Arquivo da tag: jihad watch

ESTADO ISLÂMICO JURA MASSACRAR CRISTÃOS: “ALÁ DEU ORDENS PARA MATAR TODOS OS INFIÉIS”

Fonte/Source:  Islamic State vows to massacre Christians: “Allah gave orders to kill every infidel”


Nota do blog: Estou revendo alguns artigos “antigos” interessantes e reeditando. Alguns são impressionantes, como este…


ESTADO ISLÂMICO JURA MASSACRAR CRISTÃOS: 
"ALÁ DEU ORDENS PARA MATAR TODOS OS INFIÉIS"

Por Robert SPencer

22 de Fevereiro de 2017

“O narrador continuou dizendo que os Cristãos não eram mais considerados  ‘Dhimmis’ — um termo usado no Islã referente aos não-Muçulmanos que gozam de um grau de proteção estatal. Em vez disso, o grupo descreve os Cristãos Egípcios como “infiéis que estão capacitando o Ocidente contra nações Muçulmanas”.

Essa é a lei Islâmica: os Cristãos, entre outras “Pessoas do Livro” podem gozar da “proteção” do Estado Islâmico caso se submetam, paguem a jizya e aceitem outras regulamentações humilhantes e discriminatórias projetadas para garantir que se “sintam subjugados” (Qur’an 9:29).

Mas, se violarem esse contrato de “proteção”, se tornarão kuffar harbi, infiéis em guerra com o Islã, e suas vidas são confiscadas.

Mas será que Alá deu ordens para matar todos os infiéis? Variações sobre a declaração “mate-os onde quer que os encontre” estão no Alcorão: 2: 191, 4:89 e 9: 5.

“’Alá deu ordens para matar todos os infiéis’, ISIS promete massacrar os Cristãos em vídeo arrepiante”, por Sofia Petkar, Express, 21 de Fevereiro de 2017:

“Os militantes do ISIS no Egito ameaçaram aumentar os ataques contra os Cristãos no país, prometendo “libertar” o Cairo, em um novo vídeo assustador….

No clipe de 20 minutos, o grupo escolheu proeminentes Cristãos Egípcios, identificando o Papa Copta e um número de empresários ricos como “presas preferidas” do grupo.

A filmagem apresenta um jihadista mascarado, identificado como Abu Abdallah al-Masri, que promete ver a libertação dos Islâmicos presos quando o grupo tomar o controle da capital.

Al-Masri — que significa “O Egípcio” — foi o nome de guerra que o ISIS deu ao militante por trás do atentado suicida na Catedral de São Marcos.

No vídeo, o militante é visto agarrado a um rifle de assalto num campo de trigo.

Ele diz: “Finalmente, aos meus irmãos em cativeiro: alegre-se, você que acredita, não hesite ou lamente. Juro por Alá que em breve libertaremos o Cairo e o libertaremos do cativeiro.”

“Vamos chegar com explosivos, juro que vamos, por isso, você que acredita, alegre-se.”

O narrador continua dizendo que os Cristãos não são mais “Dhimmis” — um termo usado no Islã em referência aos não-Muçulmanos que gozam de um grau de proteção do Estado.

Em vez disso, o grupo descreve os Cristãos Egípcios como “infiéis que estão capacitando o Ocidente contra nações Muçulmanas”.

Um dos militantes, portando um rifle de assalto AK-47, diz no vídeo: “Alá deu ordens para matar todos os infiéis.”

“Oh, adoradores da cruz, os soldados do estado estão observando você”, diz outro militante mascarado — identificado como Abu Zubair al-Masri.

O vídeo também contém o novo logotipo do grupo — “Estado Islâmico no Egito” — em oposição à “Província do Sinai”, o nome original para a presença do ISIS no país.”


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Anúncios

É HORA DE OUVIR ROBERT SPENCER

Fonte/Source: Video: Stanford dean Nanci Howe congratulates student fascists as they disrupt Robert Spencer event

Stanford and Other Universities of Gleichschaltung

Stanford Ph.D. candidate says disruption of Robert Spencer event does “not befit an institution of learning”


É HORA DE OUVIR O ROBERT SPENCER

Por Tião Cazeiro

21 de Novembro de 2017


“Hoje em dia na América, as universidades geralmente são lugares para discussão e debate aberto e livre, com uma única exceção: se a pessoa se opor ativamente ao antissemitismo (seja em Mein Kampf ou no Alcorão) e lutar pela liberdade de expressão. Numerosos indivíduos que mantêm esses pontos de vista — posições básicas do Iluminismo — tornaram-se parias em muitos campus universitários. Essas universidades, pelas ações de seus administradores, professores e estudantes, tornaram-se bastiões da Gleichschaltung.

Gleichschaltung, traduzida como Nazificação, foi posta em prática na Universidade de Freiburg, Universidade de Frankfurt, Universidade de Göttingen e em outras universidades da Alemanha nos anos de 1930, enquanto marginalizavam, frequentemente brutalizavam, e em seguida eliminaram Judeus e antifascistas que se opunham ao antissemitismo e acreditavam na liberdade de expressão.

Stanford emerge como a mais recente universidade Americana a demonstrar seu compromisso com a Gleichschaltung” — Richard Sherman

A palestra tão esperada de Robert Spencer na Stanford University, gerou muita confusão e uma reação inusitada por parte dos alunos, que de forma orquestrada abandonaram o salão. Alguns ainda chamaram o Robert Spencer de fascista, e pior, incentivados por alguns diretores associados à Reitoria de Assuntos Estudantis.

Primeiro, certificaram-se de que o salão estava repleto de estudantes que não tinham interesse em participar da palestra, mas estavam lá apenas para sabotar, negando assentos às pessoas  realmente interessadas no evento. Eles até mesmo deixaram de fora alguns membros Republicanos da faculdade, exatamente o grupo que patrocinava o evento.

Assista a estes vídeos de curtíssima duração, mesmo que você não domine a língua Inglesa, e perceba logo no primeiro vídeo a movimentação de uma diretora (dando tapinha nas costas) incentivando os alunos a deixarem o local.

O segundo vídeo, mostra Robert Spencer, — que já esperava alguma reação devido aos protestos que antecederam o evento, — assistindo a debandada geral e corretamente lembrando aos alunos o verdadeiro significado da palavra fascismo.

“Não havia nada a ganhar, mas tudo a perder, saindo propositadamente da palestra como um grupo organizado…. Inclusive negando acesso à palestra e exibindo o símbolo da  Antifa em edifícios acadêmicos.” — Qi Yang, Ph.D.

Entretanto, Ibn Warraq, um ex-Muçulmano, autor de vários livros importantes como, Por Que Não Sou Muçulmano, As Origens Do Alcorão, A Busca Pelo Muhammad Histórico e a Defesa Do Ocidente entre outros, disse o seguinte:

“Robert Spencer vem alertando e denunciando o terrorismo Islâmico desde 2003. Todos os dias ele observa atentamente todas as barbaridades do terrorismo Islâmico. Em vários momentos de tristeza, quando não o levaram a sério o suficiente, Spencer foi forçado a nos lembrar: “Eu te avisei.” É hora de ouvir o Robert Spencer.”

PJ Media: “Um líder nesta guerra há mais de uma década, documentando não apenas o que está acontecendo, mas explicando o porquê.”

Venho traduzindo os artigos do Robert Spencer, Raymond Ibrahim, Pamela Geller, Dr. Bill Warner entre outros desde 2013.  Este blog não existiria se não fossem os artigos dessas pessoas tão especiais.

Robert Spencer e Raymond Ibrahim são versados em Árabe e conhecem profundamente o Islã e a História. Ouvir o que eles têm a dizer é de extrema importância pois estamos em plena era do absurdo.


 

Esquerdista Islandês Envenena Robert Spencer

Fonte/Source: Icelandic Leftist poisons Robert Spencer


Esquerdista Islandês Envenena Robert Spencer

Por ROBERT SPENCER

16 de Maio de 2017

Na última Quinta-feira, dei uma palestra sobre a ameaça da jihad no Grand Hotel, em Reykjavik, Islândia. Pouco tempo depois, um jovem Esquerdista Islandês expressou sua desaprovação ao que eu disse me envenenando.

Aconteceu depois do evento, quando meu chefe de segurança, os organizadores do evento, e Christine Williams, escritora da Jihad Watch, que também foi convidada para falar, foram comigo a um restaurante local para celebrar o sucesso da noite.

Fui rapidamente reconhecido nesse estabelecimento aglomerado de Reykjavik. Um jovem Islandês me chamou pelo nome, apertou minha mão e disse que era um grande fã. Pouco depois, um outro cidadão daquela terra famosa e gentil também me chamou pelo nome, apertou minha mão e disse: “Vá se foder!”.

Recebemos essa maravilhosa saudação Islandesa como um sinal para irmos embora. Mas o dano já tinha sido feito. Cerca de quinze minutos depois, quando voltei para o meu quarto no hotel, comecei a sentir dormência no meu rosto, mãos e pés. Comecei a tremer e a vomitar. Meu coração estava acelerando perigosamente. Passei a noite num hospital de Reykjavik.

O que tinha acontecido rapidamente se tornou claro, e logo foi confirmado por um teste no hospital: um desses Islandeses locais que se aproximou de mim — provavelmente aquele que disse que era um grande fã, porque estava muito mais perto de mim do que o sujeito do “Vá se foder!” — tinha colocado alguma droga na minha bebida. Eu não estava e não estou tomando nenhum outro medicamento, e por isso não havia qualquer outra explicação de como essas coisas tinham chegado à minha corrente sanguínea.

Durante vários dias, depois disso, fiquei doente, mas fui à delegacia de Reykjavik e dei-lhes um caso maior do que tinham visto há algum tempo. O policial com quem falei tomou medidas imediatas para identificar e localizar os principais suspeitos e obter o vídeo de vigilância do restaurante.

A Islândia é um país pequeno. Todo mundo se conhece. E assim, fui rapidamente capaz de descobrir a identidade, o número de telefone e a página no Facebook do principal suspeito, o jovem que afirmou ser um “grande fã”. Não pretendo chamá-lo. A polícia Islandesa entrará em contato com ele em breve, caso ainda não o tenha feito.

No entanto, olhei a sua página do Facebook, e como previa, não achei nada que pudesse indicar que ele realmente era um “grande fã” do meu trabalho, ou que tivesse qualquer ponto de vista fora do convencional — e sim, a cortesia das elites políticas e de mídia da Islândia, dominadas inteiramente pela Esquerda.

O cenário mais provável é que este jovem, ou quem me drogou, ouviu que um notório “racista” estava vindo para Reykjavik, por acaso me viu no restaurante, e decidiu me dar uma lição com algumas das drogas ilegais que são tão abundantes em Reykjavik como em qualquer outro lugar.

Eu deveria ter previsto isso. Afinal, minha visita desencadeou uma tormenta de insultos na imprensa Islandesa, todos baseados pontos de discussão dos Esquerdistas Americanos. Cada história sobre a minha visita tinha os mesmos elementos: o aviso de que o SPLC (Centro Legal da Pobreza do Sul) afirma que eu provoco o “discurso de ódio”, o qual é um julgamento subjetivo usado para barrar divergências da linha do establishment; o fato de que fui banido da Grã-Bretanha, sem menção aos principais detalhes de que fui banido por dizer que o Islã tem doutrinas de violência (que é o mesmo que ser banido por dizer que a água é molhada) e pelo crime de apoiar Israel; e a falsa alegação que eu incitei o assassino em massa Norueguês Anders Breivik para matar (na verdade, não sou mais responsável pelos assassinatos de Breivik do que os Beatles pelo Charles Manson). Após o evento, um artigo ainda apresentou uma grande foto de Breivik, mas nada do que eu disse naquela noite foi mencionado.

Nenhum dos meios de comunicação Islandeses que publicou uma história sobre a minha vinda ou sobre o evento em si, me contatou para comentar, muito menos para refutar as acusações que fizeram contra mim. Uma emissora de TV fez uma entrevista comigo em que o entrevistador se recusou a acreditar que eu não me sentia responsável pelos assassinatos de Breivik, e me perguntou sobre isto repetidamente.

Após o evento, os artigos na imprensa Islandesa incluíam citações dos 50 manifestantes, mas nenhum incluiu uma única citação sequer ou descrição de qualquer coisa que realmente tivéssemos dito. Ninguém citou nenhum dos 500 corajosos Islandeses que desafiaram o ódio das elites politicamente corretas e foram ao Grand Hotel para ouvir Cristine Williams e eu — um número incrivelmente grande num país de 300 mil pessoas.

Está claro: a jihad e a Islamização não são assuntos que os políticos Islandeses e os formadores de opinião da mídia querem que os Islandeses discutam.

Essa é a razão pela qual deve ser discutido.

Entretanto, aprendi uma lição. A lição que aprendi foi que a demonização da mídia daqueles que discordam da linha Esquerdista é a incitação direta à violência. Ao me retratarem e a outros que levantam questões legítimas sobre o terror da Jihad e a opressão da Sharia como Islamistas racistas e intolerantes, sem nos permitir uma audiência justa, os meios de comunicação da Islândia e do resto do Ocidente estão ativamente colocando em perigo aqueles que ousam discordar. O SPLC (Centro Legal da Pobreza do Sul), o Conselho de Relações Americano-Islâmicas (CAIR), o Centro para o Progresso Americano e o resto que dedicam tanto dinheiro, tempo e atenção para demonizar os “Islamofóbicos” estão pintando alvos enormes em nossas costas.

