Arquivo da tag: terrorismo islâmico

TRUMP, JERUSALÉM: UM DURO GOLPE NO TERROR

Fonte/Source: PRESIDENT TRUMP’S JERUSALEM MOVE DEALS A BLOW TO TERROR


TRUMP, JERUSALÉM: UM DURO GOLPE NO TERROR

Não Permitiremos Que Terroristas Islâmicos Decidam Onde Colocamos Nossas Embaixadas

Por Daniel Greenfield

8 de dezembro de 2017 

Daniel Greenfield é um jornalista investigativo, autor com foco na esquerda radical e terrorismo Islâmico, e Shillman Journalism Fellow do David Horowitz Freedom Center.


Hamas anunciou que o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel pelo Presidente Trump abriu os “portões do inferno”. Esse parente da Irmandade Muçulmana declarou que a América é um “estado inimigo”.

O chefe da Liga Árabe advertiu que a transferência para Jerusalém “alimentará o extremismo e resultará em violência”. O Ministro dos Negócios Estrangeiros da Jordânia afirmou que poderia “desencadear raiva” e “alimentar a tensão”.

Líderes Muçulmanos “moderados” sobressaem ameaçando violência em nome dos “extremistas”.

A Organização de Cooperação Islâmica (OCI) alertou que o reconhecimento de Jerusalém desencadeará uma cúpula Islâmica e será considerado um “ataque flagrante às nações Árabes e Islâmicas”.

A última vez que a OCI ficou assim tão insana, alguém desenhou Mohammed [sic]. E não foi apedrejado até a morte por isso.

Segundo o embaixador Saudita, isso “aumentará as tensões”. O vice Primeiro Ministro da Turquia Islamista chamou isso de “uma grande catástrofe”. E o líder do maior país Muçulmano na Europa, o Francês Emmanuel Macron “expressou preocupação” de que os Estados Unidos “reconhecerão unilateralmente Jerusalém”.

Líderes e aduladores da OLP, entretanto, deixaram bem claro que agora o falecido processo de paz está verdadeiramente morto.

O chefe da Autoridade Palestina advertiu que reconhecer Jerusalém “destruirá o processo de paz”. O enviado da OLP em (Washington)D.C. ameaçou que isso pode ser o “último golpe letal” e o “beijo da morte na solução dos dois estados”. Um alto assessor da PA afirmou que “acabará com qualquer chance de um processo de paz”.

No dia seguinte, o processo de paz continua vivo e tão morto como sempre foi.

Uma vez que a chance de um processo de paz é quase igual a ser atingido por relâmpagos ao fazer um Royal Flush, essa “chance” não equivale a nada. O processo de paz já estava mais morto que o Drácula há muito tempo. E mesmo um terrorista da OLP deve saber que não pode ameaçar de morte um refém morto.

O único beijo da morte aqui veio do Arafat.

Embora a paz não estivesse morta. Ela nunca esteve viva. Porque uma paz permanente Islâmica é impossível.

“O mundo pagará o preço”, advertiu Mahmoud Habash, Autoridade Palestina e juiz Supremo da Sharia.

Habash não é apenas o “chefão” da lei Islâmica, é também conselheiro Islâmico do líder da Autoridade Palestina. E Abbas, o líder da organização terrorista, estava lá quando Habash fez suas declarações.

Anteriormente, Habash declarou que o Kotel, o Muro Ocidental (ou Muro das Lamentações), remanescente do Templo, “jamais pertencerá aos não-Muçulmanos”. Não pode estar sob a soberania dos não-Muçulmanos”.

Enquanto as advertências oficiais da Autoridade Palestina, a Liga Árabe e várias outras organizações Islâmicas alegam que reconhecer Jerusalém ameaça o processo de paz inexistente, Habash já tinha deixado bem claro que a questão não era a terra, e sim a Jihad.

“A luta por esta terra não é apenas uma luta sobre um pedaço de terra aqui ou ali. De maneira nenhuma. A luta tem simbolismo da santidade, ou bênção. É uma luta entre aqueles que Alá escolheu para o Ribat e aqueles que estão tentando mutilar a terra do Ribat”, declarou Habash.

Nota: [Ribat, trad., Arrábica: significa uma pequena fortaleza construída ao longo de uma fronteira durante os primeiros anos da conquista Muçulmana do norte da África para abrigar voluntários militares, chamado murabitun].

O percepção sobre o Ribat é que os Jihadistas podem ainda não estar prontos para uma vitória definitiva, mas precisam se manter vigilantes para o objetivo final, que o Hadith define como desempenhar o Ribat “contra o meu e o seu inimigo até que ele abandone a sua religião pela nossa religião.”

É isso que está em jogo aqui.

Não se trata de um “pedaço de terra aqui ou ali”, como esclarece o principal juiz da Sharia para a Autoridade Palestina (PA): é uma guerra religiosa. E Israel não é apenas uma guerra religiosa entre Muçulmanos e Judeus, mas um deslocamento de fronteira numa guerra maior entre o Islã e o resto do mundo. É outro território a ser conquistado no caminho para a Europa. E a Europa é outro território a ser conquistado no caminho para a América.

Não pode haver paz numa guerra religiosa. Nem há nada a ser negociado.

“Não é possível comprometer ou negociar Jerusalém”, disse Habash. “Na política, pode haver compromissos aqui e ali… Na política, pode haver negociação. No entanto, em questões religiosas, fé, valores, ética e história, não pode haver compromissos”.

Existe uma linha extremamente fina na teocracia Islâmica entre política e religião. Mas o que Habash está realmente dizendo é que pode haver espaço para negociar quantas vezes por semana o caminhão de lixo vem para pegar o lixo, mas não quem lhe dá as ordens. O supremacismo Islâmico não é negociável.

O juiz Supremo da Sharia advertiu Trump que transferir a embaixada é “uma declaração de guerra contra todos os Muçulmanos”. Por que todos os Muçulmanos? Porque os “Palestinos” são um mito. As conquistas Islâmicas são coletivas.

E não é como se algum líder Muçulmano tivesse discordado.

Por que para eles Jerusalém é um negócio? Não é uma questão de empatia para os “Palestinos”. O Kuwait fez uma limpeza étnica grande no números deles. Eles não são tão bem tratados em outros países Árabes Muçulmanos.

Não é sobre eles. Os colonos Muçulmanos em Israel estão apenas lá como o “Ribat”. Eles são a guarda fronteiriça da conquista Islâmica. Muito parecido com as patrulhas da Sharia nas No Go Zones da Europa ou os Jihadistas na Caxemira, os Rohingya em Myanmar e todas as outras variantes Islâmicas Volksdeutsche de ocupantes colonizadores.

Sunitas podem lutar contra Xiitas. Países Muçulmanos, tribos e clãs podem guerrear uns contra os outros. Mas a terra em que estão guerreando pertence a todos coletivamente.

Nunca poderá pertencer aos não-Muçulmanos. Essa é a essência do Islã, onde conquista é religião.

Isso é verdade para Jerusalém. E para mundo inteiro.

Isso é o que realmente está em jogo na guerra contra Jerusalém. Quando os países se recusam a transferir suas embaixadas para Jerusalém, estão se submetendo à lei da Sharia e ao supremacismo Islâmico. O questão em jogo é a mesma do desendho de Mohammed/Maomé. Não se trata de um “pedaço de terra”. Trata-se de supremacia Islâmica.

A recusa à transferência da embaixada não impede a violência. O terrorismo Islâmico continua reivindicando vidas em Jerusalém. E a violência Islâmica tem sido uma constante antes de Israel libertar Jerusalém ou antes mesmo de existir uma Israel livre. A Liga Árabe, os Jordanianos, os Sauditas e o resto da gangue não estão prometendo o fim da violência. Em vez disso, alertam que, se não obedecermos, a situação irá piorar.

Isso não é diplomacia. É uma crise de reféns.

O Presidente Trump tomou a decisão correta ao se recusar a deixar nossa política externa como refém. Não ganhamos cedendo às ameaças terroristas. 

Ganhamos resistindo a elas. Ou então teremos que viver nossas vidas como reféns do terror Islâmico.

Jerusalém é uma metáfora. Todo país livre tem sua própria Jerusalém. Na América, é a Primeira Emenda. Nossa Jerusalém não é apenas um pedaço de terra, é um valor. E a Jihad Islâmica procura nos intimidar para nos fazer desistir até, como afirma o Hadith, abandonarmos nossa religião pelo Islã.

Transferir a embaixada para Jerusalém fará muito mais pela América do que por Israel.

Os Israelenses já sabem onde está a sua capital. Precisamos lembrar onde deixamos nossa liberdade. Os terroristas Islâmicos ganham quando nos aterrorizam, impondo mais medo, para não fazermos o que é certo.

O Presidente Trump enviou uma mensagem aos terroristas de que a América não será aterrorizada.

As administrações anteriores permitiram que os terroristas decidissem onde colocamos nossa embaixada. Mas Trump deixou claro que não vamos deixar os terroristas Islâmicos decidirem onde colocamos nossas embaixadas, que caricaturas desenharemos ou como vivemos nossas vidas.

Esse é o significado da verdadeira liberdade.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Anúncios

JUIZ PEDE PRISÃO DE CRISTINA KIRCHNER

Fonte/Source: New moderate Iran’s foreign policy top dog “approved” 1994 jihad bombing of Jewish center in Argentina


Por Tião Cazeiro

Em 2 de Junho de 2014 traduzi e publiquei este artigo do Robert Spencer, diretor da Jihad Watch, sobre o ataque terrorista à Amia (Associação Mutual Israelita Argentina), um artigo muito informativo, veja:  MINISTRO IRANIANO APROVOU ATAQUE MONSTRUOSO A UM CENTRO JUDAICO NA ARGENTINA EM 1994.

Hoje, o  Deputado Jair Bolsonaro enviou o tuiter abaixo com uma mensagem muito importante e bem-vinda.

Aproveito a oportunidade para mostrar a reação da bancada do PT na Cãmara a seguir…


A Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara dos Deputados manifesta preocupação com as graves ameaças ao Estado de Direito na Argentina. Causa-nos espanto o modo autoritário com que o presidente Maurício Macri e o seu grupo político lidam com a oposição política, o Ministério Público, a imprensa e os movimentos sociais e sindicais.
Faz parte desse contexto autoritário o ativismo judicial de alguns magistrados que, a exemplo do que ocorre no Brasil, utilizam sem justificativa consistente o recurso das prisões preventivas e promovem espetáculos midiáticos para interditar a ação política da oposição.
Por conta disso, os deputados e deputadas do PT solidarizam-se com a ex-presidente e agora senadora Cristina Fernández de Kirchner, claramente perseguida pelo juiz Claudio Bonadio, que nesta quinta-feira solicitou o impedimento de suas funções legislativas e a sua prisão preventiva.
O que se vê em curso na Argentina é a mesma estratégia usada pela direita em outros países da América Latina: se valem do lawfare e dos canhões midiáticos para assassinar reputações e alijar da disputa presidencial de 2019 os principais nomes da oposição e das forças de esquerda e progressistas em geral.
Essa estratégia provoca a corrosão do Estado de Direito e a violação dos princípios fundamentais da democracia e da soberania nacional, uma vez que é notória a submissão da direita neoliberal no continente aos interesses externos das grandes potências.
Brasília, 7 de dezembro de 2017

Carlos Zarattini (PT-SP), líder do partido na Câmara  dos Deputados


Eis aqui na íntegra, o artigo do Robert Spencer que traduzi para este blog…


Ministro Iraniano Aprovou Ataque Monstruoso A Um Centro Judaico Na Argentina Em 1994.

Por Robert Spencer

2 de Jundo de 2017

Ali Akbar Velayati
Ali Akbar Velayati

Novo Ministro “Moderado” e “Top Dog” da Política Externa do Irã aprovou o ataque Jihadista a um centro Judaico na Argentina em 1994. 

Como devem rir de Obama e Kerry em Teerã. “Novo Chefe da Política Externa Iraniana” Aprovou o “ataque à bomba de 1994”, de Adam Kredo para o Washington Free Beacon, 3 de Janeiro:

Um político Iraniano conhecido por sua atuação no planejamento e aprovação do atentado terrorista em 1994 a um centro Judaico na Argentina foi oficialmente nomeado para dirigir a política externa do Irã, um posto anteriormente ocupado pelo atual presidente Hassan Rouhani.

Ali Akbar Velayati, um membro de longa data do regime e que serve como conselheiro sênior de política externa do líder supremo Iraniano aiatolá Ali Khamenei foi recentemente escolhido para dirigir o “Centro de Pesquisa Estratégica (CSR) do Irã”, um “think tank” intimamente ligado ao “Conselho de Conveniência (Expediency)” do Irã , um órgão governamental poderoso que se reporta diretamente ao aiatolá Khamenei.

article-0-05679496000005DC-990_634x486

Autoridades Argentinas acusaram Velayati de planejar e aprovar o ataque terrorista à Amia (Associação Mutual Israelita Argentina)ataque este orquestrado pelo Irã, que matou 85 pessoas e continua a ser o mais mortífero ataque terrorista na Argentina.

A ascensão de Velayati ao escalão superior do Irã, controlando a máquina da política externa levou alguns observadores a criticar Rouhani por elevar radicais extremistas, apesar das promessas de agir como um “reformador moderado”.

O envolvimento de Velayati com o atentado à AMIA foi revelado através das investigações realizadas pelo Procurador-Geral Argentino Alberto Nisman em 2006, que foi proibido pelo seu governo de discutir suas descobertas com o Congresso dos EUA.

Velayati foi membro do comitê secreto Iraniano que se reuniu em 1993 para projetar o ataque ao centro Judaico AMIA em Buenos Aires, de acordo com Nisman, acusação que contou com o depoimento de um ex-oficial da inteligência Iraniana.

“No que diz respeito à comissão” e seu papel na decisão de realizar o ataque à AMIA, [o oficial de inteligência] afirmou que essa decisão foi tomada sob a direção de Ali Khamenei, e que os outros membros do comitê foram [o então presidente  Iraniano Ali Akbar Hashemi ], Rafsanjani, Mir Hejazi , Rouhani, Velayati e Fallahijan”, disse a acusação.

Um juiz Argentino emitiu um mandado de captura internacional contra Velayati em 2006 por seu papel no planejamento do ataque terrorista…


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis


ISIS Promete Jihad Massacre na Copa Do Mundo

Fonte/Source: Islamic State promises jihad massacre at World Cup


ISIS Promete Jihad Massacre na Copa Do Mundo

POR ROBERT SPENCER

4 de Dezembro de 2017

Mesmo que não a retirem, a ameaça serve para “aterrorizar os inimigos de Alá” (Alcorão 8:60).


Inglaterra jogará em estádio ameaçado — com slogan ‘nos aguardem’ — pelo Estado Islâmico (ISIS) nas finais da Copa do Mundo”, de Andrew Gilpin e Dave Burke, Mirror, 1 de Dezembro de 2017 (agradecimentos ao The Religion of Peace):

A Inglaterra se prepara para jogar uma de suas partidas da Copa do Mundo num estádio Russo que aparece numa arrepiante campanha de propaganda do ISIS.

