios do Oeste Africano que tinham sido violentamente dominados por guerreiros Muçulmanos e transformados em teocracias Islâmicas.

Muçulmanos trazidos para a América como escravos, cerca de 10 a 15 por cento do total da população escrava, trouxeram com eles a atitude da supremacia Islâmica, com a qual cresceram na África.

“Para viver como um Muçulmano nos séculos XVIII e XIX na África Ocidental era como viver numa sociedade cada vez mais intolerante”, escreveu Michael A. Gomez em seu artigo intitulado “Muslims in Early America” (Tradução: Muçulmanos nos Primórdios da América ) (Fonte: The Journal of Southern History). “Esse foi o período da jihad, do estabelecimento de teocracias Muçulmanas, de autopurificação e separação das práticas e crenças, vistas como contraditórias ao Islã”.

Alguns escravos Muçulmanos — “professores de religião Maometana”, como um dono de escravos os descreveu — foram colocados em posições de autoridade sobre os seus companheiros escravos e ajudaram a derrubar as insurreições de escravos. Um desses “professores de religião Maometana” se refere aos não escravos Muçulmanos como “cães Cristãos”.

Talvez essa repugnância, em geral, pela maioria da população colonial Cristã, explique por que apenas quatro ou mais Americanos, de nome com sonoridade Muçulmana, lutaram junto ao Exército Continental durante a Guerra Revolucionária. Por outro lado, mais de 100 Judeus serviram ao lado da América, 15 dos quais como oficiais.

Em todo caso, a primeira guerra da América contra estados estrangeiros, desde que alcançou a sua independência, foi contra potências Muçulmanas. Os potentados Muçulmanos do Estado da Barbária — Marrocos, Argélia, Tunes, e Tripolitânia — estavam saqueando navios comerciais Norte-Americanos e mantendo Americanos como reféns para pedir resgate, nos anos iniciais, logo após os Estados Unidos terem conquistado a independência da Grã-Bretanha. Eles foram à guerra contra os Estados Unidos quando a exigência por impostos foi recusada pelo presidente Thomas Jefferson. Foram necessárias duas guerras contra os Estado da Barbária para derrotar essa ameaça Muçulmana.

Ambos Jefferson e John Adams haviam confrontado a ideologia teocrática jihadista Islâmica anos antes, quando tentaram negociar um fim aos ataques de piratas Muçulmanos do Estado da Barbária e a captura de reféns Americanos para resgate. Enquanto Jefferson estava servindo como embaixador na França e Adams como embaixador na Grã-Bretanha, se encontraram em Londres com Sidi Haji Abdul Rahman Adja, o embaixador da Grã-Bretanha a partir de “Dey of Algiers.” Eles queriam saber por que os governantes Muçulmanos estavam sancionando os ataques a navios mercantes Norte-Americanos e fazendo reféns Americanos quando o jovem Estados Unidos tinha feito absolutamente nada para provocar qualquer um dos Estados Muçulmanos da Barbária.

Como descrito por Jefferson e Adams em carta a John Jay em 28 de Março de 1786, o embaixador Muçulmano explicou que a conduta dos piratas do Estado da Barbária “foi fundada a partir das Leis de seu Profeta, que isso estava escrito no Alcorão, que todas as nações que não reconhecessem sua autoridade seriam pecadores, que era seu direito e dever fazer guerra contra eles onde quer fossem encontrados, e escravizar todos que pudessem tomar como Prisioneiros, e que cada Musselman morto em batalha tenha a certeza de que irá para o Paraíso”.

Nota do tradutor: Etimologicamente, o arcaico “Musselman” é derivado do Turco Otomano (e do antigo Persa) “Mosalmun” [Mosælmɒn]; ambas significam “Muçulmano”.

Em suma, quando o recém-independente Estados Unidos estava em seu momento mais vulnerável, o nosso país enfrentou inimigos Muçulmanos animados pela jihad.

No entanto, em seu discurso na Mesquita da Sociedade Islâmica de Baltimore, o Presidente Obama tentou demonstrar a influência positiva do Islã sobre os Pais Fundadores. Fez alusão ao fato de que “Jefferson e John Adams tinham suas próprias cópias do Alcorão.” É verdade, mas isso é apenas uma parte da história.

Por exemplo, Obama negligenciou ao não compartilhar com sua audiência, um comentário nada elogioso sobre o Islã, que apareceu no prefácio da edição especial do Alcorão que John Adams escolheu para comprar:

“Este livro é uma longa conferência de Deus, de anjos, e Maomé, o qual esse falso profeta muito grosseiramente inventou… Hás de saber que tais absurdos infectaram a melhor parte do mundo, e reconhecerá, que o conhecimento do que está contido neste livro, vai tornar essa lei desprezível…”.

John Adams evidentemente acreditava no que o comentário do prefácio de seu Alcorão tinha concluído. Em numa carta que Adams escreveu a Thomas Jefferson em 16 de Julho de 1814, Adams aglomerou Napoleão, “Mahomet” e outros famosos guerreiros da história juntos sob o rótulo de “Fanático Militar”. Adams adicionou, como traduzido do Latim para o Inglês: “Ele nega que as leis foram feitas por ele, e reivindica tudo pela força das armas”.

O filho de John Adams, John Quincy Adams, foi ainda mais direto: “O preceito do Alcorão é, guerra perpétua contra todos os que negam que Maomé é o profeta de Deus”.