Claro, pensam que estão fazendo algo nobre. A Esquerda não somente preenche com ódio aqueles que sofrem lavagem cerebral, mas o faz enquanto retrata seus inimigos como os incitadores de ódio, de tal forma que os Esquerdistas violentos, como o jovem que me drogou, sentem-se justos, mesmo quando vitimam e brutalizam os conservadores.

Não há dúvida: estou certo de que quem me envenenou na Islândia foi embora feliz com o que tinha feito. Se comentou com alguém o que ele fez, tenho certeza que foi saudado como herói. Também estou ciente de que muitos dos que lerem isso ficarão felizes com o fato de eu ter ficado gravemente doente. Isto em si é um sinal de quão degenerada e do mal a Esquerda se tornou.

Por todo o Ocidente, enquanto os estudantes de Esquerda provocam e ameaçam fisicamente palestrantes conservadores e os porta-vozes da Esquerda se entregam à retórica mais histérica para difamar seus inimigos, políticos se acovardam com medo e recusam-se a discutir essas questões, garantindo apenas que os problemas que identifiquei quando falei em Reykjavik continuarão a crescer na Islândia e em outros lugares.

À medida que subiam ao poder na Alemanha, os Nazistas doutrinavam seus jovens seguidores com a mesma mensagem: aqueles que se opõem a nós são maus. Aqueles que os brutalizam estão fazendo uma grande coisa. A demonização dos oponentes da Esquerda, hoje em dia, vai levar a exatamente a mesma coisa. E já aconteceu comigo, na bela Reykjavik.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Crianças Assassinas: MEIO MILHÃO De Crianças Recrutadas Pelo ISIS

nte/Source: KILLER KIDS: HALF A MILLION children recruited by ISIS – Geller Report

Crianças Assassinas: MEIO MILHÃO De Crianças Recrutadas Pelo ISIS

Por Pamela Geller

14 de Maio de 2017

O que é tão perturbador é que isso será deixado para os nossos filhos resolverem – e a esquerda nos meios de comunicação, as universidades e a cultura os desarmaram completamente no espaço da batalha de informação. São ovelhas indo para o abate.

Meio milhão. E haverá outros milhões.


TERROR ADICIONADO: PURO HORROR — EXPERTS REVELAM QUE MEIO MILHÃO DE CRIANÇAS FORAM RECRUTADAS PELO ISIS

O ESTADO ISLÂMICO CONSEGUIU RADICALIZAR MEIO MILHÃO DE CRIANÇAS, EXPERTS DIVULGARAM UMA INFORMAÇÃO CHOCANTE SOBRE O TAMANHO DA AMEAÇA TERRORISTA.

Por Zoie O’Brien, 13 de Maio de 2017:

Especialistas em terrorismo, psicólogos e analistas estão correndo para avaliar como a ameaça de centenas de milhares de crianças que serviram ao ISIS pode ser combatida. A nova descoberta representa uma ameaça mortal para países como a França, Reino Unido e EUA, os quais foram ameaçados com derramamento de sangue em massa nas ruas.

Anna Speckhard, Professora Adjunta de Psiquiatria na Universidade de Georgetown, viajou para o Iraque para ajudar a lidar com a crise que o país enfrenta. O expert do Centro Internacional para o Estudo do Extremismo Violento (ICSVE) esteve também cara a cara com as crianças do califado. Ela disse ao Express.co.uk: “Havia muita discussão sobre o número de jovens envolvidos — de 250 a 500 mil.

“O ISIS proibiu os livros das escolas e os substituiu com seu próprio currículo e material, incentivando o ódio e a brutalidade, muitos dos quais foram mostrados a nós numa exposição.

“Há raiva e preocupação sobre como reagrupar diante da destruição do ISIS e preocupação sobre se a ideologia continuará vivendo nos corações e mentes dos Sunitas que viveram sob o ISIS e reemergir”.

CRIANÇAS DO CALIFADO: Cerca de 500.000 crianças podem ter sido radicalizadas.

Crianças do ISIS decapitam prisioneiros depois de terem sido treinadas em campos terroristas.

Jihadistas infiltraram-se nas salas de aula, destruíram bibliotecas e forçaram professores a distribuir um programa de ódio em áreas conquistadas pelo ISIS. O Primeiro-Ministro Iraquiano abriu a conferência de Educação no Iraque Pós-Daesh (ISIS) em Abril, onde os experts foram informados da verdadeira extensão do problema. Antes das invasões das cidades no Iraque, um grupo chamado de ISIS “Emni” colocou militantes radicais para prepararem o terreno. Aprenderam sobre as queixas das pessoas locais e jogaram com isso para recrutar famílias.

GETTY

Crianças do Estado Islâmico (ISIS): Professores foram forçados a abandonar o currículo e pregar para o ISIS.

Acredita-se que a elite ‘Emni’, — formada por ex-Baathistas Iraquianos que serviram sob o regime de Sadaam, — esteja ligada aos ataques terroristas em Paris, Bruxelas e Tunísia. Os programas sob os quais as crianças foram doutrinadas foram extremamente bem-sucedidos. O testemunhos dos jovens soldados revelou que viveram para servir os jihadistas mais velhos, os quais enviaram para a morte meninos tão jovens quanto cinco anos de idade.

Professor Speckhard disse: “Alguns dos jovens foram realmente recrutados para os Filhotes do Califado, e alguns foram ensinados a decapitar.” Da mesma forma alguns professores foram obrigados a ensinar nas escolas do ISIS e o que fazer com eles.

Em uma série de entrevistas com os jihadistas do Daesh (ISIS), o professor Speckhard, juntamente com o professor Ahmet Yayla, ex-chefe de polícia de contraterrorismo, demonstrou como os jovens são recrutados.

Seu livro, intitulado “ISIS Defectors: Inside Stories of the Terrorist Caliphate “, revelou como o ISIS se propôs a radicalizar as crianças numa tentativa de reforçar suas próprias fileiras em 2015.

Em poucos meses, tinham centenas em seus livros.

Professor Speckhard disse: “Uma criança nos falou sobre os meninos sendo enganados e colocados em veículos suicidas, mesmo sem saber que iriam ser explodidos, e um ISIS emir (dirigente) verificou se as crianças foram enviadas em veículos e usando coletes”. Eles choram quando são retirados da lista.”

Um menino chamado Ibn Omar revelou como os campos de treinamento e enormes facas eram nomeados segundo os líderes da Al-Qaeda.

Ele disse aos professores: “Não. Se você não aderir ao ad-Dawlah e prometer sua lealdade a Abu Bakr al-Baghdadi você é um infiel.

“Alguns dos combatentes locais [ISIS] disseram que agora sabiam que seu pai era um infiel, e que assim que pudessem pediriam licença e iriam matá-lo”


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Mesquita Principal De Paris: Macron Ganha Sinal De Que Muçulmanos “Podem Viver Em Harmonia E Respeitar Os Valores Franceses”

Fonte: Paris main mosque: Macron win sign that Muslims “can live in harmony and respect of French values”


Mesquita Principal De Paris: Macron Ganha Sinal De Que Muçulmanos “Podem Viver Em Harmonia E Respeitar Os Valores Franceses”

POR ROBERT SPENCER

7 de MAIO de 2017

A Grande Mesquita de Paris disse: “É um claro sinal de esperança para os Muçulmanos Franceses que podem viver em harmonia e respeitar os valores Franceses”.

Será que a eleição de Macron é um sinal de esperança para os Muçulmanos na França, de modo que podem viver em harmonia e respeitar os valores Franceses? Então, se Le Pen tivesse vencido, teria sido um sinal de que os Muçulmanos na França não poderiam viver em harmonia e respeitar os valores Franceses? Parece que ao dizer isto, a Grande Mesquita de Paris está presumindo que os Muçulmanos na França podem ou não viver em harmonia e respeitar os valores Franceses dependendo da liderança não-Muçulmana na França.

A Grande Mesquita de Paris tenta, por conseguinte, dar a impressão de que cabe aos não-Muçulmanos, se os Muçulmanos na França aceitarão ou não os valores Franceses. A Grande Mesquita de Paris está avançando a narrativa da “Islamofobia” de que o terrorismo da jihad Islâmica, e a opressão da Sharia, são inteiramente uma reação às monstruosidades dos governos e indivíduos não-Muçulmanos. Esta afirmação é uma declaração dissimulada para que os Muçulmanos na França sejam vítimas — uma declaração estarrecedora, feita à luz da crescente atividade jihadista na França.

Na verdade, a vitória de Macron é um sinal de que a maioria dos não-Muçulmanos na França tem esperança de que possam viver em harmonia e respeitar os valores Muçulmanos. Boa sorte com isso.

“Mesquita principal de Paris diz que a eleição de Macron dá esperança aos Muçulmanos Franceses”, Reuters, 7 de maio de 2017:

A principal mesquita de Paris disse neste Domingo que a eleição do centrista Emmanuel Macron como o próximo Presidente da França sobre a líder de extrema direita Marine Le Pen foi um sinal de reconciliação entre as religiões Francesas.

“É um claro sinal de esperança para os Muçulmanos Franceses que podem viver em harmonia e respeitar os valores Franceses”, disse em comunicado a Grande Mesquita de Paris.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Foi por causa da “Islamofobia” Sueca, certo? Pense de novo.

Fonte/Source: Stockholm police: Truck jihad attack suspect was asylum-seeker whose application was rejected


POLÍCIA DE ESTOCOLMO: O SUSPEITO DO ATAQUE JIHADISTA COM UM CAMINHÃO ERA UM SOLICITANTE DE ASILO CUJO PEDIDO FOI REJEITADO

POR ROBERT SPENCER

9 de Abril de 2017

Se tivesse sido aceito, tudo estaria bem, certo? Este ataque aconteceu por causa da “Islamofobia” Sueca, certo? Pense de novo.

“Polícia de Estocolmo: suspeito do ataque com um caminhão era um solicitante de asilo que teve seu pedido rejeitado”, Associated Press, 9 de abril de 2017:

STOCKHOLM — Polícia de Estocolmo: O suspeito do ataque com um caminhão era um solicitante de asilo que tinha sido rejeitado.


Nota do blog:

Para os versados na língua Inglesa, segue uma lista imperdível de livros esseciais…  Compre já! 

Acesse os links para mais informações:

The Al Qaeda Reader: The Essential Texts of Osama Bin Laden's Terrorist Organization
The Post-American Presidency: The Obama Administration’s War on America
Stop the Islamization of America: 
A Practical Guide to the Resistance.
Germany and the Middle East, 1871-1945
From Time Immemorial: The Origins of the Arab-Jewish Conflict over Palestine
The Complete Infidel's Guide to Iran (Complete Infidel's Guides)
The Decline of Eastern Christianity Under Islam: 
From Jihad to Dhimmitude: Seventh-Twentieth Century
The Truth about Muhammad: Founder of the World's Most Intolerant Religion
The Complete Infidel's Guide to the Koran (Complete Infidel's Guides)

Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

ESTADO ISLÂMICO REIVINDICA RESPONSABILIDADE PELOS DOIS BOMBARDEIOS A IGREJAS NO EGITO

Fonte/Source: Islamic State claims responsibility for the two church bombings in Egypt

Nota do blog: O Islã é o mesmo há quase 1400 anos. Esperar um resultado diferente no Brasil é insanidade.

ESTADO ISLÂMICO REIVINDICA RESPONSABILIDADE PELOS DOIS BOMBARDEIOS A IGREJAS NO EGITO

POR ROBERT SPENCER

9 de Abril de 2017

O Express informou em 21 de Fevereiro que “os militantes do Estado Islâmico (ISIS) no Egito ameaçaram aumentar os ataques contra os Cristãos no país, prometendo “liberar” o Cairo num novo vídeo arrepiante. No clipe de 20 minutos, o grupo seleciona Egípcios Cristãos proeminentes, identificando o Papa Copta e um número de empresários ricos como “presa preferida do grupo”.

“ISIS reivindica a responsabilidade por 2 bombardeios em Igrejas no Egito que matou dezenas”, por Michael Edison Hayden, ABC News, 9 de Abril de 2017:

O Estado Islâmico (ISIS) responsabilizou-se por dois ataques a Igrejas no Egito que estavam lotadas para os serviços do Domingo de Ramos, de acordo com sua agência de notícias.

Os ataques seguem as advertências do grupo terrorista de que escalariam os ataques aos Cristãos do Egito, que segundo estimativas da CIA representam cerca de 10% da população do país.

Duas bombas mataram pelo menos 37 pessoas e feriram outras 100 no Domingo de Ramos. O primeiro explodiu numa igreja Cristã Copta na cidade de Tanta, no Delta do Nilo, e o segundo, várias horas depois, na Catedral de São Marcos, na cidade costeira de Alexandria, a sede histórica da Cristandade no Egito.

Imagens gráficas compartilhadas nas mídias sociais pela Igreja Ortodoxa Copta do Egito entre outros, mostram as terríveis consequências das explosões gêmeas: Os bancos da Igreja ficaram em pedaços em grande parte da Igreja Copta Mar Girgis em Tanta, onde pelo menos 26 pessoas foram mortas e mais de 70 pessoas feridas — sangue e livros de oração foram triturados e estão espalhados pelo chão.