Os malditos jihadistas divulgaram no início deste ano uma imagem com um terrorista empunhando uma submetralhadora e uma bomba, com a Arena Volgograd do sul da Rússia em segundo plano.

E uma mensagem com as seguintes palavras “nos aguardem” embaixo de uma figura sinistra.

O estádio receberá Gareth Southgate quando enfrentarem a Tunísia no dia 18 de Junho, revelou o sorteio da Copa do Mundo de hoje.

Embora o Volgograd não seja uma área que o Ministério do Interior aconselha aos fãs de futebol para não visitarem, alertou aos adeptos para antes de viajarem ao torneio, observarem as recomendações das agências de viagem.

A imagem, compartilhada em todos os canais pro-ISIS, no aplicativo de mensagens criptografadas Telegram, apresentou um trecho de um verso Alcorânico, manipulado pelos seguidores do ISIS, pedindo aos companheiros jihadistas para aproveitarem todas as oportunidades para atacar mortalmente os EUA e a Rússia.

Grupos ligados ao ISIS inundaram as redes sociais com a imagem, e com fotografias horrorosas manipuladas  com a estrela da Argentina Lionel Messi e o Brasileiro Neymar.

Messi, a estrela do Barcelona, aparece decapitado e Neymar é retratado de joelhos, chorando, com o terrorista em pé ao lado deles com uma faca na mão.

A imagem foi feita e distribuída pela pro-ISIS Wafa Media Foundation….


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Cruz Vermelha Exige Remoção De Crucifixos…

Fonte/Source:Red Cross Demands Branches Remove Crucifixes to Be More Secular


Por Tião Cazeiro

A Cruz Vermelha, — assim como a Solidaris, um fundo de seguro saúde socialista da Valônia, Bélgica, que retirou a cruz da mitra de São Nicolau, — e muitas outras organizações na Europa, estão facilitando o trabalho dos supremacistas Islâmicos.
Muçulmanos odeiam a cruz, de acordo com o Alcorão, que nega a morte de Jesus na cruz (4: 157), e no momento em que tomarem o poder na Bélgica, os dhimmis  já terão removido preventivamente todas as cruzes por precaução, para não irritá-los.

Alcorão 4:157
"E por dizerem: 
Matamos o Messias, 
Jesus, filho de Maria, o Mensageiro de Deus, 
embora não sendo, na realidade, 
certo que o mataram, nem o crucificaram, 
senão que isso lhes foi simulado. 
E aqueles que discordam, quanto a isso, 
estão na dúvida, 
porque não possuem conhecimento algum, 
abstraindo-se tão-somente em conjecturas; 
porém, o fato é que não o mataram."

 Cruz Vermelha Exige Remoção De Crucifixos Para Ser Mais Secular

Por Chris Tomlinson

4 Dezembro de 2017 

Voluntários criticaram a beneficente Cruz Vermelha depois de receberem um comunicado pedindo para removerem os crucifixos das paredes das filiais, porque a organização quer se tornar mais secular.

As filias da organização de ajuda internacional da Bélgica receberam um e-mail do Comitê Provincial da Cruz Vermelha em Liège para remover todos os crucifixos. André Rouffart, presidente da Cruz Vermelha em Verviers, disse: “Nos pediram para respeitar os princípios da Cruz Vermelha”, e não distinguir entre raça ou crença religiosa, como reporta 7sur7.

Rouffart disse que voluntários e outros membros reclamaram sobre a decisão, mas minimizou o problema, dizendo: “Acho que é uma tempestade numa xícara de chá”.

Vários voluntários conversaram com a emissora Belga RTL e expressaram hostilidade ao movimento, com um deles dizendo: “Deixe as coisas permanecerem como estão. Costumamos dizer “Feriados de Natal”, agora são “Feriados de inverno”. O mercado de Natal em Bruxelas tornou-se “Prazer de Inverno”.

“Para uma certa parte da população — por causa dos Muçulmanos — as cruzes foram removidas das casas da Cruz Vermelha e, mais particularmente, na de Verviers,” acrescentou o voluntário.

Tradução do Twitter acima: “A Cruz Vermelha que sempre foi tão respeitada está agora reforçando a tirania do Politamente Correto.”

A ordem segue uma sugestão de remoção de uma cruz na França que estava localizada acima de uma estátua de São João Paulo II em Ploërmel, Bretanha. O movimento provocou indignação entre muitos o que levou o governo Polonês e Húngaro a se oferecerem para ficar com a cruz.

“Tais medidas devem ser consideradas como tentativas de acabar com a civilização e a cultura do continente”, comentou o ministro das Relações Exteriores da Hungria, Péter Szijjártó.

Tradução do Twitter acima: Depois que a França ordenou a remoção da cruzes, a Hungria perguntou: “Será que qualquer um tem o direito de liberdade de expressão exceto os Cristãos?”

Na Irlanda, o sacerdote Católico Padre Desmond O’Donnell pediu aos Cristãos para abandonar completamente a palavra “Natal”, dizendo que a comercialização do feriado substituiu o significado Cristão original.

Enquanto as velhas tradições de Natal estão sendo substituídas, outros emergem — incluindo barreiras antiterrorismo envoltas em papel de embrulho de Natal e arcos vermelhos brilhantes na cidade de Bochum, na Alemanha, para evitar ataques terroristas Islâmicos radicais como o massacre na Feira de Natal de Berlim em Dezembro de 2016.


Tradução; Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

ISIS AMEAÇA MASSACRAR NOVA IORQUE

Fonte/Source: Islamic State Santa poster threatens Christmas jihad massacre in Times Square


ISIS AMEAÇA MASSACRAR NOVA IORQUE NA NOITE DE NATAL

Por Robert Spencer

27 de Novembro  de 2017

Alá diz que irá atacar os incrédulos 
(Alcorão 3:151)
 e pede aos Muçulmanos para fazerem o mesmo 
(Alcorão 8:60). 
O Estado Islâmico está obedecendo este apelo.

“Poster Propaganda Do Estado Islâmico (Isis) Promete Massacre Na Noite De Natal Da Time Square Em Nova Iorque “, por Bridget Johnson, PJ Media, 27 de novembro de 2017:

“Um militante do ISIS lançou nas redes sociais do grupo um assombroso poster do Papai Noel olhando em direção a Times Square com uma caixa de dinamite ao seu lado.

A imagem mostra Papai Noel segurando um saco vermelho volumo diante da Time Square em noite repleta de pedestres.

“Nos encontraremos em Nova Iorque durante a festa de Natal… em breve”, diz o texto na imagem.

Este posters segue uma série de outros posters de propaganda fazendo ameaças durante o período de férias na Europa, com uma mão segurando uma faca sangrenta diante de um mercado no bairro da Torre Eiffel e um jihadista vestido com uma balaclava preta em pé diante do Papai Noel da Regent Street em Londres.

A Wafa’ Media Foundation, apoiada pelo ISIS, lançou inúmeras ameaças contra o feriado e contra o Vaticano. Em uma mensagem aos outros jihadistas na semana passada, o grupo observou que “a festa dos cruzados está próxima.”

Em outro caso, a Wafa’ circulou um cartaz que descrevia um veículo que se movia em direção ao Vaticano com um arsenal de armas, prometendo um ‘Natal Sangrento.’


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

A ONDA E O PEIXE

Fonte/Source: 235 massacred in mosque terror attack in North Sinai


A ONDA E O PEIXE

Por Tião Cazeiro

24 de Novembro de 2017

(Photo: MCT)

O ataque brutal à mesquita de Al Rawdah em Bir al-Abed no Sinai do Norte nesta sexta-feira, 24 de novembro, contabilizou 235 mortos, 109 feridos, em sua maioria civis.

Relatos Egípcios dizem que os terroristas detonaram uma carga explosiva na mesquita, antes de abrir fogo contra os fiéis religiosos; o ataque aparentemente visava prejudicar os membros das forças de segurança que estavam na mesquita. Um outro comentário relata que o ataque foi direcionado à tribo beduína Sawarka pelo apoio às forças armadas Egípcias contra o terrorismo.

O canal de notícias Arabiya e algumas fontes locais disseram que algumas vítimas eram Sufis, os quais o Estado Islâmico considera como apóstatas porque reverenciam santos e santuários, o que para os Islâmicos equivale a idolatria.

O Presidente Abdel Fattah al-Sisi, ex-comandante das forças armadas que se apresenta como um baluarte contra militantes Islâmicos na região, convocou uma reunião de segurança de emergência logo após o ataque, disse a televisão estatal.

Entretanto, na onda terrorista de hoje foi possível ver um peixe, chamado Jeremy Corbyn, um político Britânico, atual líder do Partido Trabalhista e líder da oposição na Câmara dos Comuns.

Este tuíte da Soraya Bahgat mencionando o atentado de hoje e o político Jeremy Corbyn, compartilhado por Tommy Robinson,  oportunamente traz à tona mais uma vez o passado sinistro desse político hard-left. No tuíte, “Corbyn diz que os planos de David Cameron (ex-ministro Inglês) para convidar o Presidente do Egito al Sisi a Londres é uma ameaça à segurança nacional.”

Tommy Robinson acrescenta que Jeremy Corbyn odeia o Presidente al Sisi por ter removido o regime terrorista da Irmandade Muçulmana, e diz que “a valente tribo beduína Sawarka do Egito está combatendo os jihadistas ao lado do presidente secular al Sisi.

Existe uma lista que mostra Jeremy Corbyn, ao longo do tempo, acompanhado por mais de 100 terroristas.

O passado de Corbyn revela muito mais, como mostra este artigo:  Jeremy Corbyn amigo dos Hamas, Irã e extremistas

Este outro artigo publicado em 2015, menciona Jeremy Corbyn ajudando Sayyed Hassan al-Sadr a comemorar a “revolução abrangente”, o 35º aniversário da posse dos aiatolás no Irã. Em sua palestra, intitulada “The Case for Iran“, pediu o desmantelamento imediato das sanções ao país que até então (e continua até hoje) não tinha prometido restringir seu programa nuclear, atacou sua exploração colonial pelos negócios Britânicos e pediu o fim de sua “demonização” pelo Ocidente.

Esse é o Partido Trabalhista Inglês, trabalhando para destruir o Reino Unido da mesma forma que o PT e seus satélites no Brasil. Um partido que abriu as portas para tudo aquilo que é nocivo e nefasto.


 

É HORA DE OUVIR ROBERT SPENCER

Fonte/Source: Video: Stanford dean Nanci Howe congratulates student fascists as they disrupt Robert Spencer event

Stanford and Other Universities of Gleichschaltung

Stanford Ph.D. candidate says disruption of Robert Spencer event does “not befit an institution of learning”


É HORA DE OUVIR O ROBERT SPENCER

Por Tião Cazeiro

21 de Novembro de 2017


“Hoje em dia na América, as universidades geralmente são lugares para discussão e debate aberto e livre, com uma única exceção: se a pessoa se opor ativamente ao antissemitismo (seja em Mein Kampf ou no Alcorão) e lutar pela liberdade de expressão. Numerosos indivíduos que mantêm esses pontos de vista — posições básicas do Iluminismo — tornaram-se parias em muitos campus universitários. Essas universidades, pelas ações de seus administradores, professores e estudantes, tornaram-se bastiões da Gleichschaltung.

Gleichschaltung, traduzida como Nazificação, foi posta em prática na Universidade de Freiburg, Universidade de Frankfurt, Universidade de Göttingen e em outras universidades da Alemanha nos anos de 1930, enquanto marginalizavam, frequentemente brutalizavam, e em seguida eliminaram Judeus e antifascistas que se opunham ao antissemitismo e acreditavam na liberdade de expressão.

Stanford emerge como a mais recente universidade Americana a demonstrar seu compromisso com a Gleichschaltung” — Richard Sherman

A palestra tão esperada de Robert Spencer na Stanford University, gerou muita confusão e uma reação inusitada por parte dos alunos, que de forma orquestrada abandonaram o salão. Alguns ainda chamaram o Robert Spencer de fascista, e pior, incentivados por alguns diretores associados à Reitoria de Assuntos Estudantis.

Primeiro, certificaram-se de que o salão estava repleto de estudantes que não tinham interesse em participar da palestra, mas estavam lá apenas para sabotar, negando assentos às pessoas  realmente interessadas no evento. Eles até mesmo deixaram de fora alguns membros Republicanos da faculdade, exatamente o grupo que patrocinava o evento.

Assista a estes vídeos de curtíssima duração, mesmo que você não domine a língua Inglesa, e perceba logo no primeiro vídeo a movimentação de uma diretora (dando tapinha nas costas) incentivando os alunos a deixarem o local.

O segundo vídeo, mostra Robert Spencer, — que já esperava alguma reação devido aos protestos que antecederam o evento, — assistindo a debandada geral e corretamente lembrando aos alunos o verdadeiro significado da palavra fascismo.

“Não havia nada a ganhar, mas tudo a perder, saindo propositadamente da palestra como um grupo organizado…. Inclusive negando acesso à palestra e exibindo o símbolo da  Antifa em edifícios acadêmicos.” — Qi Yang, Ph.D.

Entretanto, Ibn Warraq, um ex-Muçulmano, autor de vários livros importantes como, Por Que Não Sou Muçulmano, As Origens Do Alcorão, A Busca Pelo Muhammad Histórico e a Defesa Do Ocidente entre outros, disse o seguinte:

“Robert Spencer vem alertando e denunciando o terrorismo Islâmico desde 2003. Todos os dias ele observa atentamente todas as barbaridades do terrorismo Islâmico. Em vários momentos de tristeza, quando não o levaram a sério o suficiente, Spencer foi forçado a nos lembrar: “Eu te avisei.” É hora de ouvir o Robert Spencer.”

PJ Media: “Um líder nesta guerra há mais de uma década, documentando não apenas o que está acontecendo, mas explicando o porquê.”

Venho traduzindo os artigos do Robert Spencer, Raymond Ibrahim, Pamela Geller, Dr. Bill Warner entre outros desde 2013.  Este blog não existiria se não fossem os artigos dessas pessoas tão especiais.

Robert Spencer e Raymond Ibrahim são versados em Árabe e conhecem profundamente o Islã e a História. Ouvir o que eles têm a dizer é de extrema importância pois estamos em plena era do absurdo.


 

As Últimas Palavras De Um Terrorista

Fonte/Source: Last words of a terrorist
Via Jamie Glazov – Twitter: @JamieGlazov  — Editor do Frontpagemag.com — David Horowitz Centre — e apresentador do Web TV Show, The Glazov Gang.


Este documento foi divulgado pelo F.B.I. e traduzido para o The New York Times pela Capital Communications Group, uma empresa de consultoria internacional com sede em Washington, e por Imad Musa, tradutor contratado.

Um dos poucos — e certamente o mais impressionante e perturbador — vislumbres nas mentes e motivos dos homens que perpetraram o massacre de 11 de Setembro em Nova Iorque é um documento de quatro páginas, escrito em Árabe, encontrado na bagagem do líder suspeito por trás da carnificina, Mohamed Atta.


As Últimas Palavras De Um Terrorista


Publicado originalmente em 30 de Setembro de 2001

A ÚLTIMA NOITE

1) Faça o juramento de morte e renove as suas intenções.
Raspe o excesso de cabelo do corpo e use colônia. Chuveiro.