Quanto a Thomas Jefferson, estudou a sua cópia do Alcorão para compreender a sua jurisprudência. Rejeitou algumas das mais severas prescrições da Sharia, tais como o corte de membros, como punição por roubar. Tais punições são desproporcionais, disse ele, “apresentam espetáculos na execução cujo efeito moral seria questionável”.

Depois de um estudo mais aprofundado do Alcorão e de diversos materiais sobre o Islã, assim como aprendendo da sua experiência com o jihadista Embaixador Sidi Haji Abdul Rahman Adja, Jefferson concluiu que não poderia haver nenhuma negociação ou compromisso com os jihadistas. Como presidente, como já observado, lançou ataques contra as forças Muçulmanas. O acompanhamento dos ataques pelo Presidente Madison levou, finalmente, a derrota das potências Muçulmanas.

Em sua obra “Como Thomas Jefferson lê o Alcorão“, o professor Kevin J. Hayes escreveu: “O que Jefferson encontrou mais perturbador sobre o Alcorão foram as reivindicações Islâmicas à sua infalibilidade”.

Aparentemente, Obama não compartilha as preocupações de Jefferson sobre o rígido dogma Islâmico. Continua insistindo na sua afirmação de que o Islã tem “sempre sido parte da América.” No entanto, a primeira grande onda de imigração voluntária dos Muçulmanos aos Estados Unidos ocorreu entre 1880 e 1924, enquanto a primeira onda de Judeus Sefarditas chegou às colônias durante o século XVII.

Obama mencionou durante o decorrer de suas observações na Sociedade Islâmica de Baltimore que ” Muçulmanos Americanos trabalharam na linha de montagem de Henry Ford, dando partida nos carros.” Ofereceu isso como exemplo para mostrar como as “Gerações de Muçulmanos Americanos ajudaram a construir a nossa nação.” Imigrantes Judeus se uniram aos Muçulmanos Americanos na linha de montagem. Mas foi um arquiteto Judeu, um imigrante da Prússia chamado Albert Kahn, a quem Henry Ford contratou para projetar a primeira fábrica em que uma linha de montagem em movimento contínuo poderia ser usada para fabricar o Modelo T.

O Presidente Obama reivindicou que entre os Muçulmanos Americanos incluem “cientistas que ganham prêmios Nobel.” Só a partir de 2015, que apenas um dos três vencedores do Prêmio Nobel Muçulmano da ciência em todo o mundo foi para um Muçulmano Americano, que ganhou o prêmio em 1999.

O primeiro vencedor do Prémio Nobel Americano Judaico da ciência, Albert Abraham Michelson, era um imigrante da Prússia. Recebeu o prêmio em 1907. Pelo menos 80 Judeus que ganharam o Prêmio Nobel das ciências foram dos Estados Unidos.

No campo do direito, foi um longo caminho até 1981 para que o primeiro Muçulmano na história do país pudesse servir como juiz. Ou seja, quando Adam Shakoor, um Muçulmano Africano-Americano, foi nomeado juiz do Tribunal de Pequenas Causas para Wayne County, Michigan. O Conselho jihadista de Relações Islâmico-Americanas (CAIR) honrou o juiz Shakoor com um banquete em 2015. “Agradeço a Alá, e agradeço a Alá, e agradeço a Alá pelo serviço que tenho sido capaz de prestar”, disse Shakoor recebendo o prêmio da CAIR.

De acordo com uma pesquisa recente de Muçulmanos Americanos, encomendado pelo Centro de Política de Segurança, a maioria (51%) concordou que “Muçulmanos nos Estados Unidos devem ter a opção de ser governado de acordo com a Sharia”.

A primeira nomeação judicial, em toda historia Americana, de Adam Shakoor, ocorreu 71 anos após Robert Heberton Terrell, filho de escravos, se tornar o primeiro Africano-Americano a servir numa corte federal, em 1910. Terrell fez um discurso em 1903, intitulado “Um Olhar para o Passado e o Presente do Negro”, no qual mencionou que os descendentes de escravos vindo da África tinham “adquirido a língua e adotado a religião de um grande povo”. Ele se refere a Deus cinco vezes nesse discurso, e não menciona Alá. Referiu-se ao Cristianismo, e não ao Islamismo, como fonte de inspiração à libertação dos escravos.

Em suma, o destaque descarado de que o Islã é uma força positiva que tem “sempre sido parte da América” simplesmente não é apoiado pelo registro histórico. Nenhuma Mesquita foi construída nos Estados Unidos até o início do século XX. Comerciantes de escravos Muçulmanos permitiram que o mercado de escravos se desenvolvesse na América. A primeira guerra que o jovem Estados Unidos enfrentou contra potências estrangeiras foi contra estados Muçulmanos. Os fundadores citados por Obama, que possuíam exemplares do Alcorão, não se sentiam confortáveis ​​com a rigidez da doutrina Islâmica e sua mentalidade guerreira. As contribuições  Muçulmana Americana para áreas como a ciência e a jurisprudência, só começaram seriamente bem depois do meio do século XX.

Se Obama decidir falar de outra Mesquita nos EUA, enquanto for presidente, fará melhor concentrar suas observações sobre incentivo Muçulmano Americano para assimilar mais plenamente a cultura Americana. Isso inclui o respeito pela Constituição dos Estados Unidos da América como lei suprema do país.


Sobre Joseph KLEIN:

Joseph Klein é um advogado formado em Harvard e autor de Global Deception: The UN’s Stealth Assault on America’s Freedom and Lethal Engagement: Barack Hussein Obama, the United Nations & Radical Islam.


Traduzido por: Sebastian Cazeiro