Em Alexandria, onde pelo menos 11 pessoas foram mortas e outras 35 ficaram feridas, a equipe de resgate no local da cena caótica usaram cobertores para transportar as vítimas através dos escombros e uma multidão à espera de veículos de emergência laranja.

A explosão na Catedral de São Marcos ocorreu logo após o líder da Igreja Ortodoxa Copta de Alexandria, o Papa Tawadros II, terminar os serviços, informou a Associated Press. Os seus assessores mais tarde disseram à imprensa local que ele escapou ileso…


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Austrália: Muçulmanos Criticam Severamente Imam Como “Falso Muçulmano” Por Opor-Se À Sharia E Obedecer À Lei Australiana

Fonte/Source: Australia: Muslims slam imam as “fake Muslim” for opposing Sharia and obeying Australian law


Austrália: Muçulmanos Criticam Severamente Imam Como “Falso Muçulmano” Por Opor-Se À Sharia E Obedecer À Lei Australiana
Por Robert Spencer

2 de Abril de 2017

Eis aqui mais uma parcela da nossa série periódica: por que não vemos mais genuínos reformadores Muçulmanos.

“Eu sou considerado falso porque morreria pela Austrália”’: Imam bate de frente com extremistas que afirmam que ele é uma fraude por seguir a lei Australiana sobre a Sharia e não querer um estado Muçulmano“, de Kate Darvall, Daily Mail Austrália, 1 de abril de 2017. (Agradecimentos à Religião da Paz):

Um líder Muçulmano criticou os extremistas que afirmam que ele é uma fraude por seguir a lei Australiana em vez da Sharia, e não querer formar um estado Muçulmano independente.

Imam Shaikh Mohammad Tawhidi, que falou abertamente contra o ISIS e extremistas, confrontou os membros da comunidade Islâmica num vídeo compartilhado online na Sexta-feira.

Imam Tawhidi disse que foi rotulado de ‘falso’ Sheik porque priorizou a lei Australiana ao invés da Sharia.

“Eu sou considerado um falso porque morreria pela Austrália. Eu sou considerado um falso, porque vivo pela constituição Australiana”, disse ele.

“Eu sou considerado um falso porque glorifico a bandeira Australiana.

“Eu sou considerado um falso porque rejeito a lei Sharia e vivo pela lei Australiana.”

No vídeo de quatro minutos de duração, o Imam Tawhidi enumerou várias razões pelas quais tinha sido chamado de “falso” por membros da comunidade Muçulmana da Austrália.

“Eles me chamaram de falso Imam ou Sheik Muçulmano só porque expus suas intenções de criar um califado dentro da Austrália”, disse ele.

“Eu sou considerado um falso porque condeno o terrorismo. Consideram-me um falso porque me oponho e exponho o extremismo.

Ele se defendeu dizendo que era legítimo e só foi acusado de ser uma fraude porque não servia uma agenda radical Islâmica.

“Para eles, sou muito Australiano”, disse ele.

O líder Muçulmano disse que rejeitou a controversa lei Sharia para viver pela lei Australiana “porque sou um Australiano Muçulmano e não um Muçulmano Australiano”.

“Quero um Islã que seja compatível com o Ocidente”, disse.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Partidários Do Estado Islâmico (ISIS) Comemoram O Ataque De São Petersburgo

Fonte/Source: Ten Dead After Explosion in Saint Petersburg Metro Station


Partidários Do Estado Islâmico (ISIS) Comemoram O Ataque De São Petersburgo

Por Tião Cazeiro

3 de Abril de 2017

Mais um ataque terrorista Islâmico, e muitos outros virão… é a triste realidade.

“Acredita-se que nove foram mortos e mais de 30 feridos depois de uma explosão no metrô de São Petersburgo nesta tarde de Segunda-feira.” Breibart News

E as famílias? Quanta dor por trás disso tudo… quantos não estão neste momento completamente arrasados, em estado de choque… e outros entre a vida e a morte numa UTI; por conta da selvageria de uma ideologia que está antagonizando o mundo todo. Os partidários do Estado Islâmico (ISIS) culpam a Rússia etc., mas…   Estado Islâmico (ISIS) em Dez Versos do Alcorão

Alcorão 9:73 
Oh Profeta! Lute arduamente contra os incrédulos 
e os hipócritas; seja inflexível para com eles; 
e que a morada deles seja o inferno, 
e o mal o destino deles.
Alcorão 5:33 
“O castigo, para aqueles que lutam 
contra Alá e contra o Seu Mensageiro 
e semeiam a corrupção na terra, 
é que sejam mortos, ou crucificados, 
ou lhes seja decepada a mão e o pé opostos, 
ou banidos...”

Enquanto as autoridades e a "grande mídia" discutem 
"a natureza do atentado" 
o Estado Islâmico(ISIS) comemora e manda recado.

Vocativ cita alguns partidários do Estado Islâmico (ISIS) que comemoram o bombardeio de St. Petersburg nas mídias sociais:

Pedimos a Alá para abençoar a operação pelos leões do califado, pedimos a Alá para matar os cruzados“, disse um partidário ISIS no fórum do grupo terrorista al-Minbar online. Outros comemoraram dizendo que as bombas desta Segunda-feira foram feitas para “o metrô ir pro inferno com os adoradores da Cruz” e afirmou que os ataques — que ainda estão sob investigação pelas autoridades Russas — foram uma vingança ao apoio da Rússia à luta do presidente Sírio Bashar al-Assad contra o Estado Islâmico (ISIS) e outros grupos rebeldes na guerra civil da Síria. Os ataques aéreos Russos e os bombardeios na Síria mataram centenas de pessoas e reduziram áreas inteiras a escombros.” — Breibart News

O Presidente Russo Putin chega para colocar flores na estação do Instituto Tecnológico do metrô de São Petersburgo
Alcorão 98:6 
“Honestamente falando, aqueles que não creem 
(na religião Islâmica, no Alcorão 
e no Profeta Maomé) 
entre eles o Povo do Livro (Judeus e Cristãos) e demais descrentes, 
terão que aceitar o Fogo do Inferno. 
Eles são as piores criaturas”.

Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis


TAMIMI: “Somos Muçulmanos Na Europa, E Não Muçulmanos Europeus”

Fonte/Source: Tamimi: “We are Muslims in Europe, not European Muslims”

TAMIMI: “Somos Muçulmanos Na Europa, E Não Muçulmanos Europeus”

Por Tião Cazeiro

24 de Março de 2017

Robert Spencer escreveu um artigo em Agosto de 2006 dizendo o seguinte:

“Me pergunto se os dhimmis das populações não-Muçulmanas da Eurábia entendem a diferença. Tamimi, o qual a duplicidade foi desmascarada, também reiterou seu apoio ao martírio suicida jihadista.”

Dr. Azzam Tamimi, um radical Muçulmano estacionado na Inglaterra, pareceu apoiar o atentado suicida de ontem, quando afirmou que morrer por suas crenças era “justo”. Tamimi disse, — diante de uma multidão de 8.000 pessoas na convenção ExpoIslamia em Manchester, — que defender seus princípios é o “maior ato de martírio”.

Tamimi, de 51 anos, afirmou que a guerra ao terrorismo era uma guerra contra o Islã. “Somos Muçulmanos na Europa, não Muçulmanos Europeus“, acrescentou. A multidão irrompeu em urros e aplausos quando disse que Israel havia sido derrotado pelo Hezbollah. ” [Ênfase adicionada]

Enquanto isso…

O ‘prefeitinho’ Muçulmano de Londres, Sadiq Khan, cria força tarefa para prender todos aqueles que “irritam” os Muçulmanos online. Muçulmanos são obcecados em calar qualquer crítica ao Islã, o que na verdade é uma das táticas para impor a Sharia em novas terras…

O site do Conservativehome lista outras preocupações (com relação ao prefeitinho), incluindo:

  • Em carta ao The Guardian na sequência dos atentados terroristas de 7/7 em Londres, culpa o governo Britânico pelo terrorismo;
  • Sua defesa legal de Zacarias Moussaoui, um terrorista do 11 de Setembro que confessou ser membro da Al Qaeda;
  • Seu capítulo num livro, intitulado “Ações contra a Polícia”, aconselhando sobre como fazer acusações contra a polícia por “racismo”. A mesma força policial que o Sr. Khan como prefeito de Londres iria exercer autoridade;
  • Sua defesa do extremista Islâmico Azzam Tamimi. Quando o Dr. Tamimi disse à multidão que a publicação de caricaturas do Profeta Muhammed “faria o mundo tremer” e previu “Fogo … em todo o mundo se não pararem”, Sr. Khan, que compartilhou uma plataforma com Tamimi descartou as ameaças como “linguagem florida”;
  • Sua plataforma compartilhada com Suliman Gani, um Imã do sul de Londres, que exigiu subserviência feminina aos homens, e pediu a fundação de um Estado Islâmico.

Completando o raciocício…

“O terrorista Islâmico que atacou Westminster na Quarta-feira era um Muçulmano convertido que possivelmente foi radicalizado na prisão; tinha vivido em várias áreas do Reino Unido, e era conhecido por atividade Islâmica radical.

khalid Masood, 52, passou algum tempo em Birmingham, East London e em Luton, antes de assassinar quatro pessoas no centro de Londres. Depois de morto a tiros, o Estado Islâmico (ISIS) o descreveu como um de seus “soldados”. — Westminster Killer was Muslim Convert, Lived in Several Extremism Hotspots

O padrão utilizado pelo terrorista é o mesmo que estamos vendo ao redor do mundo, ou seja, atropelamento, faca, locais públicos de alta visibilidade etc.

Entretanto, o colunista da BBC Simons Jenkins, criticou o posicionamento da mídia neste vídeo, infelizmente não legendado em Português.

“A BBC fez uma escolha, deram preferência ao terrorista”. O colunista Simon Jenkins critica a cobertura dada ao ataque pela mídia.

A cada dia que passa a BBC deixa claro um firme compromisso com a subserviência e a desinformação.

Nesse vídeo, o colunista Simon Jenkins afirma que dar proeminência aos terroristas ajuda e complica ainda mais a situação, e que o incidente deveria ser tratado com um crime e não como terrorismo. Compara o incidente com os atentados do IRA, PLO etc.; diz que Masood “era um doido, que enlouqueceu e pegou uma faca” etc., um caso como outros que acontecem em Londres e em outros lugares….

Sério? Simon Jenkins realmente vive num outro planeta.  Sem ofensa, mas por trás desse raciocínio, se puxarmos a linha, encontraremos camadas e camadas de comprometimento político, os quais estão propositalmente deixando a população Britânica completamente indefesa, o que acarretará em mais mortes, em mais terrorismo ao longo dos anos.

Jenkins assume a postura de que é melhor não irritar para não aumentar…  e isto é covardia, isto é desinformação, isto é não querer enchergar a realidade, ou seja, a jihad global. Estamos em guerra e a jihad não vai parar, irritando ou não, com ou sem medo.

Duas “detenções significativas” feitas durante a noite associadas aos assassinatos da jihad em Londres

24 de Março de 2017 —  Por Robert Spencer — Two “significant arrests” made overnight in association with London jihad murders

“O nome de nascimento do perpetrador do atentado terrorista de Quarta-feira no centro de Londres é Adrian Russell Ajao, disse o mais antigo policial Britânico de contraterrorismo.

Nove pessoas permanecem sob custódia e uma mulher foi libertada sob fiança”.  Este parece ter sido um enredo de grande escala. E mais em andamento.

Uma mulher de 39 anos foi presa em um endereço na noite de Quinta-feira em East London, sob suspeita de preparação de atos terroristas, disse a polícia. Uma mulher, que não foi nomeada, está sob custódia da Polícia e da Evidência Criminal (PACE).

Seis pessoas  — duas mulheres e quatro homens, com idades variando de 21 a 28 — foram presas em dois endereços em Birmingham, uma cidade no centro da Inglaterra. Os seis também foram mantidos sob suspeita de preparação de atos terroristas.

Outro homem, 58, também foi preso sexta-feira pela manhã em outro endereço em Birmingham, e realizado sob a mesma acusação ….”

Óbvio que a polícia não está inventando esses dados, portanto não se trata aqui de “um doido, que enlouqueceu e pegou uma faca etc.” como quer acreditar o colunista Simon Junkins. Estamos vendo os ingredientes de um ataque orquestrado.

E mais…

Repórter da NBC teme que o ataque jihadista em Londres venha “pôr vento nas velas” do “movimento de direita”.

23 de Março de 2017 — Por Robert Spencer

“Os meios de comunicação do establishment não estão preocupados com os ataques terroristas jihadistas no Ocidente. O establishment não está preocupado com as pessoas mortas nos massacres da jihad. Os meios de comunicação do establishment só querem que você não pense mal do Islã e para não começar a apoiar os “movimentos de direita” que ameaçam a hegemonia das elites políticas.” — NBC reporter fears London jihad attack will “put wind in the sails” of the “right-wing movement”

Conclusão…

“De acordo com a Primeira Ministra Theresa May, o terrorista de Westminster Khalid Masood era uma “figura periférica”, e aparentemente há muitos outros Muçulmanos na Grã-Bretanha que são ainda mais violentos e perturbados do que Khalid Masood, e por isso não havia nenhuma questão de mantê-lo sob vigilância.