2) Certifique-se de conhecer bem todos os aspectos do plano e espere a resposta, ou uma reação, do inimigo.

3) Leia al-Tawba e Anfal [capítulos de guerra tradicional do Alcorão] e reflita sobre seus significados e lembre-se de todas as coisas que Alá prometeu aos mártires.

4) Lembre a sua alma para ouvir e obedecer [todas as ordens divinas] e lembre-se de que você enfrentará situações decisivas que podem impedir você de obedecer 100 por cento, dome a sua alma, purifique-a, convença-a, faça ela entender e incite. Alá disse: “Obedeça a Alá e ao Seu Mensageiro, e não lute entre vocês mesmos ou então você falhará. Seja paciente, pois Alá está com o paciente.

5) Reze durante a noite e seja persistente ao pedir a Alá que lhe dê vitória, controle e conquista, e que ele possa facilitar sua tarefa e não nos expor.

6) Lembre-se de Alá com frequência, e a melhor maneira de fazer isso é lendo o Alcorão Sagrado, de acordo com todos os estudiosos, até onde eu sei. É suficiente para nós que [o Alcorão] seja a palavra do Criador da Terra e das plantas, Aquele que você encontrará [no Dia do Juízo].

7) Purifique sua alma de todas as coisas impuras. Esqueça completamente de algo chamado de ‘este mundo’ [ou ‘esta vida’]. O tempo para diversão acabou e o tempo sério está sobre nós. Quanto tempo se perde em nossas vidas? Não devemos aproveitar essas últimas horas para oferecer boas ações e obediência?

8) Você deve sentir uma tranquilidade completa, porque o tempo entre você e seu casamento [no céu] é muito curto. Depois, começa a vida feliz, onde Alá está satisfeito com você, e a felicidade eterna “na companhia dos profetas, dos companheiros, dos mártires e das pessoas boas, que são boas companhias”. Peça a Alá a sua misericórdia e seja otimista, porque [o Profeta], a paz esteja com ele, costumava preferir o otimismo em todos os seus assuntos.

9) Tenha em mente que, se você entrar em dificuldades, como você irá agir e como você permanecerá firme e lembre-se de que você retornará a Alá e lembre-se de que tudo o que acontece com você nunca pode ser evitado e o que não aconteceu você nunca poderia ter acontecido com você. Esse teste do Alá Todo-Poderoso elevará o seu nível [níveis de céu] e apagará seus pecados. Tenha certeza de que é uma questão de momentos, que passarão, se Alá quiser, tão abençoados são aqueles que ganham a grande recompensa de Alá. O Alá Todo-Poderoso disse: “Você pensou que poderia ir para o céu antes de Alá saber quem entre vocês lutou por ele e é paciente?”

10) Lembre-se das palavras do Alá Todo-Poderoso: “Você estava olhando para a batalha antes de se envolver nela, e agora você a enxerga com seus próprios dois olhos”. Lembre-se: “Quantos grupos pequenos atingiram grandes grupos pela vontade de Alá”. As palavras Dele: ´Se Alá te der a vitória, ninguém poderá vencer. Então, os fiéis confiam em Alá.’

11) Lembre-se das súplicas e dos seus irmãos e pondere seus significados. (As súplicas da manhã e da tarde, e as súplicas de [entrando] uma cidade, e as súplicas [imprecisas], e as súplicas ditas antes de conhecer o inimigo.

12) Abençoe o seu corpo com alguns versos do Alcorão [lendo os versos em suas próprias mãos e depois esfregando as mãos sobre o que quer que seja abençoado], a bagagem, a roupa, a faca, seus efeitos pessoais, sua identificação, passaporte, e todos os seus documentos.

13) Verifica a sua arma antes de sair e muito antes de sair. (Você deve afiar sua faca e não gerar desconforto ao seu animal durante o abate).

14) Aperte as suas roupas [uma referência para certificar-se de que suas roupas cobrirão suas partes privadas em todos os momentos], pois esse é o caminho das gerações piedosas segundo o Profeta. Eles apertavam suas roupas antes da batalha. Aperte bem os sapatos, use meias para que seus pés estejam solidamente em seus sapatos. Todas essas são coisas mundanas [que os humanos podem fazer para controlar seu destino, embora Alá decrete o que funcionará e o que não] e o resto é deixado para Alá, ninguém melhor para depender.

15) Reza a oração da manhã em um grupo e pondera as grandes recompensas dessa oração. Faça súplicas após, e não saia de seu apartamento, a menos que você tenha feito uma ablução antes de sair, porque os anjos estarão pedindo o seu perdão enquanto você estiver em estado de ablução e estarão orando por você. Esta frase do Profeta foi mencionada por An-Nawawi em seu livro ‘O melhor das Súplicas’. Leia as palavras de Alá: “Você pensou que nós o criamos sem motivo…”, capítulo Al-Mu’minun.

O SEGUNDO PASSO

Quando o táxi levar você ao (M) [esta inicial poderia representar o aeroporto de matar (sic), em Árabe], lembre-se de Alá constantemente enquanto estiver no carro. (Lembre-se da súplica para entrar num carro, para entrar numa cidade, a súplica de lugar e outras súplicas).

Quando você chegar ao (M) e descer do táxi, diga uma súplica de lugar [‘Oh Senhor, eu peço o melhor deste lugar, e peço que você me proteja de seus males’], e em todos os lugares que você for, diga a oração e sorria e fique calmo, pois Alá está com os crentes. Os anjos o protegem sem que você sinta nada. Diga esta súplica: “Alá é mais querido do que toda a Sua criação”. Diga: ‘Oh Senhor, proteja-me deles como desejar.’ Diga: ‘Oh Senhor, tire sua ira do [inimigo] e pedimos que você nos proteja de seus males’. Diga: ‘Oh Senhor, bloqueia a visão deles, para que não vejam’. Diga: “Alá é tudo o que precisamos, Ele é o melhor para confiar”. Lembre-se das palavras de Alá: ‘Aqueles a quem o povo disse: “As pessoas se juntaram para te pegar, então temê-los”, mas isso só aumentou sua fé e eles disseram: Alá é tudo o que precisamos, Ele é o melhor para confiar. ‘Depois de dizer isso, você encontrará [não está claro] como Alá prometeu isso aos seus servos que dizem esta súplica:

1) Eles voltarão [da batalha] com as bênçãos de Alá
2) Eles não foram prejudicados
3) E Alá estava satisfeito com eles.

Alá diz: “Eles voltaram com as bênçãos de Alá, não foram prejudicados, e Alá ficou satisfeito com eles, e Alá é eterna bênção”.

Todos os seus equipamentos e portões e tecnologia não impedirão, nem prejudicarão, exceto pela vontade de Alá. Os crentes não temem essas coisas. Os únicos que o temem são os aliados de Satanás, que são os irmãos do diabo. Eles se tornaram seus aliados, Alá nos salve, pois o medo é uma ótima forma de adoração, e o único digno disso é Alá. Ele é o único que merece. Ele disse nos versos: “Esse é apenas o Diabo assustando seus aliados”, que estão fascinados com a civilização Ocidental, e beberam o amor [do Ocidente], como eles bebem água [não está claro] e têm medo de seu equipamento fraco” então não temas, somente a Mim, se você é crente”.

O medo é uma ótima adoração. Os aliados de Alá não oferecem tal adoração, exceto o único Alá, que controla tudo. [não está claro] com total certeza de que Alá enfraquecerá os esquemas dos infiéis. Alá disse: “Alá enfraquecerá os esquemas dos infiéis”.

Você deve se lembrar dos seus irmãos com todo o respeito. Ninguém deve notar que você está fazendo a súplica: “Não há Deus senão Alá”, porque se você diz 1000 vezes, ninguém será capaz de dizer se você está quieto ou se lembrando de Alá. Entre os seus milagres está o que o Profeta, a paz esteja com ele, disse: “Quem diz: “Não há Deus senão Alá”, com todo o seu coração, vai pro céu”. O profeta, a paz esteja com ele, disse: “Se você colocar todos os mundos e universos num lado da balança, e “Não há Deus senão Alá” no outro, “Não há Deus além de Alá” pesará mais fortemente. Você pode repetir essas palavras com confiança, e esse é apenas um dos pontos fortes dessas palavras. Quem pensa profundamente sobre essas palavras descobrirá que elas não têm pontos [na literatura Árabe] e isso é apenas uma de suas grandezas, pois as palavras que têm pontos carregam menos peso do que as que não têm.

Basta que essas sejam as palavras do monoteísmo, as quais o fará firme na batalha, como o profeta, a paz esteja com ele e com os seus companheiros e com aqueles que vieram antes dele, se Alá quiser, até o Dia do Juízo.

Não pareça confuso ou mostre sinais de tensão nervosa. Seja feliz, otimista, calmo, porque você está indo para uma ação que Alá ama e vai aceitar. Este será o dia, se Alá quiser, em que você passará o tempo com as mulheres do paraíso.

[poesia] Sorria diante da dificuldade jovem/porque você está indo ao paraíso eterno

Lembre-se de fazer súplicas aonde quer que você vá, e quando você fizer alguma coisa, e Alá está com seus servos fiéis, Ele os protegerá e facilitará suas tarefas, e lhe dará sucesso, controle, vitória e tudo…

A TERCEIRA FASE

Quando você subir no (T) [provavelmente tayyara, avião em Árabe], antes que o seu pé adentre pela porta, e mesmo antes de entrar, faça uma oração e súplicas. Lembre-se que esta é uma batalha pelo bem de Alá. Como o profeta, a paz esteja com ele, disse: “Uma ação por Alá é melhor do que tudo que existe neste mundo”. Quando você entrar no (T) e sentar-se em seu assento, comece com as súplicas conhecidas que mencionamos anteriormente. Esteja ocupado com a constante lembrança de Alá. Alá disse: “Ó fiel, quando achar o inimigo fique firme e lembre-se de Alá constantemente, para que seja bem-sucedido”. Quando o (T) se mover, mesmo um pouco, em direção a (Q) [referência desconhecida], diga a súplica de viagem. Porque você está viajando para o Alá Todo-Poderoso, então esteja atento nessa viagem.

Então, [não está claro], ele decola. Este é o momento em que ambos os grupos se juntam. Então lembre-se de Alá, como Ele disse em Seu livro: ‘Oh Senhor, derrame sua paciência sobre nós e firme os nossos pés e nos dê a vitória sobre os infiéis’. As palavras Dele: “A única coisa que eles dizem Senhor, perdoe nossos pecados e excessos e torne nossos pés firmes e nos dê a vitória sobre os infiéis”. O seu profeta disse: ‘Oh Senhor, você revelou o livro, você move as nuvens, você nos deu vitória sobre o inimigo, conquiste-os e dê-nos a vitória sobre eles’ ‘. Dê-nos a vitória e agite o chão debaixo de seus pés. Reze por si mesmo e por todos os seus irmãos para que eles possam ser vitoriosos e atingir seus alvos e pedir a Alá que lhe conceda o martírio diante do inimigo, não fugir dele e que Ele lhe conceda paciência e a sensação de que qualquer coisa que lhe aconteça é por ele.

Então, cada um de vocês deve se preparar para desempenhar seu papel de maneira que satisfaça Alá. Você deve apertar os dentes, como fizeram as piedosas gerações iniciais.

Quando o confronto começar, ataque como campeões que não querem voltar a este mundo. Grite, ‘Allahu Akbar’, porque isso gera terror nos corações dos infiéis. Alá disse: “Ataque acima do pescoço, e ataque todas as extremidades”. Saiba que os jardins do paraíso estão esperando por você com toda o seu esplendor, e as mulheres do paraíso estão esperando, exclamando: “Venha aqui, amigo de Alá”. Elas vestiram suas roupas mais lindas. [Ênfase adicionada].

Se Alá decretar que qualquer um de vocês deva matar, dedique o massacre a seus pais e [não está claro], porque você tem obrigações para com eles. Não discorde e obedeça. Se você matar, não crie desconforto àqueles que você está matando, porque esta é uma das práticas do profeta, a paz esteja com ele. Sobre uma condição: que você não se distraiam com [não está claro] e nem negligenciem o que é maior, prestando atenção ao inimigo. Isso seria traição, e causaria mais dano do que bem. Se isso acontecer, a ação em questão é mais importante do que fazer isso, porque a escritura é uma obrigação e [a outra coisa] é opcional. Uma obrigação tem prioridade sobre uma opção.

Não procure vingança por si mesmo. Ataque pela causa de Alá. Uma vez, Ali Bin Abi Talib [companheiro e parente próximo do profeta Muhammad] lutou com um infiel. O infiel cuspiu em Ali, que Alá o abençoe. Ali [não está claro] sua espada, mas não o atacou. Quando a batalha terminou, os companheiros do profeta perguntaram por que ele não tinha ferido o infiel. Ele disse: “Depois que ele cuspiu em mim, tive receio que eu fosse atacá-lo por vingança, então levantei minha espada”. Depois, com as intenções renovadas, voltou e matou o homem. Isso significa que, antes de fazer qualquer coisa, certifique-se de que a sua alma está preparada para fazer tudo somente por Alá.

Em seguida, implemente o caminho do profeta tornando-os prisioneiros. Torne-os prisioneiros e mate-os. Como Alá Todo-Poderoso disse: “Nenhum profeta deveria ter prisioneiros até que tenha encharcado a terra com sangue. Você quer as recompensas deste mundo [em troca de prisioneiros] e Alá quer o outro mundo [para você], e Alá é todo-poderoso, sapientíssimo”.

Se tudo ocorrer bem, cada um de vocês deverá afagar o ombro do outro por confiança que (M) e (T) número (K). (sic) Lembre a seus irmãos que essa ação é por Alá o Todo-Poderoso. Não confunda seus irmãos nem os distraia. Deve dar-lhes boas novas e acalmá-los, e lembrá-los [de Alá] e encorajá-los. Quão lindo é ler as palavras de Alá, como: ‘Aqueles que preferem a vida após a morte, neste mundo devem lutar pela causa de Alá”.

Suas palavras: “Não suponha que aqueles que foram mortos pela causa de Alá estão mortos; eles estão vivos… ‘ E outras. Ou deveriam cantar músicas para reforçar o moral, como as piedosas primeiras gerações fizeram na agonia da batalha, para trazer calma, tranquilidade e alegria aos corações de seus irmãos.

Não se esqueça de fazer uma caridade, mesmo que seja um copo de água para saciar a sua sede ou a de seus irmãos, se possível. Quando a hora da realidade se aproximar, a hora zero, [não está clara] e de todo o coração dê boas-vindas à morte pela causa de Alá. Sempre esteja se lembrando de Alá. Ou termine sua vida enquanto reza, segundos antes do alvo, ou faça suas últimas palavras: “Não há Deus senão Alá, Muhammad é o Seu Mensageiro”.

Depois, todos nos encontraremos no mais alto dos céus, se Alá permitir.

Se você vê o inimigo como forte, lembre-se dos grupos [que formaram uma coalizão para lutar contra o profeta Muhammad]. Eles eram muitos, 10.000. Lembre-se de como Alá deu a vitória aos seus fiéis servos. Ele disse: “Quando os fiéis avistaram os grupos, disseram: isso é o que Alá e o profeta prometeram, disseram a verdade. Isso só aumentou a fé.

E que a paz de Alá esteja sobre o profeta.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

GEERT WILDERS: O ISLÃ É CULPADO POR MANCHESTER

Fonte/Source: Geert Wilders: Islam Is To Blame for Manchester | Gates of Vienna


GEERT WILDERS: O ISLÃ É CULPADO POR MANCHESTER
Por Geert Wilders

24 de maio de 2017

Estou escrevendo este artigo hoje depois que nós, membros do Parlamento Holandês, com a presença do Embaixador Britânico, prestamos homenagem às vítimas de Manchester com um breve discurso do nosso Primeiro-Ministro e um minuto de silêncio.

Dois meses atrás, fizemos o mesmo para as vítimas em Estocolmo. Em Dezembro passado, para aqueles em Berlim. E, anteriormente, para aqueles em Nice, Bruxelas, Paris, Copenhague… A lista se torna interminável, enquanto o número de embaixadores Ocidentais, que não visitaram o nosso Parlamento em uma dessas tristes ocasiões, torna-se cada vez menor.

E, cada vez, ouvimos as mesmas palavras ocas de choque e dor e quão incompreensível é tudo. Mas nunca ouvimos nosso Primeiro-Ministro, nem os líderes de outros países Ocidentais, nos dizerem a verdade: A causa de todo esse derramamento de sangue, toda essa miséria, toda essa dor e tristeza, é o Islã.

Em vez da verdade, temos lágrimas de crocodilo. Nós temos que escutar platitudes, nós temos o ar quente do politicamente correto soprando sobre nós, repetidas vezes. Mas a verdade é que nenhuma árvore má traz bons frutos.

O que estamos testemunhando é pura prática Islâmica. É o Alcorão com sua advertência para “lançar terror no coração dos não-Muçulmanos” (Surah 8:12). É o assim chamado profeta Muhammad (Maomé), que se vangloriou para os seus seguidores: “Eu fui feito vitorioso por meio do terror.” (Bukhari, 4.52.220).

Vítimas do ataque em Manchester, Reino Unido.

O Islã não é uma religião amante da paz, mas uma ideologia totalitária do mal. O Islã quer que todos os não-Muçulmanos se submetam. É totalmente incompatível com a liberdade e a decência humana. Prega o ódio, propaga a violência, e é bárbaro e violento por natureza.

E também abusa da nossa própria independência e liberdade democrática para subverter nossa democracia e  roubar as nossas liberdades. O Islã constrói mesquitas e escolas Islâmicas, muitas vezes com dinheiro Saudita, onde o ódio contra o Ocidente é divulgado. Abusa do nosso sistema jurídico para assediar seus críticos. O Islã se comporta como uma quinta coluna em nosso meio. Não é o aquecimento global que está ameaçando o mundo; é o Islã global.

Ataque após ataque, pessoas inocentes estão sendo assassinadas. Todo mundo é alvo. É absolutamente inaceitável que ainda hajam líderes políticos e meios de comunicação ignorando o problema. Querem que os cidadãos acreditem que o Islã é uma religião que ama a paz e que há apenas alguns extremistas Islâmicos que estão arruinando tudo e atingindo a todos. Mas não se deixe enganar.

Pesquisas de opinião mostram que nada menos que dois terços dos Muçulmanos nos Países Baixos consideram as regras Islâmicas mais importantes do que nossas leis democráticas seculares. Pesquisas da Universidade de Amsterdã mostram que cerca de 11% dos Muçulmanos Holandeses acham aceitável usar violência em nome do Islã. Isso significa mais de 100.000 Muçulmanos na Holanda. Duas vezes o número de soldados no nosso exército Holandês.

É impossível para a ideologia Islâmica assimilar uma sociedade livre. As pessoas podem assimilar; uma ideologia não pode. Não devemos mais importá-la para a nossa sociedade. Não porque odiamos as pessoas, mas porque temos um problema com uma ideologia totalmente incompatível com a liberdade. Aqueles que semeiam o Islã precisam realizar que não irão colher nada além do terrorismo e da barbárie da lei Sharia, com sua opressão contra as mulheres, Cristãos, Judeus, apóstatas e os críticos do Islã.

Vítimas do ataque às Igrejas Cristãs Coptas no Egito.

No mês passado, a Pew Forum revelou algo verdadeiramente chocante. O mundo está se tornando cada vez mais Islâmico. Entre hoje e 2060, o número de Muçulmanos crescerá em 70%. Isto representa mais de duas vezes mais rápido que os Cristãos, três vezes mais rápido que os Hindus e quase cinco vezes mais rápido que os Judeus. Em 2060, o Islã terá quase tantos adeptos quanto o Cristianismo. E portanto, poderá se tornar o maior sistema de crenças na terra.

Em muitos países da Europa Ocidental, as populações estão crescendo apenas por causa dos imigrantes. E muitos destes são Islâmicos. Muhammad já é o nome mais popular entre meninos recém-nascidos nas principais cidades da Grã-Bretanha, França, Holanda, Bélgica entre outros lugares. O Islã utiliza todas as ferramentas em mãos. Pistolas e bombas, facas e carros e aviões. Mas também demografia e imigração.

No ano passado, mais de 180.000 pessoas atravessaram, usando embarcações precárias, da Líbia para a Europa. E este é apenas o começo. As Nações Unidas esperam que a população da África se quadruplique até o final do século. De 1 bilhão hoje para 4 bilhões. Um terço dos Africanos querem deixar seus próprios países. Muitos deles são Islâmicos. E muitos querem se mudar para o norte. Se a Europa Ocidental continuar com suas atuais políticas de portas abertas, a população do continente Europeu corre o risco de ser substituída e suas nações colonizadas e Islamizadas. Não serão mais Europeus, mas uma província da África.

A fim de nos salvar de atrocidades como a que acabou de ser cometida em Manchester, e para estancar o processo de substituição da população na Europa, estas são as três coisas mais importantes que devemos fazer:

  1. Perceber que o Islã é o problema e começar a desislamizar nossas sociedades. Não há mais escolas Islâmicas, nem pregação de ódio. Estamos diante de uma ameaça existencial e devemos tratá-la como tal.

  2. Acabar com toda a imigração dos países Islâmicos. Basta! Aqueles imigrantes que já estão em nossas nações são bem-vindos para ficar, mas somente se aderirem totalmente aos nossos valores, à nossa constituição, e às nossas leis. Se cometerem crimes ou começarem a agir de acordo com a Sharia, devemos expulsá-los imediatamente. Se necessário, os Muçulmanos radicais também devem ser detidos administrativamente.

  3. Livrar-nos do politicamente correto. Não devemos deixar que o Islã abuse das nossas liberdades e dos nossos direitos constitucionais apenas para os abolir. É ingênuo e perigoso conceder direitos a uma ideologia totalitária que, se conseguir, roubará os nossos direitos. Devemos perceber que o Islã declarou guerra contra nós, mas que nunca vamos permitir que ela vença!

O Islã nos odeia e nos mata. E ninguém nos protege. Nossos líderes nos traem.

Vamos começar a agir com bravura, cumprindo o nosso dever, e desislamizar as nossas nações a fim de nos proteger e permanecer como um povo livre.


Geert Wilders MP é membro do Parlamento Holandês e líder do Partido pela Liberdade (PVV) na Holanda


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

EXCLUSIVO: Militantes Do Estado Islâmico Prometem “Sacudir” O Ocidente Após O Massacre Terrorista Em Manchester

Fonte/Source: EXCLUSIVE: Islamic State Supporters Vow to ‘Shake’ the West Following Manchester Terrorist Massacre – Breitbart


EXCLUSIVO: Militantes Do Estado Islâmico Prometem “Sacudir” O Ocidente Após O Massacre Terrorista Em Manchester

Por AARON KLEIN AND ALI WAKED

23 de Maio de 2017

Militant Islamic State fighters wave flags as they take part in a military parade along the streets of Syria’s northern Raqqa province June 30, 2014. REUTERS/Stringer

JERUSALÉM – Simpatizantes e militantes do Estado Islâmico celebraram o massacre terrorista de ontem à noite num concerto lotado em Manchester, Inglaterra, com os jihadistas prometendo continuar o ataque contra o Ocidente.

O Estado Islâmico reivindicou que um “soldado do califado instalou bombas no meio de um encontro dos Cruzados”, aparentemente assumindo a carnificina.

Breitbart Jerusalém obteve acesso à correspondência postada num grupo fechado de bate-papo que utiliza o serviço de mensagens via Telegrama criptografado. O grupo de bate-papo serve como um Twitter interno para tipos como jihadistas e simpatizantes do Estado Islâmico, e tem sido usado no passado para emitir comunicações do ISIS.

Um militante chamado Abu Ayman Alalmani (o Alemão) escreveu: “Graças a Alá que permitiu essa realização dos Mujahedeen. Todos nós somos fiéis em Alá, de modo que os nossos irmãos, os apoiadores e os Mujahedeen, são aqueles que cometeram o ataque entre os infiéis. Juramos a Alá que os países infiéis no Ocidente não terão o luxo da segurança. Esta é uma promessa divina e esta é a promessa dos Mujahedeen, o futuro irá provar a vocês que vocês são os países da heresia. Você vai ver isso e não só ouvi-lo.”

Um membro intitulado “Justiça Muçulmana” escreveu, “Alá é grande, Alá é grande, vamos abalar os regimes infiéis e criminosos. Destruiremos a regra daqueles que abandonam o Islã [uma referência aos líderes Árabes]. Alá é grande, este é um chamado que se elevará no horizonte, e nós ainda derrotaremos a cruz e os países dos infiéis “.

Abu Abdullah Alsury (o Sírio), membro do ISIS, escreveu: “Graças a Alá que causou alegria nos fiéis, perguntamos e pedimos a Alá que este ato abençoado fará parte da batalha dos nossos irmãos, lobos solitários vagando por todas as partes das nações dos infiéis, enquanto buscam esse tipo de ataque abençoado. Isso é parte do trabalho e isso é parte da vingança. Esses países infiéis vão pagar um alto preço.”

Antes do Estado Islâmico reivindicar crédito pelo ataque, outro militante, Alqaqaa Alidlebi de Idlib, escreveu, “nós estamos esperando nossos irmãos no departamento de mídia oficial, para publicar o que deve aquecer nossos corações com uma declaração oficial da responsabilidade, mesmo que não seja um ato organizado.”

“Rogamos a Alá que o guerreiro seja um Muçulmano fiel. Você não tem ideia da enorme felicidade aqui nas fileiras dos Mujahedeen e suas famílias no distrito de Elkheir (a área de Dir Azzur na fronteira entre a Síria e o Iraque). Como estamos felizes de que Alá guiou a mão do guerreiro para enviar as cabeças dos infiéis corruptos que assassinam os Muçulmanos em nossos países, voando.


Aaron Klein é o chefe do escritório da Breitbart em Jerusalém e repórter investigativo sênior. Ele é um autor best-seller do New York Times e hospeda o popular programa de rádio “Aaron Klein Investigative Radio“. Siga-o no Twitter @AaronKleinShow. Siga-o no Facebook.

Ali Waked é o correspondente de assuntos Árabes para a Breitbart Jerusalém.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Breitbart News Daily: Pamela Geller Analisa A Visita Do Presidente Trump Ao Oriente Médio – Geller Report

Fonte/Source: Breitbart News Daily: Pamela Geller Reviews President Trump’s Visit to MidEast – Geller Report


Breitbart News Daily: Pamela Geller Analisa A Visita Do Presidente Trump Ao Oriente Médio – Geller Report

Por Pamela Geller

22 de Maio de 2017

Minha conversa hoje pela manhã com  Alex Marlow na rádio Breibart pode ser ouvida aqui (em Inglês).


Entendo muito bem que o Presidente Trump estava em uma missão diplomática, mas ele não precisava ir tão longe a ponto de dizer: “Toda vez que um terrorista assassina uma pessoa inocente e invoca falsamente o nome de Deus” e “Isso não é uma batalha entre diferentes crenças, diferentes seitas ou diferentes civilizações“. Isso está descaradamente errado


Eis aqui a transcrição feita pela Breitbart:

PAMELA GELLER: TRUMP RECEBE NOTA MÁXIMA PELO DISCURSO EM RIYADH, MAS ERRA AO DIZER QUE TERRORISTAS NÃO ESTÃO INVOCANDO O ALCORÃO

Por John Hayward, Breitbart News, 22 de Maio de 2017

Pamela Geller, Diretora da American Freedom Defense Initiative, comentou a visita do Presidente Donald Trump ao Oriente Médio com o apresentador Alex Marlow da SIRIUSXM no programa da Breitbart News Daily.

“Foi um bom discurso”, disse Geller sobre as declarações do Presidente Trump em Riyadh na Arábia Saudita durante o fim de semana. “O presidente Obama tinha colocado uma marca tão baixa que apenas a menção do terror Islâmico já é motivo de júbilo. Isto mostra o quão ruim a situação está.” [Ênfase feita pela Breitbart em todos os excertos a seguir]

“Foi uma mistura heterogênea. Espero que ele siga em muitas dessas iniciativas. Esses novos centros para combater a ideologia extremista — de novo, o medo de não nomear o motivo, de uma ideologia sem um motivo, é profundamente preocupante”, disse Geller.

“É claro que as declarações do Rei Salman foram tão fortes e reveladoras quanto as do Presidente Trump”, acrescentou. “A ideia de que ele não fala sobre os ensinamentos e textos Islâmicos que incitam a jihad, e não fala sobre a doutrina jihadista. Ele passa o tempo todo nos dizendo, pregando para nós, que o Islã é uma religião de paz e que tem uma história de coexistência. Não sei de que período está falando porque durante 1400 anos, os infiéis, Cristãos e Judeus, foram forçados a viverem em dimmitude sob a negação dos direitos humanos básicos”.

“E, é claro, o Rei Salam cita aquela famosa frase do Alcorão que o CAIR cita, que o Presidente Obama cita, que se você salvar uma vida você salva o mundo inteiro — quando, na verdade, isso é um verso Talmúdico que foi plagiado pela religião Islâmica, e é realmente uma ameaça implícita ao povo Judeu. Nós não temos que entrar em detalhes, mas todo o discurso do Rei Salman foi uma engodo,” acusou Geller. (CAIR é o Conselho sobre Relações Americano-Islâmicas, uma organização política nos Estados Unidos).

Estou muito feliz pelo Presidente Trump ter falado sobre a luta contra o ISIS, porque de acordo com os e-mails vazados de Hillary Clinton, os Sauditas e o Qatar estavam abastecendo o ISIS. Eles não podem continuar jogando em ambos os lados, o que os Sauditas fizeram brilhantemente por décadas“, disse Geller.

Então, quando o Presidente Trump diz: Expulse-os das mesquitas’, isto é complicado, porque como os países que vivem sob o domínio Muçulmano vão expulsar os mais devotos das mesquitas? É aí que eu acho que o Presidente Trump entendeu errado, quando disse que os terroristas invocavam falsamente o nome de Deus. Não, eles não estão. Eles estão citando capítulo e verso do Alcorão. Essa foi uma informação enganosa“, disse Geller.