Esse é o plano do Estado Islâmico (ISIS) para subjugar a aplicação da lei, com muitos ataques e complôs até que o sistema inteiro entre em colapso. Parece que este plano está funcionando bem no Reino Unido.” — Robert Spencer.

Khalid Masood converteu-se ao Islamismo, e portanto, do ponto de vista de Tamimi, deixou de ser um cidadão Britânico.

Somos Muçulmanos na Europa, não Muçulmanos Europeus

Dito pelo Dr. Azzam Tamimi diante de 8.000 pessoas na convenção ExpoIslamia em Manchester, com direito a urros e aplausos frenéticos.

Portanto, Masood era um Muçulmano no Reino Unido e não um Muçulmano Britânico, de acordo com Tamimi.

Criticar a mídia pela enorme cobertura que deu a um suposto — crime comum perpetrado por um cidadão Britânico — demonstra o quanto, uma parte da mídia, desinforma.

Ideias têm consequencias.


 

ALLAHU AKBAR EM WESTMINSTER

Allahu Akbar em Westminster

Por Tião Cazeiro

22 de Março de 2017

O ISLÃ ESTÁ ANTAGONIZANDO O MUNDO TODO!

O que falta para o povo Brasileiro dar um basta definitivo neste governo que está cruelmente abrindo as portas para o impensável?

Notícias como esta — Muçulmanos Devotos E Apoiadores Do Estado Islâmico (ISIS) Celebram Ataque Terrorista Em Londres — deveria sensibilizar o governo, principalmente um governo que tem em seu território 175 milhões de Cristãos entre outros grupos religiosos, ou seja, o segundo maior país Cristão do mundo.

E não me venha com Cruzadas ou Inquisição, pois isto não cabe mais no mundo atual.

A penetração Islâmica no tecido Ocidental chegou a um ponto que até — “mães na Pensilvânia estão produzindo acessórios Barbie-Hijab para “criar uma geração amável”.

O Islã está em guerra contra o mundo para impor a lei Sharia, algo que “todo mundo” já sabe. Agora, se você levantar a voz para criticar o Islã, a esquerda, a globalização etc. será enquadrado, de acordo com a maldita ONU, no “discurso de ódio“, “RACISMO“, “contra os direitos de alguém“. Só não dizem quem estão defendendo.

Veja o Brasil, basta olhar em volta para perceber o que estão fazendo com este país. Tudo orquestrado. Tudo pronto pra você viver no INFERNO, e quem sabe se tornar um DHIMMI. Por acaso você sabe o que é um Dhimmi? Sempre faço esta pergunta, e poucos respondem.

Estão bombardeando o mundo, mas você não pode criticar o agente dos bombardeios. Sim, nada a ver com o Islã, diz a grande inimídia.

Você é obrigado todos os dias a engolir a maldita esquerda, o globalismo, progressistas, feministas etc, mas ai de você se abrir a boca para falar do “povo das necessidades especiais”.


Nações Unidas: Regulando o discurso de “ódio” e não um ataque à liberdade de expressão.

As Nações Unidas marcaram o Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial na Terça-feira, dizendo aos governos ao redor do mundo que a regulação do “discurso de ódio” é parte da estratégia necessária para “defender os direitos de alguém“.


O ISLÃ NÃO É UMA RAÇA, É UMA IDEOLOGIA.


Para quem não o conhece, Tommy Robinson é um super ativista contra a Islamização.
Muito corajoso e já se machucou feio a ponto de ser hospitalizado quando foi atacado por Muçulmanos.
Ele é um dos líderes do grupo PEGIDA/UK. (Patriotas Europeus Contra a Islamização do Ocidente).

Neste protesto em vídeo, foi chamado de Nazista, Fascista, Islamofóbico, RACISTA e muito mais…
Resumindo, a polícia o tirou da passeata para evitar violência por parte dos anti-Islamofóbicos…
Essa é a mentalidade de merda da esquerda em Londres, e em toda parte, melhor dizendo.
O atentado de hoje em Westminster não vai mudar em nada, não irão desistir dessa insanidade.

Este vídeo, ainda sem legenda em Português diz muito. Assista, não se preocupe com o Inglês. Eis aqui um resumo só para dar uma ideia. As imagens dizem muito mais…

Tommy Robinson diz que no ano passado foram desarticulados pela polícia 12 atentados em Londres envolvendo supermercado, boate, avião etc., do mesmo porte que esse que aconteceu hoje em Westminster. Acusa o atentado de hoje como autoria do Estado Islâmico (ISIS)…

Tommy Robinson vem alertando a Inglaterra sobre este terrorista, Abu Izzadeen, por mais de uma década.

Nota: Até o momento em que escrevi este artigo a imprensa mundial dizia que Abu Izzadeen era o autor do atentado em Westminster. O blog Lei Islâmica em Ação colaborou com este artigo atualizando o nome do terrorista: Masood, 52anos, nascido em Kent, Inglaterra. Veja a reação dele no fim do vídeo….

 

No Sábado passado, Tommy Robinson participou da passeata anti-Islamofobia em Londres e olha no que deu…

A polícia o retirou da passeata… ele só queria entrevistar o público.

Estou mostrando isto a vocês porque vai acontecer aqui em breve. O padrão Muçulmano é o mesmo e não existe outra alternativa.

O Brasil vai pagar pela estupidez. A velocidade com que estão orquestrando a penetração Islâmica no Brasil não deixa dúvida, quando o país acordar será tarde demais.

175 milhões de Cristãos (Católicos, Evangélicos etc.) e nenhuma reação realmente significativa. Por quê?

Não é bola de cristal, é pura lógica, estudo e common sense.

Já cruzamos a linha vermelha. Infelizmente!


E por último, leia isto…

Reino Unido: terrorista “Asiático” atropela pedestres com  carro antes de correr para o Parlamento com uma faca. — UK: “Asian” attacker crashed into pedestrians in his car before running into Parliament with knife

“Asiático” é o eufemismo da mídia Britânica para Muçulmano.

O “Moderado” Fatah pediu tais ataques. E o Estado Islâmico emitiu esse apelo em Setembro de 2014:

“Então, ó muwahhid, não deixe que essa batalha passe por onde quer que você esteja. Você deve atacar os soldados, patronos e soldados do tawaghit. Golpeie seus membros da polícia, da segurança, e da inteligência, assim como seus agentes traiçoeiros. Destrua suas camas. Amargure a vida deles e ocupe-os com eles mesmos. Se você pode matar um Americano ou um Europeu incrédulo — especialmente o Francês rancoroso e sujo — ou um Australiano, ou um Canadense, ou qualquer outro descrente dos descrentes que fazem a guerra, incluindo os cidadãos dos países que entraram numa coalizão contra o Estado Islâmico, então confie em Alá e mate-os de qualquer jeito ou maneira, no entanto, pode ser… se você não for capaz de encontrar um IED ou uma bala, então escolha um Americano descrente, um Francês, ou qualquer um dos seus aliados. Golpeie a cabeça dele com uma pedra, ou mate-o com uma faca, ou o atropele com o seu carro, ou jogue-o de um lugar alto, ou sufoque, envenene…”


Erdogan: A Decisão Da UE Sobre A Proibição Do Véu/Hijab Dá Início Ao “Choque Entre O Islã E O Cristianismo”

Fonte/Source: Erdogan: EU ruling on headscarf bans starts “clash between Islam and Christianity”


Por Tião Cazeiro

Em vária ocasiões, este blog entre outros, comentamos sobre o significado do hijab e os problemas que o mesmo acarreta aos países que permitem o uso indiscriminado e a sua inserção por exemplo, em documentos oficiais como a CNH, Passaporte etc.

Afinal o Islã é o povo das necessidades especiais, não é mesmo? Existe uma razão nisso, chama-se Sharia, a lei do Islã.

Recomento estes tres artigos:

  1. Opressão Chique: Nike Oferece “Pro Hijab” Atlético Para Muçulmanas
  2. O Hijab e a Sharia
  3. Lei Islâmica (Sharia) — Link do excelente blog “Lei Islâmica em Ação

O artigo que segue, apresenta o hijab/véu como o stopim de um conflito que pode ter consequências inimagináveis, ou seja, o “Choque Entre o Islã e o Cristianismo“, onde milhares de pessoas poderão ser massacradas por conta da maldita ignorância.

Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece, mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas…” Sun Tzu


Erdogan: A Decisão Da UE Sobre A Proibição Do Véu/Hijab Dá Início Ao “Choque Entre O Islã E O Cristianismo”

Por CHRISTINE WILLIAMS

18 de Março de 2017

Erdogan ainda está furioso com “o cancelamento das manifestações de seus partidários em toda a Europa“. Ele nunca permitirá desafios à sua própria autoridade em seu próprio país, mas é claro que ele não tem respeito pela Europa. Até porque a Europa não tem respeito por si mesma, e aparentemente não tem interesse em defender sua própria cultura e proteger seu próprio povo.

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, também declarou que “as guerras santas começarão em breve” na Europa, apesar da derrota Geert Wilders na Holanda. Esta declaração ameaçadora não deve ser surpresa. A Islamização da Turquia vem se acelerando num ritmo alarmante em todos os níveis, da liderança aos cidadãos.

A Europa, por outro lado, acolheu passivamente a jihad pela imigração (hijrah) em seus países, tudo em nome da diversidade e do multiculturalismo. Quanto mais “acolhedor” o Ocidente é, mais encorajados os supremacistas Islâmicos e os jihadistas se tornam. Seu objetivo é a conquista da Casa da Guerra (dar al-harb), não a coexistência pacífica. Os Europeus são os culpados pelo atrevimento dos líderes supremacistas da Turquia.

“Recep Tayyip Erdogan: A Decisão Da UE Sobre A Proibição Do Véu/Hijab Dá Início Ao “Choque Entre O Islã E O Cristianismo”, Lizzie Dearden, Independent, 16 de março de 2017:

Recep Tayyip Erdogan acusou a Europa de dar início ao “choque” entre Cristianismo e Islamismo com uma decisão que permite aos empregadores proibirem o véu/hijab como parte de restrições mais amplas sobre símbolos religiosos e políticos.

Falando horas depois que seu ministro das Relações Exteriores alertou que as “guerras santas começarão em breve“, o Presidente Turco lançou um novo ataque em meio a uma disputa em curso sobre o cancelamento dos comícios de seus adeptos em toda a Europa.

Disse que a decisão do Tribunal Europeu de Justiça que confirmou a demissão de duas mulheres Muçulmanas que se recusaram a remover seus hijabs deu início ao “choque entre o crescente e a cruz” na terminologia alusiva às Cruzadas.

A EU é uma vergonha. É o fim de seus princípios, valores e justiça Europeus,” Disse Erdogan aos que o apoiam em Sakarya. “Eles começaram um choque entre a cruz e o crescente, não há outra explicação.”

Num discurso combativo, Erdogan atingiu líderes Europeus na Holanda e na Alemanha, depois que os ministros Turcos foram impedidos de realizar eventos destinados a obter apoio antes do referendo constitucional.

O Presidente Turco disse que o Primeiro-Ministro Holandês Mark Rutte, que derrotou o líder de extrema direita Geert Wilders nas eleições gerais de Quarta-feira, perdeu a amizade de Ankara ao proibir a campanha política Turca no país.

A disputa se intensificou desde que uma manifestação a ser realizada pelo ministro das Relações Exteriores Turco, Mevlut Cavusoglu, em Roterdã, foi cancelada no Sábado.

 

As autoridades Holandesas retiraram a permissão para que o avião do ministro das Relações Exteriores aterrissasse quando prometeu visitar o país de qualquer maneira, provocando uma série de sanções tit-for-tat (olho por olho).

Erdogan e ministros proeminentes chamaram o governo Holandês de “fascistas” e “nazistas“, enquanto líderes da UE chamaram as acusações de ofensivas e “desapegadas da realidade“.

A disputa provocou protestos na Turquia e em toda a Europa. Um manifestante escalou o consulado Holandês em Istambul e substituiu a bandeira nacional pela bandeira Turca durante manifestações no Domingo, enquanto os manifestantes Turcos foram fotografados apunhalando laranjas e mostrando cartazes dizendo “Holanda Facista“.

Ancara também interrompeu conversas de alto nível com funcionários do governo Holandês na Segunda-feira e fechou seu espaço aéreo aos diplomatas do país, enquanto repetia ameaças para fechar um acordo com a UE no ano passado para retardar o fluxo de refugiados para a Grécia.

Os aliados do presidente Turco visam mais de um milhão de eleitores Turcos que vivem na Europa, que serão elegíveis para votar no dia 16 de Abril.