“Isso é puro Islã. É o Islã autêntico”, ela insistiu. “quero dizer, quando ele diz que os terroristas não adoram Deus; eles adoram a morte — isso não é verdade. Eles estão morrendo pela causa de Alá. Eles não estão gritando ‘Morte akbar’ eles estão gritando ‘Allahu akbar.’ Eles rezam cinco vezes ao dia. Se você olhar os vídeos do ISIS, eles rezam depois de matarem pela causa do Islã”.

“Abu Bakr al-Baghdadi, o Califa do Estado Islâmico, tem um Ph.D. e um mestrado em teologia Islâmica da universidade líder mundial Islâmica “, afirmou. “Os líderes Ocidentais presumem que sabem mais do que ele sobre o Islã?”

Geller continuou dizendo “enfaticamente que a batalha entre o bem e o mal era uma declaração extraordinária, maravilhosa” no discurso de Trump em Riyadh.

“Mesmo que a Casa Branca tenha divulgado o texto chamando isso de” extremismo Islamista”, ele disse “extremismo Islâmico”. Este é um ponto importante porque a palavra “Islamista” é uma palavra ridícula. Não significa nada, exceto que a pessoa que o usa não quer ofender o Islã falando verdades indesejáveis ​​sobre a natureza política dessa religião”, ela argumentou.

Em suma, foi um ‘A’, classificou assim o discurso de Trump.

Marlow observou que o Trump surpreendentemente removeu o qualificador do terrorismo Islâmico “radical” e se referiu simplesmente ao “terrorismo Islâmico” diretamente.

“Foi brilhante”, disse Geller, zombando de como os meios de comunicação adversários criticaram Trump por se recusar a denunciar o “terrorismo Islâmico radical” como se estivesse se afastando de sua retórica de campanha, quando, de fato, o que ele disse no discurso de Riyadh foi ainda mais contundente e direto.

Ela também zombou de um destaque da CNN que levou Trump a se explicar por supostamente falhar em discutir os direitos humanos na Arábia Saudita.

“Oh, meu Deus — exclamou ela. “Você tinha o Presidente Obama, que estava ajudando e estimulando os assassinos em massa, que nunca pronunciou a palavra, que deu bilhões para um dos piores violadores dos direitos humanos no planeta, o Irã — e essa foi a principal notícia na CNN — tipo desprezaram os direitos humanos nos países Muçulmanos! É extraordinário. A cobertura é quase kafkiana. “

Geller disse que era “absolutamente agradável” assistir a luta da mídia para chegar a falar de pontos que retratam a viagem de Trump ao Oriente Médio como um fracasso.

“Ele acabou de entregar aos Sauditas a maior negociação de armamentos, — e claro, sabemos que é realmente por causa do Irã. O Irã está lutando contra os Sauditas no Iêmen”, observou. “O Presidente Barack Obama iria insistir muito nisso, que as maiores vítimas desse extremismo são os próprios Muçulmanos. Essa é uma falsa narrativa porque os Sunitas versus Xiitas — você viu isso com o ISIS quando alinhavam suas vítimas e faziam perguntas específicas sobre o Islã. Os Sunitas não pensam que os Xiitas são Muçulmanos, e os Xiitas não pensam que os Sunitas são Muçulmanos. Eles estão lutando para provar quem é o verdadeiro Muçulmano. Quando o Ocidente diz: “Oh, eles estão matando Muçulmanos” — mais uma vez, isso está em sua mente, mas não na mente dos Sunitas e não na mente dos Xiitas.”

“Estou preocupada com essa negociação de armamentos”, acrescentou. “O inimigo comum do Irã e dos Sauditas, claro, é Israel. Agora, os Sauditas precisam de Israel porque o Irã foi recentemente encorajado, recém-enriquecido e recém armado, graças ao Presidente Obama. Isso é muito assustador. Onde estarão as leis das consequências não intencionais?”


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

KASSAM: Do Cairo A Riyadh, Trump Impulsionou Ação Contra Terror, Onde Obama Ofereceu Apologismo Islâmico

Fonte/Source: President Trump Said ‘Terror’ 31 Times, Obama in Cairo Said it ZERO Times


KASSAM: Do Cairo A Riyadh, Trump Impulsionou Ação Contra Terror, Onde Obama Ofereceu Apologismo Islâmico

Por RAHEEM KASSAM

21 maio 2017

Os críticos argumentarão sobre a primeira inspeção que o discurso do Presidente Trump aos líderes Árabes, hoje em Riyadh, foi apenas uma variação do sermão infame, excessivamente bajulatório do Presidente Obama no Cairo em 2009. Esses críticos estão incorretos.

Eles estão incorretos porque tendem a ser jornalistas, ativistas, think-tankers, políticos ou especialistas. Em outras palavras: não são empresários.

O discurso que o Presidente Trump deu em Riyadh foi diferente por causa de sua visão de negócios. Nenhum empresário conclui uma reunião sem o clichê “pontos de ação”. Caso contrário, a coisa toda é uma perda de tempo.

Podemos facilmente encontrar semelhanças em ambos os discursos: a habitual gratidão diplomática em relação aos seus anfitriões, as promessas de não proferir um sermão, o engrandecimento da história da região e a aversão à descrição das filosofias Ocidentais e do Oriente Médio como um “choque de civilizações”. Bom.

Mas onde Obama parou de repente, Trump continuou a toda a velocidade fazendo exigências às pessoas na sala.

AS INTRODUÇÕES

Obama abriu com “Assalamualaikum”, e em seguida pedindo desculpas pelo colonialismo, guerras por procuração, hostilidade ao Islã e citando o Alcorão Sagrado. Falou da “dívida da civilização com o Islã”, sua responsabilidade de defender a fé Muçulmana, o hijab, e declarou que “o Islã é uma parte da América”.

Depois dessa introdução submissa — tendo passado as primeiras sete páginas do seu discurso para puxar o saco da audiência — observou que “os extremistas violentos” precisavam ser confrontados, encerrando com: “O Islã não faz parte do problema…”

Em vez disso, o Presidente Trump mergulhou fundo, gastando menos de uma página com lisonja — e de qualquer forma havia quase nada mesmo naquela seção — chegando ao primeiro ponto de ação na página dois de seu discurso: “Este acordo histórico inclui o anúncio da venda de armamentos militares no valor de US110 bilhões para Arábia Saudita…”.

Se a América vai lidar com o mundo Árabe sob a regência de Trump, pelo menos vai conseguir alguma coisa para o povo Americano. Dinheiro, empregos, e muito importante, influência.

Calma, pensou que fosse tudo? A próxima frase do discurso anunciou o Centro Global de Combate à Ideologia Extremista.

Vamos ser claros, este centro não vai fazer nada, e provavelmente não conseguirá nada. Mas, a essa altura no discurso do Obama, estava citando o Alcorão Sura 9, Verso 119, que afirmava o seguinte: “Ser consciente de Deus e falar sempre a verdade”. Na realidade, a passagem exige que o leitor tenha medo de Deus, e apenas alguns versículos mais tarde explica o porquê: “Ó vós, os que crêis, pelejai contra os que estão ao lado dos incrédulos, e deixai que encontrem em vós a dureza. E sabei que Deus está com os justos”.

Enquanto o Presidente Obama falava do Alcorão, o Presidente Trump estava declarando hoje: “Não estamos aqui para dar palestra, não estamos aqui para dizer a outras pessoas como viver, o que fazer, como ser ou como cultuar. Em vez disso, estamos aqui para oferecer parcerias baseadas em interesses e valores compartilhados, para buscar um futuro melhor para todos nós”.

DEFENDENDO OS MUÇULMANOS DO ISLÃ RADICAL

Ambos os Presidentes Obama e Trump mencionaram como os Muçulmanos são o alvo principal do “extremismo violento”, mas a defesa de Obama dos Muçulmanos veio mais da seguinte maneira, acima de qualquer outra coisa:

… a liberdade na América é indivisível da liberdade de praticar a própria religião. É por isso que há uma mesquita em cada estado da nossa união, e mais de 1.200 mesquitas dentro de nossas fronteiras. É por isso que o governo dos Estados Unidos foi ao tribunal para proteger o direito das mulheres e meninas de usar o hijab e punir aqueles que o rejeitam.

Mais tarde, menciona como os extremistas “mataram pessoas de diferentes credos, mais do que qualquer outra, mataram Muçulmanos”.

Mas o Presidente Trump foi muito mais robusto e muito mais — indubitavelmente para o desgosto dos comentaristas liberais — espirituoso em sua defesa dos jovens Muçulmanos que estão tendo suas mentes envenenadas e seu futuro arruinado.

Este é o argumento mais eficaz contra o extremismo Islâmico, e o Presidente Trump expressou de forma simples e eficaz:

Jovens meninos e meninas Muçulmanos devem ser capazes de crescerem livres do medo, a salvo da violência e inocentes de ódio. E os jovens Muçulmanos devem ter a oportunidade de construir uma nova era de prosperidade para si e para os seus povos.

Observe a diferença. Sem apologia à submissão do hijabs pela Sharia, sem ressalvas ou compromissos. Ele prossegue:

“… em números absolutos, o pedágio mais mortal tem sido exigido sobre o povo inocente das nações Árabes, Muçulmanas e do Oriente Médio. Eles têm suportado o peso das mortes e o pior da destruição nesta onda de violência fanática. Algumas estimativas sustentam que mais de 95% das vítimas do terrorismo são Muçulmanas “.

A conclusão de Obama nesta seção foi novamente citar o Alcorão. Desta vez, a controversa Sura Al Maidah, muitas vezes desdobrada pelas próprias organizações Islâmicas quando procura defender-se contra acusações de radicalismo ou ligações terroristas:

O Alcorão Sagrado ensina que quem mata um inocente — é como se tivesse matado toda a humanidade. E o Sagrado Alcorão também diz que quem salva uma pessoa, é como se salvasse toda a humanidade.

Exceto que isso não acontece.

O versículo, sem parafrasear, apresenta-se assim:

“… Nós decretamos aos Filhos de Israel que quem matar uma alma, a não ser por uma alma ou por corrupção na terra — é como se tivesse matado inteiramente a humanidade. E quem salva um — é como se tivesse salvado a humanidade inteiramente”.

A “corrupção” na terra, no contexto, é a oposição à propagação do Islamismo, que inclui crítica, zombaria ou mesmo descrença.

O parágrafo seguinte do Alcorão diz: “Na verdade, a penalidade para aqueles que guerreiam contra Alá e Seu Mensageiro e se esforçam na terra para causar corrupção não é senão que sejam mortos ou crucificados ou que suas mãos e pés sejam cortados fora em lados opostos ou que sejam exilados da terra. Isso é para eles uma desgraça neste mundo; e para eles na outra vida uma grande punição”.

IRÃ

Talvez a diferença mais notável entre o discurso do Presidente Obama e do Presidente Trump é a seção sobre o Irã.

Obama — com a ingenuidade dos olhos-de-corça [sic] — iniciou com mais um reconhecimento de culpa Americana:

“No meio da Guerra Fria, os Estados Unidos desempenharam um papel na derrubada de um governo Iraniano democraticamente eleito. Desde a Revolução Islâmica, o Irã tem desempenhado um papel em atos de captura de reféns e violência contra as tropas e civis dos EUA. Esta história é bem conhecida”.

E continuou dizendo:

“Eu entendo aqueles que protestam que alguns países têm armas que outros não têm. Nenhuma nação deve escolher qual nação possui armas nucleares. E é por isso que reafirmei firmemente o compromisso dos Estados Unidos de buscar um mundo no qual nenhuma nação detém armas nucleares. E qualquer nação — incluindo o Irã — deve ter o direito de acessar a energia nuclear pacífica se cumprir suas responsabilidades sob o Tratado de Não-Proliferação Nuclear “.

Como sabemos agora, esta abordagem colocou em perigo o resto do mundo, com o Irã perseguindo armas nucleares, e encorajou os regimes de apoio ao terrorismo e os seus aliados em todo o mundo a fazerem o mesmo. Sem essa abordagem, sem essa linha nesse discurso, mesmo Kim Jong Un estaria cantando uma música diferente hoje em dia.

O Presidente Trump parece querer corrigir esse erro histórico, afirmando hoje o seu desejo de isolar a nação do mundo civilizado. Novamente, um ponto de ação:

Do Líbano ao Iraque até o Iêmen, o Irã financia, arma e treina terroristas, milícias e outros grupos extremistas que espalham destruição e caos em toda a região. Durante décadas, o Irã alimentou as chamas de conflito sectário e o terror.

É um governo que fala abertamente de assassinato em massa, prometendo a destruição de Israel, morte à América e a ruína de muitos líderes e nações presentes nesta sala.

Entre as intervenções mais trágicas e desestabilizadoras do Irã estão na Síria. Assad cometeu crimes indescritíveis e os Estados Unidos tomaram medidas firmes em resposta ao uso de armas químicas proibidas pelo Regime Assad — lançando 59 mísseis tomahawk na base aérea da Síria, onde esse ataque assassino se originou.

Nações responsáveis ​​devem trabalhar em conjunto para acabar com a crise humanitária na Síria, erradicar o ISIS e restaurar a estabilidade na região. As vítimas mais antigas e sofridas do regime Iraniano são o seu próprio povo. O Irã tem uma rica história e cultura, mas o povo do Irã tem suportado dificuldades e desespero sob a perseguição imprudente de seus líderes através de conflito e terror.

Até que o regime Iraniano esteja disposto a ser um parceiro para a paz, todas as nações de consciência devem trabalhar em conjunto para isolar o Irã, negar financiamento ao terrorismo e orar pelo dia em que o povo Iraniano terá o governo justo e correto que merecem.

TOLERÂNCIA OU FALTA DISSO

Quando Obama declarou “o Islã tem uma história orgulhosa de tolerância”, enquanto os Mullahs preparavam o seu mais recente homossexual para ser jogado de um prédio, e a mulher mais recente a ser apedrejada na rua, o Presidente Trump exigiu: “Sua alma será condenada” por atos bárbaros, um sentimento que cresceu quando declarou: “Esta é uma batalha entre o bem e o mal”, insistindo que os líderes Árabes e Muçulmanos deveriam “expulsar” as forças do terror e do extremismo de suas próprias fileiras.

Um futuro melhor só será possível se as vossas nações expulsarem os terroristas e os extremistas. Expulse-os.

EXPULSE-OS de seus locais de culto.
EXPULSE-OS de suas comunidades.
EXPULSE-OS da sua terra santa, e
EXPULSE-OS DA FACE DA TERRA.

Contraste isso com a seção do Presidente Obama sobre a tolerância, especificamente, no que diz respeito aos direitos das mulheres e oportunidades econômicas.

Curiosamente para um liberal de Hollywood, o Presidente Obama disse ao público do Cairo: “Sei que para muitos, a face da globalização é contraditória. A Internet e a televisão podem trazer conhecimento e informação, mas também sexualidade ofensiva e violência estúpida para dentro de casa”.

Essas declarações socialmente conservadoras talvez fossem mais prontamente esperadas do vice-Presidente Mike Pence. Mas a mídia — nem na época, e nem agora —pareciam entender isso. A própria tolerância de Obama para com os valores conservadores aplicava-se apenas ao mundo Muçulmano, ao que parece, e não em casa.

Enfrentando o Terrorismo

O Presidente Trump usou a palavra “terror” de algum modo — terror, terrorismo, terroristas — surpreendentemente 31 vezes em seu discurso em Riyadh. No Cairo, o Presidente Obama usou a palavra ZERO vezes, ainda mais surpreendente. O Bama descreveu o atentado em 11 de Setembro como um “enorme trauma” em vez de uma atrocidade terrorista, optando por implantar a palavra “extremismo” 11 vezes em seu discurso, a qual o Presidente Trump também usou nove vezes.

Como resultado, Obama não tinha pontos de ação, metas de política ou qualquer coisa com substância quando se tratava de atacar o terrorismo. O Presidente Trump, por outro lado, anunciou a formulação do Centro de Combate ao Financiamento Terrorista, insistindo: “As nações Muçulmanas devem estar dispostas a assumir o fardo, se nós vamos derrotar o terrorismo e enviar sua ideologia perversa para o esquecimento”.

Sim, o Presidente Trump disse: “terrorismo Islâmico”, apenas para sua informação.

CONCLUSÕES

A forma como os dois Presidentes concluíram seus discursos é prova suficiente de quão diferente os dois homens abordaram as questões do Islã, Islamismo, terrorismo e o relacionamento dos EUA com o Oriente Médio.

Enquanto Ivanka e Melanie pavoneiam por Riyadh em roupas de grife, e o atual Presidente recusa-se a curvar-se diante dos Sauditas, Obama aproveitou todas as oportunidades para permanecer prostrado diante do mundo Muçulmano, inativo, bem como em suas palavras.

No Cairo, concluiu primeiro com citações do Alcorão, em seguida o Talmud, e a Bíblia.

Seu verso Alcorânico: “Ó humanidade! Nós criamos você, homem e mulher…” talvez não encontre muito apoio da brigada LGBTQI ++ ** da esquerda liberal de hoje. Ele fechou: “Obrigado. E que a paz de Deus esteja com você. Muito obrigado”.

A conclusão do Presidente Trump, além de ser mais tradicional, também foi mais esperançosa, e efetivamente chamou por uma tão necessária reforma Islâmica:

O berço da civilização está esperando por um novo renascimento. Imaginem o que o amanhã pode trazer. Maravilhas gloriosas da ciência, arte, medicina e comércio para inspirar a humanidade. Grandes cidades construídas sobre as ruínas das cidades destruídas. Novos empregos e indústrias que levantarão milhões de pessoas. Parentes que já não se preocupam com seus filhos, famílias que não mais choram por seus entes queridos, e fiéis que finalmente cultuam sem medo.

Essas são as bênçãos da prosperidade e da paz. Esses são os desejos que queimam com uma chama justa em cada coração humano. E essas são as exigências justas dos nossos povos amados.

Peço-vos que se juntem a mim, se unam, trabalhem em conjunto e combatam juntos — porque unidos, não falharemos. Obrigado. Deus te abençoe. Deus abençoe seus países. E Deus abençoe os Estados Unidos da América.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Donald Trump Planeja Combater ‘O Extremismo Islamita’ Em Discurso Aos Muçulmanos

Fonte/Source: Donald Trump Plans Call to Fight ‘Islamist Extremism’ in Speech to Muslims

Donald Trump Planeja Combater ‘O Extremismo Islamita’ Em Discurso Aos Muçulmanos

Por CHARLIE SPIERING

21 de Maio 2017

O Presidente Donald Trump abordará a ameaça do terrorismo Islâmico radical em seu discurso hoje à tarde para o mundo Muçulmano.

De acordo com trechos do discurso divulgados pela Casa Branca, o Presidente pedirá que o Oriente Médio enfrente “a crise do extremismo Islamita e os grupos terroristas Islamitas que os inspiram”.

“Trata-se de uma batalha entre criminosos bárbaros que buscam obliterar a vida humana, e as pessoas decentes de todas as religiões que procuram protegê-la”, diz Trump. “Esta é uma batalha entre o bem e o mal.”

Trump irá explorar a sua ideia sobre o “realismo de princípios” baseado em interesses compartilhados pelos Estados Unidos e o mundo Muçulmano.

“Tomaremos decisões baseadas em resultados do mundo real — não de uma ideologia inflexível”, ele dirá. “Seremos guiados pelas lições da experiência, não pelos confins do pensamento rígido”.

Trump lembrará às nações Árabes que a América não é a única responsável pela erradicação do terrorismo, mas está empenhada em proteger seus cidadãos. Em um aceno para o legado de Obama, Trump irá citar que não vai tentar “palestrar” países estrangeiros como governar seu povo.

“Nós não estamos aqui para dar uma palestra — não estamos aqui para dizer a outras pessoas como viver, o que fazer, o que ser, ou como cultuar”, Trump planeja dizer. “Em vez disso, estamos aqui para oferecer parceria — baseada em interesses e valores compartilhados — para buscar um futuro melhor para todos nós”.

Trump invocará Deus em seu discurso, apontando que um futuro sem extremismo “honra a Deus”

“Cada vez que um terrorista assassina uma pessoa inocente e invoca falsamente o nome de Deus, isso deve ser um insulto a toda pessoa de fé”, ele dirá.

Ele também chamará os Muçulmanos para extirpar o extremismo em locais de culto, aludindo aos imãs radicais nas mesquitas.

“Os líderes religiosos devem deixar isso absolutamente claro: a barbárie não lhe trará nenhuma glória — a piedade para com o mal não lhe trará dignidade”, diz Trump. “Se você escolher o caminho do terror, sua vida estará vazia, sua vida será breve, e sua alma será condenada”.

O discurso do presidente será proferido na Arábia Saudita.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Esquerdista Islandês Envenena Robert Spencer

Fonte/Source: Icelandic Leftist poisons Robert Spencer


Esquerdista Islandês Envenena Robert Spencer

Por ROBERT SPENCER

16 de Maio de 2017

Na última Quinta-feira, dei uma palestra sobre a ameaça da jihad no Grand Hotel, em Reykjavik, Islândia. Pouco tempo depois, um jovem Esquerdista Islandês expressou sua desaprovação ao que eu disse me envenenando.

Aconteceu depois do evento, quando meu chefe de segurança, os organizadores do evento, e Christine Williams, escritora da Jihad Watch, que também foi convidada para falar, foram comigo a um restaurante local para celebrar o sucesso da noite.

Fui rapidamente reconhecido nesse estabelecimento aglomerado de Reykjavik. Um jovem Islandês me chamou pelo nome, apertou minha mão e disse que era um grande fã. Pouco depois, um outro cidadão daquela terra famosa e gentil também me chamou pelo nome, apertou minha mão e disse: “Vá se foder!”.

Recebemos essa maravilhosa saudação Islandesa como um sinal para irmos embora. Mas o dano já tinha sido feito. Cerca de quinze minutos depois, quando voltei para o meu quarto no hotel, comecei a sentir dormência no meu rosto, mãos e pés. Comecei a tremer e a vomitar. Meu coração estava acelerando perigosamente. Passei a noite num hospital de Reykjavik.

O que tinha acontecido rapidamente se tornou claro, e logo foi confirmado por um teste no hospital: um desses Islandeses locais que se aproximou de mim — provavelmente aquele que disse que era um grande fã, porque estava muito mais perto de mim do que o sujeito do “Vá se foder!” — tinha colocado alguma droga na minha bebida. Eu não estava e não estou tomando nenhum outro medicamento, e por isso não havia qualquer outra explicação de como essas coisas tinham chegado à minha corrente sanguínea.

Durante vários dias, depois disso, fiquei doente, mas fui à delegacia de Reykjavik e dei-lhes um caso maior do que tinham visto há algum tempo. O policial com quem falei tomou medidas imediatas para identificar e localizar os principais suspeitos e obter o vídeo de vigilância do restaurante.

A Islândia é um país pequeno. Todo mundo se conhece. E assim, fui rapidamente capaz de descobrir a identidade, o número de telefone e a página no Facebook do principal suspeito, o jovem que afirmou ser um “grande fã”. Não pretendo chamá-lo. A polícia Islandesa entrará em contato com ele em breve, caso ainda não o tenha feito.

No entanto, olhei a sua página do Facebook, e como previa, não achei nada que pudesse indicar que ele realmente era um “grande fã” do meu trabalho, ou que tivesse qualquer ponto de vista fora do convencional — e sim, a cortesia das elites políticas e de mídia da Islândia, dominadas inteiramente pela Esquerda.

O cenário mais provável é que este jovem, ou quem me drogou, ouviu que um notório “racista” estava vindo para Reykjavik, por acaso me viu no restaurante, e decidiu me dar uma lição com algumas das drogas ilegais que são tão abundantes em Reykjavik como em qualquer outro lugar.

Eu deveria ter previsto isso. Afinal, minha visita desencadeou uma tormenta de insultos na imprensa Islandesa, todos baseados pontos de discussão dos Esquerdistas Americanos. Cada história sobre a minha visita tinha os mesmos elementos: o aviso de que o SPLC (Centro Legal da Pobreza do Sul) afirma que eu provoco o “discurso de ódio”, o qual é um julgamento subjetivo usado para barrar divergências da linha do establishment; o fato de que fui banido da Grã-Bretanha, sem menção aos principais detalhes de que fui banido por dizer que o Islã tem doutrinas de violência (que é o mesmo que ser banido por dizer que a água é molhada) e pelo crime de apoiar Israel; e a falsa alegação que eu incitei o assassino em massa Norueguês Anders Breivik para matar (na verdade, não sou mais responsável pelos assassinatos de Breivik do que os Beatles pelo Charles Manson). Após o evento, um artigo ainda apresentou uma grande foto de Breivik, mas nada do que eu disse naquela noite foi mencionado.

Nenhum dos meios de comunicação Islandeses que publicou uma história sobre a minha vinda ou sobre o evento em si, me contatou para comentar, muito menos para refutar as acusações que fizeram contra mim. Uma emissora de TV fez uma entrevista comigo em que o entrevistador se recusou a acreditar que eu não me sentia responsável pelos assassinatos de Breivik, e me perguntou sobre isto repetidamente.

Após o evento, os artigos na imprensa Islandesa incluíam citações dos 50 manifestantes, mas nenhum incluiu uma única citação sequer ou descrição de qualquer coisa que realmente tivéssemos dito. Ninguém citou nenhum dos 500 corajosos Islandeses que desafiaram o ódio das elites politicamente corretas e foram ao Grand Hotel para ouvir Cristine Williams e eu — um número incrivelmente grande num país de 300 mil pessoas.

Está claro: a jihad e a Islamização não são assuntos que os políticos Islandeses e os formadores de opinião da mídia querem que os Islandeses discutam.

Essa é a razão pela qual deve ser discutido.

Entretanto, aprendi uma lição. A lição que aprendi foi que a demonização da mídia daqueles que discordam da linha Esquerdista é a incitação direta à violência. Ao me retratarem e a outros que levantam questões legítimas sobre o terror da Jihad e a opressão da Sharia como Islamistas racistas e intolerantes, sem nos permitir uma audiência justa, os meios de comunicação da Islândia e do resto do Ocidente estão ativamente colocando em perigo aqueles que ousam discordar. O SPLC (Centro Legal da Pobreza do Sul), o Conselho de Relações Americano-Islâmicas (CAIR), o Centro para o Progresso Americano e o resto que dedicam tanto dinheiro, tempo e atenção para demonizar os “Islamofóbicos” estão pintando alvos enormes em nossas costas.

Claro, pensam que estão fazendo algo nobre. A Esquerda não somente preenche com ódio aqueles que sofrem lavagem cerebral, mas o faz enquanto retrata seus inimigos como os incitadores de ódio, de tal forma que os Esquerdistas violentos, como o jovem que me drogou, sentem-se justos, mesmo quando vitimam e brutalizam os conservadores.

Não há dúvida: estou certo de que quem me envenenou na Islândia foi embora feliz com o que tinha feito. Se comentou com alguém o que ele fez, tenho certeza que foi saudado como herói. Também estou ciente de que muitos dos que lerem isso ficarão felizes com o fato de eu ter ficado gravemente doente. Isto em si é um sinal de quão degenerada e do mal a Esquerda se tornou.

Por todo o Ocidente, enquanto os estudantes de Esquerda provocam e ameaçam fisicamente palestrantes conservadores e os porta-vozes da Esquerda se entregam à retórica mais histérica para difamar seus inimigos, políticos se acovardam com medo e recusam-se a discutir essas questões, garantindo apenas que os problemas que identifiquei quando falei em Reykjavik continuarão a crescer na Islândia e em outros lugares.

À medida que subiam ao poder na Alemanha, os Nazistas doutrinavam seus jovens seguidores com a mesma mensagem: aqueles que se opõem a nós são maus. Aqueles que os brutalizam estão fazendo uma grande coisa. A demonização dos oponentes da Esquerda, hoje em dia, vai levar a exatamente a mesma coisa. E já aconteceu comigo, na bela Reykjavik.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Crianças Assassinas: MEIO MILHÃO De Crianças Recrutadas Pelo ISIS

nte/Source: KILLER KIDS: HALF A MILLION children recruited by ISIS – Geller Report

Crianças Assassinas: MEIO MILHÃO De Crianças Recrutadas Pelo ISIS

Por Pamela Geller

14 de Maio de 2017

O que é tão perturbador é que isso será deixado para os nossos filhos resolverem – e a esquerda nos meios de comunicação, as universidades e a cultura os desarmaram completamente no espaço da batalha de informação. São ovelhas indo para o abate.

Meio milhão. E haverá outros milhões.


TERROR ADICIONADO: PURO HORROR — EXPERTS REVELAM QUE MEIO MILHÃO DE CRIANÇAS FORAM RECRUTADAS PELO ISIS

O ESTADO ISLÂMICO CONSEGUIU RADICALIZAR MEIO MILHÃO DE CRIANÇAS, EXPERTS DIVULGARAM UMA INFORMAÇÃO CHOCANTE SOBRE O TAMANHO DA AMEAÇA TERRORISTA.

Por Zoie O’Brien, 13 de Maio de 2017:

Especialistas em terrorismo, psicólogos e analistas estão correndo para avaliar como a ameaça de centenas de milhares de crianças que serviram ao ISIS pode ser combatida. A nova descoberta representa uma ameaça mortal para países como a França, Reino Unido e EUA, os quais foram ameaçados com derramamento de sangue em massa nas ruas.

Anna Speckhard, Professora Adjunta de Psiquiatria na Universidade de Georgetown, viajou para o Iraque para ajudar a lidar com a crise que o país enfrenta. O expert do Centro Internacional para o Estudo do Extremismo Violento (ICSVE) esteve também cara a cara com as crianças do califado. Ela disse ao Express.co.uk: “Havia muita discussão sobre o número de jovens envolvidos — de 250 a 500 mil.

“O ISIS proibiu os livros das escolas e os substituiu com seu próprio currículo e material, incentivando o ódio e a brutalidade, muitos dos quais foram mostrados a nós numa exposição.

“Há raiva e preocupação sobre como reagrupar diante da destruição do ISIS e preocupação sobre se a ideologia continuará vivendo nos corações e mentes dos Sunitas que viveram sob o ISIS e reemergir”.