O referendo pode ver o sistema parlamentar da Turquia substituído por uma presidência executiva usando as emendas constitucionais, os quais vêm alarmado os grupos de direitos humanos…

KASHMIR: IMÃ JIHADISTA ASSASSINADO, 70.000 PESSOAS COMPARECEM AO FUNERAL

Fonte/Source: Kashmir: Jihadi imam killed, 70,000 people attend his funeral


KASHMIR: IMÃ JIHADISTA ASSASSINADO, 70.000 PESSOAS COMPARECEM AO FUNERAL

Por ROBERT SPENCER

17 de Março de 2017

Você acha que qualquer um dos “reformadores Muçulmanos” que desfruta da lisonja e adulação dos ignorantes e esperançosos nos EUA terá 70.000 Muçulmanos presente em seu funeral? Nem eu. Mas agora é oficialmente uma falha moral por parte dos não-Muçulmanos comentar o fato de que “extremistas” são muito mais populares entre os Muçulmanos em todo o mundo do que os “reformadores”. Não devemos pensar assim, e se o fizermos, isto nos torna jihadistas.

Enquanto isso, como esse imã, — que dedicou sua vida à compreensão correta do Islã, —pôde tornar-se um líder da jihad? Como pôde compreender tão mal os ensinamentos verdadeiros e pacíficos do Alcorão, que são tão claros para o Papa Francisco e John Kerry e George W. Bush e uma miríade de outros Mulás instruídos?

O Militante Que Era Um Imã“, de Owais Farooqi, Kashmir Monitor, 11 de Março de 2017:

Bandipora: Mushtaq, militante do Hizbul Mujahideen morto em Bandipora na Quinta-feira, era um imã de uma mesquita local em Hathlangoo, Sopore, até Setembro de 2014, quando acreditava-se que tinha se afogado nas inundações. Seu pai, Sher-Dil Seer, ficou tão surpreso com a notícia do assassinato de seu filho mais velho nas mãos das forças governamentais, que demorou 15 minutos para reconhecer sua face: amolecida, de aparência desagradável e sem a barba comprida.

“Pensamos que ele estivesse morto. Mas continuamos procurando em todos os lugares“, disse Sher-Dil, um dia depois da morte de seu filho.

Nunca cruzou a mente de Sher-Dil que seu filho pudesse ter se juntado à militância. Tudo o que sabia era que Mushtaq fora acusado pelas forças governamentais de pregar sermões provocativos na mesquita quando liderava as orações. Ao mesmo tempo, Mushtaq foi levado pela polícia SOG (Special Operation Group) sob a acusação de pregar sermões provocativos na mesquita de Hathlangoo.

“Ele foi esbofeteado e mantido por cerca de 15 dias no campo SOG. O DySP (vice-superintendente de polícia) da SOG disse naquele momento que Mushtaq era um menino que não podia ser um encrenqueiro”, disse Sher-Dil.

Antes de ser preso pelo SOG, Mushtaq havia cumprido cinco anos de prisão. Foi acusado de matar sua esposa após dois meses de casado em 2008. “Ele foi absolvido pelo tribunal de todas as acusações”, disse Sher-Dil sobre esse caso.

“Após a sua libertação da prisão em 2013, Mushtaq tornou-se um homem religioso. Cresceu uma longa barba. Liderava as orações até mesmo na prisão”, disse Sher-Dil.

Depois de sair da prisão, Mushtaq se tornou um Imã e conduziu as orações na mesquita de Hathlangoo.

“Depois do incidente da SOG, quando voltei para casa, tive uma discussão muito forte com Mushtaq. Disse a ele para não dizer coisas que não soariam bem com as forças do governo. Foi um argumento muito acalorado. Depois dessa discussão, ele saiu de casa, para sempre”, disse Sher-Dil. “Ele disse à mãe que iria para Srinagar e que conduziria as orações.” …

Parentes e vizinhos vieram para consolar Sher-Dil e disseram que Mushtaq tinha “alcançado o lugar mais alto no céu”. Para isso, Sher-Dil respondeu: “Deixe-me tirar isso do meu peito: até mesmo o Alcorão diz que matar um ser humano é matar a humanidade. Me chame do que quiser… ”

Então Sher-Dil disse em um sussurro, “Você sabe que setenta mil pessoas compareceram ao funeral dele.”…


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Ataque Com Ácido: Oculto e em Ascensão

Photo/Cover Credit: 10 Of The Tallest Lord Shiva Statues In Sitting Posture

Ataque Com Ácido: Oculto e em Ascensão

Por Tião Cazeiro

16 de Março de 2017

Localizada nos arredores da cidade de Bangalore, logo atrás do Forte Kemp, o Kemp Fort Shiva é conhecido como as seis maiores estátuas Shiva do mundo com 20 metros de altura.

Robert Spencer da Jihad Watch comentou recentemente que “Donald Trump diz que os meios de comunicação não relatam os ataques terroristas, e a mídia diz que a equipe do Trump os inventa”.

Então vamos dar uma volta…

—  “1500 Ataques Com Ácido Foram Registrados Em Londres Desde 2011”. — 1,500 acid attacks have been recorded in London since 2011

De acordo com o artigo:

“De acordo com Tareq Haddad do International Business Times, “Globalmente, cerca de 80% das vítimas tendem a ser mulheres.

Os ataques são frequentemente realizados por homens vingativos que tiveram suas propostas de casamento ou avanços sexuais rejeitados. [Ênfase adicionada].

No entanto, as instituições de caridade para ataques com ácido no Reino Unido estimam que as vítimas Britânicas são predominantemente homens em cerca de 71% das vítimas.”

— “Ataques Com Ácido No Reino Unido: Escondido à Vista de Todos e em Ascensão” — UK Acid Attacks: Hidden From View and on the Rise

“Não há dados holísticos definitivos que correspondam. Os relatórios policiais são provavelmente os mais próximos que temos para compreender o número de ataques com ácido relatados no Reino Unido”, disse Shah ao Sputnik.

— “Ácido Atirado Em Quatro Pessoas Em Uma Série De Ataques Durante A Luz Do Dia Em Canterbury City Centre – Londres” — ‘Acid’ thrown at four people in series of attacks during broad daylight

“Serviços de emergência disseram que quatro pessoas foram atacadas por um produto químico letal em dois locais diferentes em Canterbury por volta das 16h.

A polícia de Kent prendeu um garoto de 17 anos de Londres suspeito pela agressão.”

Nota: Isso é praticamente tudo que o artigo revela. Entretanto, você poderá observar acessando o link acima para ver que inseriram um slide com fotos de “Sobreviventes de Ácido da Índia” —  é importante conferir — dizendo o seguinte:

“Express Pictures relata sobre a crescente preocupação da tendência crescente da violência com ácido na Índia. A violência com ácido é uma forma de violência de gênero que reflete e perpetua a desigualdade das mulheres na sociedade”

Nota: Isso é uma estupidez total. Jogam todo o peso na Índia para não falar do que está acontecendo na Inglaterra. Envolve tudo num pacote  para falar da “desigualdade das mulheres na sociedade”. O que precisa ser dito não se atrevem a dizer.

Vamos em frente, e vocês vão entender…

— “Ataque De Ácido Deixa Vítima Em Coma “Gritou E Tirou As Roupas Antes De Correr Pela Rua Implorando Por Água” – Acid attack victim left in coma ‘screamed and pulled off his clothes in street’ http://buff.ly/2m4Z3ua

“Isso levou dias até a polícia local e o conselho prometerem uma “blitz” sobre ao crime juvenil depois de um recente ataque de líquidos nocivos.” [Ênfase adicionada].

Nota: Perceba aqui que a covardia é tanta que acaba afetando os jovens Ingleses pois estão automaticamente inseridos quando generalizam o crime como crime juvenil. Imagina se isso acontecesse no seu bairro e de repente o seu filho fosse enquadrado nessa generalização injusta. Como você se sentiria?

— “Ataque De Ácido Na Capital Da Grã-Bretanha (Londres) Revela Que O Número Assaltos Com Líquidos Corrosivos Decola” — ‘Acid attack capital of Britain’ revealed 

“Os números foram revelados a pedido do Freedom of Information à Polícia (Met), que disse que estatísticas mostram ofensas em que “fluidos corrosivos” foram lançados com “intenção de causar danos corporais graves” ou “causar uma explosão”.

Nota: Mais uma maldita vez, em que ninguém menciona o nome do maldito inimigo. PQP!!!

— “Ataques De Ácido Foram Uma Mancha Na Grã-Bretanha Vitoriana. Agora Estão Voltando” Por Ian Jack. — Acid attacks were a stain on Victorian Britain. Now they are returning | By Ian Jack 

Nota: Eis aqui um caso especial.  Você pode desenhar, explicar, mostrar a lógica dos fatos, mas Ian Jack, o autor deste artigo, vai contar de tal forma que o nome do inimigo será diluído a tal ponto que você vai acabar condenando o povo Britânico, o Patriarquismo, Opressão Masculina, Feudalismo etc.  pelos atentados com ácido. Veja o que ele diz: “Uma ironia final, assustadora é esta. A Grã-Bretanha, o país que mais ou menos inventou o ácido sulfúrico, tem agora uma incidência crescente de violência ácida que, de acordo com Jaf Shah, da Acid Survivors Trust International, de Londres, pode dar-lhe uma das maiores taxas per capita do mundo.”

Entenderam? E ainda diz mais: “Registros oficiais coletados desde 2010 não incluem a etnia da maioria dos perpetradores e vítimas, mas dizem que a maioria são homens. Daqueles cuja etnia foi registrada, a maioria era branca. A selvageria não conhece fronteiras culturais.”

Esse alucinado esconde, ou realmente não sabe, — embora com registros válidos, porém históricos e não estatísticos, com um número absolutamente inferior ao que estamos vendo, — todo um movimento ao redor do mundo a esse respeito.  Adoraria ver essa estatística que ele menciona. —“Daqueles cuja etnia foi registrada, a maioria era branca.” — E os outros?

Quando cita — “as nações com os mais altos níveis registrados incluem a Colômbia, Uganda, Afeganistão, Índia, Paquistão, Bangladesh e Nepal, com os países do sul da Ásia, em particular, produzindo imagens inesquecíveis de mulheres desfiguradas que foram atacadas com ácido porque rejeitaram os avanços sexuais ou propostas de casamento, ou despertou o ciúme, ou de alguma forma incomodou o patriarcado e despertou sua ira”  [ênfase adicionada] — o faz de forma tão doentia e mal informada que prova o quanto a esquerda precisa ser condenada e expulsa da vida pública para sempre. Ian Jack tinha que escrever para o The Guardian, este é o seu lugar. Neste ponto esse imbecil está correto.

Quando ele cita um episódio macabro na Índia, o faz de tal forma que deixa no ar uma imagem de que a Índia toda prescreve o dito. Isto é um insulto a um país que outrora foi riquíssimo e culturalmente sofisticado, mas detonado pelo Islã. Por conseguinte, ou por força das circustâncias, muitos Hindus se converteram ao Islamismo, sem contar com os milhões de Muçulmanos de outros lugares. Portanto, associar um episódio macabro a toda Índia mostra claramente como a esquerda é venenosa, cruel e covarde, profundamente covarde.

Isso é estupidez absoluta e falta de abrangência cultural. A Inglaterra tem um passado extremamente sombrio com a índia e a Índia hoje em dia corre atrás, com dignidade, para mostrar ao mundo o que fizeram com ela, como ela era antes, e como ficou depois do maior genocídio da história por conta da invasão Islâmica.

Acusar, generalizar, os Indianos de estupro e ataque com ácido é estupidez. Isso precisa ser visto dentro de um contexto e analisado para realmente ver o que está por trás. Hindus convertidos ao Islamismo estão sendo descritos em artigos de alta qualidade para mostrar a influência nefasta que o Islã trouxe a essa grande civilização. Esse tipo de violência nunca fez parte da cultura primordial da Índia e só um boçal desse tipo poderia manchar a imagem já tão massacrada de um povo maravilhoso.

Os Cristãos por outro lado, — e não estou aqui falando de violência Cristã contra os Hindus, — precisam ler o que os Hindus estão falando sobre a Cristianização da Índia. A ideia de alterar os costumes e crenças de uma nação como a Índia, mesmo que de forma pacífica, não dará bons frutos na moderna Índia.

— “Ataques Com Ácido, o Outro Lado Da Índia” — Ataques com ácido, o outro lado da Índia

Nota:  Acabei de falar sobre a Índia… Veja o que este artigo diz:

“Os motivos por detrás de uma prática tão monstruosa são difíceis de compreender. A razão é geralmente trivial, motivada por uma ofensa ao orgulho do criminoso. Desde pequenas discussões do dia-a-dia a dramas amorosos, quase tudo serve.”

E mais,

“Desafiando os convencionais padrões de beleza, o fotógrafo Rahul Saharan, em parceria com a Stop Acid Attacks (uma organização que procurar criar uma maior consciencialização para a situação das vítimas desses ataques)”.

Alguém que tenha juízo deve estar pensando: que diabos a Stop Acid Attacks está fazendo que não descreve a situação de forma realista… esse é o papel dela, ao invés disso, promove fotografia, aparece na mídia, recebe algum cascalho das organizações governamentais ou não, enfim… é um absurdo total. Resultado prático é esse título ridículo, “… o outro lado da Índia”. Bagunça com a imagem da Índia sem saber o que está realmente acontecendo.