CRIANÇAS DO CALIFADO: Cerca de 500.000 crianças podem ter sido radicalizadas.

Crianças do ISIS decapitam prisioneiros depois de terem sido treinadas em campos terroristas.

Jihadistas infiltraram-se nas salas de aula, destruíram bibliotecas e forçaram professores a distribuir um programa de ódio em áreas conquistadas pelo ISIS. O Primeiro-Ministro Iraquiano abriu a conferência de Educação no Iraque Pós-Daesh (ISIS) em Abril, onde os experts foram informados da verdadeira extensão do problema. Antes das invasões das cidades no Iraque, um grupo chamado de ISIS “Emni” colocou militantes radicais para prepararem o terreno. Aprenderam sobre as queixas das pessoas locais e jogaram com isso para recrutar famílias.

GETTY

Crianças do Estado Islâmico (ISIS): Professores foram forçados a abandonar o currículo e pregar para o ISIS.

Acredita-se que a elite ‘Emni’, — formada por ex-Baathistas Iraquianos que serviram sob o regime de Sadaam, — esteja ligada aos ataques terroristas em Paris, Bruxelas e Tunísia. Os programas sob os quais as crianças foram doutrinadas foram extremamente bem-sucedidos. O testemunhos dos jovens soldados revelou que viveram para servir os jihadistas mais velhos, os quais enviaram para a morte meninos tão jovens quanto cinco anos de idade.

Professor Speckhard disse: “Alguns dos jovens foram realmente recrutados para os Filhotes do Califado, e alguns foram ensinados a decapitar.” Da mesma forma alguns professores foram obrigados a ensinar nas escolas do ISIS e o que fazer com eles.

Em uma série de entrevistas com os jihadistas do Daesh (ISIS), o professor Speckhard, juntamente com o professor Ahmet Yayla, ex-chefe de polícia de contraterrorismo, demonstrou como os jovens são recrutados.

Seu livro, intitulado “ISIS Defectors: Inside Stories of the Terrorist Caliphate “, revelou como o ISIS se propôs a radicalizar as crianças numa tentativa de reforçar suas próprias fileiras em 2015.

Em poucos meses, tinham centenas em seus livros.

Professor Speckhard disse: “Uma criança nos falou sobre os meninos sendo enganados e colocados em veículos suicidas, mesmo sem saber que iriam ser explodidos, e um ISIS emir (dirigente) verificou se as crianças foram enviadas em veículos e usando coletes”. Eles choram quando são retirados da lista.”

Um menino chamado Ibn Omar revelou como os campos de treinamento e enormes facas eram nomeados segundo os líderes da Al-Qaeda.

Ele disse aos professores: “Não. Se você não aderir ao ad-Dawlah e prometer sua lealdade a Abu Bakr al-Baghdadi você é um infiel.

“Alguns dos combatentes locais [ISIS] disseram que agora sabiam que seu pai era um infiel, e que assim que pudessem pediriam licença e iriam matá-lo”


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Mesquita Principal De Paris: Macron Ganha Sinal De Que Muçulmanos “Podem Viver Em Harmonia E Respeitar Os Valores Franceses”

Fonte: Paris main mosque: Macron win sign that Muslims “can live in harmony and respect of French values”


Mesquita Principal De Paris: Macron Ganha Sinal De Que Muçulmanos “Podem Viver Em Harmonia E Respeitar Os Valores Franceses”

POR ROBERT SPENCER

7 de MAIO de 2017

A Grande Mesquita de Paris disse: “É um claro sinal de esperança para os Muçulmanos Franceses que podem viver em harmonia e respeitar os valores Franceses”.

Será que a eleição de Macron é um sinal de esperança para os Muçulmanos na França, de modo que podem viver em harmonia e respeitar os valores Franceses? Então, se Le Pen tivesse vencido, teria sido um sinal de que os Muçulmanos na França não poderiam viver em harmonia e respeitar os valores Franceses? Parece que ao dizer isto, a Grande Mesquita de Paris está presumindo que os Muçulmanos na França podem ou não viver em harmonia e respeitar os valores Franceses dependendo da liderança não-Muçulmana na França.

A Grande Mesquita de Paris tenta, por conseguinte, dar a impressão de que cabe aos não-Muçulmanos, se os Muçulmanos na França aceitarão ou não os valores Franceses. A Grande Mesquita de Paris está avançando a narrativa da “Islamofobia” de que o terrorismo da jihad Islâmica, e a opressão da Sharia, são inteiramente uma reação às monstruosidades dos governos e indivíduos não-Muçulmanos. Esta afirmação é uma declaração dissimulada para que os Muçulmanos na França sejam vítimas — uma declaração estarrecedora, feita à luz da crescente atividade jihadista na França.

Na verdade, a vitória de Macron é um sinal de que a maioria dos não-Muçulmanos na França tem esperança de que possam viver em harmonia e respeitar os valores Muçulmanos. Boa sorte com isso.

“Mesquita principal de Paris diz que a eleição de Macron dá esperança aos Muçulmanos Franceses”, Reuters, 7 de maio de 2017:

A principal mesquita de Paris disse neste Domingo que a eleição do centrista Emmanuel Macron como o próximo Presidente da França sobre a líder de extrema direita Marine Le Pen foi um sinal de reconciliação entre as religiões Francesas.

“É um claro sinal de esperança para os Muçulmanos Franceses que podem viver em harmonia e respeitar os valores Franceses”, disse em comunicado a Grande Mesquita de Paris.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Novo Líder Do Hamas Elogiou Bin Laden Como “Guerreiro Santo”, A BBC O Chama De “Pragmático”

Fonte: New Hamas top dog praised bin Laden as “holy warrior,” BBC calls him “pragmatic”


Novo Líder Do Hamas Elogiou Bin Laden Como “Guerreiro Santo”, A BBC O Chama De “Pragmático”

Por ROBERT SPENCER

6 de Maio de 2017

A BBC: sem noção ou cúmplice? A essa altura, que diferença faz?

“Hamas escolhe Ismail Haniya como novo líder”, BBC, 6 de Maio de 2017 (Agradecimentos a Fjordman):

O grupo militante Palestino Hamas anunciou que Ismail Haniya foi escolhido como seu novo líder global.

Ele sucede Khaled Meshaal, que serviu o máximo de dois mandatos no cargo.

Sr. Haniya, 54, vive em Gaza, governada pelo Hamas desde 2007, ao contrário de Meshaal, que vive no Qatar.

Sr. Haniya é visto como um pragmatista que tentará aliviar o isolamento internacional do Hamas. O grupo publicou um novo documento político esta semana, considerado como uma tentativa de suavizar a sua imagem….

Declara pela primeira vez uma disposição para aceitar um estado Palestino provisório dentro das fronteiras pré-1967, sem reconhecer Israel.

Também diz que a luta do Hamas não é com os Judeus, mas com os “agressores ocupantes Sionistas”. A carta de 1988 foi condenada por sua linguagem anti-Judáica.

Sr. Barhoum disse: “O documento nos dá uma chance de conexão com o mundo exterior.”

Um porta-voz do Primeiro-Ministro Israelense Benjamin Netanyahu disse que o Hamas estava “tentando enganar o mundo, mas não terá sucesso”….

Mas com certeza vai enganar a BBC.

“O Hamas elogia Osama bin Laden como guerreiro santo”, de Conal Urquhart, Guardian, 2 de Maio de 2011 (Agradecimentos a Fjordman):

O grupo Islâmico Palestino Hamas elogiou Osama bin Laden como um “guerreiro santo Árabe” e condenou sua morte pelas forças Americanas no Paquistão….

Ismail Haniyeh, chefe do governo do Hamas na Faixa de Gaza, disse aos repórteres que o Hamas considerou o assassinato de Bin Laden como “uma continuação da política Americana baseada na opressão e no derramamento de sangue Muçulmano e Árabe”.

Observou diferenças doutrinárias entre a al-Qaeda de Bin Laden e o Hamas, que vê a sim mesmo como um movimento nacionalista em vez de um movimento internacional. Haniyeh acrescentou: “Nós condenamos o assassinato e o assassinato de um guerreiro sagrado Árabe. Pedimos a Deus que lhe dê misericórdia com os verdadeiros fiéis e os mártires.”….


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Egito: Líder Do Estado Islâmico Adverte aos Muçulmanos para “Ficarem Longe Das Aglomerações De Cristãos”

Fonte: Egypt: Islamic State top dog warns Muslims to “stay away from Christian gatherings”


Egito: Líder Do Estado Islâmico Adverte aos Muçulmanos para “Ficarem Longe Das Aglomerações De Cristãos”

Por ROBERT SPENCER

5 de Maio de 2017

Porque Planejam Assassinar Mais Cristãos.

Alcorão 9:29
"Combatei aqueles que não crêem em Alá
 e no Último Dia, e nem abstêm do que Alá e Seu Mensageiro proibiram, nem tampouco reconheça a religião da Verdade, do Povo do Livro, até que submissos paguem a Jizya com submissão voluntária, e sentindo-se subjugados."

“O Líder do Estado Islâmico (ISIS) no Egito alerta aos Muçulmanos para que evitem as aglomerações de Cristãos”, de Jack Moore, Newsweek, 5 de maio de 2017 (Agradecimentos a Lookmann):

O líder do grupo Estado Islâmico (ISIS) no Egito alertou aos Muçulmanos para que evitem as aglomerações de Cristãos, apontando a possibilidade de novos ataques contra Cristãos no país após os dois atentados suicidas que mataram dezenas no mês passado.

Uma entrevista com o líder anônimo apareceu na última edição do grupo jihadista em seu jornal semanal Al Naba, publicado na plataforma Telegram de mensagens criptografadas. Ele também advertiu aos Muçulmanos para manterem-se longe de potenciais alvos do exército e da polícia.

“Estamos alertando você para ficar longe das aglomerações de Cristãos, bem como as reuniões do exército e da polícia, e as áreas que têm instalações políticas do governo”, disse o líder.

No Domingo de Ramos, feriado Cristão, os combatentes do ISIS no Egito detonaram duas bombas suicidas separadas em igrejas na segunda cidade do país, Alexandria, e na cidade de Tanta, no Delta do Nilo, matando 45. Foi o ataque mais mortal contra os Cristãos Coptas do Egito em anos.

A entrevista sugere que o grupo continuará visando o grupo minoritário. Em Fevereiro, o ISIS lançou um vídeo que dizia que os Cristãos eram a sua “presa favorita”.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Raymond Ibrahim: “A Verdadeira Bomba Está Nos Livros Do Islã”

Fonte: ‘The Real Bomb Is in Islam’s Books’ – Raymond Ibrahim


“A Verdadeira Bomba Está Nos Livros Do Islã”

Por Raymond Ibrahim

3 de Maio de 2017

FrontPage Magazine

Durante sua visita ao Egito na semana passada, “o Papa Francisco visitou a Universidade de al-Azhar, a instituição de ensino Islâmico Sunita mundialmente respeitada”, e “se encontrou com o sheik Ahmed al-Tayeb, imam da mesquita de Al-Azhar e professor de filosofia Islâmica”. Isso tem sido divulgado por vários meios de comunicação, frequentemente com muita fanfarra.

Infelizmente, porém, Sheik Tayeb, uma vez eleito “Muçulmano mais influente do mundo“, e Al Azhar, a importante madrassa (escola) da qual ele é chefe, são partes do problema, não a solução. Tayeb é um renomado mestre em exibir uma face aos companheiros Muçulmanos no Egito — uma que apóia a pena de morte aos “apóstatas”; apela à totalidade da regra da Sharia; se recusa a denunciar o ISIS como anti-Islâmico; denuncia toda a arte como imoral, e rejeita o próprio conceito de reformar o Islã — e uma outra face aos não-Muçulmanos.

Considere, por exemplo, as palavras do Islâmico al-Behery — um reformista popular Muçulmano Egípcio que frequentemente se choca com os Islamistas no Egito, os quais o acusam de blasfêmia e apostasia. No dia seguinte ao atentado suicida de duas igrejas Cristãs Coptas no Egito no mês passado, esse scholar Muçulmano foi entrevistado via telefone num programa popular da televisão Egípcia (Amr Adib kul youm, ou “Todo os dias“). Passou a maior parte de seu tempo no ar explodindo Al Azhar e Ahmed al-Tayeb — a ponto de dizer que “70-80% de todo o terror nos últimos cinco anos é um produto da Al Azhar”.

O reformador sabe o que está falando; em 2015, telefonemas televisados ​​de Behery visando a reforma do Islã irritaram tanto Al Azhar que a venerável instituição Islâmica o acusou de “blasfêmia” contra o Islã, o que o levou à prisão.

Agora Behery diz que, desde que o Presidente Sisi implorou à Al Azhar para realizar reformas sobre como o Islã está sendo ensinado no Egito há três anos, a madrassa autoritária “não reformou sequer uma única coisa”, só ofereceu palavras. “Se fossem sinceros sobre alguma coisa, teriam protegido centenas, ou certamente evitado milhares de assassinatos no Egito”, disse al-Behery.

A título de exemplo, o reformador Muçulmano apontou que Al Azhar ainda faz uso de livros em seu currículo que ensinam coisas como “quem mata um infiel, seu sangue é salvaguardado, porque o sangue de um infiel não é igual ao de um fiel [Muçulmano]”. Da mesma forma, mostrou como o sheik Ahmed al-Tayeb afirma que os membros do ISIS não são infiéis, apenas Muçulmanos iludidos; mas as suas vítimas — como os Cristãos bombardeados — são infiéis, o pior rótulo no léxico do Islã.

Um porta-voz de Al Azhar naturalmente rejeitou as acusações do reformador Behery contra a madrassa Islâmica. Disse que a fonte dos problemas no Egito não é a instituição medieval, mas sim as “novas” ideias que chegaram ao Egito provenientes dos “radicais” do século XX como Hasan al-Bana e Sayyid Qutb, líderes fundadores/ideólogos da Irmandade Muçulmana.

A resposta de Behery foi revitalizante; esses muitos analistas Ocidentais que seguem a mesma linha de pensamento — a de que o “radicalismo” só veio depois que pensadores como Bana, Qutb, Mawdudi (no Paquistão) ou Wahhab (na Arábia) entraram em cena — fariam muito bem em ouvir. Depois de dizer que “culpar radicalmente esses homens é puro delírio”, o reformador corretamente acrescentou:

“O homem que se mata hoje em dia, não se mata por causa das palavras de Hassan al-Bana ou Sayyid al-Qutb, ou qualquer outra pessoa. Ele se mata por causa do consenso entre os ulemás (juízes), e as quatro escolas de jurisprudência, com o qual todos concordaram. Hassan al-Bana não criou essas ideias [de jihad contra infiéis e apóstatas, destruindo igrejas, etc.]; Elas estão por aí há muitos, e muitos séculos…. Estou falando sobre o Islã [agora], e não como vem sendo ensinado nas escolas.”

A título de exemplo, Behery disse que se alguém hoje em dia entrar em qualquer mesquita Egípcia ou livraria, e pedir um livro que contenha as decisões das quatro escolas de jurisprudência Islâmica, “tudo o que está acontecendo hoje será encontrado neles; assassinar o Povo do Livro [Cristãos e Judeus] é obrigatório. Não vamos começar a brincar uns com os outros e culpar tais pensamentos sobre Hassan al-Bana!” Behery disse mais:

“Há uma curta distância entre o que está escrito em todos esses livros antigos e o que aconteceu ontem [bombardeios das igrejas Coptas] — a verdadeira bomba está nos livros, que repetidamente chamam os Povos do Livro de “infiéis”, que ensinam que todo o mundo é infiel… Hassan al-Bana e Sayyid al-Qutb não são a fonte do terror, mas são seguidores desses livros. Poupem-me com o termo Qutbism, que fez a nação sofrer com o terrorismo por 50 anos.”

Behery não culpa Al Azhar pela existência desses livros; ao contrário, ele, assim como muitos reformadores, querem que a instituição Islâmica quebre a tradição, que denuncie as decisões das quatro escolas de direito [Islâmico] como produtos de mortais falíveis e a reformem de forma compatível com o mundo moderno. E disse que, considerando que o ex-imam do Egito, Sheikh Muhammad Sayyid Tantawi (d. 2010), tinha “mesmo sem ter sido requisitado, removido todos os livros antigos e colocado apenas um livro introdutório, e quando al-Tayeb” — que dias atrás abraçou o Papa Francisco — retornou, se livrou desse livro e trouxe de volta todos os livros antigos, os quais estão cheios de matança e derramamento de sangue.”

A conclusão final, de acordo com Behery, é que o governo Egípcio — e aqui o Vaticano faria especialmente bem em ouvir — não pode confiar na Al Azhar para realizar qualquer reforma, pois é a mesma que impulsiona o Egito para trás.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

A Estupidez Americana: Será que o Ocidente Corrigirá Sua Resposta À Ameaça Islâmica?

Fonte: The American blunder: Will the West correct its response to Islamist threat? | IndiaFacts


A Estupidez Americana: Será Que O Ocidente Corrigirá Sua Resposta À Ameaça Islâmica?

Os liberais Ocidentais podem corretamente chamar os Islamistas de antidemocráticos, ditatoriais, desumanos e tratá-los com o desdém que merecem.

Por Shankar Sharan | IndiaFacts

29 de Abril de 2017

A Secretária de Estado dos EUA, Hillary Rodham Clinton, encontra-se com as mulheres líderes da sociedade civil Afegã na Embaixada dos EUA em Cabul, no Afeganistão, na Quinta-feira, 20 de outubro de 2011. (S.K. Vemmer / Departamento de Estado)

Sessenta anos atrás, o Comunismo Soviético era uma ameaça aos países livres e democráticos em todo o mundo. Os líderes Comunistas tinham uma fé enorme no que chamavam de “ciência” do Marxismo-Leninismo e estavam firmes na crença de que, mais cedo ou mais tarde, converteriam o mundo inteiro ao Comunismo. Foi nesse momento tão histórico que o principal líder Soviético, Nikita Khrushchev, ameaçou diretamente o mundo Ocidental: “Vamos enterrá-lo”.

Em resposta, o Ocidente liderado pelos EUA não hesitou em lançar uma guerra ideológica contra o Comunismo. Mostraram que a fé Marxista-Leninista não era uma ciência, mas uma construção ideológica. Ela estava cheia de buracos e por isso os Soviéticos e outros comunistas recorreram regularmente à falsidade, à censura e à violência. Caso contrário, teriam poucas realizações para mostrar em qualquer dos países comunistas que governaram durante décadas.

Na época, aproximadamente entre o final dos anos de 1950 e o começo dos anos 80, acadêmicos dos EUA, formuladores de políticas e comentaristas nunca disseram que ‘o Marxismo-Leninismo é bom, mas os líderes Soviéticos estão equivocados’. Em vez disso, os círculos governamentais Ocidentais, acadêmicos, mídia, travaram uma guerra aberta contra os princípios do Marxismo-Leninismo e expuseram as sombrias realidades das sociedades comunistas. É claro que também havia outros no mundo Ocidental, que defendiam tenazmente as posições Soviéticas e comunistas. Mas foram rejeitadas ponto por ponto na academia e na mídia, sem quaisquer escrúpulos.

Agora, os mesmos EUA e seus aliados Ocidentais estão mais seriamente ameaçados pelas declarações semelhantes provenientes dos Islamistas em todo o mundo. O ISIS é apenas o último avatar do mesmo Islamismo, ostentando uma fé semelhante para converter o mundo inteiro ao Islã, exterminando todas as outras crenças e ideias, o que chamam de ‘kufr’(incrédulo).

Mas desta vez, estranhamente, os mundos Ocidentais escolheram uma postura peculiar: o Islã é bom, só os terroristas Islâmicos são maus. Embora o Islã por si só seja mais uma ideologia política do que uma religião. Em outras palavras, é uma ideologia política sob um traje religioso. De fato, o aiatolá Khomeini certa vez expressou assim: “Todo o Islã é político”. E ele não estava sozinho nesta observação. Todos os clérigos Islâmicos e acadêmicos testemunham dessa forma, embora de várias maneiras, sem hesitar.

É por isso que muitos e muitos Muçulmanos humanistas também sublinham a necessidade de olhar para a ideologia Islâmica per se, a fim de combatê-la até o fim. Por exemplo, o ex-Jihadista Britânico Ed Hussain enfatizou a necessidade de “enfrentar essa violenta ideologia” que o influenciou antes de se afastar dela. Taslima Nasreen e Salman Rushdie também destacaram isso direta e indiretamente.

Então, a qual ideologia Hussain está se referindo? Por que o Ocidente até agora não se preocupou em desmascará-la tão completamente, como fez com o Marxismo-Comunismo? A ideologia jihadista é nada mais que uma parte intrínseca do Islã. É uma entidade histórica, autodeclaradamente criada por um homem histórico, e assim como qualquer outra coisa, é extremamente vulnerável a erros humanos. Ora, o próprio Muhammad tinha duvidado disso! Mesmo que apenas em sua fase anterior como “profeta”, mas o fato é que duvidou de seus pensamentos. Para não dizer sobre a sociedade em que vivia — estavam esmagadoramente duvidando de suas reivindicações. Como consequência, todas as guerras que Maomé teve que fazer, para forçá-los a aceitar sua reivindicação profética. A situação continua até hoje, enquanto todos os Muçulmanos estão sob ameaça dos guardiões do Islã, caso duvidem do Profeta ou das suas imposições. A importância deste fato, e o seu potencial para causar dano, ainda não foi realizada pelos líderes do mundo livre.

Em segundo lugar, os famosos “versículos satânicos” são também uma prova de que Muhammad, o Profeta, mesmo depois, ainda poderia estar equivocado. Afinal, ele mesmo descartou esses quatro versos, os quais uma vez proclamou como Divinos. Há outras evidências também, em abundância, mostrando que a ideologia do Islã desde o início tem sido uma construção pobre. É por isso que, da mesma forma que o Comunismo Soviético, também foi condenado mais tarde a empregar violência constante, e a impor censura sobre qualquer discussão e crítica aos princípios Islâmicos.

De fato, essa é uma prova positiva de que o Islã não é uma doutrina infalível. Porque uma doutrina infalível não pode ter medo das simples perguntas e observações vindas de um ser humano comum. Assim como um princípio científico da física ou uma sólida equação matemática, não se sentem ameaçados pelos incrédulos.

Assim sendo, se o establishment Americano tivesse lançado uma guerra ideológica aberta contra a ideologia Islâmica, e a fé política que emana dela, ao invés de enviar exércitos para os estados Islâmicos nocivos — o mundo Islâmico estaria há muito tempo na defensiva. Teriam que responder em palavras todas as questões levantadas contra a qualidade do profeta Maomé e a “única fé verdadeira”. Não teriam escolha. Como os Khomeinis puderam emitir Fatwas para matar inúmeros estudiosos, escritores e líderes que duvidaram das reivindicações Islâmicas, como Rushdie fez em 1988?

Declarar uma guerra ideológica contra o Islã não teria prejudicado as “relações comerciais”, uma vez que os países Islâmicos estão mais dependentes de vários bens do Ocidente que o Ocidente em relação ao petróleo. Os establishments Islâmicos, nesse caso, teriam sido obrigados a responder em palavras, para justificar seu credo, seu sistema sociopolítico, suas leis, suas realidades sociais, os abusos generalizados perpetrados contra não-Muçulmanos e sobre suas próprias mulheres e crianças, etc. Falhando nesta tarefa, teriam simplesmente mostrado o valor de uma doutrina oca. No processo, Muçulmanos comuns, pelo menos uma considerável parte sensata deles, notariam a grosseira irracionalidade do credo Islâmico, um credo que presunçosamente chama as outras culturas de “kufr”, “podre” e “aptas a serem destruídas”.

Não fazê-la, é a maior estupidez que os EUA e seus aliados vêm cometendo há pelo menos três décadas, ou seja, desde que Rushdie abriu uma frente crucial. Teriam ganhado generosamente a guerra contra a visão do mundo Islâmico, apenas estabelecendo jornais de qualidade, estações de rádio, canais de TV exclusivamente dedicados à expor as doutrinas Islâmicas moribundas e suas práticas bárbaras em países Islâmicos e as comunidades Muçulmanas que vivem em outros lugares. Algo exatamente na linha da rádio ‘Europa Livre’, ‘Liberdade’ e revistas como ‘Problemas do Comunismo’ etc., que expuseram brilhantemente a antiga URSS e a Europa Oriental. Trouxeram tudo que fosse comunista ao escrutínio humano normal.

Se os Estados Unidos tivessem feito algo semelhante em relação à ideologia e aos establishments Islâmicos, além de tornarem os regimes Islâmicos, as organizações, os partidos, as defesas dos establishments e dos mais fracos, também teriam encorajado os Muçulmanos reformistas em todo o mundo. Os dissidentes adormecidos das ditaduras Islâmicas em todos os países/sociedades Islâmicos teriam produzido numerosos Salman Rushdies e Wafa Sultans.

Há um número considerável de dissidentes nas sociedades Muçulmanas como aconteceu nas ditaduras comunistas anteriores. Mas estes estão sob a ameaça da shariat ameaçando o mundo todo. Eles não estão recebendo qualquer apoio do mundo livre como receberam os dissidentes Soviéticos do comunismo. Este foi o grande erro dos políticos e intelectuais Ocidentais.

Na verdade, é surpreendente que um método totalmente não-violento para solucionar o problema Islâmico jihadista não tenha sido realizado até agora. Foi apenas um erro tolo ou um resultado da ignorância geral sobre o Islã e suas realidades históricas? Seja o que for, mas se manter em silêncio em nome de “respeitar os sentimentos” dos Islâmicos, mostra que o Ocidente vem ao longo do tempo cometendo uma dupla falta. Uma delas é não estar apoiando os seus melhores aliados e a outra, fortalecendo seus inimigos!

Basta imaginar, por comparação, o que teria acontecido se nos anos de 1960 os EUA tivessem reiterado que Marx, Lênin, Mao e seus livros e prescrições eram ótimos, só os comunistas Russos ou Chineses ou seus propagandistas é que são maus? Isso teria apenas reforçado o poder do credo Marxista-Leninista, o credo que sustentou os líderes Soviéticos durante décadas. É exatamente isto que vem acontecendo nos últimos trinta anos em relação ao Islã. Essa é a grade estupidez Ocidental. Tente reconhecer isso.

A postura Ocidental de apaziguar o Islã sempre foi autodestrutiva. É a mesma história na Ásia e em outros lugares que seguem a mesma postura. Nenhum deles parece realmente estar entendendo a loucura completamente. Às vezes proferem algo como lutar contra a “ideologia do mal”, mas não conseguem apontá-la.

A verdade verificável é: o que era uma tática correta contra a fé comunista é ainda mais apta para o caso Islâmico. Exceto uma fé cega para conquistar o mundo para o Islã, as forças Islâmicas não têm muito o que fazer numa guerra contra o “mundo infiel” liderado pelos EUA. Nenhum líder jihadista promete qualquer coisa e nenhum jihadista comum falha em mencioná-la como sua inspiração. Considere estes fatos incrivelmente simples e qualquer um poderá ver que é tão fácil destruir a fonte do terrorismo Islâmico para fora da face da terra.

Uma vez que essa fé for enfraquecida, criando uma enorme dúvida na mente de um grande número de Muçulmanos sobre a fé e as realidades sociais durante todos esses séculos, e todos os aspectos dela, já será meio caminho andado (testemunhar todo o tipo de ameaças feitas para matar Muçulmanos escritores, intelectuais que exprimem dúvidas sobre um preceito do Islã: são sinais seguros de temor, o temor de não poder defender as posições ideológicas se as pessoas críticas a elas não forem ameaçadas), a desintegração de organizações terroristas seria uma mera formalidade. Eles não têm mais nada para sustentar, exceto a ideia de jihad e a recompensa no paraíso, a única recompensa no Islã. Por favor, observe os depoimentos dos terroristas Islâmicos e jihadistas, todos quase sem exceções, foram exaltados pela fé nesse credo e na recompensa.

O credo, portanto, deve ser desafiado com ousadia e desinteresse. Depois disso os jihadistas não saberiam o que fazer! Depois de completamente feito, conseguirá a vitória da liberdade de expressão/pensamento sobre dogmas Islâmicos sem qualquer derramamento de sangue. Isso também aliviará ipso facto milhões de Muçulmanos que vivem em escravidão pela ulemá, os guardiões do “partido do Islã”.

O Ocidente e o mundo livre não têm nada a perder se decidir fazer uma guerra contra os princípios sociopolíticos e jurídicos Islâmicos. Por favor note: será um ato civil, não militar. Portanto, nenhum derramamento de sangue estará envolvido. As ameaças iniciais de assassinato e violência por parte dos grupos Islâmicos, e regimes para estancar tal escrutínio ideológico aberto, seria totalmente insignificante em comparação ao que temos visto desde o Afeganistão, Paquistão até a Síria.

É também um direito humano básico bem reconhecido desde a época dos grandes Upanishads até Sócrates e a Reforma na Europa, onde todos estão satisfeitos com o seu direito de criticar um pensamento, uma ideologia, incluindo uma ideologia político-religiosa. Isto é mais válido no caso Islâmico, porque as proclamações Islâmicas nunca deixam os outros, os “infiéis” sozinhos. Então por que os outros não deveriam retribuir com veemência?

Por exemplo, por que um Hindu não deve dizer que a maioria das coisas pregadas em livros Islâmicos autoritários são simples ‘Adharma’, um monte de maldade, de acordo com o que os Hindus entendem por milênios? E, portanto, os Hindus e os Budistas, por exemplo, têm o direito de travar uma guerra contra as forças de asuri (demônio) representadas por todos os tipos de Islamistas. Da mesma forma, os liberais Ocidentais podem corretamente chamar os Islamistas de antidemocráticos, ditatoriais, desumanos e tratá-los com o desdém que merecem. Chegou a hora do Ocidente, bem como as outras sociedades não-Islâmicas ao redor do mundo, perceber o ponto crucial e evitar inibições. Tem sido contraproducente o tempo todo.

Dr. Shankar Sharan é Professor de Ciência Política no NCERT, Nova Delhi