Isso é o mesmo que o Iraniano Reza Aslam, “o queridinho…” faz, “o Darling” da mídia internacional, que fala um monte de merda, ganha um monte de dinheiro e vai pra Índia em parceria com a CNN pra comer cérebro humano e aí transmite para o mundo a ideia esdrúxula de que a Índia toda como cérebro humano. Ora, vá pra pqp! — CNN’s Reza Aslan Faces Backlash After Eating Part of a Human Brain

— “Polícia investiga ataques com ácido em Berlim” — Polícia investiga ataques com ácido em Berlim

“Esse foi o quinto caso de ataque com ácido na capital alemã desde dezembro. Em 12 de janeiro, um ciclista jogou um líquido contra uma mulher que caminhava por volta das 23h no bairro de Prenzlauer Berg. O suspeito fugiu em seguida.”

Entenderam? Ninguém fala realmente o que deve ser dito.

Vamos então navegar outros mares:
Shiva Statue at Jabalpur
Com 23 metros de altura, a estátua de Shiva na cidade de Kachnar é uma das mais altas da Índia.

— “Paquistão: Três Hindus feridos em ataques com ácido por celebrarem Holi” — Pakistan: Three Hindus injured in acid attack for celebrating Holi

Os Muçulmanos de Karachi acreditam que o atacante era Hindu“, mas isso é extraordinariamente improvável. Holi é uma festa Hindu durante a qual as pessoas jogam corantes coloridos sobre o outro. É uma ocasião alegre e festiva, e enquanto isso possa ter sido obra de algum Hindu amargurado, “o incidente com ácido tem a ver com a queima de um templo Hindu e um escritório comunitário no distrito de Larkana no sul, no Domingo, por multidões irritadas protestando contra uma alegada queima de um Alcorão por um Hindu.” Essas turbas eram, é claro, Muçulmanas, e sua raiva ainda está irradiando calor. Além disso, dadas as ocasiões em que fanáticos supremacistas Islâmicos no Paquistão lançaram ácido em mulheres que consideram desobedientes, parecem ser os suspeitos mais prováveis.”

— “Índia: Multidão Incendia Mesquita Após Ataque De Ácido” — India: Mob Torches Mosques After Acid Attack

“MANDI – Uma multidão irritada incendiou duas Mesquitas na cidade nesta noite depois que um homem jogou uma garrafa de ácido em passageiros de um ônibus privado, ferindo gravemente pelo menos 11 pessoas, incluindo uma criança de cinco anos.

A polícia prendeu mais tarde o culpado, Mohammad Mahboob, de Muzzafarnagar em Uttar Pradesh. Ele teria confessado o crime.”

— “Paquistão: Supremacistas Islâmicos Atacam Sete Mulheres Com Ácido Em Dois Dias — Um “Merecia Que Seu Rosto Fosse Arruinado Porque Ela Não Tinha Coberto A Cabeça”  — Pakistan: Islamic supremacists attack seven women with acid in two days — one “deserved for her face to be ruined because she had not covered her head”

“Ambos os rapazes vão para a mesma faculdade que eu e estavam me agredindo com palavras por não estar usando uma dupatta (véu ) na minha cabeça. Eles tentaram me pegar e quando eu gritei eles me atacaram com ácido”, disse Tayyiba aos policiais antes de ser internada no hospital. “Ela disse que os dois homens haviam dito que ela merecia que seu rosto fosse arruinado porque não tinha coberto a cabeça”, disse o oficial da Station House, Malik Zafar Iqbal.”

— “Bangladesh: Terra Dos Ataques Com Ácido “Desenfreados” —Bangladesh: Land of “rampant” acid attacks

“Seu pai costumava colocar gotas de ácido em partes de seu corpo todos os dias”

“Ele também costumava alimentá-la com ácido. Afinal, ele queria um filho. Para demonstrar como os ataques de ácido desenfreado contra mulheres e crianças são na maioria Muçulmana Bangladesh, considere o fato de que os país realmente tem um hospital Fundação de “Sobreviventes de Ácido”. Mas não se preocupe; como este relatório continua a sugerir, toda essa misoginia é um produto da “pobreza”. Não poderia ter nada a ver com a misoginia intrínseca do Islã, — que se manifesta nas manchetes diárias, — ou poderia?

— “Dois Jihadistas Acusados De Ataque De Ácido Contra Meninas Britânicas Em Zanzibar” — Two jihadis charged with acid attack on British girls in Zanzibar

“Mulheres andando ao redor sem ter tudo, exceto seus rostos e mãos cobertas: um pecado grave. Atirando ácido sobre essas mulheres: agradando Alá.

Dois suspeitos de terrorismo com ligações com os extremistas Islâmicos do Boko Haram apareceram no tribunal acusados de atirar ácido em duas adolescentes Britânicas de férias em Zanzibar.

Com a ajuda da Scotland Yard e da Interpol, dois membros do grupo Uamsho ou ‘Despertar’ foram presos e acusados pelas autoridades locais.

Os Londrinos Kirstie Trup e Katie Gee, ambos com 18 anos, ficaram com graves queimaduras depois que um estranho numa moto atirou ácido sobre os dois em 2013 ….”

— “Grã-Bretanha: Convertido Ao Islã Jogou Ácido Na Face Da Mãe De Seis, Deixando-A Desfigurada E Cega Em Um Olho” — UK: Convert to Islam threw acid in face of mother of six, leaving her disfigured and blind in one eye

“Durante anos temos visto mulheres que não foram pensadas para ser vestidas modestamente ou que se acreditava ter transgredido contra a honra da família, atacadas com ácido por Muçulmanos no Paquistão. Agora, o etos selvagens estão vindo para os países Ocidentais. Mas ninguém teria se atrevido a tentar conversar com Billal Kidd Mujahedin sobre a conversão ao Islã. Isso teria sido “Islamofóbico.

Carla pode estar cega. Ela teve um transplante de córnea, mas os médicos não “esperam” que ela consiga enxergar novamente.”

— “As 10 Principais Vítimas De Ataque Ácido No Irã – Um Vídeo De Anni Cyrus” — Top 10 Acid Attack Victims in Iran — an Anni Cyrus Video

“Anni discute as 10 principais vítimas de ataque ácido no Irã, pedindo-nos para nunca esquecê-las — e para refletir sobre a desumanidade que a Lei Islâmica gera para as mulheres.”

Nota: Infelizmente não tenho como traduzir este vídeo. Fica aqui o registro para quem quiser traduzi-lo. E para aqueles versados no Inglês que queiram assistir.

— “Palestinos” Ferem Cinco Israelenses Em Ataques Com Ácido“Palestinian” wounds five Israelis in acid attack

“Um homem Israelense parou para dar carona a um Palestino. É assim que a bondade infiel é retribuída pelos jihadistas Islâmicos.”

— “Paquistão: Muçulmanos Atacam As Filhas Com Ácido Por Se Recusarem A Casar Com Homens Que Ele Escolheu Para Elas” — Pakistan: Muslim attacks step-daughters with acid for refusing to marry men he had chosen for them 

Alcorão 4:34 “Alá fez os homens superiores às mulheres porque Alá preferiu alguns a outros, e porque os homens gastam a sua riqueza para mantê-las. Portanto, as mulheres virtuosas são obedientes, e elas devem guardar as suas partes escondidas do mesmo modo que Alá as guarda. Com respeito às mulheres que você receie irão se rebelar, chame a atenção delas primeiro, e depois as mande para uma cama separada, e então bata nelas…”

— “Afeganistão: Garotas Estudantes Sem Burca Pulverizadas Com Ácido” — Afghanistan: Non-burqa wearing school-girls sprayed with acid 

“Três estudantes Afegãs sofreram graves queimaduras quando os agressores pulverizaram ácido em seus rostos enquanto caminhavam para a escola. Dois homens montados numa motocicleta atacaram um grupo de 15 meninas com uma pistola de água cheia de ácido na cidade de Kandahar, Sul, deixando seis necessitando de tratamento hospitalar, três delas por ferimentos graves.”


Bem, é o bastante. Esse material mostra a realidade e não a fantasia do “The Guardian” entre outros da “grande mídia”. Fica claro aqui a estupidez que a esquerda etc., entre outras mazelas mais, estão impondo à sociedade, quando o que precisa ser dito é abafado pela hipocrisia.

Tenho pena dessas pessoas, inclusive, obviamente, das Muçulmanas que tiveram o rosto deformado por esses verdadeiros monstros, agentes do mal. Muitas ficaram cegas. Uma tristeza imensa.

Resolvi desde o início não expor fotografias dessas mulhres e meninas, por respeito. Não sei se estou certo, mas é assim que eu sinto.

Fica aqui a minha humilde solidariedade a todas elas, indistintamente.  Isso deixa qualquer um com o coração apertado e com lágrimas nos olhos.

Enquanto isso, muitos continuam soltos, ocultos e em ascensão.


FACEBOOK E TWITTER CENSURAM JIHAD WATCH, BLOQUEAM MILHARES DE LEITORES

FACEBOOK E TWITTER CENSURAM JIHAD WATCH, BLOQUEAM MILHARES DE LEITORES

Por ROBERT SPENCER

3 de Março de 2017

Os fatos em mãos presumivelmente falam por si mesmos, mas com um pouco mais de vulgaridade, eu suponho, do que os fatos normalmente costumam apresentar.

Referências à Jihad Watch segundo o Facebook, 2 de fevereiro de 2017: 16.683
Referências à Jihad Watch segundo o Twitter, 2 de fevereiro de 2017: 1.051

Referências à Jihad Watch segundo o Facebook, 6 de fevereiro de 2017: 12.882
Referências à Jihad Watch segundo o Twitter, 7 de fevereiro de 2017: 1.880

Referências à Jihad Watch segundo o Facebook, 7 de fevereiro de 2017: 23.783
Referências à Jihad Watch segundo o Twitter, 7 de fevereiro de 2017: 1.718

Referências à Jihad Watch segundo o Facebook, 8 de fevereiro de 2017: 18.926
Referências à Jihad Watch segundo o Twitter, 8 de fevereiro de 2017: 1.091

Referências à Jihad Watch segundo o Facebook, 9 de fevereiro de 2017: 11.914
Referências à Jihad Watch segundo o Twitter, 9 de fevereiro de 2017: 974

E então no dia seguinte:

Referências à Jihad Watch segundo o Facebook, 10 de fevereiro de 2017: 2.923
Referências à Jihad Watch segundo o Twitter, 10 de fevereiro de 2017: 295

E o abandono continua:

Referências à Jihad Watch segundo o Facebook, 20 de fevereiro de 2017: 3.408
Referências à Jihad Watch segundo o Twitter, 20 de fevereiro de 2017: 416

Referências à Jihad Watch segundo o Facebook, 27 de fevereiro de 2017: 2.369
Referências à Jihad Watch segundo o Twitter, 27 de fevereiro de 2017: 329

Referências à Jihad Watch segundo o Facebook, 2 de março de 2017: 1.645
Referências à Jihad Watch segundo o Twitter, 2 de março de 2017: 206

Será que milhares de pessoas que costumavam os artigos da Jihad Watch no Facebook e Twitter de repente, em 10 de Fevereiro, perderam o interesse? Claro que não. Isto é o que aconteceu: o Facebook e o Twitter estão censurando a Jihad Watch como “discurso de ódio”. Agora, eu não aceito e nunca aceitarei a ideia de que relatar a atividade da jihad e a opressão da Sharia constitui “discurso de ódio”, mas é claro, a reivindicação de longa data da Organização de Cooperação Islâmica (OIC) e grupos Muçulmanos no Ocidente, foi adotada sem críticas pela esquerda, com a qual o Facebook e o Twitter estão tão firmemente alinhados.

Na realidade, o que constitui “discurso de ódio” é um julgamento subjetivo. O próprio rótulo é um instrumento nas mãos dos poderosos, permitindo-lhes controlar o discurso e silenciar os dissidentes à sua agenda. Isto é, em última instância, o que isso significa: os fornecedores da Grande Mentira (sic) sempre têm de calar os que dizem a verdade, porque estão conscientes de que todo seu empreendimento repousa sobre uma mentira e estão profundamente ameaçados pela verdade. Eles só podem colocar sua mentira através de repetição constante e perseguição implacável daqueles que dizem a verdade. Em contraste, os narradores de verdade não precisam recorrer à censura contra os mentirosos, pois estão confiantes de que a verdade, se for dada uma audiência justa, será óbvia e convincente.

A boa notícia em tudo isso é que, apesar desse bloqueio de referências do Facebook e do Twitter, o número total de leitores da Jihad Watch está crescendo. Aparentemente, muitas pessoas que costumavam vir aqui via Facebook e Twitter estão encontrando caminhos diferentes. Isto é muito importante em geral: as pessoas livres não devem aceitar a censura, que é um ataque desesperado de uma elite política e midiática desacreditada e enfraquecida contra uma revolução populista inexoravelmente crescente. Se o Facebook e o Twitter excluirem a verdade, então temos que, em grande número, fechar o Facebook e o Twitter. Isto é certamente o que eu vou fazer: enquanto cada artigo da Jihad Watch automaticamente sobe no Facebook e Twitter (enquanto durar), não irei pessoalmente a qualquer um deles novamente.

E apesar da plataforma cada vez mais decrescente para aqueles que discordam da agenda socialista, globalista e internacionalista dessas elites sinistras e autoritárias, existe uma razão para estar confiante. Eles têm todo o dinheiro, todo o poder e todas as plataformas, e mesmo assim, Brexit foi votado, Trump foi eleito, e muito, muito mais está por vir. Afinal, existe uma arma que eles não têm do seu lado, e é por isso que, apesar de todo o seu sucesso intermediário, estão condenados ao fracasso: essa arma é, é claro, a verdade.

“União Europeia Informa Riot Act ao Facebook, Twitter, Google Sobre o Discurso de Ódio (FB, GOOG)”, de Rakesh Sharma, Investopedia, 5 de Dezembro de 2016:

 A União Europeia alertou o Facebook Inc. (FB), o Twitter Inc. (TWTR), a subsidiária Google da Alphabet Inc. (GOOG) e a Microsoft Inc. (MSFT) que poderiam enfrentar a perspectiva das leis do discurso de ódio se não reprimirem tal discurso em suas plataformas. As empresas, que possuem ou executam plataformas de mídia social com números de membros que chegam a milhões no continente, assinaram em Maio um código de conduta para eliminar casos de discurso ofensivo e de ódio dentro de 24 horas. (Veja também: Facebook, Google, Twitter, Microsoft concordam em relatar discurso de ódio à UE).

 De acordo com um novo relatório que quantifica seus esforços, os gigantes da tecnologia ainda têm algum caminho a percorrer. O relatório, que será discutido pelos ministros da UE esta semana, afirmou que as empresas analisaram 40 por cento dos casos relatados nas primeiras 24 horas e 80 por cento em 48 horas. A Alemanha e a França viram taxas mais elevadas, “em excesso” de 50%, enquanto que apenas 4% e 11% dos posts relatados foram removidos na Itália e Áustria, respectivamente.

“Se o Facebook, YouTube, Twitter e a Microsoft quiserem convencer-me e aos ministros de que a abordagem não legislativa pode funcionar, terão de agir rapidamente e fazer um grande esforço nos próximos meses”, disse Vera Jourova, FT em uma entrevista. (Veja também: Facebook pode permitir que grupos de terceiros censurem conteúdo na China) ….

E mais:

“Google Lança Programa AI para Detectar “Discurso de Ódio”, por Lucas Nolan, Breitbart, 23 de Fevereiro de 2017:

” O Google lançou um novo programa AI chamado Perspective para detectar comentários “abusivos” online em um esforço para reprimir o discurso de ódio.

Publicações como The New York Times, The Guardian e The Economist estão testando o novo software como uma maneira de policiar seções de comentários, de acordo com o Financial Times.

“As organizações de notícias querem encorajar o envolvimento e a discussão em torno de seu conteúdo, mas acham que classificar por milhões de comentários para encontrar aqueles que são trolling ou abusivos leva muito dinheiro, trabalho e tempo”, disse Jared Cohen, presidente da Jigsaw. Incubadora social que construiu a ferramenta. “Como resultado, muitos sites fecharam os comentários completamente. Mas eles nos dizem que não é a solução que querem. “

Perspective está disponível para todas as publicações que atualmente fazem parte da Digital News Initiative do Google, que inclui The Guardian, a BBC e The Financial Times. Em teoria, o software também poderia ser utilizado por empresas de mídia social como Facebook e Twitter. Twitter recentemente tentou impor regras mais rígidas sobre os usuários em uma tentativa de reduzir suposto assédio na plataforma.

CJ Adams, um gerente de produto na Jigsaw, discutiu a adaptabilidade de seu programa, dizendo: “Estamos abertos para trabalhar com qualquer um, desde pequenos desenvolvedores até as maiores plataformas na internet. Todos nós temos um interesse compartilhado e nos beneficiamos de discussões online saudáveis. “

Perspective é usado para filtrar e compilar comentários em sites para revisão humana. Para aprender o que exatamente conta como um comentário “tóxico”, o programa estudou centenas de milhares de comentários de usuários que foram considerados inaceitáveis por revisores em websites como The New York Times e Wikipedia. “Todos nós estamos familiarizados com o aumento da toxicidade em torno de comentários em conversas online”, disse Cohen. “As pessoas estão deixando conversas por causa disso, e queremos capacitar publicações para trazer essas pessoas de volta”.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhamamad e os Sufis

“ESFORÇAR-SE PARA RETRATAR MUÇULMANOS COMO “MORENOS” E OS INIMIGOS DO TERROR DA JIHAD, COMO REPUGNANTES POR RAZÕES RACIAIS É DESONESTO “

Fonte/Source: “Endeavor to portray Muslims as ‘brown’ and foes of jihad terror as disliking them for racial reasons is dishonest”

“ESFORÇAR-SE PARA RETRATAR MUÇULMANOS COMO “MORENOS” E OS INIMIGOS DO TERROR DA JIHAD COMO REPUGNANTES POR RAZÕES RACIAIS É DESONESTO “

 

POR ROBERT SPENCER

8 de Fevereiro de 2017

Linda Sarsour afirmou recentemente que, por ser “morena” (uma afirmação duvidosa na melhor das hipóteses), “Palestina” e “Muçulmana”, além de uma “mulher franca”, era “o pior pesadelo dos Islamofóbicos”.

Isso é apenas mais uma negação e projeção. Na realidade, ela é criticada por estar a favor da opressão da Sharia e ligada de várias maneiras ao Hamas. Mas isso é apenas mais inversão esquerdista da realidade.

“Por que os liberais continuam abrindo caminho para o Islã radical — e o que será necessário para mudar de opinião”, de Dave Urbanski, The Blaze, 7 de fevereiro de 2017:

Alguém poderia concluir que, depois de tantos exemplos de atos hediondos do Islã radical em todo o mundo, mesmo depois do 11 de Setembro, os liberais deixariam de abrir caminho ou de dar o benefício da dúvida.

Mas mesmo depois dos ataques em Fort Hood, Boston, Paris, Garland, Chattanooga, San Bernardino e Orlando — para citar alguns deles — alguns liberais claramente não se sentem assim. De fato, uma nova pesquisa da CBS indica que 66% dos democratas acreditam que o Islã não é diferente de outras religiões quando se trata de incentivar a violência…

Robert Spencer — diretor da Jihad Watch e notável autoridade sobre a omnipresença do Islamismo radical — disse ao The Blaze que vê a esquerda não somente continuando a abrir caminhos para o extremismo Islâmico, mas notando também que os liberais estão começando a normalizar alguns elementos dele.

E não precisou ir muito longe para falar da tão alardeada Marcha das Mulheres, que lotou as ruas um dia após a inauguração de Trump — e que contou com a organizadora do evento, Linda Sarsour, uma “Palestina Muçulmana Americana” que está sob escrutínio por declarações ameaçadoras que ela fez contra a crítica do Islã Ayaan Hirsi Ali vários anos atrás.

“A Sra. Sarsour não está interessada em direitos humanos universais”, disse Ali ao New York Times, acrescentando que: “ela é defensora da lei da Sharia. Não há princípio que humilhe, degrade e desumanize mais as mulheres do que o princípio da lei Sharia”.

Apesar disso, Spencer disse que os liberais continuam “glamorizando e glorificando” Linda Sarsour — bem como “vilipendiando qualquer um que aponte as ligações dela com o Hamas, o ódio vicioso à Israel…. mesmo em publicações como a Elle”.

Outros exemplos de normalização incluem a “proliferação dos eventos do Dia Mundial do Hijab, que ignoram as muitas mulheres que foram brutalizadas ou até mesmo mortas por não usarem o hijab e a disseminação entre as feministas esquerdistas Ocidentais da ideia de que as restrições do hijab e da Sharia às mulheres são sinais lindos da diversidade cultural, para ser comemorado e não condenado.”

Spencer concordou, também, que o preconceito esquerdista contra o Cristianismo e o Judaísmo, encontra um parentesco espiritual com o Islamismo radical, visto que ambos compartilham “o ódio pela civilização Ocidental Judaico-Cristã”. Além disso, o objetivo do Islã radical de derrubar o “Ocidente” bate levemente num tipo de auto-aversão liberal que não se importaria de ver a América de joelhos, dado que é visto por alguns liberais como “a fonte de todo o mal no mundo”.

Outra ferramenta que a esquerda tende a usar — e vista nesta aparição do Affleck em “Tempo Real”. — é a caracterização da crítica Islâmica como “racismo”, apesar do fato de que o Islã não é uma raça. (Ênfase adicionada).

Nota: Infelizmente este vídeo não está legendado em Português e não pertence ao texto original. Resolvi publicá-lo para dar sentido ao parágrafo acima. 

“O racismo é o nosso trauma nacional”, acrescentou Spencer ao The Blaze. “Esforçar-se para retratar Muçulmanos como “morenos” e os inimigos do terror da jihad como repugnantes unicamente por razões raciais, é um cínico e desonesto empreendimento que tem o efeito de intimidar as pessoas a terem medo de se oporem ao terror jihadista. Naturalmente, muitos esquerdistas são tão mal educados e incapazes de pensar criticamente que sem dúvida acreditam nisso tudo”.

Então, o que — por acaso — poderia eventualmente mudar a maré da esquerda?

Spencer observou que muito provavelmente seria algo pelo menos tão terrível quanto outro ataque em escala como o 11 de Setembro, porque “a cada ataque de jihad algumas pessoas acordam”.

Mas, a “intelectualidade esquerdista sabe disso”, disse ele, o que coloca uma questão, já que “depois de cada ataque, há um esforço extenuante para exonerar o Islã de qualquer responsabilidade por ele”.

Aqui está Spencer discutindo o Islã e a agressão da esquerda à liberdade de expressão em 2009 — e você pode dizer que as palavras dele provaram ser bastante proféticas nos Estados Unidos nos últimos anos:

 — Infelizmente este vídeo não está legendado em Português —


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

FRANÇA: ATAQUES ANTICRISTÃOS CRESCEM 245 POR CENTO

Fonte/Source: France: Anti-Christian attacks rise 245 percent — Robert Spencer – Jihad Watch

FRANÇA: ATAQUES ANTICRISTÃOS  CRESCEM 245 POR CENTO

 

Por CHRISTINE WILLIAMS

8 DE FEVEREIRO DE 2017

O elevadíssimo aumento de 245% no número de ataques contra os Cristãos representa um problema genuíno e crescente; A preocupação com a “islamofobia” conseguiu afastar as verdadeiras questões de direitos humanos.

Perceba a peculiaridade do Ministério do Interior Francês ao minimizar a seriedade dos ataques anticristãos, vangloriando-se de como o ministério estava ocupado, implementando ações contra a “islamofobia” e o antissemitismo. O governo também foi rápido ao mencionar que não havia nenhum motivo religioso para esse drástico aumento de ataques anticristãos.

Um ponto-chave aqui, é que o Ministério do Interior Francês e os meios de comunicação social de esquerda, fazem um grande esforço para não admitir ou abordar qualquer possível envolvimento de supremacistas Islâmicos nessa perseguição contra os Cristãos. O governo chegou a negar qualquer motivação religiosa e declarou que dos 949 ataques anticristãos “havia uma possível ‘motivação satânica’ em 14 casos e motivação ‘anarquista’ em 25.” E quanto aos outros casos?

Uma reportagem da CNN em Julho revelou:

“Ao insistir nos ataques às Igrejas, o ISIS tenta eliminar o que chama de “zona cinzenta” para Muçulmanos no Ocidente, provocando uma reação da extrema-direita. Os constantes ataques na França produziram uma onda de raiva anti-muçulmana, alimentada e explorada pelos políticos de extrema-direita.

O jornal La Figaro também tentou achar uma justificativa, afirmando que “é esperado que ataques às Igrejas sejam os mais abundantes porque elas existem em maior número”, e ignorando o fato de que os Cristãos enfrentam ataques brutais em países Muçulmanos como o Egito e Paquistão. Apesar de não existirem em grande número.

Alimento para o pensamento: O artigo abaixo também destaca que “no ano passado em Dülmen, após a chegada de mais de um milhão de imigrantes na Alemanha, a mídia local disse que ‘não passa um dia’ sem ataques à estátuas religiosas Cristãs”.

“França: Ataques Anticristãos Crescem 245 Por Cento”, por Virginia Hale, Breitbart, 7 de fevereiro de 2017:

“Embora os ataques racistas, anti-muçulmanos e antissemitas tenham sofrido uma queda enorme desde 2008, ataques a cultos Cristãos mais do que dobraram nesse período, informou na semana passada o Ministério do Interior da França.

Tendo documentado um número recorde de ataques antissemitas e anti-muçulmanos em 2015, o ano passado em Dülmen, após a chegada de mais de um milhão de migrantes na Alemanha, a mídia local disse que ‘não passa um dia’ sem ataques às estátuas religiosas Cristãs.

Posteriormente, os ataques racistas, antissemitas e anti-muçulmanos caíram acentuadamente em 2016, com o primeiro vendo um declínio de 58,5 por cento e o último uma queda de 57,6 por cento. Esses ataques são definidos como incêndios, violência, degradação e ameaças — comentários, inscrições, cartas insultantes. Neste ano, os ataques aos locais de culto Cristãos aumentaram 17,4% em 2016 em comparação com 2015. Os ataques racistas, por sua vez, caíram 23,7% (608 contra 797).

A queda acentuada de incidentes de natureza islamofóbica ou antissemita foi bem recebida pelo governo Francês, que creditou os números como “fruto do plano de ação do governo”.

“Graças a uma mobilização sem precedentes dos serviços do Estado, já obtivemos resultados muito encorajadores, como evidenciado pelos números de 2016. Isso nos dá muita satisfação”, disse o ministro do Interior, Bruno Le Roux.

Le Figaro relatou que os ataques dirigidos aos Cristãos agora representam 90% dos ataques aos locais de culto.

O jornal aponta que, embora espera-se que os ataques às igrejas sejam os mais abundantes porque elas existem em maior número, os casos em que os locais de culto Cristãos foram maculados viram um enorme aumento entre 2008 e 2016.

O governo diz que a maioria dos 949 ataques às igrejas “não tem motivos religiosos”, mas que há uma possível “motivação satânica” em 14 casos e uma motivação “anarquista” em 25. No entanto, desde 2008 assaltos a locais de culto Cristãos aumentaram 245 por cento.

No ano passado, em Dülmen, após a chegada de mais de um milhão de imigrantes na Alemanha, a mídia local disse que ‘não passa um dia’ sem ataques a estátuas religiosas Cristãs.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

TRUMP: “NÃO PODEMOS, E NÃO DEVEMOS, ADMITIR… AQUELES QUE COLOCARIAM ÉDITOS RELIGIOSOS VIOLENTOS ACIMA DA LEI AMERICANA”

Fonte/Source:  Trump: “We cannot, and should not, admit…those who would place violent religious edicts over American law”

TRUMP: “NÃO PODEMOS, E NÃO DEVEMOS, ADMITIR… AQUELES QUE COLOCARIAM ÉDITOS RELIGIOSOS VIOLENTOS ACIMA DA LEI AMERICANA”

Por ROBERT SPENCER

26 DE JANEIRO DE 2017

Eis aqui um excerto notável da ordem executiva  do Presidente Trump, “Protegendo a Nação de Ataques Terroristas por Estrangeiros“, sobre imigração. Você pode ler o texto completo aqui (em Inglês).

“A fim de proteger os Americanos, devemos garantir que aqueles que foram admitidos neste país não tenham atitudes hostis em relação ao nosso país e seus princípios fundadores. Não podemos e não devemos admitir no nosso país aqueles que não apoiam a Constituição dos EUA ou aqueles que colocariam violentos éditos religiosos acima  da Lei Americana. Além disso, os Estados Unidos não devem admitir aqueles que se engajam em atos de fanatismo e ódio (incluindo homicídios de “honra”, entre outras formas de violência contra as mulheres ou perseguição aos que praticam outras religiões) ou aqueles que oprimem os membros de uma raça, sexo ou orientação sexual.”

A precisão e abrangência desse excerto é profundamente impressionante. A ideia de que qualquer ponto desse texto possa ser remotamente controverso, mostra o quão profundamente confusa a opinião pública Americana se tornou, durante décadas de hegemonia da Esquerda.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

NYC CONCEDE US$10 MILHÕES A LINDA SARSOUR, UMA MULHER HOSTIL QUE APOIA A JIHAD PALESTINA

Fonte/Source: NYC giving $10 million to Linda Sarsour, hate-filled supporter of Palestinian jihad

Nota do blog: Resolvi traduzir este artigo “antigo” do Robert Spencer para mostrar quem na realidade é Linda Sarsour, a Muçulmana  que organizou a Marcha das Mulheres contra o Presidente Donald Trump com apoio de mais de 50 parceiros de George Soros.

NYC CONCEDE US$10 MILHÕES A LINDA SARSOUR, UMA MULHER HOSTIL QUE APOIA A JIHAD PALESTINA

POR ROBERT SPENCER

 3 de Abril de 2016

“A Associação Árabe-Americana de Nova York, uma organização sem fins lucrativos com sede em Brooklyn e administrada por Linda Sarsour, foi selecionada como um dos 14 grupos que irão receber do Fundo da Prefeitura para Avançar Nova York, US$10 milhões em cinco anos…” Linda Sarsour adora se mostrar como uma alienígena, lutando contra ‘O Homem’ em solidariedade a todos os outros ‘Povos Oprimidos’, mas na realidade ela é a própria figura quintessencial do establishment, ainda mais agora que a linha dura da Esquerda e os Socialistas estão firmemente instalados nos corredores do poder… Sua postura de vítima cínica e falsa, e a remoção efetiva de obstáculos para avançar a violência terrorista são fatos comuns hoje em dia. Os verdadeiros alienígenas e as vozes dos oprimidos que estão lutando contra os autoritários que fazem tudo o que podem para silenciá-los e difamá-los são os inimigos da jihad.

Sarsour é uma administradora energética do mito da “Islamofobia”, e já afirmou histericamente que “crianças Muçulmanas” estão sendo “executadas” nos Estados Unidos. Serviu de instrumento para prevalecer sobre de Blasio (Prefeito de Nova York) a fim de terminar com a vigilância legal e necessária nas comunidades Muçulmanas de Nova York. Ela também é uma visitante frequente da Casa Branca de Obama, e alegou que o jihadista que tinha uma bomba na cueca foi um agente da CIA — parte do que ela alega ser uma guerra dos EUA contra o Islã.

Sarsour é também uma exploradora hábil do “ódio” difamatório contra os inimigos do terror jihadista e da supremacia Islâmica, e nunca se desculpou por usar o homicídio de honra Islâmico de Shaima Alawadi para espalhar mentiras sobre a prevalência de crimes de ódio contra os Muçulmanos na América. Ela também é uma partidária entusiasta da jihad “Palestina” contra Israel. Dado o apoio geral à jihad entre os esquerdistas e o viés de esquerda do regime de Blasio em Nova York, não é surpreendente que seus empreendimentos cheios de ódio sejam financiados pelos contribuintes. O que é um escândalo: um sinal sombrio dos tempos.

linda-sarsour

“NYC CONCEDE 500 MIL DÓLARES PARA ATIVISTA NO CENTRO DA GUERRA PALESTINA-ISRAEL NO TWITTER” POR RICH CALDER, NEW YORK POST,  2 DE ABRIL DE 2016:

A Primeira-Dama da cidade de Nova York, Chirlane McCray, está entregando mais de US $ 500 mil a uma ativista Árabe-Americana que foi criticada por denunciar os críticos no Twitter como “trolls Sionistas”.

A Associação Árabe-Americana de Nova York, uma organização sem fins lucrativos com sede em Brooklyn administrada por Linda Sarsour, foi selecionada como um dos 14 grupos para receber do Fundo do Prefeitura para Avançar Nova York, US$10 milhões ao longo de cinco anos para integrar serviços de saúde mental aos Programas da sua comunidade. McCray supervisiona o fundo.

Sarsour, uma aliada e cabo eleitoral do Prefeito de Blasio, entrou em guerra no Twitter em Outubro passado com o Conselheiro do Queens, Rory Lancman, que é Judeu, quando ela postou uma foto de um menino Palestino segurando pedras na frente dos soldados Israelenses, rotulando-o de “A definição de coragem.”

Depois que Lancman respondeu: “Não, a definição de barbarismo”, Sarsour tuitou, “Os trolls Sionistas estão prontos para jogar. Me provoca. Você nunca vai conseguir me silenciar” …


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

ROBERT SPENCER NO THE HILL: LINDSAY LOHAN PODE TER FEITO A PIOR ESCOLHA DE SUA VIDA

Fonte/Source: Robert Spencer in The Hill: Lindsay Lohan may have made her worst life choice yet

ROBERT SPENCER NO THE HILL: LINDSAY LOHAN PODE TER FEITO A PIOR ESCOLHA DE SUA VIDA

 POR ROBERT SPENCER

 18 de Janeiro de 2017

UPDATE: Os fascistas de esquerda do The Hill cederam à pressão dos esquerdistas e dos neo-Brownshirts supremacistas Islâmicos, e removeram este artigo. De qualquer forma, o reproduzo aqui em sua totalidade:

Nota: Brownshirt (camisa marrom) significa: Membro de uma antiga milícia Nazista fundada por Hitler em Munique em 1921, com uniformes marrons parecidos com os dos Blackshirts (camisa preta) de Mussolini.

No The Hill, expliquei que a conversão barulhenta de Lindsay Lohan ao Islã, pode vir a ser a pior escolha da vida dela, pior do que todas as drogas, bebidas e tudo o mais que a fez famosa:

“Lindsay Lohan provocou especulação generalizada de que tenha se convertido ao Islã por ter excluído tudo da sua conta do Instagram, exceto a saudação Árabe “Alaikum salam” ou “Que a paz esteja sobre vós”.

Sua mãe negou a alegação, mas Lohan, que vive em Dubai, não o fez, mesmo quando choveu parabenizações provenientes de Muçulmanos ao redor do mundo. Se as reportagens forem verdadeiras, então Lohan, que há anos trabalha duro para acumular uma reputação comparada a um trem de celebridade descarrilhado, acaba de dar o passo mais errado de sua carreira.

Lohan alimentou esse tipo de especulação no passado, dizendo em 2015: “Meus amigos mais próximos que me deram muito apoio, em Londres são Sauditas e me deram o Alcorão, o qual eu trouxe para Nova York porque estava aprendendo. Isso me abriu as portas para experimentar espiritualmente, para encontrar outro verdadeiro significado. Isso é quem eu sou.”

Ela não disse qual o “verdadeiro significado” que encontrou nas injunções do Alcorão que sanciona o espancamento de esposa (Alcorão 4:34), a desvalorização do testemunho das mulheres (Alcorão 2: 282), o direito à herança (Alcorão 4: 11), a permissão para a poligamia (Alcorão 4: 3) ou mandato de guerra contra e subjugação de incrédulos (Alcorão 9:29), mas isso é apenas o começo do absurdo.

Será que Lindsay Lohan está preparada para se aventurar em público toda coberta, exceto seu rosto e as mãos, de acordo com a injunção de Muhammad (Abu Dawud 4092)? Será que está disposta a não sair, a menos que esteja acompanhada por um tutor masculino, de acordo com a lei Islâmica? Se sentirá feliz sendo julgada como deficiente em inteligência e compromisso religioso, como Muhammad disse sobre as mulheres (Bukhari 304)?

Lindsay Lohan provavelmente não sabe que tudo isso está no ensino Islâmico. Provavelmente o que ela conhece sobre os Islã são apenas as coisas que seus amigos lhe disseram na Arábia Saudita e Dubai, e que sem dúvida estão ansiosos para adicioná-la à lista de celebridades convertidas ao Islã. O que esses conversos ao Islã sabem sobre sua nova religião poderia ter sido tirado de um discurso do Presidente Barack Obama: que é uma religião nobre, grande, uma religião de paz, e que aqueles que levantam preocupações sobre o terrorismo jihad são xenófobos, racistas e intolerantes.

Então o que há para não gostar? Convertidos e potenciais conversos nunca são informados sobre como tantos convertidos ao Islã acabam se tornando terroristas da jihad, incluindo John Walker Lindh, o “Marin County Mujahid”, que foi descoberto lutando ao lado do Talibã e da Al-Qaeda contra as tropas Americanas no Afeganistão, e Adam Gadahn, que se descreve como “um revoltado freak de proporções em massa”, que, como Lindh, descobriu o Islã através da música rap e do teatro de ressentimento negro (nem negros eram, mas ambos queriam), leu o Alcorão e percebeu que um teste de fogo do caminho para agradar a Alá era a jihad contra os infiéis, e começaram a fazer exatamente isso.

Gadahn, antes de ser morto num ataque com drone, cresceu muito nas fileiras da al-Qaeda, até mesmo fazendo vídeos em Inglês endereçados ao povo Americano e apresentados pelo próprio chefe da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri. Neles,  Gadahn, o revoltado “freak”, em plena exibição apertando seus lábios nervosamente, argumenta pedantemente sobre a falsidade do Cristianismo e a verdade do Islã, e faz ameaças com bravatas nascidas do console de mil jogos de vídeo. Gadahn, Lindh e muitos outros conversos ilustram o apelo à conversão ao Islã entre os psiquicamente marginais, que encontram conforto no fato de que o Islã tem uma regra (e às vezes muitas regras) para cada atividade humana imaginável, aliviando-os da responsabilidade de ter que tomar decisões morais e éticas.

Pode ter sido isso que atraiu Lindsay Lohan, o epítome da celebridade sem raízes que deixou sua bússola moral há tanto tempo atrás que nem sequer se lembra de ter tido uma. É extraordinariamente improvável, é claro, que, mesmo que ela tenha se convertido ao Islã, que seguirá Lindh, Gadahn e tantos outros convertidos à atividade terrorista da jihad; entretanto, seria bom ela ponderar esse fenômeno, questionando a si mesma por que tantos Americanos que se converteram ao Islão tiveram que de alguma maneira absorver a ideia de que sua religião nova os comandam à traição e o assassinato em massa.

Isso, naturalmente, exigiria que ela lesse o Alcorão que está carregando com tanta atenção, e pensar por si mesma. Sem dúvida, isso é exatamente o que seus amigos Sauditas querem que ela o faça também. Se ela realmente o fez, colocaria os rumores da conversão para descansar de uma vez por todas. Para isso teria que resistir à elite fashion e esperta de Hollywood e a sabedoria recebida pela intelligentsia de esquerda.

Até agora, em sua estranha carreira pública, Lindsay Lohan não demonstrou coragem para fazer isso. Mas coisas estranhas tem acontecido.


Tradutor: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis